Post destacado
AAEAAQAAAAAAAAgCAAAAJGFmOTBkYjM3LTdkOGUtNDNmOC1hYTQwLTkyODJjMjZiYTg5Ng

3 dicas rápidas para você se sair bem em uma apresentação

3 agosto, 2017 às 15:01  |  por Escola Conquer

No artigo “Porque temos medo de falar em público e como podemos superá-lo” descobrimos que o medo que sentimos em frente ao público é causado principalmente pela adrenalina, substância que, devido ao excesso presente no organismo nesses momentos, atrapalha nosso desempenho em uma apresentação.

Então, aqui vão três dicas rápidas para minimizar os efeitos da adrenalina durante uma apresentação:

1. Concentre-se no que os atores chamam de “batida fora do palco”

Quando grandes atores estão se preparando para entrar no palco, eles passam alguns minutos descobrindo de onde veio o personagem que eles estão interpretando. Eles vieram de uma reunião, uma briga, uma balada? O que quer que eles fizessem, eles tinham uma atitude em relação a isso, e eles levam essa atitude no palco com eles – essa é a batida fora do palco.

Ninguém vem do nada. Então você precisa de alguma atitude. É o seu momento de fazer uma apresentação. Lembre-se de como você chegou até ali. As pessoas querem te ouvir por uma razão. It’s show time.

2. Respire profundamente com a “barriga”.

Um dos efeitos da adrenalina é nos levar a ter pequenos suspiros de ar. Por causa do loop de feedback que nossos corpos nos fornecem, quando você se sente respirando superficialmente, você fica ainda mais agitado. Então, em vez disso, respire profundamente por sua barriga, expandindo-a enquanto você puxa o ar.

Não mova seus ombros para cima como a maioria faz quando respira; isso realmente faz seus pulmões ficarem menores. Em vez disso, expanda sua barriga e puxe o ar para o estômago. É contra seus instintos, então é preciso um pouco de prática. Mas funciona. Uma vez que você tenha uma barriga cheia de ar, tencione seus músculos abdominais para segurar o ar e solta-lo lentamente pelo nariz e boca. Com a prática, você poderá puxar bastante ar para falar por 45 segundos em uma respiração.

Essas respirações lentas e profundas desencadeiam uma resposta de relaxamento, diminuem sua frequência cardíaca e fazem você se sentir melhor.

3. Saia para caminhar ou ache outro exercício tranquilo.

Você terá que fazer isso uma ou duas horas antes do discurso, ou na manhã do discurso. Mas não exagere. Você não quer que isso desgaste você – ou faça você perder o horário.

A adrenalina é sua amiga; isso faz com que seu corpo e seu cérebro funcionem melhor. Então, primeiro, acostume-se e, em seguida, tenha certeza de que você sempre teve uma pequena adrenalina em momentos importantes para o impulso que te levará a sua melhor performance.

Confira o nosso curso de Oratória que se inicia dia 07/08 em Curitiba e São Paulo. Nele você irá perder definitivamente o medo de falar em público e irá aprender a fazer apresentações memoráveis, tudo com muita prática. Clique aqui e saiba mais.

.

Sobre a Escola Conquer: Desenvolvida no Vale do Silício, a Conquer ensina habilidades que as instituições tradicionais não ensinam, mas que são fundamentais para todos que querem performar em alto nível e chegar mais longe. www.EscolaConquer.com.br
Post destacado
certo

Como desenvovler autoconfiança para falar em público

27 julho, 2017 às 15:02  |  por Escola Conquer

A autoconfiança é o estado de sentir-se corajoso, seguro, como se naturalmente fôssemos capazes de superar qualquer desafio.

Isso quer dizer que a autoconfiança está diretamente atrelada a nossas realizações – pessoais e profissionais.

Esse sentimento é tão contagiante que nos estimula positivamente em vários momentos, inclusive, no momento de falar em público, pois faz com que o sentimento de medo e insegurança sejam substituídos por uma sensação fantástica de empoderamento!

 

Deixe-me explicar melhor:

 

Quando você se sente autoconfiante transmite isso através da comunicação não verbal: postura corporal e tom de voz seguros, gestos firmes e expressão facial autêntica. Ou seja, naturalmente você se tornar um comunicador melhor.

Tanto é verdade, que estudos comprovam que esta característica possui influência direta no nosso desempenho profissional.

No livro “O Poder da Presença”, a psicóloga Amy Cuddy, pesquisadora e professora da Harvard Business School, mostra que o entusiasmo com autoconfiança é um indicador muito útil de sucesso.

Amy cita que em estudos feitos com empresários, a qualidade da autoconfiança indica garra, disposição para trabalhar duro, iniciativa, persistência em face de obstáculos, atividade mental aprimorada, criatividade e capacidade de identificar boas oportunidades e ideias inovadoras.

 

Porém,

 

o contrário também é verdadeiro. Uma pessoa com um baixo índice de autoconfiança tende a se sentir muito mais ansiosa durante situações de estresse ou em ambientes de pressão, o que atrapalha o seu desempenho.

Momentos como o de falar em público são campeões em provocar medo e prejudicar a autoconfiança de quem está na frente do público.

 

medo

 

Em situações como essa, há o aumento do nível de adrenalina e cortisol (hormônios ligados ao estresse). Por esse motivo é que, antes de entrarmos no palco, ficamos com o batimento cardíaco acelerado, os nossos músculos se contraem e a voz soa trêmula. Ficamos em um estado completamente de alerta.

Parece bobagem? Mas não é!

Por isso, é fundamental desenvolver a autoconfiança para performar melhor nesses momentos.

Você não irá somente projetar um estado mental positivo, mas também será capaz de conquistar o palco e o seu público – e diversas outras coisas, tanto pessoal quanto profissionalmente.

 

Ter autoconfiança permite que você, corajosamente, atinja as suas metas e os seus sonhos. Este estado fará com que o que parecia impossível se torne possível e real. Por isso, prepara-se para se tornar um comunicador autoconfiante.

Todos, principalmente você, sairão ganhando.

Se você deseja se comunicar melhor e desenvolver sua autoconfiança para conquistar objetivos pessoais e profissionais, inscreva-se para o curso de Oratória da Conquer - disponível em Curitiba e São Paulo. Clique aqui para saber mais.

 

DICA PRÁTICA

Existem maneiras diferentes de aumentar a autoconfiança para falar em público e aqui vai algumas delas:

1. Autoconhecimento: Conheça os seus pontos fracos, mas principalmente saiba quais são os seus pontos fortes e foque neles!

2. Positividade: A famosa “psicologia positiva” cai como luva. A autoconfiança tem tudo a ver com um pensamento positivo. Focar em afirmações e frases de incentivo a si mesmo, ao nos motivar, nos tornamos capazes de resultados incríveis.

3. Apresentação Pessoal: Cuide do seu visual. Lembre-se que a comunicação não está apenas no que falamos, mas também na imagem que passamos.

4. Linguagem Corporal: A nossa postura modela o nosso comportamento. Ao se apresentar em público mantenha uma posturacorporal com confiança (imponente), procure sorrir e demonstrar naturalidade, busque um tom de voz e ritmo adequados.

 

Obama

 

 

 

Texto escrito por Marina Doliveira, advogada e professora de Oratória na Escola Conquer. 
Sobre a Escola Conquer: Desenvolvida no Vale do Silício, a Conquer ensina habilidades que as instituições tradicionais não ensinam, mas que são fundamentais para todos que querem performar em alto nível e chegar mais longe. www.EscolaConquer.com.br
Post destacado
Robots_1

10 habilidades necessárias para um profissional do futuro

6 julho, 2017 às 12:06  |  por Escola Conquer

De acordo com o Fórum Mundial de Economia, estamos vivendo a quarta revolução industrial.

E o que isso quer dizer, na prática?

Que tecnologias de robótica e inteligência artificial já se encontram em estágios tão avançadas que, em breve, inúmeros postos de trabalho poderão ser substituídos por máquinas, com ganho de produtividade para as empresas.

Essas mudanças irão transformar a maneira como vivemos e trabalhamos. Alguns postos de trabalho irão desaparecer, outros irão crescer e novos surgirão.

A única coisa certa diante de tudo isso é que a força de trabalho precisará se adaptar e desenvolver novas habilidades caso queira se manter no mercado de trabalho.

E que habilidades serão essas?

Em um relatório feito pelo Fórum Econômico Mundial, baseado em análises feitas por líderes de grandes empresas, chegou-se em 10 habilidades que serão mais requisitadas nesse novo cenário.

Confira quais são:

1. Capacidade de resolver problemas complexos

Dentro do mercado de trabalho, diariamente surgem situações incertas que exigem a tomada de decisões imediatas. Um profissional que tenha a capacidade de enxergar esse contexto com clareza e tomar decisões assertivas fica à frente de outros profissionais e até mesmo de Inteligências Artificiais.

Essa habilidade é exclusivamente humana (ainda).

2. Pensamento crítico

Perfil analítico e capacidade de filtrar informações importantes serão habilidades bastante valorizadas pelo mercado. Se por um lado as máquinas estarão fazendo grande parte de trabalhos operacionais, por outro será cada vez mais exigido a realização de um trabalho intelectual por parte dos humanos.

3. Criatividade

Com o aumento de novas formas de trabalho, novos produtos e novas tecnologias, os profissionais terão de se tornar mais criativos para serem capaz de se beneficiarem com tudo isso.

Além disso, a criatividade permite gerar soluções mais simples, eficazes e menos custosas para todo tipo de problema, o que sempre será valorizado pelo mercado.

4. Gerenciamento de pessoas

Gerir pessoas eficazmente é saber definir as necessidades de pessoal, saber atrair, contratar, motivar, desenvolver, reconhecer empenho entre outros. Essa habilidade fará total diferença em qualquer organização, independentemente do quão tecnológica ela seja.

As máquinas ainda não serão capazes de identificar todas as nuances existentes para um efetivo gerenciamento de pessoas.

5. Liderança

Essa habilidade não está ligada apenas ao papel do líder, mas a todos que trabalham se relacionando com pessoas. Trata-se de saber trabalhar em grupo, ser coordenado ou coordenar, saber dividir tarefas ou até saber dividir sua equipe com outros gestores. É sobre saber interagir, compartilhar e se auto-liderar.

6. Inteligência emocional

Inteligência emocional é um conceito relacionado com a “inteligência social”, presente na psicologia e criado pelo psicólogo Daniel Goleman. Um indivíduo emocionalmente inteligente é aquele que consegue identificar e controlar suas emoções com mais velocidade e facilidade, além de também ser capaz de perceber e gerir o melhor possível as emoções alheias.

Essa é uma habilidade que pode ser aprendida e desenvolvida. Por isso criamos um curso prático e imersivo para você potencializar essa inteligência. Saiba mais.

7. Capacidade de tomar decisões e ter um bom julgamento

Tomar decisões faz parte do dia a dia em qualquer trabalho, e o crescimento de uma empresa está diretamente relacionado a habilidade de tomar boas decisões. As máquinas, por enquanto, não possuem essa habilidade, razão pela qual ela será ainda mais valorizada.

8. Comunicação

É através da boa comunicação que somos capazes de deixar clara nossas necessidades, conduzir projetos eficazmente, orientar a equipe sobre os serviços que devem ser executados, ouvir e ser ouvido.

Hoje o poder da comunicação é uma das habilidades de maior importância para um profissional conquistar seus objetivos. E continuará tendo bastante relevância no futuro.

9. Negociação

A negociação está presente no nosso dia-a-dia. Mesmo sem percebermos, negociamos o tempo todo. O profissional que domina essa habilidade acaba conseguindo vantagens e resultados positivos na realização de suas atividades.

Como as máquinas não possuem essa habilidade, ela passará a ser mais valorizada pelo mercado.

10. Flexibilidade Cognitiva

Essa habilidade diz respeito ao profissional ser capaz de encontrar soluções que vão além do pensamento rotineiro. O conhecimento e capacidade de compreender conceitos de diversas áreas entram com tudo aqui.

A grande mensagem disso tudo é entender que a mudança não irá esperar por nós. Aqueles que desejam crescer profissionalmente precisam ser pró-ativos em desenvolver e potencializar habilidades para que possam se beneficiar das mudanças que a Quarta Revolução Industrial trará.

Caso você tenha interesse em crescer pessoal e profissionalmente, conheça a Conquer, uma escola que ensina habilidades necessárias para o crescimento profissional de acordo com as novas demandas do mercado. Mais informações podem ser obtidas no site www.escolaconquer.com.br.

Post destacado
Screen-Shot-2016-07-07-at-4.29.40-PM

Entenda quando o estresse pode ser bom para você

20 junho, 2017 às 15:16  |  por Escola Conquer

Estresse é algo ruim? Não necessariamente.

Bruce McEwen, neurocientista, professor da Universidade Rockefeller e autor do livro “O Fim do Estresse como Nós o Conhecemos” afirma que o estresse é fundamental para a nossa sobrevivência.

Isso porque ele nos deixa prontos para tomar decisões mais rápidas e a guardar informações que podem nos ajudar a encarar os mais diferentes tipos de desafios.

Em outras palavras: pessoas com um nível de estresse mais elevado potencializam a sua capacidade de superar um problema.

McEwen explica como isso funciona em uma entrevista cedida à Revista Super Interessante: “A chave desse processo é o cortisol, conhecido como hormônio do estresse e liberado pelo cérebro em situações de pressão. Como o cortisol está relacionado ao hipocampo, uma parte do cérebro importante para a memória e para o aprendizado, sabemos que o disparo desse hormônio faz com que fiquemos mais vigilantes. ”

Há, no entanto, que averiguar o nível de estresse, pois existem três degraus: o bom, o tolerável e o tóxico. Para estar no nível recomendado, McEwen sugere que respondemos as seguintes perguntas:

“Você se sente capaz de resolver seus problemas pessoais? ”; “Você tem conseguido controlar sua irritação?” e “Você sente que as dificuldades têm sido tão grandes que não poderá vencê-las?”.

Sob o estresse temos mais força para atuar

giphy força

Outro estudo realizado na Universidade de Harvard também aponta que o estresse, em determinadas situações, pode ser benéfico. Para isso, é necessário mudarmos nossa percepção sobre ele.

Normalmente, em uma situação de estresse, nossas artérias se contraem – por isso há tantos casos de infartos que levam à morte. Porém, nesse experimento, as artérias se dilataram.

Como?

Os pesquisadores submeteram as pessoas a um momento de estresse: eles a colocavam para falar em público, com várias pessoas criticando a sua postura. A pessoa testada ficava estressada e eles faziam um exame para saber qual era o fluxo de sangue no coração e, como esperado, os vasos sanguíneos se contraíam.

No entanto, se antes de colocar a pessoa no palco eles explicassem que aquela sensação era algo positivo, ou seja, que aquilo era seu corpo a ajudando a superar o desafio, as artérias que se ligam ao coração ao invés de se contraírem se dilatavam – da mesma forma que ocorre quando estamos felizes e entusiasmados.

Ou seja, pensar a sensação do estresse como algo positivo causava um impacto realmente benéfico nas pessoas, deixando-as com mais energia e mais corajosas para enfrentar o desafio.

O estresse como aliado

Em um excelente TED, a psicóloga Kelly McGonigal explica que isso acontece pois, com o coração batendo mais forte, ficamos mais preparados para a ação, e com a respiração mais rápida, estamos levando mais oxigênio ao cérebro.

Por isso, quando você sentir que o seu corpo está entrando em estado de estresse, pense como sugere McGonigal: “isso é o meu corpo me ajudando a vencer esse desafio”.

clock-wallpaper-20

3 dicas práticas para você render mais no trabalho

1 junho, 2017 às 18:25  |  por Escola Conquer

Um estudo recente feito pela Deloitte nos Estados Unidos revelou que, no país, a quantidade média de verificações do celular é de 46 vezes ao dia, aumentando para 74 na faixa dos 18 aos 24 anos.

Se, por um lado, o acesso facilitado à informação nos traz diversos benefícios – como oportunidades de aprendizado, comunicação instantânea e conexões com pessoas e instituições do mundo todo – por outro, devemos cuidar para que o constante fluxo de novidades que chega até nós não prejudique nossa capacidade de concentração e consequentemente nosso desempenho.

Segundo Cal Newport, cientista da computação e professor na universidade de Georgetown, checar nossos dispositivos com tanta frequência pode comprometer nosso desempenho profissional. De acordo com Newport, a ideia de produtividade “multi-tarefas” é errada, pois nosso cérebro, ao mudar de uma tarefa para a outra, mantém parte da nossa atenção na atividade original, o que acaba afetando nossa performance na nova atividade.

Em seu livro “Deep Work – Rules for focused success in a distracted world”, o autor analisa a importância de nos mantermos livres de distrações para sermos capazes de realizar o que ele chama de “trabalho profundo”, o tipo de trabalho que requer grandes quantidades de concentração e que tem resultados mais relevantes – como realizar um planejamento estratégico, avaliar resultados estatísticos ou até mesmo se aprofundar em uma leitura importante. O oposto, portanto, de “trabalhos rasos”, que são mais fáceis de realizar e exigem pouca atenção.

E por que é importante conseguir se focar e realizar “trabalho profundo (deep work)”?

Porque com a evolução da tecnologia, cada vez mais trabalhos rasos serão automatizados e realizados por máquinas e computadores. O profissional que fará a diferença no futuro será aquele capaz de resolver problemas complexos, o que só é possível fazer com foco.

Sendo assim, o autor recomenda as três estratégias para aumentarmos nosso foco:

 1.       Agende suas distrações

bg-agendamento

Ao agendarmos nossas distrações durante o dia, somos capazes de nos manter concentrados por períodos maiores de tempo, sem interrupções, ao invés de alternarmos constantemente entre telas e tarefas.

 2.       Tenha um ritual de trabalho profundo

o-que-e-tecnica-pomodoro-e-como-funciona-cover

Cal recomenda que as sessões de trabalho profundo sejam consistentes durante o dia e a semana. O melhor horário para isso, segundo ele, é de manhã cedo, quando ainda não precisamos lidar com e-mails e interrupções constantes, e temos o tempo e o silêncio necessários para nos concentrarmos melhor.

Porém, como pessoas possuem ritmos de vida e energia diferentes, o recomendável é que cada um encontre o momento em que funcione melhor e realize o “trabalho profundo” nesse período, aproveitando ao máximo seu nível de energia e produtividade.

A técnica Pomodoro é uma excelente forma de agendarmos nossas distrações e desenvolvermos um ritual de trabalho profundo. A técnica consiste em agendar períodos de 5 minutos de distração e descanso a cada 25 minutos ininterruptos de trabalho. Após 4 repetições deste ciclo, um descanso mais longo, de 15 a 30 minutos, pode ser realizado. Existem diversos aplicativos e sites que podem ser utilizados para aplicar a técnica no seu dia-a-dia, incluindo aplicativos que bloqueiam o acesso do seu celular à internet durante o período de trabalho – como o Forest (https://www.forestapp.cc/en/).

 3.       Desligue-se ao final do dia

switch

Finalmente, o autor sugere que façamos uma sessão de desligamento ao final de cada dia, anotando tudo o que precisamos fazer no dia seguinte, e os passos que iremos tomar para realizar estas atividades. Ao anotarmos, transferimos os pensamentos da cabeça para o papel, o que traz dois benefícios: dormimos mais calmos e com menos pensamentos gerando ruído em nossa mente, e nos planejamos melhor para as tarefas do dia seguinte. Mais do que apenas psicológico, uma boa noite de sono é essencial para que nosso corpo restaure nossa capacidade de concentração para o próximo dia que virá.

 

Sobre a Escola Conquer: Desenvolvida no Vale do Silício, a Conquer ensina habilidades que as instituições tradicionais não ensinam, mas que são fundamentais para todos que querem performar em alto nível e chegar mais longe. www.EscolaConquer.com.br

Gary_Vaynerchuk_300dpi

7 dicas de empreendedores de sucesso para a sua carreira

23 maio, 2017 às 15:48  |  por Escola Conquer

“O sucesso é ir de fracasso em fracasso sem perder o entusiasmo” – Winston Churchill

Sucesso é algo relativo, depende muito do que você deseja para sua vida. O que não é relativo, porém, é que para você crescer profissionalmente, seja empreendendo ou dentro de uma empresa, é preciso ralar. E ralar muito – algo que não é nada fácil.

Para ajudar você a se inspirar nessa empreitada, separamos 7 dicas de empreendedores que tiveram sucesso em seus negócios e que poderão contribuir com algum insight para o seu desenvolvimento.

Confira as dicas a seguir:

1) “No mundo de hoje, com o rápido desenvolvimento da tecnologia, os profissionais lentos estão ultrapassados. É necessário ser ágil, objetivo e incansável. Para tomar decisões rápidas e eficientes é preciso estar muito bem preparado”- Abílio Diniz, presidente do Conselho Administrativo da BRF

abilio-diniz

O profissional de hoje precisa estar o tempo todo buscando formas de fazer o trabalho melhor. Quem fica parado, facilmente fica para trás ou é engolido pela concorrência.

Para isso, é preciso ter Alta Performance no dia-a-dia e Visão para pensar fora da caixa. Essa maneira de pensar “fora da caixa”, aliada a uma rápida execução, coloca o profissional em outro patamar.

2) “Sou um cara muito organizado e disciplinado. Sempre pratiquei esporte, pelo menos uma hora por dia, independente do que estiver acontecendo no mundo” – Jorge Paulo Lemann, sócio da investidora 3G Capital Partners.

Jorge Paulo

Há pesquisas científicas que indicam que praticar esportes é capaz de deixar a pessoa mais inteligente. Isso acontece porque a prática fortalece a capacidade mental, desenvolve o intelecto, além de ser grande aliada no combate à depressão.

Os estudos indicam que os exercícios diários regulam a ansiedade, os níveis de estresse, a habilidade de perseverar e superar as frustrações. Sendo assim, os que desejam aumentar o seu potencial intelectual não devem exercitar somente o cérebro, mas todos os músculos do corpo.

Jorge Paulo Lemann que o diga.

3) “Trabalho: essa é a variável do sucesso que você pode controlar” – Gary Vaynerchuck, fundador da Vaynermedia, empresa milionária de marketing digital.

Gary-Vaynerchuk

Se existe algo em comum entre todas as pessoas que chegaram mais longe é o trabalho. Muito trabalho. Se você deseja realmente fazer a diferença, tem que estar disposto a ralar muito, todos os dias, para tornar isso real.

4) “Cada pessoa carrega dentro de si um dom, uma aptidão, um talento. O sucesso acontece quando a pessoa consegue transformar este talento em uma fonte de renda. O momento certo irá variar de pessoa para pessoa de acordo com o projeto de vida de cada um” – Carlos Wizard, fundador de um dos maiores grupos de educação do mundo, o Grupo Multi.

Carlos Wizard

 

Hoje nós vivemos em uma das melhores épocas do mundo para você tornar seus sonhos reais. E por que isso? Por causa, principalmente, da internet. Essa ferramenta incrível permite que você seja capaz de criar fontes de renda para os seus talentos, com baixo ou nenhum investimento inicial.

Se você tem talento para cozinhar, pode criar um canal no youtube para mostrar suas receitas. Se você tem talento para escrever, pode criar um Blog e mandar ver. Se você gosta de Flores, pode criar um Instagram para mostra-las e falar sobre elas. Enfim, as possibilidades são inúmeras – e todas podem se tornar rentáveis.

E claro, apenas talento não basta. É preciso ralar muito para fazer sua aptidão natural se destacar de verdade.

5) “Foram muitos os aprendizados e o mais importante é nunca parar de buscar conhecimento, evoluir como pessoa e profissional, pois as oportunidades não gostam muito da zona de conforto” – Ana Paula Padrão, empresária, empreendedora, jornalista e apresentadora.

Ana Paula

Nunca pare de buscar conhecimentos.

Nunca pare de querer evoluir como pessoa e profissional.

Fuja da sua Zona de Conforto (colocar link do artigo).

Precisa dizer mais?

6) “Todas as pessoas de sucesso tem pelo menos uma coisa em comum: eles erraram várias e várias vezes antes de encontrar a solução certa. ” Richard Branson, empresário fundador do grupo Virgin.

branson-richard-sucesso

Antes de acertar há que errar uma, duas, três,  mil vezes. Não existe sucesso sem erros. Temos que ter em mente que errar é, na verdade, aprender – e aprender sempre vai ser melhor do que não fazer.

7) “Você não precisa ser um gênio, um visionário ou até mesmo formado na universidade. Para ser bem-sucedido você precisa apenas de uma estrutura e um sonho” – Michael Dell, fundador da Dell.

michael-dell-quotes

A ideia de que você precisa ser PHD ou ter várias graduações para então fazer acontecer é simplesmente errada. O que mais conta é o quão forte são seus sonhos e o quão disposto você realmente está para fazê-los acontecer.

Vários empreendedores de sucesso sequer possuem graduação, como é o caso do Mark Zuckerberg, do Steve Jobs, do Flávio Augusto – da Wise Up e do próprio Michael Dell.

Claro que a preparação é fundamental: é preciso estar constantemente buscando se desenvolver, ser melhor. Mas isso não quer dizer que você precisa necessariamente recorrer aos meios tradicionais, como faculdades, pós ou MBAs para obter esses aprendizados.

Existem hoje formas alternativas de educação que proporcionam aos seus alunos um aprendizado inovador e prático voltado para o desenvolvimento pessoal e profissional. O enfoque dessas iniciativas é, principalmente, desenvolver em seus alunos habilidades que as instituições tradicionais não ensinam, mas que são fundamentais para o crescimento pessoal e profissional.

E esse é justamente o caso da Conquer, uma escola desenvolvida no Vale do Silício que acelera o crescimento pessoal e profissional dos seus alunos. Para saber mais acesse www.escolaconquer.br

Mistake-Driven-Learning

Celebre seus erros

9 maio, 2017 às 15:28  |  por Escola Conquer

Da próxima vez que você cometer um erro, celebre-o.

Isso mesmo, você não leu errado. Quando cometer algum erro, celebre!

Ouvir isso pode soar um pouco estranho, pois a maioria de nós se sente bastante frustrado quando comete um erro. Alguns até ficam bravos consigo mesmos e consideram o erro um sinônimo de incompetência.

Isso acontece porque crescemos e fomos educados de forma a considerar erros coisas exclusivamente ruins, que devemos evitar a todo custo – tanto na escola, quanto em casa ou no trabalho.

Por um lado, não podemos ignorar o fato de que alguns erros podem sim trazer graves consequências ou resultados irrecuperáveis. Problemas acontecem, acidentes acontecem, e precisamos ter maturidade de assumirmos a responsabilidade e lidarmos com as consequências, também.

Por outro lado, sem o erro nós não poderíamos aprender ou crescer.

Errar é fundamental para nossa evolução.

Afinal, foi através de testes e erros – experimentando coisas novas, errando e aprendendo com esses erros – que fomos capazes de criar a lâmpada, voar, descobrir a cura de doenças, etc.

É por conta do erro, inclusive, que muitas das formas de vida existem hoje no mundo. Não fossem os erros -  ou melhor, as mutações ocorridas ao longo de milhares de anos, a vida seria muito diferente e menos diversa do que como a conhecemos hoje.

Como nos diz Emerson:

“A vida é um experimento; quanto mais experiências, melhor”.

E quanto mais novas experiências, invariavelmente mais erros existirão.

Por isso, devemos mudar nossa relação com o erro: ao invés de você se punir ou sofrer toda vez que o comete, comece a exergá-lo como informação, como conteúdo.

Como assim?

O erro te fornece dados concretos do por que determinada coisa não funcionou. Ele te dá informações valiosíssimas de algo que não deu certo. Com essas informações em mãos, você se torna mais propenso a acertar das próximas vezes.

O erro, portanto, é uma excelente ferramenta de aprendizado.

Um dos lemas do Vale do Silício, região dos Estados Unidos considerada a mais inovadora do mundo, é: “falhe antes e falhe melhor”. Este lema é um claro incentivo ao erro. Isso porque, lá, existe uma cultura de tratar o erro como uma fonte de informações, pois ele mostra um caminho a não ser seguido.

Pensando de forma matemática, quando você erra você aumenta as suas chances de, na próxima vez, acertar, pois exclui uma alternativa de ação por saber que ela estava errada.

Além disso, estes profissionais inovadores do Vale também consideram o erro como um diferencial competitivo: quando você erra antes do seu concorrente, você obtém um aprendizado que ele ainda não possui.

Elon Musk, um dos empreendedores mais inovadores da atualidade, diz:

“Se você não está falhando, você não está inovando o suficiente”.

Ele claramente incentiva o erro dentro de suas empresas, pois sabe que é impossível evoluir sem ele.

E é preciso reforçar isso: incentiva-se o erro pois ele é ferramenta de aprendizado. Após cometer o erro, avalia-se o por que ele aconteceu para otimizar as próximas ações.

Portanto, se você valoriza o aprendizado, o crescimento e o aperfeiçoamento, você pode e deve celebrar seus erros.

Eles são ferramentas fantásticas para proporcionar tudo isso.

.

Sobre a Escola Conquer: Desenvolvida no Vale do Silício, a Conquer ensina habilidades que as instituições tradicionais não ensinam, mas que são fundamentais para todos que querem performar em alto nível e chegar mais longe. www.EscolaConquer.com.br

Deltan

Deltan Dallagnol diz o que você precisa fazer para ser um profissional acima da média

25 abril, 2017 às 16:00  |  por Escola Conquer

Deltan Dallagnol, procurador do Ministério Público Federal e reconhecido por ser um dos protagonistas da Operação Lava-Jato –, além de ser uma das pessoas que faz com que ainda tenhamos esperanças no país -, fez uma palestra em Curitiba falando sobre quais, na sua opinião, são os requisitos para um profissional ser acima da média em qualquer área de atuação.

Segundo o Procurador, para um profissional se destacar é necessário, em primeiro lugar, ter auto–conhecimento, para você saber o que realmente gosta de fazer. Uma vez identificado isso, então é necessário trabalhar duro e buscar a excelência – todos os dias.

É necessário buscar se desenvolver, se aperfeiçoar, buscar ser melhor todos os dias. Sem isso, é impossível chegar mais longe”, disse Deltan.

Deltan comentou, ainda, sobre a importância de saber aproveitar os recursos à sua disposição – sejam eles muitos ou poucos – para fazer a diferença agora, com aquilo que você tem.

Outro fator importantíssimo é a resiliência:

As adversidades virão e são inevitáveis; cabe a você decidir se elas vão fazer você desistir ou te tornarão mais fortes”.

Deltan encerrou sua palestra deixando a todos os participantes um recado: é responsabilidade de cada um de nós construirmos um futuro melhor para nosso país, não apenas das instituições ou do governo. “Em todas as nossas ações – ou omissões -, estamos contribuindo para construir o futuro do país. Cabe a cada um de nós escolher qual futuro que desejamos construir para o Brasil. Eu escolhi lutar para construir o melhor, e você?”

Em resumo, de acordo com Deltan Dallagnol, para você ser um profissional acima da média é necessário:

  • Auto-conhecimento: você deve buscar saber o que gosta ou não gosta de fazer;
  • Trabalhar duro: só é possível chegar mais longe com muita dedicação;
  • Resiliência: fundamental para você seguir firme diante das adversidades;
  • Protagonismo: você deve assumir como sua – e apenas sua – a responsabilidade de alcançar os seus objetivos, bem como a de construir um país melhor.

E você, também deseja fazer a diferença?

Então conheça a Conquer, escola inovadora que desenvolve em seus alunos habilidades não ensinadas pelas instituições tradicionais mas que são fundamentais para quem deseja chegar mais longe e fazer a diferença. Clique aqui para saber mais.

Lamps- 018

Você conhece a Matriz da Marca Pessoal?

13 abril, 2017 às 16:36  |  por Escola Conquer

Falamos neste post sobre a importância da visibilidade e da reputação para a construção da nossa Marca Pessoal e da importância de cultivarmos uma Marca Pessoal forte se quisermos ter um bom networking que possa abrir portas e alavancar nossa carreira.

Jeff Buzos, fundador da Amazon.com, define marca pessoal como “o que as pessoas dizem sobre você quando você não está na sala”.

Já os autores David McNally e Karl Speak falam de “uma percepção ou emoção que as outras pessoas têm e que descreve a experiência total de se ter um relacionamento com você”.

Ambas as definições têm um ponto em comum: nossa marca pessoal não é simplesmente criada por nós mesmos: ela é validada pela percepção que os outros possuem de nós.

E o que podemos fazer com essa informação?

Melhorar nossa Marca Pessoal. Como?

Primeiramente, é preciso analisar. A análise da nossa Marca Pessoal pode ser feita através de uma ferramenta simples: a Matriz da Marca Pessoal.

De forma visual, a matriz cruza dois aspectos essenciais da nossa marca – nossa visibilidade e nossa reputação. Utilizando ela, fica mais fácil compreendermos o que exatamente devemos trabalhar para fortalecer nossa marca.

Eis a Matriz da Marca Pesoal:

artigo

Vamos agora à análise de cada um desses quadrantes para identificarmos que ações podem ser feitas para melhorarmos nossa Marca:

Quadrante 01: Boa Reputação x Alta Visibilidade

Profissionais de sucesso estão comumente localizados no quadrante 01: possuem ótimas reputações – tanto por seus resultados quanto pelo seu comportamento – e têm alta visibilidade, ou seja, são conhecidos por uma grande quantidade de pessoas.

Pense em alguém que é reconhecidamente um ótimo profissional. Alguns nomes devem ter vindo rapidamente à sua mente. São esses profissionais que se encontram nesse quadrante, pois a alta visibilidade garantiu que eles fossem lembrados rapidamente, e suas boas reputações os fizeram ser identificados como experts.

Isso resulta em uma fortíssima Marca pessoal – se você é conhecido pelo seu trabalho e as pessoas confiam em você, oportunidades de crescimento de carreira não faltarão. É este posicionamento que você deve buscar se deseja ser grande em sua área de atuação.

O que fazer?

Continue fazendo um bom trabalho e mantenha-se atualizando. Seus resultados já falam – e continuarão falando – por você.

Quadrante 02: Má Reputação x Alta Visibilidade

No outro extremo encontra-se o quadrante 02, que deve ser evitado ao máximo. Ser conhecido por muita gente pode ser excelente, mas apenas se sua reputação for positiva. Caso contrário, os resultados são extremamente prejudiciais. Ao invés de se abrirem portas, grandes oportunidades podem ser perdidas simplesmente pelo que as pessoas sabem e comentam sobre você, sem que você ao menos tenha a chance de se apresentar e eventualmente provar que é bom.

Uma reputação manchada é difícil de ser recuperada. Você provavelmente já conheceu alguém que as pessoas dificilmente indicariam para uma vaga de emprego. É deste profissional que estamos falando.

O que fazer?

Empresas contam com um departamento de Relações Públicas responsável exclusivamente pela manutenção da sua reputação perante a sociedade. No caso da Marca Pessoal, seu Relações Públicas é você mesmo.

Há uma frase de Orlando A. Battista que diz: Um erro não se torna uma falha até que você se recuse a corrigi-lo.

E quando falamos de correção, tempo é tudo. Quanto antes um erro for corrigido, esclarecido ou compensado, menor serão os impactos causados e mais fácil será a recuperação.

De modo geral, evite ao máximo deixar com que sua marca pessoal chegue neste ponto. Trabalhe duro e com integridade, busque feedbacks constantes de pessoas próximas sobre seus resultados e comportamentos e ajuste-os conforme necessário.

Entretanto, caso já esteja aqui, você terá que se esforçar em dobro para conseguir se provar. Tenha paciência e seja consistente. O trabalho será grande, mas nem tudo está perdido.

Quadrante 03: Boa Reputação x Baixa Visibilidade

Vamos ao quadrante 03. Seu trabalho é bom e as pessoas confiam em você, mas ainda poucas pessoas sabem quem você é. Este é o quadrante mais comum de se estar. A maioria dos profissionais faz um trabalho relativamente bom, mas não “sabe se vender bem”.

O que fazer?

Se este também for o seu caso, o negócio aqui é investir em marketing pessoal.

Você possui um perfil completo e detalhado no LinkedIn? Participa de eventos na sua área de atuação? Conhece pessoas de diversas áreas e empresas, e elas sabem exatamente o que você faz e onde deseja chegar? Você produz algum tipo de conteúdo que demonstra seu conhecimento em sua área? Procura se manter atualizado com cursos, workshops, treinamentos e outras formas de desenvolvimento?

Trabalhar estes aspectos ajudará sua marca pessoal a ser mais conhecida pelo mercado.

Quadrante 04: Má Reputação x Baixa Visibilidade

Finalmente, o quadrante 04. Uma má reputação aqui não é tão danosa quanto a do quadrante 02 – e é muito mais fácil de ser recuperada. Pode ser que você tenha cometido algum deslize em um momento de sua carreira que te custou certa confiabilidade, mas se sua visibilidade ainda é baixa, ainda há tempo para que isso seja corrigido.

O que fazer?

O ideal aqui é que você desempenhe seu trabalho com qualidade, cumprindo com seus compromissos e vá, aos poucos, conquistando a confiança das pessoas e do mercado novamente. Com sua reputação recuperada, aí sim invista no seu marketing pessoal e busque ser conhecido por mais pessoas na sua área.

Dizem que existem dois grandes motivos pelos quais falhamos profissionalmente: ou porque não sabemos o que deve ser feito, ou porque sabemos, mas não fazemos.

Em relação à Marca Pessoal, reputação e visibilidade, agora você sabe.

Cabe a você decidir trabalhar esses aspectos em busca do quadrante 01, alavancando sua carreira e – por que não – tornando-se o próximo expert da sua área de atuação.

 .

Sobre a Escola Conquer: Desenvolvida no Vale do Silício, a Conquer ensina habilidades que as instituições tradicionais não ensinam, mas que são fundamentais para todos que querem performar em alto nível e chegar mais longe. www.EscolaConquer.com.br

Como obter confiança antes mesmo de as pessoas te conhecerem

4 abril, 2017 às 18:00  |  por Escola Conquer

Resultado de imagem para marca pessoal

Muitas vezes, enxergamos o networking como simplesmente a aquisição de novos contatos. Conhecendo mais pessoas, temos mais visibilidade no mercado de trabalho e, portanto, maiores chances de receber uma indicação, um convite ou fechar uma parceria, certo?

Mais ou menos!

Ao considerarmos apenas esse aspecto, podemos acabar esquecendo da importância da nossa reputação para o networking, ou seja, a qualidade daquilo que os outros conhecem sobre nós, e que é formada tanto de fatores objetivos – os resultados que alcançamos – quanto de fatores subjetivos – nossa personalidade, postura, atitudes e comportamentos recorrentes.

Somadas, visibilidade e reputação formam o que chamamos de marca pessoal ou Branding Pessoal.

E é esse Branding pessoal que pode conquistar – ou comprometer – a confiança das pessoas em nós antes mesmo de elas nos conhecerem.

Da mesma forma que grandes empresas e instituições utilizam suas marcas para representar de forma direta a sua essência – suas principais características que as diferenciam dos competidores –  nós, enquanto profissionais, e especialmente enquanto empreendedores ou pequenos empresários, também devemos cultivar a construção de um branding pessoal forte se quisermos aumentar nossas oportunidades de negócios e acelerar o nosso desenvolvimento.

 Resultado de imagem para personal branding

Por que o Branding Pessoal é tão importante?

O desenvolvimento do seu branding pessoal está diretamente ligado com o seu sucesso profissional.

Primeiro porque você precisa de visibilidade para que outros profissionais na sua área de atuação ouçam falar sobre você. Quem não é visto não é lembrado, certo?

Segundo porque potenciais clientes, parceiros ou contratantes que ainda não te conhecem de perto precisarão buscar indicadores confiáveis da qualidade do seu trabalho, do seu comportamento e da sua postura profissional antes de fazerem negócios com você. E é conhecendo sua reputação que eles conseguirão obter essas “provas” e confiar em você o suficiente para uma nova parceria, um novo contrato ou um novo emprego, por exemplo.

É o branding pessoal, portanto, que fará com que as pessoas confiem em você ou no seu negócio antes mesmo de te conhecerem. É ele que te abrirá portas, e é por isso que ele deve ser cuidadosamente desenvolvido.

 

E como você pode desenvolver seu Branding Pessoal?

É importante ressaltar que a criação de um branding pessoal é um processo contínuo que deve ser explorado todos os dias, e não algo que é feito apenas uma vez e finalizado.

Tudo o que você faz no dia-a-dia contribui para a construção e o fortalecimento da sua marca – para o bem ou para o mal. Coisas simples, desde a forma como você se veste e se apresenta, seu título profissional, sua postura, sua presença nas redes sociais e, claro, seus resultados atingidos.

Explicamos aqui três formas simples e práticas de fortalecer seu branding pessoal no mercado. Aproveite-as para refletir sobre a direção que sua marca pessoal tem tomado e fazer os ajustes necessários, caso julgue necessário.

1. Entenda-se!

Imagem relacionada

O autoconhecimento é o fator base para a construção da sua marca.

O que te faz diferente dos outros profissionais que realizam atividades semelhantes às suas – dentro da sua empresa ou no mercado de trabalho? Que características as pessoas costumam elogiar em você – e no seu desempenho? Que sugestões de melhoria você já recebeu de colegas, chefes, parceiros ou subordinados?

Considere aspectos objetivos – resultados alcançados até então – e subjetivos – hábitos, postura e comportamentos.

Passe um tempo considerável refletindo sobre estas questões – e discutindo-as com amigos e familiares, pessoas que você sabe que pode confiar. É sempre bom poder contar com a opinião de pessoas que desejam o nosso melhor.

2. Crie e Compartilhe!

Resultado de imagem para redes sociais

Uma das formas de expressar seu branding pessoal às pessoas é pelo tipo de conteúdo que você cria e compartilha, ou seja, pela forma como você se apresenta na internet e nas redes sociais.

Tudo aquilo que você produz, seja em textos, vídeos, imagens ou qualquer outra forma de comunicação, carrega características suas: pelo conteúdo apresentado, pelo tom da mensagem e pela escolha de palavras.

Similarmente, o compartilhamento de conteúdo de terceiros também representa indiretamente que você concorda com aquele ponto de vista ou que aquela abordagem e postura estão alinhadas com as suas.

Por isso, crie conteúdos que demonstrem seus conhecimentos, pontos de vista e valores, e faça uso das redes sociais para que estes conteúdos sejam vistos por mais pessoas. E, quando for compartilhar algum conteúdo, certifique-se de que você realmente confia na fonte, acredita no que está sendo dito e, principalmente, se aquele conteúdo verídico.

3. Conecte-se!

Resultado de imagem para networking

Dizem que somos uma média das 5 pessoas com as quais mais convivemos – o que os antigos chamariam de “diga-me com quem andas e te direi quem és”.

Se, por um lado, enquanto pessoas não podemos limitar nosso julgamento apenas às nossas companhias, por outro, não podemos negar que costumamos nos associar e nos aproximar daqueles que compartilham interesses, valores e comportamentos conosco.

Por esse motivo, preste bastante atenção aos profissionais e amigos que você escolhe se associar e identifique se eles transmitem valores semelhantes aos seus. O mesmo vale para empresas, fornecedores e empresas parceiras em geral.

Uma boa rede de contatos, com profissionais de habilidades semelhantes ou complementares às suas, nos quais você confia e que também confiam em você, pode amplificar ainda mais a divulgação do seu trabalho para potenciais clientes e parceiros que ainda não te conhecem, abrindo portas e gerando oportunidades de avanço da sua carreira e da sua empresa.

 .

Sobre a Escola Conquer: Desenvolvida no Vale do Silício, a Conquer ensina habilidades que as instituições tradicionais não ensinam, mas que são fundamentais para todos que querem performar em alto nível e chegar mais longe. www.EscolaConquer.com.br