Lombalgia em atletas

3 abril, 2017 às 15:35  |  por Blog Corpo em movimento

lombalgia_atletas

Cerca de 80% a população sofre de uma crise de dor lombar em algum momento de sua vida. Por razões óbvias, os atletas estão em maior risco de sofrer uma lesão da coluna, devido à atividade física.  Esportes como o esqui, basquete, futebol, ginástica olímpica, golfe ou tênis, oferecem a coluna grandes cargas de estresse, absorção de pressão, torções , giros, e até mesmo lesões de impacto.  Essa atividade extenuante coloca uma pressão na coluna que pode causar danos ao melhor e mais condicionado atleta.  A maioria das lesões ocorre na coluna lombar. Os atletas muitas vezes relutam em procurar ajuda médica.  Muitos deles negam ou minimizam as queixas, a fim de evitar consequências, tais como: ter de diminuir a atividade para a recuperação, perder uma posição ou até ser removido de uma equipe, faltar uma competição, ou deixar a equipe desfalcada. No entanto, evitar a ajuda médica pode agravar lesões.

A maioria das lombalgias pode ser tratada com meios conservadores.  Todos os atletas que sofrem com isso devem procurar um médico.

As causas mais comuns de dor lombar em atletas

Entorses musculoligamentares

Este termo refere-se a todas as lesões de tecidos moles da coluna lombar.  Os tecidos moles são os músculos, nervos, ligamentos, tendões e vasos sanguíneos ao redor da coluna vertebral.  Estas são provavelmente as mais comuns lesões esportivas.  Estas lesões são diagnosticadas por exclusão, o que significa que o diagnóstico é oferecido após todas as outras causas de dor serem descartadas.  Estas lesões são geralmente auto-limitadas, geralmente curam com o tempo, mesmo sem tratamento apropriado, algumas vezes uma reabilitação é necessária.

Espondilolíse e Espondilolistese

Provavelmente causado por um”pars interarticular” geneticamente fraco somado ao esforço repetido para a coluna de diversas atividades físicas durante os anos de grande crescimento.  Pensa-se que espondilolíse aparece em adolescentes e adultos jovens , como resultado do excesso de cargas para a coluna ou eventuais fraturas por estresse do “pars”.

Em atletas, espondilolíse é mais comumente encontrada naqueles que participam de esportes que exigem esforços de hiperextensão da coluna lombar, tais como: ginástica, futebol. Levantadores de peso também têm uma maior incidência da doença devido ao esforço excessivo sobre a coluna vertebral.

Espondilolíse nem sempre produz sintomas perceptíveis.  Quando isso acontece, a lombalgia crônica é o sintoma mais comum. Inicialmente, o tratamento conservador é geralmente sugerido.

Medicamentos anti-inflamatórios e alongamentos / exercícios de fortalecimento podem reduzir a dor.  Se o seu especialista em coluna fizer o diagnóstico de uma fratura de estresse ocasionado pela atividade esportiva, pode-se utilizar um colete imobilizador para que a fratura possa curar. A cirurgia raramente é considerada em tais casos.

Espondilolíse pode também evoluir para uma condição chamada “espondilolistese”. Esta condição ocorre quando a fraqueza causada pela espondilolíse faz com que uma vértebra escorregue para frente sobre a inferior. A possibilidade de progressão é provavelmente mais preocupante em adolescentes do que adultos.

Muitos casos são assintomáticos e não causam quaisquer problemas maiores.  No entanto, por vezes, a vértebra escorregada pode pressionar o canal vertebral.  Isto deixa menos espaço para as raízes nervosas.  A pressão neural pode levar dor a região lombar, nádegas e dor nas pernas, assim como dormência no pé.  Se o problema for grave, a cirurgia pode ser sugerida.

Hérnia discal

Devido ao impacto e movimentos rotacionais extenuantes sobre a coluna dos atletas o disco intervertebral pode sofrer lesões.  Os discos intervertebrais são estruturas que agem como amortecedores entre as vértebras na coluna. Ele é composto de uma anel fibroso e de um núcleo pulposo.

A hérnia de disco ocorre quando a pressão sobre o ânulo fibroso é tão grande que este rompe.  Ao romper, o núcleo pode herniar (deslocar) para dentro do canal vertebral colocando em risco as raízes nervosas. Quando as raízes nervosas se tornam pressionadas e doentes ocorre um padrão de dor e dormência que vai desde a coluna lombar, irradia posteriormente a coxa, abaixo do joelho afetando a panturrilha e até o pé. Esta á a chamada dor ciática, causada pela hérnia discal.

Hérnia de disco geralmente pode ser tratada sem cirurgia, é o que acontece em aproximadamente 70% dos casos. O tratamento de uma hérnia de disco depende dos sintomas e do grau de irritação do nervo ou disfunção.

Cada uma destas patologias se apresenta de forma característica e é de suma importância o diagnóstico adequado.

As lesões musculoligamentares cicatrizam adequadamente e raramente afetam a atividade desportiva por longos períodos.

A hérnia discal, embora algumas vezes necessite tratamento cirúrgico, tem evolução bastante favorável na maioria dos casos e atletas podem voltar a sua condição física inicial.

Os casos de espondilolise e espondilolistese podem ter cursos de dor mais prolongados e tem maior chance de afetar a vida atlética mais definitivamente ou por períodos maiores.

Desta forma, é importante sempre o devido diagnóstico para condução de cada caso, uma vez que, quanto mais precoce a identificação e tratamento, maior a possibilidade de recuperação.

 

Cirurgia da Coluna Vertebral

Siga o Clube de Reabilitação nas mídias sociais: Facebook -  Instagram

 

0 Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>