Arquivo mensais:maio 2012

Resposta de José “Pelé” Landi a biografia de Anderson Silva

30 maio, 2012 às 15:29  |  por Gustavo Kipper

Idealizada pela nin9 e escrita pelo jornalista Eduardo Ohata, da Folha de São Paulo e da ESPN Brasil, a biografia de Anderson Silva passeia por episódios obsuros e muita rivalidade que a vida do lutador encontrou, principalmente na época em que vivia em Curitiba e treinava na equipe Chute Boxe. Alguns dos episódios, contados a partir de depoimentos do próprio Anderson e muitas vezes escrito em primeira pessoa, tratam de assuntos polêmicos envolvendo personagens que conviveram diariamente com ele na época do extinto evento japonês Pride e na sequência de sua vida após o sucesso. Porém, as declarações caíram pesadas no colo de alguns lutadores citados, como no caso de José “Pelé” Landi, que, sabendo das polêmicas linhas, resolveu se pronunciar criando um vídeo resposta no qual se defende e ainda desafia o campeão dos médios do UFC para uma luta de muay thai.

Confira o vídeo de “Pelé”.

 

Da série… se machuca nos treinos

29 maio, 2012 às 11:45  |  por Gustavo Kipper

Anderson Silva machuca o joelho em treino

A declaração de Anderson foi como um nocaute para a o UFC, que acabou de perder Vitor Belfort por lesão. Anderson tentou tranquilizar todos afirmando que ao contrário da lesão sofrida por Vitor, ele terá tempo de se recuperar e a luta está confirmada. Mesmo assim, já começam as especulações sobre o estado físico de spider, pouco antes do combate mais aguardado de sua carreira vitoriosa.

Caso vença, ganhou mesmo machucado, caso perca, o joelho atrapalhou e assim vamos. Acho que se a lesão não foi grave, spider perdeu a grande oportunidade de ficar calado, ou será que está arrumando uma bela desculpa caso fracasse dia 7 de julho?

foto: André Durão

 

Belfort quebra a mão e frustra todos

29 maio, 2012 às 11:40  |  por Gustavo Kipper

O confronto entre Vitor Belfort e Wand não vai mais acontecer este ano. O atleta carioca, líder da equipe verde do TUF Brasil, quebrou a mão nos treinos para a luta e deixou muita gente decepcionada, começando por ele mesmo, que afirmou que sua luta agora é contra a lesão. Vitor colocou a foto de sua mão quebrada em seu perfil do Twitter e alegou que a força de um de seus golpes, além de cortar seu sparring, deslocou os ossos de sua mão esquerda, tendo que ser submetido a uma cirurgia. Segundo seu médico particular, Michael Simoni, Vitor ficará de gesso por quatro semanas e em dois meses poderá iniciar novamente os treinos.

Cada personagem reagiu diferentemente à situação que inevitavelmente já deixa mais problemática a versão mais bagunçada da história do UFC. Após a lesão, Vitor teria dito que pediu ao seu médico para que o liberasse para o combate com apenas uma mão. As declarações pegaram mal e Wand respondeu com um tom bem áspero: “Com uma mão só (risos)? O senhor é um fanfarrão! Somos profissionais. É uma grande irresponsabilidade não ter se cuidado nos treinos. Um grande desrespeito com os fãs” – publicou Wand em seu Twitter.

Essa não é a primeira vez que um lutador importante se machuca perto de um evento, mas Vitor, ao longo dos últimos anos, tem sofrido lesões constantes, sendo obrigado a mudar por vezes as datas de seus combates, prejudicando os lutadores, o público, o evento e levanta mais uma polêmica sobre a intensidade dos treinos preparatórios que antecedem os desafios. Vitor disse que já lutou mesmo estando lesionado mais de uma vez na carreira. Antes de enfrentar o americano Anthony Johnson no UFC 142, no Rio de Janeiro, disse que fez cinco infiltrações no cotovelo e no ombro para poder lutar. Contra o japonês Yoshihiro Akiyama, disse ter lutado com a mão fissurada. Ou seja, ou o cara está dando mole ou mente sobre tanta superação.

Antes de subir ao octógono, o atleta passa por meses de treinamento físico e técnico, com equipe de lutadores, preparadores físicos e nutricionistas. A pesagem é também o momento crítico em que muitos atletas reduzem significativamente seu peso por processo de desidratação para chegarem ao limite de peso estabelecido – processo que debilita os atletas e muitos não conseguem alcançar a meta. Belfort deve pesar quase 100 kg nos treinos, mas chega à pesagem oficial com 84. Fácil não é. Segundo todos os lutadores, são sempre duas batalhas para cada luta.

Mas até que ponto o lutador deve por em risco sua saúde ou integridade física na preparação? Wand garante que isso não é azar e cobrou profissionalismo de Belfort: “Os melhores equipamentos, luva, gel, bandagem. Eu acho que amarelou. Ninguém treina tão duro assim ao ponto de socar tão forte. Se estava com medo, não tivesse aceitado a luta”. A declaração de Wand deixa clara sua frustração, colocando alguns ingredientes que sabemos que não existem. Ninguém quebra a mão por medo, mas sim excesso. Por outro lado, Wand tem razão. Se o soco foi tão forte capaz de quebrar ossos e machucar um companheiro em um treino, mesmo com essa quantidade de proteção, não deixa de ser falta de inteligência, negligência e irresponsabilidade. Eu não me lembro de Wand ter que abandonar uma luta por uma contusão nos treinos. Embora saibamos que essas coisas acontecem, é algo a ser pensado, pois envolve muito investimento do atleta da organização e dos fãs.

Os fãs…esses são os que mais têm se pronunciado. Mesmo que as declarações de quem só acompanha não sejam publicadas pela mídia, quem participa e lê os fóruns de discussão nas redes sociais não está nada feliz. Muitos já contestavam a qualidade do evento inicial, e com tantas mudanças, o cenário só tende a piorar. Da ideia original ao que ainda não se sabe o que será, houve uma sequência de acontecimentos negativos, possivelmente inéditos na história do UFC. O TUF Brasil foi um grande passo dado, mas gerou muita expectativa, que certamente não será cumprida e a organização vai sem dúvida ficar devendo ao povo brasileiro um evento de verdade.

O UFC ainda não se pronunciou sobre o substituto de Vitor, mas garantiu que o lutador curitibano estará no card principal no dia 23 no ginásio do Mineirinho. Os principais nomes da categoria têm datas agendadas e são lutas muito bem casadas como Hector Lombard vs Brian Stann e Michael Bisping vs Tim Boetsch. Em minha opinião o adversário mais correto seria o americano Rich Franklin, que além de já ter vencido o brasileiro, em uma luta controversa, tem luta marcada para dia 7 de julho, sendo apenas alguns dias de diferença. Mudar adversários tem sido prática comum, a exemplo do UFC 146, em que houve várias mudanças no card, mas que acabaram agradando. Rich Franklin desceu recentemente de peso, voltando para a categoria na qual já foi campeão, tendo perdido seu título para Anderson Silva. Seria uma boa revanche para Wand e um ex-campeão. Qualquer outro nome dificilmente agradará, principalmente se for um adversário brasileiro.

Mão de belfort após a lesão.

UFC 146: Cigano brilha mais uma vez e lava a alma brasileira

27 maio, 2012 às 13:08  |  por Gustavo Kipper
(Foto: Getty Images)

(Foto: Getty Images)

Foi um UFC para ficar gravado na memória dos aficionados por MMA. Digo isso não pelas batalhas épicas, duelos disputados até o fim e equilíbrio. Sem tirar o mérito de Joe Silva, o homem que decide junto com Dana White os confrontos, o UFC 146 foi marcado pelo dinamismo e rapidez que os combates foram se desenhando e gravado ficará na memória dos brasileiros o dia em que fomos mais uma vez os maiores. Mesmo com o card principal recheado de pesos pesados, a estreia arrasadora de Glover Teixeira não deixou dúvidas de que ele tem potencial para enfrentar qualquer um na categoria, e quem sabe um dia, seja o próximo campeão dos meio-pesados. Veremos.

Nem tudo foi festa para os brazucas. Diego Brandão, lutando nos pesos penas, apesar do domínio no primeiro round, não mostrou sua agressividade original e foi dominado pelo ex campeão do WEC, tendo sua estreia frustrada. Mas o atleta cearense, último campeão do TUF americano ainda é novo e tem um longo caminho pela frente. O mesmo posso dizer de Edson Barboza, que sentiu a pressão e não conseguiu desenvolver seu jogo em pé, sendo nocauteado por Jamie Varner. Caindo em posição desfavorável, não conseguiu defender os socos que fizeram o combate ser encerrado. Porém, assim como Diego, deve treinar para voltar melhor. Afinal, ambos ainda têm contrato com a organização e muito para mostrar. Diego acabou perdendo por pontos.

Cigano

Muitos podem não ter reparado na música de entrada do catarinense de caçador, baiano de coração, mas aquilo era visivelmente um sonho, era toda uma vida de obstáculos, assim como no filme que certamente fez parte da infância de muitos e da vontade de ser o campeão, de ser o melhor do mundo. A música ao fundo, tema do filme do lutador Rocky, eternizado por Silvester Stallone, fez brilhar como olhos de tigre o nosso campeão. Com o rosto marcado pela concentração, desde a primeira encarada era visível à superioridade mental e física de Cigano. Frank Mir estava prestes a entrar em um mundo de dor. Seus olhos tentaram evitar por alguns segundos aquilo que viria pela frente. Uma luta em que suas armas não possuíram o menor efeito. Frank Mir ficou pequeno diante da técnica de Júnior Cigano dos Santos.

Deixando a emoção de lado, sou obrigado a dizer que Cigano fez aquilo que Minotauro por um castigo divino não fez. Feriu Frank Mir com um boxe precioso e quando todos imaginavam que viria o atropelo, ground and pound ou como quiserem chamar, ele faz mais, fez o país vibrar a cada vez que levava Mir à lona e o mandava se levantar. Pior que no boxe, Mir não tinha nem os dez segundos e via a cada instante seu fim chegar mais perto, adormecendo nas limitações que o levaram pela terceira vez ao solo, tempo suficiente para ainda aquele último golpe, antes do juiz encerrar a luta, o último golpe que todo brasileiro deu junto. Frank Mir tentou apenas uma vez levar o brasileiro para sua suposta zona de desconforto, mas Júnior Cigano rapidamente imprimiu seu ritmo em pé e o confronto no chão começou a ficar improvável. Com golpes precisos, Júnior Cigano provou que é o melhor peso-pesado do planeta. E que seu reinado do melhor boxeador do MMA dure por muitos anos.

Cain Velasquez: um monstro com sede de vingança

Assim como na bíblia, Cain fez jus a sua fama de mau e foi imponente na vitória contra Antonio “Big Foot”. Muito mais que isso, mostrou por que era o campeão dos pesados e venceu com facilidade o gigante brasileiro, especialista em jiu-jitsu. Cain derrubou por duas vezes seguidas Pezão com uma facilidade de impressionar e impôs o jogo cruel que o fez um dia ser o melhor. Com uma sequência traumática de cotoveladas e socos, Cain bateu muito e obrigou o brasileiro a virar de lado, sem conseguir mais se defender de tanta potência. Logo que a luta foi interrompida, o sangue no rosto de Antonio e a nítida impressão de que apenas um homem pode hoje parar Cain. Uma revanche entre Velásquez e Júnior dos Santos parece inevitável e provavelmente aconteça ainda este ano. Seria uma luta completamente diferente do primeiro encontro, no qual Cain estava havia quase um ano sem lutar. Sem dúvida será o confronto mais importante da história dos pesos-pesados do UFC. Vai rolar.

UFC 146: Júnior dos Santos vs Frank Mir

25 maio, 2012 às 12:57  |  por Gustavo Kipper

O UFC mais pesado de todos os tempos

Com um card principal dominado pela divisão dos pesados, o UFC 146 que acontece neste sábado no MGM Grand, em Las Vegas, promete mudar os rumos da categoria. Além da mais aguardada luta pelo título, vários atletas de ponta farão lutas que definirão o quão longe estão do cinturão. É o caso de Cain Velasquez, que encara o brasileiro recém-chegado do Strikeforce Antônio Pezão, que já tem vitórias importantes em seu cartel, como contra o russo Fedor Emelianenko no GP dos pesados, em 2011. Na ocasião, Pezão chegou à luta com 140 kg, o que pode dificultar o jogo de Wrestling de Cain.

Coletiva de imprensa sem trashtalk e sem Dana White 

O que se viu hoje na coletiva de imprensa do evento foram perguntas diretas e respostas profissionais e sinceras. Tanto Cigano quanto Mir mantiveram o nível da conversa, deixando claro a todos os presentes quais as qualidades e brechas no jogo de cada um, sem esconder em qual área se sentiam mais confortáveis. O certo é que ambos duvidam que a luta dure os cinco rounds e ambos ressaltaram o poder que vencer um primeiro round nos pesados pode ter no efeito da luta. Mesmo com uma trocação que já surpreendeu alguns strikers famosos (Mirko Crocop), Frank Mir parece ser lento nas tentativas de quedas que virão contra Cigano e as mãos do brasileiro, muito rápidas para a categoria, prometem encerrar o combate de forma breve. Uma ironia interessante foi levantada por Mir, que disse que os americanos têm vários campeões mundiais de boxe, mas o brasileiro leva vantagem. Assim como os brasileiros dominam o jiu-jitsu, mas o americano tem oito finalizações, enquanto Cigano não tem nenhuma. É MMA. É ver para crer. Imperdível.

Brasileiros completam card do UFC 146

Além do campeão Júnior dos Santos e do monstro Antônio Pezão, alguns brasileiros badalados farão lutas importantes que, se vencidas, projetarão nossos atletas rumo ao topo de suas categorias. Estou falando do peso pena, campeão da última edição do TUF americano, o traumático Diego Brandão, que promete ir pra porrada pra justificar sua conquista. Outro brasileiro, que já deveria estar há anos no hall dos grandes lutadores do UFC, Glover Teixeira, faz sua estreia nos meio-pesados e muitos comentam que ele pode passar o trator na categoria, podendo inclusive um dia ganhar o title shot. Para fechar a noitada, o autor do golpe cinematográfico do UFC Rio, Édson Barboza, tem mais uma caminhada rumo ao título dos pesos leves.

Ver ou não ver as preliminares

Muita gente não dá muito valor às lutas preliminares, concentrando-se apenas nas lutas principais, que invadem nossas madrugadas. E isso não é chatice, realmente as lutas preliminares são uma eternidade para quem quer ver seus ídolos em ação. Mas olhando com atenção no card do evento, podemos ver grandes figuras e lutas boas a noite toda. Acho que é o UFC do ano em que não deve se tirar os olhos da tela, principalmente na sequência dos pesados, e caso Cigano nocauteie, não há brasileiro que não se sinta vingado pelo ocorrido com Minotauro.

UFC 146 Primetime

http://youtu.be/DvZNTMyMg8w

http://youtu.be/wMWkx3sVatk

Veja na íntegra a entrevista dessa sexta com os atletas :

http://www.youtube.com/watch?v=wrq8nNwnXkE

No Brasil o evento completo será transmitida pelo canal Combate a partir das 19:30 horas.

Card Principal

Junior dos Santos vs. Frank Mir
Cain Velasquez vs. Antônio Silva
Roy Nelson vs. Dave Herman
Shane del Rosario vs. Stipe Miocic
Lavar Johnson vs. Stefan Struve

Card Preliminar
Diego Brandao vs. Darren Elkins
Jamie Varner vs. Edson Barboza
Jason Miller vs. C.B. Dollaway
Jacob Volkmann vs. Paul Sass
Dan Hardy vs. Duane Ludwig
Kyle Kingsbury vs. Glover Teixeira
Mike Brown vs. Daniel Pineda

Francisco Filho: a lenda do time de Belfort.

23 maio, 2012 às 14:56  |  por Gustavo Kipper

O reality show The Ultimate Fighter não é apenas a chance de competidores alcançarem contratos e objetivos. É onde equipes de treinamento se formam para lapidar os participantes escolhidos. No time de Wand, principalmente para mim, que sou curitibano, os treinadores da equipe azul são rostos conhecidos, que há anos representam e fazem o esporte evoluir, construindo campeões. É o caso do mestre Rafael Cordeiro, que já esteve no corner de todos os campeões da Chute Box, incluindo Wand, Anderson e Shogun.

Mas o fato que me chamou a atenção foi uma das escolhas do time verde de Vitor. Seu nome é Francisco Filho. Alguns já sabem que há anos Belfort vem aperfeiçoando suas técnicas no karatê kyokushin, mudando inclusive sua postura e base nas lutas. Ao lado de nomes consagrados pelos excelentes trabalhos como o treinador de boxe Luís Dórea, que já treinou Popó Freitas e hoje treina o campeão Júnior Cigano, os treinadores do time verde mostraram competência e seus métodos fizeram a diferença. Sem tirar o mérito da “Chute Box Crew”, poucos conhecem Francisco Filho.

Francisco “Chiquinho” Filho nasceu em 1971 e fez sua estreia profissional no K-1 em 20 de julho de 1997, no K-1 Dreams, lutando contra o lendário e falecido Andy Huge. Esse foi seu segundo encontro com Andy, sendo o primeiro no 5º Torneio Mundial Kyokushin em 1991, que resultou em uma vitória por nocaute de Filho. Desde então, disputou o título em campeonatos como K-1 e o IKO – Kyokushin Kaikan. Não luta em uma grande competição desde 2004, mas continua trabalhando no desenvolvimento de jovens promessas e na supervisão da equipe nacional de Kyokushin do Brasil.

Mas o fato que torna a pessoa em mito é a seguinte história: Francisco Filho foi o único brasileiro a efetuar com êxito o teste das 100 lutas no Japão e o único no mundo a não precisar ser hospitalizado após o feito.
Bateu o recorde de duração (3 horas e 2 minutos) e de número de vitórias (76 vitórias e 24 empates).
O cara é o verdadeiro casca-grossa do TUF Brasil.

Fonte: Wikipédia

Veja a primeira parte do vídeo. As outras são encontradas no Youtube.

 

 

Lutas confirmadas em 2012

22 maio, 2012 às 07:20  |  por Gustavo Kipper

Stefan Struve vs. Lavar Johnson
UFC 146 “Dos Santos vs. Mir,” May 26, Las Vegas

Jorge Santiago vs. Jay Silva
Titan Fighting Championship 23 “Fight for the Troops,” June 15, Fort Riley, Kan.

Karo Parisyan vs. Shamar Bailey
ShoFight 20, June 16, Springfield, Mo.

Kendall Grove vs. Terry Martin
ShoFight 20, June 16, Springfield, Mo.

Marcus Aurelio vs. Lyle Beerbohm
ShoFight 20, June 16, Springfield, Mo.

Urijah Faber vs. Renan Barao
UFC 148 “Silva vs. Sonnen 2,” July 7, Las Vegas

Ivan Menjivar vs. Mike Easton
UFC 148 “Silva vs. Sonnen 2,” July 7, Las Vegas

Chad Mendes vs. Cody McKenzie
UFC 148 “Silva vs. Sonnen 2,” July 7, Las Vegas

Jon Fitch vs. Aaron Simpson
UFC on Fuel TV 4 “Munoz vs. Weidman,” July 11, San Jose, Calif.

Rafael Natal vs. Andrew Craig
UFC on Fuel TV 4 “Munoz vs. Weidman,” July 11, San Jose, Calif.

Nick Penner vs. Tom DeBlass
UFC on Fuel TV 4 “Munoz vs. Weidman,” July 11, San Jose, Calif.

Will Campuzano vs. Steve Garcia
Legacy Fighting Championship 12, July 13, Houston

Jay Hieron vs. Mike Bronzoulis
Legacy Fighting Championship 12, July 13, Houston

Manabu Inoue vs. Kyoji Horiguchi
Shooto, July 16, Tokyo

Phil Davis vs. Chad Griggs
UFC on Fox 4 “Stann vs. Lombard,” Aug. 4, Los Angeles

Jon Jones vs. Dan Henderson
UFC 151 “Jones vs. Henderson,” Sept. 1, Las Vegas

fonte: Sherdog

 

Renan Barão perto do título dos pesos galos

21 maio, 2012 às 15:47  |  por Gustavo Kipper

Os números impressionam. O potiguar de apenas 25 anos não perde no MMA há mais de sete anos e nada tem o poder de frear essa ascensão explosiva. Para deixar o quadro mais traumático, treina na Nova União, equipe do mestre fabricador de campeões André Pederneiras. A Nova União é o melhor grupo dos pesos leves do mundo. É onde José Aldo treina.

A oportunidade de Barão chegou acompanhada da lesão do atual detentor do título Dominick Cruz, que arrebentou seus ligamentos do joelho nos treinamentos. Como sua volta só deve acontecer em 2013, o título interino estará e jogo dia 7 de julho em Vegas, e Renan Barão, mesmo ainda não tendo traçado sua estratégia, promete cair na “porrada”. O anúncio da luta foi feito ao vivo no The Ultimate Fighter Live, na sexta-feira à noite, e quando Barão entrou no ginásio para a famosa encarada das fotos, o sorriso do campeão já começava a se desenhar. Seu adversário, atual treinador do programa, já lutou no peso acima, mas foi tão severamente castigado em sua luta contra José Aldo que preferiu baixar pros pesos galos.

Faber tem o estilo muito parecido com Chad Mendes, com socos rápidos e quedas precisas. Por ser muito leve, consegue se movimentar muito. É um excelente atleta, mas infelizmente não conseguirá passar por Barão. O jogo de amarrar a luta do wrestling americano não vai funcionar. Vamos ficar na torcida. Faber vs Barão acontece no mesmo dia da revanche Anderson vs Sonnen. Imperdível!

Veja o último episódio do The Ultimate Fighter 15

http://videosmma.net/2012/05/tuf-15-episodio-11-faber-vs-cruz.html

 

Ultimate Fighter Brasil

21 maio, 2012 às 14:52  |  por Gustavo Kipper

Ontem foi ao ar mais uma edição do TUF Brasil, ou “Em busca de Campeões”. Apesar do fraco nome, o programa começa a chegar às fases mais agudas. Na luta que definiria a última vaga na semifinal dos médios, o atleta bi campeão mundial de Jiu-Jítsu Sérgio Moraes provou por que será responsável em afinar o chão da UDL de Maurício Shogun no projeto Evolution Thai, coordenado por André Dida. Serginho, mesmo enfrentando um oponente da arte suave, o carioca Pé de Chumbo, entrou concentrado e deixou o placar em 7×1 pro time verde de Vitor Belfort. O atleta do time azul de Wanderlei Silva cometeu erros que não se podem cometer contra um campeão mundial. Por finalização com mata-leão, Serginho avança.

O fato que chamou a atenção foi a comoção de Vitor Belfort e alguns atletas quando descobriram por uma teleconferência, com o big boss dana White, que teriam que dividir as equipes para avançarem nos treinos. Como apenas um atleta do time azul de Wand venceu as eliminatórias, Vitor foi obrigado a ceder dois atletas para o time azul. Nada de mais em se tratando de uma competição, mas a emoção tomou conta quando Vitor foi obrigado a fazer o anúncio de quais lutadores ele abriria mão. Para quem acompanha, sabe que Cézar Mutante é o pupilo de Vitor e Daniel Sarafian já havia se estranhado com Renato Babalu, do time azul. Portanto, foi muito choro para decisões óbvias. O atleta Thiago Bodão ficou visivelmente chateado por mudar seus treinadores, mas Sérgio Moraes assumiu outra postura. Sabendo que Vitor possivelmente venha a privilegiar seu pupilo, Cézar, Serginho pareceu animado com a mudança de treinadores, fato que acredito ter aproximado o atleta da equipe azul e permitiu essa parceria a longo prazo com Dida e a UDL de Shogun.

Frase do próprio Sérgio Moraes que já sabia que seria escolhido para mudar para o Wand Team: “Não curto nunca falsidade. Querer me enfrentar é uma coisa. Agora, articular com outro cara ‘deixa os dois para lá e nós para cá’ é outra coisa, fugiu do bagulho de time, da ideia de que todo mundo se ajuda. E falo: a partir de hoje quero treinar com o Time Wanderlei. Não é nada contra vocês, mas não rola mais. Vitor pregou todo o tempo um bagulho de verdade, disso e aquilo e não sei se ele faz parte disso. Se acontecer, com certeza o Vitor tem dedo nisso”, disse Serginho a Bodão.

Veja o episódio completo:

Strikeforce agrada com boas lutas

21 maio, 2012 às 14:49  |  por Gustavo Kipper

Para a alegria dos fãs brasileiros no HP Pavilion em San José, Califórnia, Rafael Cavalcante “Feijão” atropelou seu adversário, vingando sua derrota para o mesmo Myke Kyle em 2009. Feijão, que já foi campeão, aproxima-se agora do segundo ”title shot”. Muito bem preparado por seu treinador Josuel Distak, encaixou uma poderosa joelhada que levou Mike ao chão, e após castigar no ground and pound, conseguiu a abertura para a finalização em menos de 40 segundos.

Foi uma vitória espetacular. Em breve Feijão deverá recuperar esse cinturão pro Brasil nos meio-pesados.No duelo dos pesos leves, Gilbert Melendez mostrou por que é um dos três melhores do mundo na categoria e venceu por pontos Josh Thomson, seu último algoz no que seria uma luta de desempate. Mesmo com a vitória e a soberania, não há indícios que Melendez deva ir pro UFC. Mesmo com sua técnica apurada, deve continuar no Strikeforce por mais um tempo.

Na luta principal, Daniel Cormier surpreendeu muitos e dominou amplamente o combate, castigando o rosto de Barnett, que perdeu por decisão unânime dos juízes. Muitos esperavam mais de Barnett, que parecia em boa forma, mas Cormier foi implacável e é de novo campeão do Grand Prix dos peos pesados do Strikeforce. Caso seja contratado pelo UFC, Cormier já chega com posto de top five da categoria. Após a luta, Barnett mostrou uma radiografia de sua mão quebrada.

Veja o vídeo da luta de Feijão.

Rafael Feijão vs Myke Kyle:

http://www.123video.nl/playvideos.asp?EMB=EmbedLayer&MovieID=1173459