Coritiba, um frágil visitante.

25 maio, 2015 às 09:41  |  por Capitão Hidalgo

Jogando fora dos seus domínios, o time do Coritiba mais uma vez perdeu e com isso vai somando uma estatística de maus resultados nesses 4 últimos campeonatos nacionais.  Ontem, em Recife, contra o Sport, aconteceu a mesma coisa. Os números são alarmantes, afinal, em 78 jogos como visitante apenas ganhou 10 partidas. Na verdade isso é um exagero que mostra falta de personalidade, qualidade de elenco, e muito mais, péssimas direções que passaram pelo clube . Não adianta esconder esse fracasso, pois, o torcedor vai se irritando a ponto de perder a paciência. Parece que o clube não reage a essas derrotas tratando como fosse uma mera casualidade. A mudança no comando do clube, após as eleições de dezembro, vem mostrando que nada se alterou. Pelo contrário, até elementos do G5, já se mandaram.

Outro que patinou foi o Paraná Clube ao tropeçar em casa contra o Boa Esporte(1×1). É o preço que esse clube vem passando com seus problemas crônicos, afinal, mesmo havendo uma troca de presidente com entrada de outros personagens, não se vê nada de novo nos times montados. Agora, como a missão está nas mãos do Vavá, diretor de futebol, este andou correndo o trecho para trazer jogadores de técnica duvidosa, afinal, sem dinheiro, ninguém faz milagre. Se já não bastasse, o técnico Nedo Xavier, conhecedor de  Série B, não tem ao seu lado uma boa comissão técnica.  

 Quem saiu feliz da Arena foi o torcedor do Atlético Furacão, e não é por menos, afinal, ganhou do Galo Mineiro(1×0). Importante dizer que jogando em casa é o 2º bom resultado colhido, pois, ganhou do Internacional e agora do Atlético Mineiro. Se jogar fora ainda é uma dúvida, o negócio é ganhar em casa. Como disse, anteriormente, o melhor mesmo é ficar com os pés no chão.

As vitórias do Goiás, Avaí, Chapecoense e Sport,  não são favoráveis ao futebol paranaense. É fácil explicar, sobretudo, por serem equipes classificadas pelo público como regulares no Brasileirão, ou, do mesmo patamar técnico das equipes da nossa capital.

Minha gente, todos sabemos que a alegria de uma partida de futebol está na feitura do gol. Se de bico, canela, contra, olímpico, cabeça,trivela ou de ombro, enfim, gol é gol e fim de papo. Acontece que os árbitros estão exagerando no quesito de dar cartão amarelo para o goleador que for abraçar a galera. O atacante atleticano paranaense, Douglas Coutinho, após o gol da vitória correu em direção de sua torcida e na volta ao gramado ganhou um cartão de presente. Acho uma mediocridade essa determinação.

Lembre-se: Que o melhor da vida é sua história.

Técnicos ressabiados.

22 maio, 2015 às 10:40  |  por Capitão Hidalgo

Não ficará somente nos técnicos, Felipão e Drubski, as demissões precipitadas dos dirigentes nesse Brasileirão/2015, afinal, em apenas duas rodadas os clubes nos mostram que não  estão honrando a continuidade desses profissionais, com a alegação sejam eles os maiores culpados de maus resultados. Podem ter certeza que não vai parar nesses profissionais citados, e o maior culpado é a falta de qualidade individual dos atuais jogadores, que estão correndo atrás da bola nesse apático futebol brasileiro. Na verdade não há critério, tanto na escolha como na demissão, e os mais prejudicados são os próprios torcedores. A condução dessa análise é a estagnação pela falta de dinheiro, no gasto de forma irracional e a consequente demora da recuperação clubística. O futebol brasileiro tem que voltar aos trilhos.

Muito melhor que tenha ganho a partida jogada, ontem, em Buenos Aires, quando o time cruzeirense venceu o “temível’ River Plate (1×0), com gol do meia Marquinhos. Confesso que fiquei surprêso com essa vitória, por alguns motivos e o principal deles é que a equipe da raposa não vem atuando bem no momento, inclusive, andou perdendo o título estadual para o Galo Mineiro, aniquilou aquele seu elenco maravilhoso com as vendas dos seus principais jogadores. Portanto, melhor assim. Espero que o Internacional venha se recuperar no jogo em casa contra o time colombiano. Quem vem bem é o time do Guarani do Paraguai, ao vencer o time argentino do RAcing, podendo chegar ao título dessa temporada na Libertadores de América.

As coisas estão mais claras, no Coritiba, com as saídas de Ricardo Guerra e Prof. Medina. O profissional, Medina, anda dizendo que não houve sequência no plano que estava determinado e sua instisfação foi tanto que pediu o boné. Quanto ao empresário e participante do G5 , Guerra, acho que ele viu que a condição financeira do clube demorará a entrar nos eixos, jogou no ar que também andava insatisfeito com os rumos do clube, e saiu de forma inesperada. A certeza de tudo é que outras cositas más aparecerão, o que é profundamente lastimável. Falando do time em campo, domingo será em Recife contra o Sport, é aguardar por uma boa apresentação, desculpe preconizar, mas,  difícil de acreditar, sobretudo, por não jogar bem fora dos seus domínios há séculos.

É uma pena que a Fórmula 1, que teve em Fettipaldi, Piquet, Senna as grandes conquistas nessa modalidade, tenha caído em descrédito pelos brasileiros. Acostumados com os primeiros lugares, e de forma permanente, hoje o que se vê é que o ”drive” Massa não consiga um feito sequer. Vejo que a própria tv.Globo, com seus profissionais,  tenta de todas as maneiras transmitir o evento mas sem aquela manifestação que os levava ao ” Tema da Vitória”. De qualquer maneira, estarei pela tela acompanhado esse Grande Prêmio de MOnaco, aliás um colírio pela beleza dessa cidade.

A tolerância do torcedor do Paraná Clube vai depender desse jogo logo mais a noite, afinal, o time jogará contra o fraquíssimo Boa Esporte, que teve no técnico, Nedo Xavier, em outras temporadas uma melhor performance. Aagora, as notícias não são nada animadoras quanto ao time mineiro. é uma grande chance de somar 3 pontos.

lembre-se: Que o melhor da vida é sua história.

Cuidado, Bacellar.

19 maio, 2015 às 11:22  |  por Capitão Hidalgo

Nada de interessante está acontecendo neste início de administração na gestão do Presidente, Rogério Bacellar, no Coritiba. Ouvia-se na campanha que levou seu grupo a comadar o clube nesses próximos tres anos, que uma gestão esportiva moderna ressuscitaria o geral do clube. A maioria esmagadora dos conselheiros deram-lhe o aval necessário para tanto. Gostaria, também, de dizer que nunca na historia do clube um jogador, Alex, pudesse movimentar esse desejo de mudança ao pedir voto de concordância. Sabedores do débito astronômico, entorno de 200 milhões de reais, trouxeram pessoas com conhecimento de mercado e futebol. Diria nesses casos do Professor Medina, com longo trabalho em alguns clubes brasileiros e o desconhecido, esportivamente dizendo, Ricardo Guerra, como homem das finanças. Portanto, para compor o G5, veio escolhidos a dedos, Petruziello, Macias, Gilberto Griebelier e Esnesto Pedroso, com a vantagem de serem coxas.

Contudo, o caldo entornou nesse final de semana com os pedidos de demissões do Guerra e Medina. Até o momento, os que ficaram estão dando as devidas explicações. Confesso não estar surprêso com essas saídas. Querem saber? Dias atrás, na posse de uma Confraria de ex-jogadores que passaram pela agremiação, onde faço parte com sastisfação de Porta-Voz,  o também demissionário ex-funcionário do futebol, Maurício Cardoso, confidenciava a mim que estava cansado e desgostoso pelo atual momento do clube. Contou mais, ao dizer que se o Guerra viesse a sair, as coisas poderiam piorar. Portanto, ao sair com antecedência dessas renúncias, Maurício deu o sinal de gato, pois, passado alguns dias vem a confirmação da informação nas saídas dessas pessoas.

Agora, tradicionalmente, vem a repercussão do descontrole emocional no clube e a complicação tornou-se  maior porque o argumento dado pelo Ricardo Guerra não colou.  Acho que deveria ser mais sério, pois, jogou no ar problemas do clube na falta de conhecimento esportivo e desleal com seus companheiros de diretoria. Analisando, saibam os senhores torcedores coxas, que o problema ainda continuará. Cuidado, Bacellar, o regime que você quer adotar no clube, aquele de maneira democrática, não vai funcionar. Por conhecer o clube pelo menos nesses 45 anos, diria que você deve exercer com mão forte de um presidente.

Existe no atual Conselho Deliberativo do Coritiba um grupo de jovens com sede de participação. Com o crescimento na dúvida de comportamento nessa administração, diria que está aí um prato para eles contestarem na busca da verdade no argumento necessário.  

 Conhecidos os primeiras resultados  nas duas rodadas desse Brasileirão, preconizo que muita mudança no comando técnico acontecerá nos próximos jogos, e a causa disso, é o desequilibrio técnico individual.

Lembre-se: Que o melhor da vida é sua história.  

 

 

40 anos na comunicação esportiva.

18 maio, 2015 às 09:42  |  por Capitão Hidalgo

Como diria o saudoso locutor esportivo, Fiori Gigliotti, o tempo passa torcida brasileira. Nesta data em 1975, após deixar o futebol no gramado, portanto são 40 anos que se passaram, fui convidado pelo excelente radialista, Fuad Kallil, para compor na sua tradicional equipe esportiva que atuava pela Rádio Cultura AM, na Rua José Loureiro, no 11º andar, bem na esqina com a rua Barão do Rio Branco. Já  estavam por lá, Durval Monteiro, Munir Kalluf, Walter Xavier, Durval Leal, Mário Henrique, Jota Agostinho, Mário Celso Cunha, Borba Filho e demais profissionais. Na verdade foi uma grande transformação, afinal, sair do campo para a cabine, não foi uma tarefa fácil. Cheguei na condição de comentarista, facilitado com a imagem constituída de “Capitão” do Coritiba, onde tive na perpicácia do Fuad, uma boa aceitação. É bom lembrar que na época não se tinha ex-jogadores nessa condição de radialista em todo país. Portanto, explico com muita satisfação e entusiasmo os meus primeiros passos na radiofônia dos curitibanos, em que tive a paciência dos excelentes profissionais da “latinha” acima descritos. 

Com aprendizado de apenas 3 meses, e ao conhecer Lombardi Júnior, que veio da Jovem Pan de São Paulo, entendia que seria o caminho que deveria trilhar. Muitos achavam que deveria continuar no futebol, por tudo que havia presenciado e conquistado, mas me convenci que alguma coisa diferente poderia se encaixar em uma nova especialidade. Foi o que aconteceu. Formei, então, ao lado do saudoso Lombardi, a tão decantada Equipe Positiva, que passou a ser o paradigma nas transmissões esportivas, em Curitiba, no Estado e mundo afora. Na verdade, o investimento para isso sempre foi a dificuldade, mas, confesso que o entusiasmo era tão grande que passávamos por cima. Pensar que estive entre tantas transmissões internacionais,  8 Copas do Mundo, 2 anos de Fórmula 1,e aquela despedida do Pelé, em New Jersey, num total de 90 viagens internacionais. Devo dizer que acertei em cheio a minha continuidade na área esportiva.

Como sou um homem casado com a cidade, de Curitiba, e dizer do carinho que recebo diáriamente do povo amigo, mesmo que tenha trabalhado na Paulicéia, pelas Rádios Tupi e Record, e com maifestações de permanência, nunca me vi fora desta nossa querida cidade. Aproveito para agradecer a todos aqueles que direta e indiretamente estiverem ao meu lado nesses longos 40 anos de trabalho. Como já fui procurado para fazer um livro dessas histórias, futebol no campo e cabine de transmissão, um dia pode ser que o faça. Desculpe, o cabotismo, mas serveria de uma longa história de obstinação, vontade e desejo, na construção de um ideal.

Pelo visto nos resultados dessa final de semana, principalmente, com olhares nas equipes da capital, parace-me que o importante será ganhar os pontos em casa, sobretudo, pela falta de condições nas partidas que venham a atuar fora dos seus domínios. Exemplos foram dados nestas duas primeiras rodadas, quando o Paraná Clube ganhou em casa do Ceará e depois em Recife perdeu de goleada(4×1) para o Santa Cruz. O Furacão venceu na Arena o Internacional(3×0), e em Goiania perdeu para o Goiás(2×0). Enquanto isso, o Coritiba, perdeu em Chapecó(2×1) e veio para casa vencer o Gremio(2×0). O ideal mesmo é equilibrar mais essa situação, afinal, ganhar todas em casa também não será uma tarefa fácil.

Neste aspecto, verificando outras equipes, na verdade ninguém está jogando uma bola redondinha. Tomo o exemplo do Cruzeiro, que está representando o futebol brasileiro, na Libertadores de América, que não ganhou um ponto sequer no Brasileirão. Vai ser um toma lá da cá.

Lembre-se: que o melhor da vida é sua história.  

 

 

 

 

 

 

 

Paraná Clube foi goleado.

16 maio, 2015 às 12:30  |  por Capitão Hidalgo

Mesmo que saibamos da dificuldade que um time tem para contratar diversos jogadores e um técnico de futebol,  este é o caso do Paraná Clube, que precisará tentar o mais rápido possivel um entendimento coletivo, afinal, a dificuldade será visivel. Como começou bem a Série B, enfrentando o Ceará em casa, ganhando por 1×0,  foi só sair para cumprir outro jogo, infelizmente,  tomou uma biabada daquelas contra o Santa Cruz, por 4 gols a um. Agora, é aguardar pela experiência do técnico, Nedo Xavier, que tentará arrumar a casa nesta semana.

Não dá para entender a posição dos homens da CBF, afinal, depois de muito tempo com um trabalho dedicado, a Coordenação de Base da Seleção Brasileira,  Alexandre Gallo, sofreu uma rasteira que na verdade estava prevista pela falta de sinceridade que move personagens que transitam no futebol. Ouvíamos, de forma defnitiva, que  o técnico seria êle, Gallo, para as Olimpíadas. Como acontecera em outras oportunidades, Zagallo, Luxemburgo e Mano Menezes, só para exemplificar que as vaidades desses nunca permitiram que “avulsos” tivessem essa chance de ganhar a única medalha de ouro que falta ao futebol brasileiro. Se não ganhar, ainda mais que será jogado em nosso país, Dunga, o escolhido por aspectos políticos, vai sofrer as consequências antes do próximo mundial.

A dupla Atletiba em campo esta tarde no comprimento de mais uma rodada do Brasileirão. O Furacão que venceu o time de reservas do Internacional saiu-se bem ao ganhar o jogo por 3×0. Agora, lá no Serra Dourada, aquele jogo sempre difícil contra o Goiás, do técnico Hélio dos Anjos. Quanto ao Coritiba, que perdeu para a Chapecoense, pelo menos teve uma semana mais amena por ter ganho a sequência, da Copa do Brasil, vencendo o Fortaleza nas penalidades máximas, receberá em casa o time do Gremio. Boa sorte a dupla.

Lastimável a conduta dos torcedores argentinos que se envolveram em atitudes ilícitas ao esporte. Falo dos times do Boca Júnior e River Plate. Que haja rivalidade é salutar, agora, a forma como foi vista deu impressão de ódio. Qual a punição? Lembrando do fato, ao término do 1º tempo,  registrava o placar um empate em 0×0, resultado se terminado daria ao River Plate a conquista da sequência na Libertadores de América, pois, na primeira partida, no Monumental de Ñunes, ganhou o River(1×0), ficará à Conmembol para resolver. É caso de entrar até a Presidenta da República. A pena tem que ser forte ao Boca Júnior, sobretudo, por ter sido o mandante do jogo com uma única torcida.

Tenho notado que alguns clubes estão contratando jogadores que estão livres no mercado. Na verdade são profissionais considerados “meia-boca’, pois, o momento técnico individual no território brasileiro é crítico.

Lembre-se: Que o melhor da vida é sua história.

Show de Bola. Parabéns Dr.Fachin.

13 maio, 2015 às 10:23  |  por Capitão Hidalgo

Depois de uma divulgação da imprensa esportiva da capital, ao levantar  assunto sôbre o dinheiro do clube para cobrir gastos na campanha do candidato , Ricardo Gomyde, à Presidência da Federação Paranaense de Futebol, a dúvida já foi resolvida. O valor comentado de 200 mil reais, claro, chamou atenção do Conselho Fiscal do Clube, querendo saber de onde teria saído o dinheiro. Sem deixar aberto uma polêmica que viria a contrariar o Conselho Delibertativo, o atual mandatário do clube, Rogério Bacellar, pagou a conta pessoalmente.

Quando entra em cena o presidente atleticano, Mário Celso Petráglia, podem ter certeza que o assunto cresce. Aproveitando esse raro momento de vitórias, o dirigente envia uma carta diretamente aos seus sócios ao lembra que já são 20 anos de serviços à agremiação, pois, quando chegou ao clube esse vivia uma situação bem debilitada. Na verdade, penso que ninguem pode tirar o mérito das suas conquistas, sobretudo, pela forma obsecada que vem desenvolvendo neste seu projeto de clube. Claro, que a maneira como dirige o Furacão, somou também, muitos desafetos.

Artilharia pesada vi acontecer, ontem, quanto a sabatina que fizeram vários senadores ao Dr.Luis André Fachin, cujo nome fora indicado pela Presidenta da República, Dilma Rousseff, ao cargo de Ministro do Supremo Tribunal Federal. Com uma condução ímpar e numa demonstração segura dos seus conhecimentos jurídicos, Dr. Fanchin, mesmo sabendo que sofreria uma pressão dos opositores foi tranquilo e humilde. Após 12 horas de atendimento aos políticos, saiu de lá aplaudido. Mesmo que haja contrariedade do próprio presidente da casa, Renam Calheiros, essa ninguém vai tirar.

O Coritiba terá a oporunidade, logo mais à noite, no Estádio Couto Pereira, recuperar resultado e prosseguir na Copa do Brasil, pois, na primeira partida perdeu para o Fortaleza(2×1). Entendo que a dificuldade será grande, afinal, vem com 4 derrotas consecutivas e o problema maior deve ser e o lado emocional de seus jogadores. O técnico, Marquinhos Santos, acredito já não está tão tranquilo no cargo. Portanto, nada melhor do que vencer.

Via telefone travei um papo bacana com o meu amigo, Marquetti, que do outro lado da linha estava ladeado de figuras expressivas do futebol, num almoço proporcionado pelo empresário de jogadores, o famoso Todé, e mais os campeões do mundo, Luizão e Jair da Costa, oportunidade que já aceitaram o convite de estar em Curitiba num dos jantares da Confraria Amigos da Bola.

Lembre-se: Que o melhor da vida é sua história.

Aplausos com os pés no chão.

11 maio, 2015 às 12:30  |  por Capitão Hidalgo

Muito bem vindas as vitórias do Paraná Clube e Atlético Paranaense. Quando poucos  esperavam das equipes paranaenses, aliás, há motivo para isso, eis que o presente foi num dia consagrada ao das mães. Sem ser mais realista que o rei, portanto, estarei distante a pensar num futuro a partir desses resultados, enfim, estabeleço de momento a enaltecer os resultados tão ilógicos na teoria e que na prática aconteceram. Vamos dizer que o imponderável de vez em quando surge. Vamos então contar um pouco das proezas das nossas equipes.

Começo pelo Tricolor da Vila. Dias atrás precisou “sacar’ o ex-presidente, Rubens Bohler, para iniciar uma transformação na administração do clube. Considerados “Paranistas do Bem”, 10 pessoas se alojaram nesse comando e em especial com a preocupação que não venha faltar o dinheiro na hora certa. Pois bem. Mesmo com a demora, como tinha a necessidade de estabelecer metas, outro não foi o posionamento dessas figuras que não a retirada dos integrantes da comissão técnica que vinham respondendo pelo clube. A busca, então, passou ser por um técnico com experiência de Série B a custo barato. Por sorte, o curitibano, Nedo Xavier, ex-jogador na década de 70, inclusive, jogou pelo Palmeiras, América do Rio e até em Portugal, ele que já algum tempo vem participando desse série difícil do brasileirão, aceitou de pronto para o bem da nação paranista para tal objetivo. Pouco treinou a equipe, sobretudo, porque alguns jogadores contratados ainda estavam chegando com problemass de liberação no BID, e mesmo assim montou uma equipe e, simplesmente, ganhou do Ceará (1×0),  que vinha como Campeão do Nordeste. Portanto, agora, é aguardar por outros compromissos.

O caso do Furacão, uma vantagem que pode ser estabelecida é que o clube é muito mais organizado e melhor financeiramente, só que vinha se alastrando negativamente em maus resultados, a ponto de ter que disputar o Torneio da Morte, no paranaense. Não bastasse entrou em campo, ontem na Arena, já desclassificado da Copa do Brasil, pelo time mineiro do Tupy. Enfrentar o Internacional dos Pampas, na estréia, mesmo que esse viesse com reservas,  na verdade o resultado que colheu de 3×0, pode ser considerado auspicioso. Aplausos com os pés no chão. Vou considerar assim.

Preocupante está o time do Coritiba, depois de perder em casa a chance de ganhar o título paranaense, foi a Fortaleza na 4ª feira passada perdendo, também, e ao iniciar no Brasileirão perdeu em Chapecó( 2×1), está somando a 4ª derrota seguida.Com isso, terá agora no meio de semana no jogo de volta contra o Fortaleza, uma enorme chance de voltar a vencer e seguir na Copa do Brasil. Na verdade o ambiente nos coxas não deve estar tranquilo. Quanto as derrotas acontecem em série a desconfiança aumenta. O técnico, Marquinhos Santos, começa a sentir uma enorme dificuldade para arrumar a vida coletiva desse elenco.

Não me surpreendeu a saída do coordenador e técnico da Seleção Brasileira Olímpica, Alexandre Gallo, em troca exigida pela CBF, e com isso deixar o atual técnico titular do escrete, Dunga, com a responsabilidade geral. Na verdade é cultural, até porque  nenhum técnico que comandou o futebol da seleção permitiu que um outro viesse a dirigir o time da base, em Olímpiada. Foi com o Zagallo, Luxemburgo, Leão, Parreira e Mano Menezes.

Lembre-se: Que o melhor da vida é sua história.

 

 

 

A contínua baixa técnica.

7 maio, 2015 às 11:11  |  por Capitão Hidalgo

Nesta fase classificatória da  Libertadores de América, e que começou ontem a noite, houve o enfrentamento das equipes brasileiras e que nos proporcionaram bons jogos. Foram os casos das partidas entre o São Paulo x Cruzeiro e Galo Mineiro x Internacional. Como sempre, o encantamento do torcedor sãopaulino nesse tipo de competição é,  simplesmente,  maravilhosso. O comportamento dessa torcida é totalmente diferente quando das disputas em estaduais e mesmo em torneios nacionais. Um público excelente acompanhou e empurrou o time na vitória em cima dos cruzeirenses (1×0). Também, em Belo Horizonte, o Internacional deixou escapar um grande resultado visto que ganhava do Galo Mineiro, quando no crepúsculo do jogo veio a tomar o gol de empate (2×2). Na próxima semana teremos os jogos de volta. O único que deixou a desejar foi o Corinthians, que sem jogar aquele seu bom futebol, perdeu para o time do Guarani  (2×0), com um frango do goleiro Cássio, em Assunção. Terá, agora, o Timão que reverter o quadro no Itaquerão.

Como o futebol paranaense anda em baixa, o que sobra mesmo é a disputa desse mata-mata da Copa do Brasil. As tres equipes que representam nossa bola no estado, Coritiba, Atlético e Maringá, não conseguiram, também, ontem a noite,  bons resultados. O Atlético que havia perdido para o Tupi (1×0) no jogo de ida, mesmo vencendo ( 2×1) , na Arena,  foi alijado da competição. O Coritiba que vem ostentando maus resultados nesses últimos jogos, acabou perdendo lá no Ceará (2×1) para a equipe do Fortaleza. Em Maringá, o SAntos que veio atuar com time de reservas, ganhava por 2×0,  e acabou cedendo empate aos gremistas do interior paranaense(2×2).   

Quanto a parte técnica da dupla ATLETIBA, esse tem sido um grande problema. A irregularidade é tanta que os dois técnicos, Marquinhos Santos e Milton Mendes, de sã consciência não tem o direito de pensar num futuro promissor. Imaginem, os senhores, a disposição das torcidas. Ontem, em plena Arena, o Furacão mesmo que tenha vencido ao time mineiro, Tupi, um elenco que se prepara para a próxima Série C, não foi capaz de se classificar para a sequência desse torneio. Agora, um outro não será o caminho, a não ser o Brasileirão. Primeira bucha de canhão será o Internacional.

E o Coritiba de tanta gente, hein. ! A reclamação é diária da galera. É sair as ruas e a crítica é solene. Ontem, mais uma derrota, e duro mesmo e ver esse elenco já se acostumando a perder. Aquêle que pode resolver essa parada é o vice-de futebol,  Ernesto Pedroso, pessoa calejado nesse mundo da bola, para dar um basta. Ontem, mais uma derrota (2×1)e foi em Fortaleza/Ceará, valendo partida de ida . Como o time sucumbe fora de casa, a espectativa é que venha reverter o quadro, coisa que não aconteceu contra o Operário. Antes disso,  jogará a 1ª partida do Brasileirão, em Chapecó, e será no domingo.

Aprendi com a longa estada na prática do futebol no gramado, e me desculpem os técnicos, se o clubes não lhe derem bons jogadores, suas permanências nas agremiações é diminuta. A derrota estraga qualquer ambiente de trabalho, e isso pude notar, ontem, que o próprio técnico, Marquinhos Santos, achou de mudar o time em apenas tres dias para tentar melhorar o panorama. Ledo engano. E assim a diretoria, começa também, a patinar no seu planejamento.

Lembre-se: Que o melhor da vida é sua história.

 

 

 

O título é do Operário. Nada a contestar.

4 maio, 2015 às 06:34  |  por Capitão Hidalgo

Absoluta e de forma irretorquivel a conquista da equipe do Operário, de Ponta Grossa, nesta temporada de 2015,  no futebol paranaense. Considerado uma agremiação centenária, com seus 103 anos de fundação, bem que tentou por outras 14 vezes chegar a um título dentro do estado. Sua vez chegou, e com  méritos, pois, foi ao longo desse certame um adversário a altura das principais equipes da nossa capital. Portanto, registra-se o fato de chegar a esse topo memorável apoiado por uma forte região, a  dos  Campos Gerais, onde se inclue um excelente parque industrial  com mais de hum milhão de habitantes. Como disse, nada a contestar esse conquista dos princesinos, afinal, jogou dois jogos somando no agregado, 5 gols, contra nenhum do adversário. O bonito dentro da desportividade é que a própria torcida do Coritiba, reconhecendo esse feito, soube valorizar em aplausos no Estádio Couto Pereira, ao entender a superioridade da equipe interiorana.

Sôbre o jogo, muito a  se dizer, mas não aceitar como uma derrota pedagógica aos coxas,  sobretudo, pela falta incompreensível de um elenco mais fortalecido com a necessidade de uma qualidade individual mais apurada. Essa não foi a primeira vez que o Coritiba perdeu em seus domínios, pois, aconteceu em 1977, contra o Gremio de Maringa, uma chance desperdiçada através de uma penalidade máxima em que o excelente atacante, Aladim, deixou de marcar. Ao perder esse jogo lá no norte, e precisando reverter a situação, o Coritiba acabou perdendo aquele leque de títulos, com um empate em casa ( 1×1)  que lhe tirou a comemoração do Hepta Campeonato. Outros tempos e suas histórias.

Quem está feliz é o Presidente da Federação Paranaense, Hélio Cury, pois, é público e notório que a vitória do time do Operário lhe fêz bem, afinal, as equipes da capital foram contrárias a sua reeleição. Por coincidência ou não, ano passado foi o Londrina e agora quem levou foi o time da cidade de Ponta Grossa. Sei que vai alardear que com ele no poder o interior respira.

Agora, para nós da capital os olhares serão para a Copa do Brasil e o Campeonato Brasileiro. Pelo interior, teremos o Londrina na Série C, independentemente, do título de campeão do interior nessa temporada. Também, farão parte, do calendário nacional, o Operário que entrará no lugar do Londrina, o mesmo com o Foz do Iguaçu. Aviso aos navegantes que será necessário alguns investimentos nas equipes, pois, jogar torneios nacionais são outros quinhentos.

De registro os títulos do GAlo Mineiro, VAsco da Gama, Fortaleza, SAnta Cruz, Santos, Internacional, claro, foram bastante festejados. No Caso do Santos, com uma dívida astronômica, levantou o caneco nesse início de gestão do Modesto Roma. Outro grande vitorioso foi o Eurico Miranda. Retornou ao comando vascaíno e já levou o título de campeão carioca. A lamentar o desfecho em Santa Catarina em que a definição do título irá para o Tribunal. Dsputam JOinville e Figueirense. Dois técnicos paranaenses ganharam suas faixas, o Levir Culpi, pelo Galo Mineiro e o Ricardinho no Santa Cruz.

Lembre-se : Que o melhor da vida é sua história.

Derrota e mais derrota.

29 abril, 2015 às 11:43  |  por Capitão Hidalgo

Mais uma derrota do Atlético Paranaense (1×0) nesta temporada. Ontem, em Juiz de Fora, perdeu para a equipe do Tupi, cujo jogo valia pela Copa do Brasil. Como é de praxe, agora terá que reverter o quadro, na próxima semana, onde terá a necessidade de ganhar por 2 gols de diferença. Como diz a frase: ” O Atlético jogou como nunca e perdeu como sempre”, demonstra o inferno astral que vive a agremiação nesses 4 meses do ano. O que mais impressiona é a passividade desse elenco, afinal, vem acumulando maus resultados sem dar o ar da graça. O pior é que já estão criticando o atacante, Walter (gorducho), como fôsse êle sozinho responder os problemas da equipe na parte coletiva. O duro mesmo é essa troca de treinadores. Com isso a torcida fica esperançosa por alguma coisa melhor, mesmo que o técnico, Milton Mendes, que chegou por esses dias andou dizendo que o clube não precisa de mais contratações.

O elenco do Coritiba anda rezando e acreditando na fé pela conquista do título paranaense. Falando um português claro, na minha maneira de ver, pelo péssimo futebol apresentado, em Ponta Grossa, a equipe deverá jogar com muita tensão para reverter o quadro  no prejuízo da má partida que fêz ao perder por dois gols a zero. Fazer o goleiro Vaná jogar melhor, pedir para o quarto zagueiro, Leandro Almeida, não ser lerdo demais na cobertura do Carlinhos, ter um meio campo mais rápido para poder tumultuar a zaga adversária e atuar com bolas compridas aos atacantes, é a prioridade maior que terá o técnico, Marquinhos Santos, pois, fazer 3 gols nesse jogo de domingo será um parto na montanha.

Estou sendo convocado, no que agradeço de forma antecipada, aos profssionais da área esportiva da Gazeta do Povo, a estar presente no Prêmio dos Melhores do Paranaense/2015. Será nete próximo dia 4 de maio, no Shed Bar, a partir das 19h30  Acho muito importante registrar os melhores da temporada nesse estadual. Na minha época de jogador ficava torcendo para ganhar um trófeu. É a realização de um trabalho bem feito. Um dos goleiros, Londrina ou Operário, o lateral Baia, também do Operário, meio campo Lucas e Ruy, podem estar, também, nessa lista, os atacantes do Coritiba, Raphael Lucas e Negueba e Dirceu, zagueiro do Londrina, são minhas apostas nesta seleção do ano.

A diretoria do Tricolor da Vila vivendo esse momento só de especulações.  Não havendo esta definição de quem entra e quem sai, a torcida aguardo com muita espectativa que bons jogadores cheguem à Vila Capanema. Outra dúvida é quem será o técnico contratado. Falavá-se ,ontem, em Geninho, que não aceitou a proposta. Agora,os  olhos estão voltados para o Nedo Xavier e Ary Marques. A verdade é que o Paraná Clube precisará fazer um choque de gestão. e se demorar mais um pouco, o prejuízo inicial será grande.  Não esquecer que dia 8 de maio, comecará a Série B, contra o preparado Ceará.

Os convites chegam a todos os  momentos. Semana passada, a confraternização com a posse dos Ex-Jogadores do Coritiba. Para que o atento amigo, Marquetti, de Osasco, que acompanha nossa conversa diária, fique sabendo, hoje na Sociedade Morgenau, o papo será valorizado com o prato escolhido a dedo, Marreco. Como sempre vou fazer um sacrifício.

Lembre-se: Que o melhor da vida é sua história.