Brasul decide: volta a se integrar ao Brasil ou dá origem a três países?

8 outubro, 2017 às 13:40  |  por José Pedriali

1aE no Paraná a população é consultada sobre a formação de seis países derivados do antigo estado. Que poderão ser oito.

 
José Antonio Pedriali 
Enviado especial
Sete de outubro de 2027. Dez anos depois do plebiscitou do qual resultou a criação do Brasul, a população desse novo país, formado por três estados sulistas do Brasil – Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul -, volta de novo às urnas para decidir pela reanexação ou pela criação de três novos países: Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul.
O pretexto para a criação do Brasul foi a disparidade dos recursos enviados por esses ex-estados, industrializados e economicamente fortes, ao governo central, sediado em Brasília, Distrito Federal, em relação ao retorno de investimentos. “Estávamos cansados de financiar o Nordeste, região de gente inculta, atrasada e preguiçosa”, alegava um dos líderes do movimento separatista.
Pois a disparidade na distribuição de recursos é o principal motivo alegado para a reanexação ou criação de três novos países.
“Os paranaenses reclamam porque ajudam a combalida economia do Rio Grande do Sul e os catarinas (que odeiam ser chamados assim) de fornecer embutidos, frangos, marrecos, chucrute e maquinários para os outros entes da federação sulista”, afirma um representante do movimento.
Os catarinenses também se dizem contrariados com o grande afluxo de gaúchos e paranaenses, cujo litoral é pouco atrativo, a suas praias. “Eles são pouco civilizados”, diz um morador de Santa Catarina, que defende a cobrança de uma “taxa turística”, o que somente seria possível após o desmembramento.
Os gaúchos, por sua vez, apresentam um motivo diferente: não aguentam mais as piadinhas que os associam aos veados – palavra politicamente incorreta, da qual paranaenses e catarinenses abusam, para designar um homossexual masculino. E afirmam que “machos de verdade” são eles porque, “bah, os barrigas verdes (catarinenses) e os coxas brancas (paranaenses) é que são moçoilas”.
Independentemente do resultado do plebiscito, afirmam que vão cobrar royalties pelo rodízio de churrasco (ou espeto corrido) e processar criminalmente os que fizerem piadinhas sobre a tendência sexual de seus moradores do sexo masculino. E determinar> só veste bombacha e toma chimarrão quem for gaúcho, tchê!
O fator linguístico também influencia a decisão dos eleitores. “Não era para falarmos a mesma língua?”, pergunta um deles. “Então como explicar que um menino seja chamado de guri, piá e moleque ao mesmo tempo; que cavalo seja tratado por pingo e moça por prenda? E quem é que entende o que dizem os ‘manezinhos da ilha’ (moradores de Florianópolis), que engolem as palavras ao mesmo tempo em que contorcem os lábios. ‘Mofas com a pomba na balaia’. Tente traduzir, tente (te ajudo: é ficar esperando por muito tempo…) O que é, afinal, uma sinaleira, um semáforo e um sinal senão o mesmo dispositivo de controle de cruzamento de ruas? Bituca e guimba? Rotatória e redondo?”
Espera-se grande participação no plebiscito de hoje, apesar do mau tempo em todo o Brasul. Segundo o DataSul-Independente (dissidência do DataSul), a criação dos três novos países deve sair vitoriosa: 99% disseram-se favoráveis, 0,9% defendem a reanexação e o restante não soube ou não quis responder.
Paraná
O Datasul-Independente consultou também os paranaenses sobre a manutenção integral do território do Estado em caso de independência, e a maioria – 99,9% – disse que deveria ser desmembrado em Paraná do Sul (capital Curitiba), do Oeste (Cascavel), Sudeste (Guarapuava), Norte Velho (Jacarezinho), Norte Novo (Londrina) e Noroeste (Maringá).
“Não suportamos mais trabalhar para dar vida boa aos curitibocas”, diz um eleitor do Norte, ao qual responde um morador de Curitiba: “Curitiboca é sua mãe, que veio da Vila Mattos (zona de meretrício da Londrina pioneira), pé- vermelho ignorante e atrasado”..
Os eleitores de Toledo se dizem revoltados com a indicação de Cascavel para sediar o possível futuro Paraná do Oeste e articulam um plebiscito pela independência do Paraná do Carneiro no Buraco. E a população de Foz do Iguaçu defende a criação de um novo país, que incorpore todo o Parque Nacional do Iguaçu e parte do território paraguaio e argentino; o Muamba.”Já tenemos nuestro próprio idioma, o portunhol”, diz um elelitor da região.

(Singela homenagem aos defensores da independência do Sul do Brasil, país que tem um lindo povo forjado pela diversidade cultural e étnica. E um grande, diversificado e produtivo território.)

0 Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>