O suicídio e a mídia

27 abril, 2017 às 18:08  |  por equipe do Blog Maluco Beleza

shutterstock_160315670

*João Luiz da Fonseca Martins

Nas últimas duas semanas a mídia e as redes sociais foram inundadas de artigos e comentários sobre duas situações específicas que têm em comum o suicídio como pano de fundo.

Primeira situação: O desafio da baleia azul.

Jogo originado na Rússia e caracterizado por 50 desafios dados pela internet ou através de mensagens pelo celular. As etapas devem ser cumpridas uma a cada dia. Essas tarefas trazem aumento gradual de complexidade e devem ser executadas principalmente durante a madrugada. Apresentam como desfecho final a indicação para que o desafiado se suicide. As tarefas incluem assistir a filmes de terror, automutilações com gilete desenhando uma baleia no corpo, passar dias sem comer ou dormir, e por fim, suicidar-se.

Segunda situação: Seriado exibido na Netflix chamado “13 reasons why”. Na tradução ao português para “13 porquês”.

Baseado no livro homônimo de Jay Asher, o seriado conta, através de 13 fitas cassetes, os motivos que levam uma adolescente a cometer suicídio. A série tende a culpabilizar ao longo dos episódios os amigos da adolescente e a escola como motivadores para o ato e deixa de lado grande parte do sofrimento vivido pela personagem principal da série.

Adolescentes que buscam sentido para sua vida em vão, que passam por algum sofrimento (tristeza, choro fácil, isolamento social, desinteresse por atividades cotidianas, bullying, ansiedade, insônia, perdas, uso de drogas, etc) e que não têm suporte familiar estão mais suscetíveis a serem enganados e manipulados por estas situações.

Seja pelo desafiante do jogo russo ou a ser instigado pela personagem Hannah Baker da série, o suicídio tende a ser uma fuga do adolescente para seus problemas cotidianos.

A principal orientação atual é voltada para os pais de adolescentes de 13 a 17 anos de vida. Fiscalizem celular, computador e programas que os filhos assistem. Sente e converse sobre o tema. Assistam o seriado juntos. Buscar suporte psicoterápico e/ou medicamentoso é fundamental quando há presença de algum sofrimento psíquico como os descritos acima.

*João Luiz da Fonseca Martins é médico especialista em atendimento psiquiátrico emergencial e hospitalar na clínica psiquiátrica UNIICA – Unidade Intermediária de Crise e Apoio à Vida.

0 Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>