Estaduais pelo país e suas zebras.

18 janeiro, 2018 às 07:36  |  por Capitão Hidalgo

Os regionais esportivos espalhados pelo Brasil tiveram seus inícios, e como era de se esperar, resultados inesperados aconteceram, numa prova evidente que os campeonatos dos estados são valorizados pela rivalidade. Em São Paulo, o grande campeão brasileiro da temporada passada, Corinthians, perdeu em pleno Estádio do Pacaembu para a Ponte Preta ( 1 x 0 ).  No carioca, o Botafogo que ganhava da Portuguesinha( 2 x 0 ), cedeu empate ( 2 x 2 ). E o Fluminense, minha gente que foi jogar algumas partidas nos States, mas, desclassificado com antecedência, entrou em campo, ontem, e perdeu fragorosamente para o Boa Vista em 3 x 1 .

Aqui a coisa também desandou, afinal, o Paraná Clube que ano passado ganhou passaporte para jogar a temporada de 2018, na 1ª Divisão Brasileira, iniciou sua temporada no estadual paranaense e perdeu, ontem, para o União de Beltrão (2 x 1 ), time esse que estava afastado do campeonato principal do estado há 37 anos.

As coincidências desses resultados são provenientes do melhor preparo das equipes interioranas, que por terem pouco calendário, se esmeram com alguma antecedência para terem algumas possibilidade de estarem bem condicionados pensando à frente num torneio nacional. Como as grandes equipes brasileiras , na verdade é a cultura do futebol brasileiro,  mudam a cada final de cada temporada, os times interioranos se preparam até 60 dias antes de entrarem em campo. Depois, claro, virá a diferença que é a condição técnica, individual e coletiva das equipes tradicionais.

Boas e positivas atitudes vem tomando nova diretoria, do Coritiba, que entendendo suas dificuldades para um ajuste de conhecimento real situação do clube, até agora não se arvorou em grandes contratações. Pelo contrário, com posições firmes e até de humildade, aceitaram o pouco dinheiro da televisão (600 mil reais) para as transmissões no estadual, como também, estudaram uma maneira de ofertar ingressos para seus sócios com valores bem abaixo do esperado, até porque, não terá astros para o esse início. Afinal, vem para o regional com uma equipes mesclada. Depois, é claro, um plano mais ousado para o retorno à Séria A.

Depois de algum tempo tenho, também, uma informação e ela vem da Federação Paranaense de Futebol, que de forma sentimental lembrou de 2 personagens que fizeram história no futebol paranaense, Caio Júnior e Dionísio Filho, ao dar nomes às competições do 1º e 2º turnos. Boa lembrança. A Outra notícia vem do Atlético Paranaense, com assinatura de contrato  com uma das grandes empresas paranaenses, a Copacol. Torcemos que mais notícias positivas aconteçam nesse ano.

Lembre-se que: O melhor da vida é sua história.

Demorou, mas, DIF e EXOS foram extinguidos.

15 janeiro, 2018 às 09:16  |  por Capitão Hidalgo

Na expectativa que nada de inconveniente venha acontecer no curso dessa temporada do paranaense/2018, já conhecedor do regulamento quanto à sua disputa, veremos 12 equipes que estarão correndo atrás da bola. Com início nesta quarta feira (17/01), entre Francisco Beltrão e Paraná Clube, jogo este marcado para as 21.45 horas, teremos, também, no final de semana a dupla Atletiba, quando o Furacão recepcionará o time do Maringá, na Arena às 17 às  horas, ficando o Coritiba para domingo, jogando, também, em casa contra a simpática equipe do Prudentópolis.

Antes de mais nada, quero afiançar aos senhores, que não tenho nenhuma predisposição a querer antecipar críticas a performance da Federação Paranaense de Futebol, e que isso fique registrado neste preciso instante. Como, também, não esquecer ou esconder minha irritação quanto a lambança verificada, ano anterior, quando prejuízos a determinadas equipes aconteceram por arrogância e falta de diálogo,  entre dirigentes da entidade e equipes profissionais.

Não esquecer que a diretoria do J.Malucelli acabou fechando às suas portas doseu profissionalismo, baseado no mal encaminhamento do processo que envolveu a falta de argumento jurídico esportivo local quanto ao BID, e com isso trazendo inconformismo geral da imprensa e demais desportistas. Sem nenhuma tomada de iniciativa da entidade paranaense, simplesmente, lavando as mãos para deixar que o Superior Tribunal, no Rio, resolvesse a questão punindo a equipe paranaense. É bom , também, destacar, que o Tribunal da própria Federação deu ganho de causa ao time do J.Malucelli.

Quanto ao desenrolar desses 3 meses de disputa do paranaense, teremos paralelamente, a Copa do Brasil. Com isso veremos uma duplicidade de objetivos, e ao mesmo tempo, conhecer verdadeiramente a capacidade das nossas equipes neste início de temporada.  O Atlético virá com o sub-23, de forma diferente, pois, jogará mesclando jovens com jogadores experientes. Quanto ao Coritiba, que ora está treinando, em Foz do Iguaçu, com seus preparativos, também, acena com essa possibilidade.

Boa notícia para aos torcedores do Furacão. Diria que até demorou, mas, nada como o tempo que mostrou o erro da diretoria em consentir coisas que no futebol brasileiro não se encaixam. Seus departamentos, DIF e EXOS, foram extinguidos. Quantas não foram nossas críticas afirmando que não daria certo. Imaginem, contratar um técnico e esse tendo que aceitar comandos paralelos desses departamentos para as escalações dos jogadores. Não vou deixar de criticar, novamente, a intromissão do ex-técnico e coordenador, Paulo Autuori , classificado como o inventor.

Lembre-se que O melhor da vida é sua história.

As notícias esportivas começam a pipocar.

11 janeiro, 2018 às 15:07  |  por Capitão Hidalgo

Avisando que após as férias estamos de volta ao microfone da Rádio CBN Am 670 de Curitiba. O programa que já passou a ser a coqueluche dos desportistas retorna no mesmo horário, das 17 às 19 horas, contando as novidades para esse ano de 2018. Contratações, dispensas, calendário do ano, enfim, muita coisa a ser discutido com as equipes da cidade e do interior. Vale a pena acompanhar.  A Hora do Capitão está de volta.

Como por aqui sabemos que os dirigentes vão pisando em ovos e atuando com muita precaução , vamos tentar decifrar o mais rápido possível os objetivos das equipes. Já para a próxima semana o início do Estadual com a participação inicial do Paraná Clube, que acabou perdendo o meia, Renatinho, para o Botafogo do Rio de Janeiro. A situação é essa e está difícil  mudar esse panorama, pois, quando o clube não tem dinheiro para o devido investimento tem perda total. A dependência de empresários, então, dá no que dá.

Servindo como informação aos meus amigos leitores, estarei de forma aleatória utilizando-me dessa ferramenta, Facebook-Live, a respeito das informação diárias. É só clicar José Hidalgo Neto ou Hidalgo Neto José. Ontem a noite, fiz a minha primeira intervenção e estou abismado pela quantidade de pessoas que viram o comentário.

Por enquanto as equipes da capital que estão disputando a Copinha de São Paulo continuam firme. Os primeiros bons resultados deram a continuidade para outras etapas classificatórias.

Desejando um pronto restabelecimento ao amigo, Faissal Farran, leitor assíduo dessa coluna e que logo volte a ter aquele contato amigo no bate papo gostoso no centro da cidade de Curitiba.

Lembre-se que: O melhor da vida é sua história.

 

Voltando ao rádio.

9 janeiro, 2018 às 11:10  |  por Capitão Hidalgo

Informando que amanhã, 10 de Janeiro de 2018, estarei voltando à base, ou seja, ocupar o microfone da Rádio CBN AM 670-Curitiba, para essa temporada que se avizinha onde com certeza as muitas dificuldades serão apresentadas ao longo desse curso. Não se trata de pessimismo, afinal, a atual situação do futebol paranaense é no minimo inquieta pela instabilidade técnica demonstrada na temporada passada. Longe, também, do conformismo, pois, continuar aceitando a diferença que hoje existe com outras praças futebolísticas, é ficar navegando ou flutuando até cansar e morrer na praia.

Entrando nessa questão, e até preconizando, os torcedores paranistas já começam a pensar, e com razão, que depois da alegria do retorno à 1ª Divisão Brasileira, qual a fórmula do sucesso para esse ano. Fica , então, a nós, o procedimento de tentar equilibrar a emoção com a razão. Então, vamos dizendo que depois de 10 anos fora da principal divisão brasileira  já exista um prenúncio de uma rápida e necessária adaptação  para um teste de paciência e amor ao clube.

Atendi a um telefonema e do outro lado da linha ouvi do ex-goleiro campeão brasileiro pelo Coritiba, Rafael Camarota, que havia sido dispensado do clube. Claro, muito aborrecido, até pela maneira com que foi pego de surprêsa, estando em férias, para comparecer de forma urgente, 48 horas, para o distrato. Soube, também, que o ex-técnico e olheiro, Borba Filho, também fora dispensado. Quero dizer, aos senhores, que uma notícia como essa não me surpreende partindo do Coritiba, useiro e vezeiro nessas tratativas e a desvalorizar atletas que muito fizeram pela agremiação. É triste ver uma nova diretoria começar dessa maneira, porque há maneiras de tomar atitudes, e nçao por telefonema.

Dá para notar o desespero de políticos, aqueles que estão mamando já algum tempo, quando a mídia nacional diz  que é fundamental uma mudança radical na classe. Bastou o profissional da comunicação, Luciano Huck, colocar seu nome a uma idéia futura, que partidos se atiraram entendendo que o apoio é incondicional do Grupo Globo. A estranheza é que o rapaz já havia antecipado que este não é o momento dele, mas, que estaria empenhado a indicar através de estudos e busca politizada de pessoas com interesse de colaborar com o país.

Nunca vi times que saem das suas tocas para realizarem suas pré-temporadas, que seja um início de um planejamento. Geralmente, e com seus saldos financeiros bem abaixo, colocam a frente um custo sem necessidade, até porque, o formato de um elenco vem com o tempo.

Lembre-se que: O melhor da vida é sua história.

 

 

No momento só especulação.

6 janeiro, 2018 às 06:31  |  por Capitão Hidalgo

A partir da próxima semana estarei mais ligado às contratações dos clubes, da capital, que andaram realizando nesse período, onde as notícias geram muitas dúvidas no procedimento dos atuais dirigentes. É vendo as chegadas desses que serão considerados “reforços” para a temporada e que naturalmente surgirão polêmicas antecipadas. Sem nenhuma preocupação em preconizar alguma coisa, isso vai de tempo, até para se chegar a um consenso de formatação coletiva dos clubes, vem à frente o calendário estadual com início para o dia 17/01/2018.

As mexidas nos comandos técnicos dos clubes da capital foram enormes se tomarmos por base às saídas dos técnicos, Marcelo Oliveira, Fabiano Soares e Matheus Costa. Como o futebol paranaense não tem, diria até por apatia, um desenvolvimento de sacudir as galeras imagino que as passadas das agremiações virão lentas. Contratados pelo Atlético Paranaense, Fernando Diniz; Paraná Clube trazendo de volta, Vagner Lopes e no Coritiba um aproveitamento do interino, Sandro Forner.

Especular no futebol brasileiro tornou-se uma grandeza, afinal, tem diretores que atiram na caça e acertam no caçador. Falo especificamente das péssimas contratações que vimos nos últimos certames e que vem gerando uma crise financeira nos clubes. Errar nos dias de hoje a certeza que vão contemplar um prejuízo enorme nos caixas.

Por isso é que estamos ouvindo que alguns clubes vão iniciar a temporada com jovens jogadores oriundos das categorias de base. Como sabemos de cor e salteado que essa será uma fase de obervações, até porque só jogar com garotos alerto que não dará certo de imediato, muito difícil imaginar quais resultados os clubes terão nesse início de participação no calendário do futebol brasileiro.

Nas direções vamos ter as continuidades dos presidentes, Dr.Salin, pelo Atlético e Leonardo, no Tricolor da Vila. Quem está mexendo em todas as áreas é o Coritiba devido à chegada do novo presidente,  Samir Namur, Quanto a Federação Paranaense de Futebol, o que se pede é uma maior aproximação dos seus diretores.

Lembre-se que: O melhor da vida é sua história.

Mudanças gerais em 2018.

2 janeiro, 2018 às 09:03  |  por Capitão Hidalgo

Olá amigos, então, chegamos ao decantado ano de 2018, situação inusitada em outras temporadas, isto porque, atrás de toda essa manifestação popular está ligada o exercício da temporada por parte dos políticos, hoje, sabedores do corte geral que poderá ter nosso país, por conta, claro, dos desmandos que vem acontecendo algum tempo. Portanto, de maneira paralela e com a tentativa de colhermos frutos nos objetivos e por entusiasmo pessoal, a certeza que a população brasileira haverá de dar jeito nessa situação. O importante não esmorecermos nesse entusiasmo de mudança.

No lado esportivo nacional o que mais se ouvirá falar será da Seleção Brasileira de Futebol. Com a importância da chegada da disputa de mais um mundial, e que será realizado na Rússia nos meses junho/Julho/2018, o torcedor canarinho brasileiro já fazendo contas e apostas imaginando qual será a performance do time do técnico, Tite. Por falar no técnico, ele já mostrou em dizeres que ainda está pensando em alguns jogadores para o momento adequado  na escalação do elenco. Contudo, no calendário dois amistosos estão previstos, em Março, contra as equipes da Alemanha e Rússia.

Do local, as notícias ainda sem aquele alarde, natural que aconteça, afinal, quem não sabe que as atitudes dos dirigentes do futebol paranaense nunca tiveram a conotação de sacudir o mercado. Vivendo um mundo totalmente diferente da realidade, nossas equipes entrarão nessa temporada à busca de ficar no entremeio. Sim, pelo menos da minha parte não vejo nada de excepcional a não ser disputar novamente para as mesmas buscas, ou seja, o Coritiba novamente querendo voltar, o Atlético trazendo um técnico internacional e que nada tem a ver com o nosso futebol, e o Paraná, que se esperava uma jogada mais certeira, andou mudando o comando técnico e até de jogadores.

Mas, no Coritiba, uma mudança radical vem acontecendo, sobretudo, pela definição de um staff esportivo que estará comandando o destino alviverde. Pude notar na relação enviada à imprensa que mais de 30 profissionais foram escalados par a árdua missão de recompor a agremiação nessa temporada de 2018. Confesso não entender tanta gente para colocar um time em campo. Na verdade só estou comentando o fato de entorno de 30 pessoas sem contar com o elenco e mais funcionários administrativos. Fica, então, a dúvida sobre o dinheiro, afinal, com a aquela conta atrasada à pagar e ter um custo mensal com tanta gente no departamento, o que estará sobrando para contratar bons jogadores.

Tirando a intolerância, que é  geral dos diretores com a torcida, o Atlético vem para o ano mais ou menos arrumado, afinal, não é da cultura do clube contratar jogadores caros. Contratar, contratam, mas, sempre pensando no retorno financeiro que o jogador dará na frente. É uma sistemática. Largam de cara o estadual, mostrando nenhum interesse esperando por outros torneios. Já o Tricolor da Vila, há muito fora do cenário principal do futebol brasileiro, vai engatinhar até se acertar no aspecto financeiro para enfrentar a barra da temporada. O único deslize a meu ver foi deixar o técnico, Mateus Costa, ir embora e premiando o outro que largou o clube, Vagner Lopes, para retornar.

Lembre-se que: O melhor da vida é sua história.

Reconstrução e nada mais.

27 dezembro, 2017 às 10:18  |  por Capitão Hidalgo

Passeando pelas ruas da nossa querida cidade, Curitiba, me deparo constantemente com perguntas dos amigos querendo saber qual meu sentimento à respeito do futebol paranaense para 2018. Tenho respondido ” pouco otimismo” , me baseando, sim,  no noticiário  nacional dando conta das transações volumosas (financeiras). A diferença é enorme se olharmos , também, o lado significativo, envolvendo os clubes brasileiros na demonstração mais eficazes no que tange investimentos. O futebol brasileiro na verdade está dividido entre aqueles que tem a condição financeira em  plano orçamentário e outros na base de se virarem nos trinta, ou seja, vivendo de criatividade. Portanto, a conclusão que chego é que as equipes da nossa capital terão um ano muito complicado.

Com isso é fácil decifrar essa pergunta, pois, é só saberem que as intenções dos dirigentes das nossas equipes é começarem com suas bases, pelo menos é o que se fala, do Atlético sem novidade, pois já algum tempo se utiliza dessa premissa. O Coritiba, então, numa outra ponta do iceberg, trará muitas dúvidas quanto a qualidade de conhecimento que será colocado em jogo para os seus sócios ou simpatizantes, afinal, com uma conta que não fecha alguns anos, também, vem coma promessa de iniciar a temporada com um time criado na Coordenação de Base. Quanto ao Paraná Clube, ainda tendo que restaurar suas condições financeiras, mesmo que subindo à 1ª Divisão, já está  com um time misturado , sobretudo, por muitos jogadores que saíram e outros que chegaram. O nome que se dá a isso é reconstrução.

No meio de toda essa controvérsia, também, podemos dizer que clubes tradicionais vivem problemas, também, de modificações e amplas em seus planejamentos. O entra e sai de técnicos, jogadores, e comissões técnicas,  para quem não sabe, há em  clubes brasileiros que contém  50 ou até 60 funcionários com um valor dispendioso.

Torço para que um dirigente consiga colocar na cabeça, de seus simpatizantes, que ele está entrando no clube para administrar, e para isso terá que ser verdadeiro. Sabem porque? A consequência das dívidas criadas por péssimos administradores dos clubes brasileiros, e que entraram num giro sem precedentes, virou uma bola de neve. Ou acerta as contas ou contrata aumentando mais as despesas. Seria bom dizer que nem sempre uma contratação traz custo benefício. Pergunta que não quer se calar : o porque de tantos erros, exemplo o Coritiba, com péssimas contratações que o levaram a 2ª Divisão.

Fechando a exposição das razões estabelecidas, nesta coluna, a conclusão que chego é que o momento não é propício para exigências como as coisas estão no futebol paranaense. Aquele que pode ser considerado como o melhor estruturado, Atlético Paranaense, não tem por parte de seus dirigentes nenhum entusiasmo para crescer, diria no campo, onde poderia ter muito mais iniciativa. Quanto ao Paraná Clube e Coritiba, confesso não esperar muito dessas equipes ao longo do ano, pois, terão muitas contas à pagar sem nenhuma condição de investimentos. Portanto, é só criatividade. Mas, porém contudo,…………

Lembre-se que:  O melhor da vida é sua história

Natal é o sentimento que nos aproxima.

23 dezembro, 2017 às 09:39  |  por Capitão Hidalgo

 

Parece que tudo em nossa vida é resumida nesse momento que antecede e consagra o sentimento das pessoas. É o NATAL,  que inspira pensamentos mais aprofundados na busca de melhores caminhos. Claro, como não criar novos objetivos, ainda mais vivendo num país que respira intensamente dúvidas e dificuldades. Sim. Quando na minha tenra idade, mesmo com “aqueles” famosos problemas familiares, vamos dizer a falta de dinheiro, nem por isso deixávamos de comemorar . A começar pela alegria de se comprar uma árvore propícia para o momento, e lembrar de colocá- numa lata cheia de terra para fincar o simbolismo natalino. E as bolas coloridas, que a cada ano iam se quebrando com o tempo!  Fazendo esse retrato de quase 70 anos passados, confesso que vivendo uma época tão distante de uma realidade atual, jamais poderia estar imaginando o que seria o passar outras natais. Claro, vivia-se aquele momento que não se ouvia falar  em competitividade, em distorções de comportamentos pessoais e ter os familiares  mais próximos, reinando o necessário calor humano. Tempos diferentes, pois, ninguém tinha um conhecimento mais aprofundado na política, e a escolaridade era um ponto necessário para se ter um alto grau de sabedoria no futuro. Essa era uma exigência dos pais, sobretudo, as famílias com origens bem mais humildes. Olha, ter um filho com diploma na mão era a consagração do feito familiar. Era a demonstração do apoio incondicional dos pais. Contudo, não sou contra o crescimento das instituições, e noto as diferenças nos comportamentos das pessoas nesse mundo crescido em sua modernidade. Claro, também, não sou ignorante de não aceitar tais provocações com o distanciamento de uma cultura criada em outros tempos. Seria culpado por estar vivendo esse momento? Não, absolutamente, não. Contudo, vamos dançando a mesma valsa dentro das reais condições. Aproveitando este espaço que me é dado, sem na verdade querer justificar nada, espero que ainda possa ver realizado o significado de um mundo onde poderemos ter mais tempo para os nossos entes queridos. Sei que está difícil diminuir nossa carga de trabalho, mas, como o  momento exige isso, vamos nos “enganando que estamos vivendo numa democracia tão decantada em verso e prosa e que encontremos mais pessoas idealistas. Se tivesse uma força divina perante ao “Papai Noel”, pediria mais proteção ao povo brasileiro e encontrar pessoas mais distintas em nossas vidas.  Meus sinceros desejos de um Bom Natal e Feliz Ao Novo, e que 2018 seja o momento de completarmos nossos desejos.

Lembre-se que: O melhor da vida é sua história.

 

2018 será uma luta intensa. Você dúvida?

20 dezembro, 2017 às 10:41  |  por Capitão Hidalgo

De repente me vi arrumando as gavetas, alguns papéis espalhados em minha mesa de trabalho, cartões que troquei com novos amigos, enfim, é aquele momento em que vamos largando o cotidiano exagerado que, anteriormente, traçamos para conviver, com menos intensidade nesse propósito. Já alguns dias venho participando de jantares com vários senhores da nossa sociedade, trocando figurinhas, queira ou não, na busca de se ter  opiniões à respeito desse ano que está findando. De forma unânime o assunto discorrido foi classificar como muito difícil. O que fazer? Cada um a seu modo levando a situação complicada que vivemos em nosso país.

Claro, que emoções nesse ano não faltaram no meu trabalho de comunicação. Estando por alguns anos ( 42 anos ), na labuta diária falando em esporte, principalmente, do futebol da nossa capital, pela Rádio CBN AM 670, veículo tradicional que tive a satisfação de iniciar na parte esportiva desse prefixo, no longínquo ano de 1985. Com amplas dificuldades no exercício de bem informar, e convivendo com um mercado publicitário muito triste, confesso que a batalha foi árdua. Chego, inclusive, a pensar nos ouvintes, e esta é a maior obrigação do radialista, que ele não tenha dúvidas quanto a busca do melhor trabalho que vai ao ar. Sem que queira justificar problemas, a verdade é que o mundo da comunicação instantânea abriu um leque e que na consequência, porque não, objetos de várias ações tiveram que ser tomadas.

Como estou abrindo o coração, claro, que nada se faz sozinho, quero aproveitar para agradecer os componentes da Equipe de Esportes da Rádio CBN AM 670, pelas 184 transmissões realizadas nesse período, como profundos conhecedores da matéria ( Rádio Esportivo ), ao se desdobrarem com a qualidade e na demonstração de caráter, que na verdade norteia nossa condução. São eles: Roberto Hinça, Edemar Annuseck; Edilson de Souza; Edgar Araújo; José Domingos; Eduardo Vieira; Gilberto César; Henrique Giglio; Luis Carlos Sabadin (Biro); Manoel Fernandes; Edson Thomaz; Joel Klava; Marcos Souto e Honorato Costa, com a direção de Nilson Rosa ( emissora ).

Partindo desse pressuposto, ainda que tenha demorado, também, vou abraçar essa causa da criação de uma Rádio Web com imagens por televisão. Já adianto que será o primeiro objetivo para 2018, além dessa minha participação pelo melhor Portal do Brasil, o Bem Paraná, que orgulhosamente escrevo por uns 20 anos. Não parando por aí, já há um convite formalizado para comandar uma Mesa Redonda, em televisão aberta.

Como sendo o ano de mais uma Copa do Mundo, e será realizada na Rússia/2018, e outras coberturas como o regional, nacional e internacional, vamos precisar de muito fôlego e melhoras no mercado em geral para que venhamos a ter a oportunidade de nos avançarmos mais em nosso trabalho.

Lembe-se que: O melhor da vida é sua história.

 

Resgate do nacionalismo.

18 dezembro, 2017 às 10:40  |  por Capitão Hidalgo

Depois de muito relutar, enfim, entrei para o mundo das informações, Facebook, podendo trocar figurinhas com tanta gente. Tenho gostado.  Na verdade, com a desenvoltura moderna orientada por várias ferramentas que dá uma dimensão estratosférica da rapidez dos fatos, o mundo parece que ficou pequeno. Frases de efeitos, poemas lindos, tenho notado a satisfação das pessoas, sim, que não tinham nenhuma chance de se expressarem, pois, eram anônimas. De uns tempos a esta parte, passaram, também, a darem informações e fazerem comentários dentro de seus entendimentos. Com isso saíram do anonimato e passaram á personagens das notícias. Agora, com a força das redes sociais, liberados para demonstrarem suas insatisfações, espero que o povo brasileiro mais atualizado possa colaborar com a verdadeira democracia. Se antes, as notícias eram tendenciosas, hoje, os veículos de comunicações não podem ficar no seu eixo próprio, sobretudo, por terem que fazer as devidas considerações pontuais.

Portanto, com essa “intromissão” não desejada, principalmente, aos políticos que se aproveitaram nas incursões do jogo sujo, fica a certeza que muita coisa há de melhorar, pois, será a vez do povo registrar, em urna, seu descontentamento. Que chegue logo, o mês de Outubro/2018, com as eleições gerais em nosso país, afinal, ninguém aguenta mais tanta desordem, corrupção e safadeza. Que venha o resgate do nacionalismo

Já disse que a amizade é uma das grandes compensações da vida. Participando de algumas confrarias, locais das conversas das mais variadas, como no imperdível café da Boca Maldita, ou mesmo, no tradicional Restaurante Stuart, onde tudo está certo, mas, nada resolvido, escuto o carinho de muitos personagens importantes que temos em nossa comunidade. São pessoas de bons tratos com o curso de vida bem ajustada, independentes e das mais variadas especializações. São eles que regem o bom encaminhamento das situações, não faltando os elogios e as críticas.

No mundo do futebol local, com final de ano próximo, tudo que se falar a respeito de negociações e outras cositas mas, é sempre encarado como duvidoso. A única frustração gerada é pela queda do Coritiba à 2ª Divisão Brasileira, determinada mais uma vez por pessoas desinformadas no futebol. Agora , é tentar mudar para melhor. A maneira é que será o problema pelos problemas que a nova gestão terá que suportar. Deixo registrado que não será fácil a tarefa do verdão paranaense em 2018.

Muita gente da imprensa brasileira condenado o time do Grêmio por ter perdido o jogo para o Real Madrid ( 1 x 0 ). A contestação vem pelo baixo rendimento, em campo, da equipe do técnico, Renato. A falta de um contato melhor na parte ofensiva foi , a meu ver, o entrave para o insucesso gremista. Por outro lado quero enaltecer essa equipe brasileira que chegou a mais uma final de clubes.

Lembre-se que:  O melhor da vida é sua história.