Arquivos da categoria: Campeões

Anderson Silva e Maurício Shogun: os novos treinadores do TUF Brasil 4

30 outubro, 2014 às 11:13  |  por Gustavo Kipper

Acabou o mistério. Anderson Silva e Maurício Shogun serão os novos treinadores do The Ultimate Fighter Brasil 4. Essa edição traz alterações importantes: a primeira é a mudança do local de gravações para Las Vegas, excluindo São Paulo ou qualquer cidade brasileira da jogada. Creio que a dificuldade de locomoção e a estrutura que o UFC já criou em Nevada (Estados Unidos) fazem diferença na logística. Agora será mais difícil para os treinadores chegarem atrasados alegando problemas com o trânsito.

A segunda mudança é o fato de os treinadores das duas equipes não se enfrentarem nas finais do programa. Anderson Silva e Maurício Shogun lutarão contra adversários diferentes na mesma noite. Bom para o espetáculo, que ganha duas lutas ótimas para o público, ruim para quem gostaria de ver os dois ex-companheiros de treino se enfrentando.

Realmente, do ponto de vista competitivo, essa luta não seria boa para nenhum dos dois, tendo em vista que buscam o título de categorias de peso diferentes. Uma vitória não mexeria no ranking de nenhuma divisão, nem deixaria nenhum dos dois mais próximos a um title shot. Outro e talvez importante fator talvez seja que ex-companheiros de treinos da equipe Chute Boxe dificilmente se enfrentam. Ainda mais esses dois, que já conquistaram uma legião de fãs.

Mas, por que então que o UFC não escolheu dois atletas que pudessem lutar nas finais do programa? Se analisarmos o atual momento do MMA nacional, poderemos perceber que vivemos uma entressafra de atletas vitoriosos. Ainda vivemos à custa das lendas do Pride ou dos atletas da Nova União. As novas promessas ainda não deslancharam e os melhores brasileiros ranqueados estão com lutas marcadas e quase não competem entre si. Os únicos que sobraram com real apelo do público foram Anderson Silva e Shogun, que enfrenta Ovince St. Preux, em Uberlândia, no sábado (08).

Júnior Cigano e Fabrício Werdum um dia podem ser os treinadores de uma edição. Mas o momento atual não permite o confronto. Werdum tem title shot interino agendado contra Mark Hunt. Cigano enfrenta Miocic em busca da redenção. Nos meio-pesados, Glover sofreu a segunda derrota. Não tem apelo popular suficiente, além de ser praticamente nosso único representante da categoria perto do top 5. Caso contrário, um duelo com Shogun seria possível.

No peso-médio, Lyoto Machida seria um grande nome. Poderia enfrentar Ronaldo Jacaré ou até mesmo Vitor Belfort, duelo já cogitado anteriormente. Mas não neste momento. Quem sabe ano que vem, em caso de derrota de Vitor para Chris Weidman. Uma edição com Anderson Silva e Vitor Belfort seria fantástica. Mas Anderson tem luta agendada contra Nick Diaz e antes precisa provar que está recuperado da lesão na perna esquerda. Treinadores abaixo do peso- médio parecem não interessar ao UFC, até porque estamos carentes de atletas até 77 kg e 70 kg.

Enfim, a escolha de Anderson e Shogun, em termos de audiência e espetáculo, sem dúvida foi acertada. Talvez a rivalidade excessiva de Wanderlei Silva e Chael Sonnen tenha aberto uma nova proposta: sem stress desta vez. Os dois brasileiros se respeitam muito e dificilmente haverá atritos. Terá tudo para ser uma grande edição que revele grandes talentos, objetivo principal do programa. Cada um tem uma equipe poderosa para formação e treinamento dos atletas, que, com a estrutura já existente em Las Vegas, terão de tudo para ser o próximo The Ultimate Fighter Brasil.

Spider por mais 15 lutas

28 outubro, 2014 às 13:52  |  por Gustavo Kipper

O anúncio de que Anderson Silva teria “rasgado” seu contrato antigo e assinado um novo, garantindo o brasileiro por mais quinze lutas no UFC, pegou de surpresa o mundo das lutas.

Com quase 40 anos de idade e vindo de uma gravíssima lesão, Anderson tem luta marcada contra Nick Diaz, no UFC 183, dia 31 de janeiro. Mesmo que perca, não parece estar disposto a abrir mão de fazer o que mais gosta: lutar!

Se analisarmos as lutas disputadas por Anderson e as possíveis lutas dentro do UFC, vários adversários surgem como possibilidade, inclusive com algumas revanches e encontro explosivo com brasileiros.

Essa é uma lista fantasiosa de confrontos que podemos ter o prazer de ver, se o Spider lutar por mais cinco anos, fazendo três combates por ano. Se vencer todos, pode quase igualar seu recorde de 16 vitórias consecutivas.

1.      Anderson Silva vs Nick Diaz

2.      Anderson Silva vs Michael Bisping

3.      Anderson Silva vs Vitor Belfort

4.      Anderson Silva vs Chris Weidman (disputa do cinturão dos pesos-médios)

5.      Anderson Silva vs Luck Rockhold

6.      Anderson Silva vs Ronaldo Jacaré

7.      Anderson Silva vs Yoel Romero

8.      Anderson Silva vs Lyoto Machida

9.      Anderson Silva vs Gerard Mousasi

10.    Anderson Silva vs Dan Henderson

11.    Anderson Silva vs Anthony Johnson

13.    Anderson Silva vs Rashad Evans

14.    Anderson Silva vs Alexander Gustaffson

15.    Anderson Silva vs Jon Jones

O futuro de José Aldo

27 outubro, 2014 às 14:08  |  por Gustavo Kipper

Quem ficou acordado até a madrugada de domingo foi premiado com a melhor luta do ano, e, sem dúvida, a melhor já disputada entre os pesos-pena (até 66.2 kg).

José Aldo soube aproveitar a torcida toda a seu favor e impôs seu jogo. Como o Flamengo em uma final no antigo Maracanã, como em seus sonhos de torcedor. Poucas vezes a luta foi para o solo, e quando foi, quicava rapidamente e se punha em pé com facilidade. Restou a Chad jogar no terreno de Aldo, um terreno cheio de dor e violência. Mesmo com bons golpes e outros ilegais, Chad feriu o brasileiro, que parecia não se incomodar muito, salvo pelo olho esquerdo bastante machucado. Mas, a cada golpe do americano, várias respostas do campeão, inclusive com knock-down, no fim do primeiro round.

Chad sentiu a pressão de lutar com, talvez, o melhor atleta peso por peso do mundo. Um atleta completo que não perde há quase dez anos. Ser competitivo não bastou para o americano, que, mesmo com um excelente desempenho, voltou para casa com sua segunda derrota na carreira, para o mesmo rival. Chad volta para a fila, embora deva enfrentar um atleta top 5. Uma luta contra Frank Edgar seria fantástica.

José Aldo, por sua vez, limpou a categoria. Mesmo com muitos holofotes em Conor McGregor, e a quase certeza da realização da luta, caso Conor vença Denis Siver, nos faz relaxar, tendo em vista que Mendez é muito superior ao irlandês. Seria uma luta fácil para o brasileiro, sem sombra de dúvida, a maior promoção e a maior bolsa que já recebeu. Há rumores de que Dana White queira fazer na Irlanda. “Easy Money”!

Só existe uma ameaça para o reinado de Aldo no UFC, já que em sua categoria não tem adversários. Subir de peso ou fazer uma luta em um peso combinado, contra o campeão dos pesos-leves, o americano Anthony Pettis. Será seu maior desafio. Muito mais difícil inclusive que Chad Mendes, que já foi uma guerra. Com a dificuldade extrema de sempre bater o peso, poderia ser a chance de entrar mais forte e buscar outro cinturão de outra categoria. Só duas pessoas conseguiram o feito: Vitor Belfort e Randy Couture.

Acredito que José Aldo tenha, mais uma vez, provado que não é um campeão qualquer. Pode suportar a pressão mais extrema, pode levar golpes, pode ter todo um país em suas costas que sempre retorna vitorioso. Com tantos cinturões indo embora, foi um alento e esperança àqueles que acreditam que o talento pode superar as dificuldades externas. José Aldo agora deve planejar sua carreira. Está valorizado e precisa conseguir contratos melhores. É merecedor tanto das glórias quanto das bolsas recheadas, pagas a atletas com menos talento, mas com a boca maior. Precisa sim melhorar sua postura como produto, mas nunca entrando no mercado das provocações desrespeitosas para vender combates.

Está no ar

21 outubro, 2014 às 16:19  |  por Gustavo Kipper

Está no ar o vídeo do Countdown to UFC 179. Sábado (25), no Rio de Janeiro, José Aldo defende uma invencibilidade de quase dez anos no MMA, além é claro do seu precioso cinturão dos pesos-penas. É o único que restou para o Brasil.

Sem dúvida, Chad Mendes é outro atleta, comparado àquele que foi derrotado há dois anos e meio. José Aldo vai ter que lutar muito se quiser manter seu cinturão. O Brasil e seus lutadores têm acompanhando os cinturões indo embora para os americanos. Com a rivalidade acirrada entre a equipe Nova União e a Alpha Male, a luta tem ingredientes para uma verdadeira guerra.

É impressionante perceber como os americanos, especialmente os lutadores da Alpha Male Team, evoluíram na parte física e estratégias de luta. Com uma estrutura de treinamentos invejável e profissionais do mais alto gabarito, em diferentes áreas, eles estão elevando a categoria a patamares olímpicos. Se ainda podem melhorar na parte técnica, veremos. Mas o camping de treinamento parece assustador e a dificuldade que Chad trará a Aldo, desta vez, é incomparável.

Não podemos nos esquecer de que Aldo é o campeão. Suas armas são pesadas e em cima do octógono costuma crescer. Mas temo que seu auge já tenha passado, não creio que tenha evoluído tanto, até porque já alcançou algo próximo à perfeição. Em contraponto, Mendes é ainda muito novo, e sua evolução é nítida. Esse sim pode estar no auge. Torçamos para que eu esteja enganado. José Aldo tem que traçar uma estratégia perfeita para tentar anular a velocidade absurda de Chad. Além, é claro, de machucar o americano a todo instante.

Outro brasileiro em ação é Glover Teixeira, que tentará apagar a imagem da surra que levou de Jon Jones. Espera vencer bem o americano Phil Davis, famoso pelo excelente wrestling e jogo amarrado. Já frustrou antes Lyoto Machida, derrotado na decisão. Glover deverá partir pra cima e buscar o nocaute, já que ainda pensa em ser um dia o campeão da categoria dos meio-pesados.

UFC 179
25 de outubro de 2014, no Rio de Janeiro (RJ)
CARD PRINCIPAL
Peso-pena: José Aldo x Chad Mendes
Peso-meio-pesado: Glover Teixeira x Phil Davis
Peso-meio-pesado: Fábio Maldonado x Hans Stringer
Peso-pena: Darren Elkins x Lucas Mineiro
Peso-leve: Diego Ferreira x Beneil Dariush
CARD PRELIMINAR
Peso-meio-médio: William Patolino x Neil Magny
Peso-leve: Yan Cabral x Naoyuki Kotani
Peso-mosca: Wilson Reis x Scott Jorgensen
Peso-pena: Felipe Sertanejo x Andre Fili
Peso-leve: Gilbert Durinho x Christos Giagos
Peso-leve: Fabrício Morango x Tony Martin

 Assista ao vídeo: Countdown to UFC 179

 

 

 

 

 

 

Gennady Golovkin está de volta

18 outubro, 2014 às 11:46  |  por Gustavo Kipper

Pouco são os supercampeões de boxe invictos. Dentre eles está o peso- médio cazaque Gennady Golovkin, que entra no ringue hoje, contra o mexicano Marco Antonio Rubio, para defender seus cinturões da WBA e IBO e desafiar o cinturão interino dos médios do WBC.

Golovkin tem um impressionante record de trinta vitórias e nenhuma derrota. É talvez um dos melhores lutadores peso por peso do boxe e hoje luta novamente nos Estados Unidos, em evento transmitido pela HBO Boxing.

http://www.hbo.com/boxing#/

http://en.wikipedia.org/wiki/Gennady_Golovkin

                                                            

Confira algumas lutas do supercampeão:

Gennady Golovkin vs John Anderson Carvalho ( título do peso- médio Intercontinental pela WBO).

 

http://youtu.be/zhLEjteGirw

 

Gennady Golovkin vs Milton Nunez (título interino mundial pela WBA).

 

http://youtu.be/Ig9MtlI7GuY

 

Gennady Golovkin vs Lajuan Simon (defendeu o título dos médios pela WBA e conquistou o cinturão dos médios pela IBO).

 

http://youtu.be/zhLEjteGirw

 

Gennady Golovkin vs Curtis Stevens (manteve título das médios da WBA e IBO)

http://youtu.be/AL0ux9c7EVs

 

 

 

Novos campeões mundiais de boxe

14 outubro, 2014 às 09:49  |  por Gustavo Kipper

Todo fim de semana algum campeão mundial conquista o cinturão.

Confira os novos campeões e as lutas que os consagraram:

Grogory Drozd (Rússia) venceu  Krzystof Wlodarczyk e conquistou o cinturão do WBC no peso- cruzador.

Jermain Taylor (EUA) venceu Sam Soliman e conquistou o cinturão do IBF no peso- médio.

Cornelius Bundrage (EUA) venceu Carlos Amado Molina e conquistou o cinturão do IBF nos médios- ligeiros.

 

 

 

 

 

Dudu Dantas perde o cinturão do Bellator

13 outubro, 2014 às 14:33  |  por Gustavo Kipper

Ex-campeão do Bellator, o brasileiro Dudu Dantas não conseguiu escapar do jogo amarrado do americano Joe Warren e foi derrotado, na sexta-feira (11), por decisão unânime, na unificação dos cinturões do peso-galo. O atleta da Nova União não deu desculpas, mesmo tendo levado um golpe irregular, que poderia ter custado um ponto ao americano.

Joe Warren veio com a estratégia – muito bem executada – de pressionar Dudu, amarrar a luta e vencer por pontos. É o novo campeão com méritos. Creio que melhor preparado, Dudu pode recuperar o cinturão.

Logo após o combate, pelo Twitter, ele se desculpou com os fãs e pediu revanche imediata, após manter o cinturão por dois anos e seis meses.

Leia a declaração do brasileiro:

“Quero agradecer a Deus por me proporcionar um camp saudável, por me abençoar para fazer o que mais amo. Agradeço também aos meus companheiros de Nova União. O nome da nossa equipe já diz o

que somos. Um obrigado também às marcas que acreditam no meu trabalho, agradeço pelo suporte. Família, amigos e fãs, sem vocês eu não seria nada. Obrigado por tudo!

Vejo vocês em breve! #VaipracimadeleDudu”

Veja como foi o Bellator 158:

 

Boxe: a nobre arte sempre está em alta

2 outubro, 2014 às 13:33  |  por Gustavo Kipper

Os últimos anos tem sido gloriosos para o boxe mundial. Mesmo com a guerra fria entre promoters e canais de televisão, o esporte continua em alta e grandes combates estão acontecendo. As unificações de cinturão também retornaram com força total e alguns combates históricos estão sendo divulgados.

Conheça os principais campeões mundiais de boxe da atualidade por categorias de peso.

* A Associação Mundial de Boxe (WBA) reconhece campeões que também detém cinturões de outras entidades como supercampeões.

(Vitórias | derrotas | empates | sem resultado) (nocautes).

Pesos-pesado (+ 90.7 kg):

WBA: Wladimir Klitschko (Ucrânia) – supercampeão – (62–3–0–0) (52).

WBC: Bermane Stiverne (Canadá) – 24–1–1–0 (21).

IBF: Wladimir Klitschko (Ucrânia) – 62–3–0–0 (52).

WBO: Wladimir Klitschko (Ucrânia) – 62–3–0–0 (52).

 

15/11/2014: Wladimir Klitschko vs Kubrat Pulev (disputa dos cinturões do WBA, IBF, WBO).

 

Cruzador (90.7 kg):

WBA: Denis Lebedev (Rússia) – 26–2–0–0 (20).

WBC: Grogory Drozd (Rússia) – 39–1–0–0 (27).

IFC: Yoan Pablo Hernandéz (Cuba) – 29–1–0–0 (14).

WBO: Marco Huck (Alemanha) – 38–2–1–0 (26).

 

Meio-pesado (79.4 Kg):

WBA: Bernard Hopkins (EUA) – campeão unificado – 55–6–2–2 (32).

WBC: Adonis Stevenson (Canadá) – 24–1–0–0 (20).

IBF: Bernard Hopkins (EUA) – 55–6–2–2 (32).

WBO: Sergei Kovalev (Rússia) – 25–0–1–0 (23).

 

08/11/2014: Bernard Hopkins vs Sergei Kovalev: unificação dos títulos da WBA, IBF, WBO.

 

Supermédio (76.2 kg):

WBA: Andre Ward (EUA) – supercampeão – 27–0–0–0 (14).

WBC: Anhtony Dirrel (EUA) – 27–0–1–0 (22).

IBF: Carl Froch (Inglaterra) – 33–2–0–0 (24).

WBO: Arthur Abraham (Alemanha) – 41–4–0–0 (28).

 

Peso- médio (72.6 Kg):

WBA: Gennady Golovkin (Cazaquistão) – supercampeão – 30–0–0–0 (27).

WBC: Miguel Cotto (Porto Rico) – 39–4–0–0 (32).

IBF: Sam Soliman (Austrália) – 44–11–0–1 (18).

WBO: Vago

 

18/10/2014: Gennady Golovkin vs Marco Antonio Rubio (disputa do cinturão do WBA, IBO, e campeão interino do WBC).

 

Médio- ligeiro (69.9 Kg):

WBA: Floyd Mayweather, Jr (EUA) – supercampeão – 47–0–0–0 (26).

WBC: Floyd Mayweather, Jr (EUA) – 47–0–0–0 (26).

IBF: Carlos Amado Molina (México) – 22–5–2–0 (6).

WBO: Demetrius Andrade (EUA) – 21–0–0–0 (14).

 

10/11/2014: Carlos Amado Molina vs Corlenius Bundrage (Disputa o cinturão do IFB)

 

Meio- medio (66.7 Kg):

WBA: Floyd Mayweather, Jr (EUA) – campeão unificado – 47–0–0–0 (26).

WBC: Floyd Mayweather, Jr (EUA) – 47–0–0–0 (26).

IBF: Kell Brook (Inglaterra) – 33–0–0–0 (22).

WBO: Manny Pacquiao (Filipinas) – supercampeão – 56–5–2–0 (38).

 

Meio- médio ligeiro (63.5 Kg):

WBA: Danny Garcia (EUA) – supercampeão – 29–0–0–0 (17).

WBC: Danny Garcia (EUA) – 29–0–0–0 (17).

IBF: Lamont Peterson (EUA) – 33–2–1–0 (17).

WBO: Chris Algieri (EUA) – 20–0–0–0 (8).

 

22/11/2014: Manny Pacquiao vs Chris Algieri (pelo cinturão da WBO).

 

Leves (61.2 Kg):

WBA: Richard Abril (Cuba) – 19–3–1–0 (8).

WBC: Omar Figeroa (EUA) – 24–0–1–0 (18)

IBF: Mickey Bey (EUA) – 21–1–1–1 (10)

WBO: Terence Crawford (EUA) – 24–0–0–0 (17).

 

 

Noite de gala

29 setembro, 2014 às 15:59  |  por Gustavo Kipper

Em noite de gala, o UFC retornou com força total, fazendo-nos acreditar que bons ventos virão.

A brasileira Amanda Nunes não suportou a primeira do ranking, a americana Cat Zingano, e foi derrotada. Amanda teve um início surpreendente, derrubando a americana e a castigando no ground and pound, fazendo crer que era possível vencer. Mas, a superioridade técnica da americana apareceu e Cat venceu a brasileira no terceiro round, por interrupção da arbitragem.

Ex-campeão dos pesos-galos, Dominick Cruz não deu a menor chance ao japonês Takeya Mikugaka. Logo no início do combate, Cruz o derrubou e o japonês, ao tentar se levantar, deu brechas para uma sequência de socos que o nocauteou. Com a vitória, Cruz será o próximo desafiante de T.J Dillashaw. Luta muito interessante.

O americano Tim Kennedy e o cubano Yoel Romero protagonizaram a luta da noite. Com reviravoltas e muita malandragem por parte do cubano, a luta ainda promete dar o que falar. Após dominar quase dois rounds inteiros, Romero foi surpreendido com um gancho de Kennedy, que com vários socos quase o nocauteou. Foi salvo pelo gongo. Quando o aviso para a luta soou, o americano não se levantou da cadeira e parecia estar fora de combate. Excesso de vaselina, culpa do próprio cutman do UFC, além do atraso proposital do corner atrasaram o reinício em 28 segundos. Tempo suficiente para Yoel se recuperar e nocautear Kennedy logo no início do terceiro round. Uma revanche seria mais justa, mas Dana White pareceu não estar muito interessado.

Mesmo ainda não sendo o campeão de sua categoria, o falastrão irlandês Conor McGregor parece ser mesmo de verdade. Não só nocauteou o quinto colocado do ranking dos penas, Dustin Poirier, quanto disse que iria fazê-lo no primeiro round. Promoção à parte, Conor novamente foi preciso, soltando golpes fortes e pressionando seu adversário desde o começo. Milhares de compatriotas estavam presentes, mostrando que ele é o novo herói nacional da Irlanda.

Donald Cerrone mostrou por que está na melhor fase da carreira. Embalou mais uma vitória, e dessa vez contra o ex-campeão do Bellator, o perigoso Eddie Alvarez. Mesmo não começando bem, impôs seu ritmo e venceu por decisão unânime dos juízes. Como o campeão dos leves, Anthony Pettis, tem luta marcada, Cerrone deverá fazer mais uma luta até o fim do ano antes de ter o title shot. Sempre lembrando que Nick Diaz e Rafael dos Anjos também vão se enfrentar, deixando a categoria emocionante. Cerrone vs Ben Henderson seria uma ótima escolha.

Após uma sequência incrível de boas lutas, a disputa do cinturão dos moscas não teve como trazer muitas surpresas. Incontestavelmente um dos melhores lutadores peso por peso da atualidade, o incansável Demetrious Johnson já varreu toda a categoria e seu reinado será longo. Dessa vez, a vítima foi Chris Cariaso, que não ofereceu muito perigo e foi finalizado no segundo round. Sua rapidez, força e técnica em todos os campos o tornam um atleta completo. Não vejo ninguém capaz de vencer Johnson nos dias de hoje.

Fora da ordem

30 agosto, 2014 às 15:43  |  por Gustavo Kipper

Alguma coisa está fora da ordem. Não é a primeira vez que eu e o mundo reclamamos dos processos de perda de peso, aos quais muitos lutadores são submetidos para preencherem a balança com somente o necessário para que o show continue.

As comissões atléticas, que tanto zelam pelos exames antidopings e pelo cumprimento fiel das regras, não querem saber da integridade física dos lutadores, no que diz respeito aos métodos de perda de peso, dias antes ao evento. Muitos lutadores chegam a perder quase um quinto de seu peso total somente desidratando para poder alcançar o limite de peso da categoria. Assim, o atleta tem somente 24 horas para repor a água, sais minerais e nutrientes. Dessa vez, não deu para Renan Barão. A sonhada revanche para buscar o que deveria ser seu acabou por tempo indeterminado.

Barão passou mal durante o penoso processo e desmaiou. Levado ao hospital, não teve condições e abandonou o combate. O fato ocorrido na véspera do evento foi um duro golpe para o UFC, que recebeu uma enxurrada de críticas. Como saída, entrou o ex-campeão do Bellator, o recém-contratado Joe Soto, que pareceu não acreditar na chance que caiu em seu colo.

A luta de Barão foi a segunda cancelada do evento, enxugando ainda mais um card que já havia sendo contestado. Questionado sobre o ocorrido, Dana White ironizou o método de preparação da Nova União e afirmou que Barão deveria gastar e contratar um nutricionista de verdade. O fato é que mais uma vez temos que olhar nossos lutadores derrotados. Dessa vez, sem nem entrar no octógono. White também sugeriu que Barão e Aldo subam de categoria, pois sempre sofrem muito para alcançar o peso limite.

É por essas situações que fica cada vez mais claro que falta certa dose de profissionalismo e investimentos no MMA. Dedé Pederneiras deve repensar seus métodos de preparação dos atletas, principalmente para o corte de peso. É chegada a hora de as comissões e eventos começarem a garantir a integridade física de seus lutadores para impedir que algo muito mais grave aconteça. Dessa vez foi um desmaio, a próxima pode ser fatal, como já aconteceu. A medida adotada deveria incluir as pesagens no dia das lutas, para evitar que lutadores passem por essas situações.

A desistência de Renan Barão é lamentável e prova que não vamos ficar para trás. Já estamos.