Luang Prabang: um destino surpreendente no Laos

10 maio, 2016 às 12:32  |  por Aline Presa

Ponte de bambu em Luang Prabang fica montada apenas durante a estação seca.

Muitas pessoas não sabem nem onde fica o Laos. Localizado no sudeste asiático e bem menos turístico do que vizinhos como a Tailândia, o país resguarda belezas originais e destinos surpreendentes. É o caso da pequena cidade de Luang Prabang, considerada Patrimônio Mundial segundo a Unesco.

É possível chegar até lá de avião, ônibus ou barco. Escolhemos a última opção saindo do norte da Tailândia e navegando por dois dias ao longo do rio Mekong, um dos maiores do mundo.

Já no percurso ao longo do rio avistamos vilarejos e comunidades ribeirinhas, tendo uma ideia da pobreza que assola o Laos, que tem IDH considerado médio ocupando a 141ª posição no ranking mundial de 188 países. Um cenário que revela a realidade de um país marcado por guerras e conflitos.

Com uma economia pouco desenvolvida, estradas precárias em meio há um relevo montanhoso e a maior parte da população vivendo em pequenos vilarejos nas áreas rurais, no Laos nos encantamos com a simplicidade e natureza exuberante de um lugar que parece ter parado no tempo.

As famosas cachoeiras de águas cristalinas de Kuang Si, na região de Luang Prabang, ilustram tamanha beleza.

No complexo de Kuang Si é possível ver de perto ursos apreendidos para não serem vítimas de caçadores.

Chegando em Luang Prabang, andando por suas ruas logo nos deparamos com seus casarões – herança da colonização francesa na arquitetura local. Logo vimos também as várias bandeirinhas vermelhas da foice e do martelo – símbolo do comunismo. A própria denominação oficial do país, República Democrática Popular do Laos e os alto-falantes presentes nas avenidas da cidade não escondem a influência e dominação do partido comunista sobre a vida política do país.

O conceito de comunismo no Laos, no entanto, é no mínimo instigante ou contraditório. Além da falsa democracia na esfera política, nos últimos anos o Laos passou a promover a iniciativa privada, descentralizando o controle do governo.

ALIMENTAÇÃO NO LAOS

Os mercados de Luang Prabang nos dizem muito sobre a cultura do Laos. No tradicional mercado noturno, mulheres comercializam belas tecelagens típicas e outros produtos locais como os potes feitos de bambu para armazenar arroz. Pela manhã, no mercado diurno se comercializam principalmente alimentos que são consumidos pela população: Arroz, frutas, verduras, legumes, galinhas, patos, peixes, porquinhos da índia, sapos, pássaros, cobras e até ratos. Alguns animais são comercializados ainda vivos, outros já mortos.

Pássaros e cobras são comercializados no mercado local diurno.

A culinária laociana, que inicialmente lembra a tailandesa, com muitas sopas, é menos apimentada e inclui pratos bastante peculiares como as iscas de carne seca de búfalo com semente de gergelim e um outro em que se enrolam alguns ingredientes numa folha de alface incluindo macarrão de arroz, pasta de berinjela, amendoim e um molho agridoce tradicional chamado jeow.  Outra diferença importante está no arroz, mais pegajoso, que nesse país se come com as mãos. As baguetes também são vendidas em todas as esquinas, mais um legado deixado pela França e que combina com o saboroso e famoso café do Laos.

O LAOS É ALARANJADO

Outro ponto marcante no Laos é a presença dos monges em templos e ruas da cidade. Eles estão por todos os lados com suas vestimentas alaranjadas. Talvez sejam tantos porque, conforme me relatou um monge, essa muitas vezes é uma das únicas formas de crianças pobres terem acesso a uma boa educação gratuita. Ainda numa das paradas do barco ao longo do Rio Mekong notamos a presença de um grupo de monges pegando um barco rápido e usando capacetes. Uma cena incomum para nós mas normal no dia a dia da região.

Ronda das Almas é o ritual que acontece todas as manhãs em vários lugares mas que ganhou popularidade em Luang Prabang.

A tradicional cerimônia da Ronda das Almas, que acontece todas as manhãs quando os monges saem descalços pelas ruas para receber comida oferecida pela população local, naturalmente virou atração turística. Mesmo assim, conserva a pureza e os valores do budismo.

Moradores dão arroz para os monges porque acreditam que dessa forma estão acumulando méritos.

Outros rituais podem ser presenciados com sorte. Acordamos várias vezes as 4h da manhã com os sons das batidas dos bumbos num templo próximo à nossa pousada. Outro dia, numa tarde visitando um templo qualquer, acompanhamos monges de diferentes idades entoando cânticos em uma cerimônia interna.

Após uma estadia de 10 dias em Luang Prabang, encerramos nossa breve passagem pelo Laos. Pedalando por suas ruas, visitando vilarejos em seus arredores, apreciando o sol se pôr à beira do Mekong, conhecendo templos e mercados, vivenciando a cultura local e acompanhando a rotina dos monges,  descobrimos um lugar em que a vida passa em outro ritmo – menos frenético e fluido, assim como as águas do rio Mekong.

 

1 Comentários

2 ideias sobre “Luang Prabang: um destino surpreendente no Laos

  1. Edna

    Parabéns lindo documentário, completo e que nos fortalece de conhecimentos sobre culturas tão diferentes das nossas, mas ao mesmo tempo tão enriquecedoras.

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>