Arquivos da categoria: Uriah Faber

UFC on Fox 7: Henderson vs Melendez

23 abril, 2013 às 13:51  |  por Gustavo Kipper
ESPN.go.com

UFC on Fox 7: Henderson vs melendez

A disputa do cinturão dos pesos-leves, em San José, Califórnia, trouxe na bagagem muitos nocautes e uma das mais equilibradas batalhas dos últimos tempos. O campeão Ben Henderson e o desafiante, ex- campeão do Strikeforce Gilbert Melendez, deixaram um verdadeiro pepino nas mãos dos juízes, que mantiveram o cinturão para Henderson por decisão dividida e muitas opiniões controversas. Acho que Bendo venceu a luta, pois venceu os últimos três rounds. Foi uma luta fantástica. Gostaria muito de ver a revanche. Luta muito técnica e difícil para os dois melhores pesos-leves da atualidade, sem sombra de dúvida.

Tirando a possibilidade de uma possível revanche, não vejo lutadores a não ser Gray Maynard para tentar a chance, mas Bendo, eleito o melhor lutador de 2012, promete ficar ainda muito tempo com o cinturão. Seu único azar seria se o campeão dos penas, José Aldo, subisse de categoria, fato pouco provável até agora.

A aguardada disputa dos pesos-pesados, entre Frank Mir e o estreante Daniel Cormier, o que se viu foi uma luta chata, os dois passando a maior parte do tempo no clinche nas grades e sem muito trabalho. Fou duro de aguentar. Luta fraquíssima, e Mir poderia pensar em se aposentar. Seu jogo não evolui mais e não o imagino mais brigando pelo cinturão. Daqui pra frente é só ladeira. Cormier, no entanto, está confortável. Caso seu amigo Cain Velasquez mantenha o cinturão na luta contra o brasileiro Pezão, o Bigfoot, Cormier pretende descer para os meio-pesados, deixando a categoria ainda mais competitiva. Veremos nos próximos capítulos.

Barão vence e é o novo campeão dos galos do UFC

23 julho, 2012 às 16:39  |  por Gustavo Kipper

Sábado, em Calgari (Canadá), aconteceu a versão 149 do UFC. No evento principal, em uma luta de cinco rounds, o brasileiro Renan Barão dominou completamente o combate e tornou-se o primeiro campeão brasileiro nos pesos galos do UFC. Com um ótimo jogo de defesa de quedas, não foi surpreendido por Faber em nenhum momento. Usou bem o boxe e acertou potentes chutes e algumas joelhadas, que terminaram em quebrar uma costela do americano, ainda no segundo round.E Faber ainda parabenizou o brasileiro, que foi clicado ao lado do americano, no aeroporto, após a luta. Com data indefinida para voltar, Dominick Cruz, o campeão lesionado, poderá assistir pelo menos uma defesa de cinturão de Barão. Cruz terá uma longa recuperação após romper o ligamento do joelho, tendo assim aberto a vaga para a disputa do cinturão interino.

(Foto: Getty Images)

Da série machuca-se nos treinos IV: Aldo fora do UFC 149

11 junho, 2012 às 13:25  |  por Gustavo Kipper

Mais um na lista de lesionados. O campeão dos pesos penas José Aldo confirmou que não lutará dia 21 de julho no UFC 149, em Calgary, no Canadá. Ainda sem sabermos mais detalhes do problema, é fato que a exemplo de outros atletas com lutas marcadas, a lesão com certeza ocorreu nos treinos e a sequência de mudanças irritou Dana White, que pediu que os lutadores pisassem no freio nos treinos. Essa é a quarta baixa sofrida pelo evento, que ainda perdeu os brasileiros Thiago Alves e Thiago Silva, além do japonês Yoshihiro Akyiama.

Realmente eu nunca vi tantas contusões em vésperas de lutas. Acredito que seja preciso rever os métodos utilizados hoje para que não haja tanto desgaste nos atletas, que, com o passar do tempo, terão que se aposentar cada vez mais novos devido aos efeitos devastadores dos traumas no corpo após um longo período de atividade.

Agora a luta principal passa a ser a disputa pelo título de campeão interino dos pesos galos, protagonizada por Urijah Faber e Renan Barão.

Renan Barão perto do título dos pesos galos

21 maio, 2012 às 15:47  |  por Gustavo Kipper

Os números impressionam. O potiguar de apenas 25 anos não perde no MMA há mais de sete anos e nada tem o poder de frear essa ascensão explosiva. Para deixar o quadro mais traumático, treina na Nova União, equipe do mestre fabricador de campeões André Pederneiras. A Nova União é o melhor grupo dos pesos leves do mundo. É onde José Aldo treina.

A oportunidade de Barão chegou acompanhada da lesão do atual detentor do título Dominick Cruz, que arrebentou seus ligamentos do joelho nos treinamentos. Como sua volta só deve acontecer em 2013, o título interino estará e jogo dia 7 de julho em Vegas, e Renan Barão, mesmo ainda não tendo traçado sua estratégia, promete cair na “porrada”. O anúncio da luta foi feito ao vivo no The Ultimate Fighter Live, na sexta-feira à noite, e quando Barão entrou no ginásio para a famosa encarada das fotos, o sorriso do campeão já começava a se desenhar. Seu adversário, atual treinador do programa, já lutou no peso acima, mas foi tão severamente castigado em sua luta contra José Aldo que preferiu baixar pros pesos galos.

Faber tem o estilo muito parecido com Chad Mendes, com socos rápidos e quedas precisas. Por ser muito leve, consegue se movimentar muito. É um excelente atleta, mas infelizmente não conseguirá passar por Barão. O jogo de amarrar a luta do wrestling americano não vai funcionar. Vamos ficar na torcida. Faber vs Barão acontece no mesmo dia da revanche Anderson vs Sonnen. Imperdível!

Veja o último episódio do The Ultimate Fighter 15

http://videosmma.net/2012/05/tuf-15-episodio-11-faber-vs-cruz.html

 

O dia em que dominaremos todas as categorias do UFC

17 maio, 2012 às 12:13  |  por Gustavo Kipper

Do Pride ao UFC

Em mais de 150 torneios, muitos campeões surgiram e gravaram seu nome no hall da fama. Os eventos rústicos onde Royce Gracie e Marco Ruas reinaram, o aumento da popularidade do esporte crescendo nos Estados Unidos e a crise dos eventos japoneses, cujas transmissões em TV aberta foram suspensas devido à participação dos organizadores com membros da máfia japonesa, levaram o MMA a migrar definitivamente para Estados Unidos, com mais possibilidades e “know how” para o show. Muitos brasileiros gravaram seu nome no evento americano, como Vitor Belfort e Rodrigo Bustamante.

Após a aquisição do Pride pelos mesmos donos do UFC, o evento japonês foi literalmente colocado na geladeira, sendo seu formato ultrapassado, porém, com grande acervo da história mundial do esporte. Uma enxurrada de ídolos migrou para o UFC, deixando ainda mais interessante o evento americano. Muitas lutas aguardadas aconteceram, mas com uma gigante vantagem dos atletas da casa. Wanderlei pareceu ter perdido o queixo depois de sua cirurgia facial, deixando o cachorro louco com cara de pai de família bonzinho. Mirko Crocop, campeão de um dos GP´s do Pride, amargou derrotas cruéis, com direito a desmaiadas e surras. Minotauro, apesar de ter ganhado o título interino contra o decadente Tom Sylvia, não resistiu aos principais nomes da categoria, como Cain Velasquez e Frank Mir. O curitibano Maurício Shogun foi talvez o único brasileiro a ser campeão nos dois eventos, vencendo Lidell e Lyoto Machida. Mas o reinado não passou da primeira defesa contra Jon Jones.

Uma nova geração surgiu para tentar dominar o esporte e trazer o máximo de cinturões para o Brasil. São oito categorias de peso e no momento temos três campeões: José Aldo nos pesos penas, Anderson Silva nos médios e Júnior Cigano nos pesados. Mesmo sendo quase a metade, ainda falta chão para nossos atletas, tendo em vista que algumas categorias parecem dominadas. Caso dos meio-médios com Georges St Pierre e dos meio pesados com Jon Jones.

Renan Barão a duas lutas do cinturão inédito dos galos

Renan Barão é o brasileiro que parece estar mais perto de um “title shot”, mesmo que interino, devido à lesão de Dominick Cruz no joelho esquerdo. O campeão, que enfrentaria Urijah Faber no TUF americano, fica fora por pelo menos sete meses, e Dana White disse que há uma grande possibilidade de Renan Barão ser o desafiante. Caso vença, enfrentará Cruz quando ele se recuperar. Seria o primeiro título brasileiro na competição, que absorveu o extinto WEC, especializado em lutas de categorias mais leves.Será que um dia dominaremos todas as categorias de peso do UFC e nos tornaremos os maiores do planeta, mesmo com a diferença econômica abissal? Será o UFC nosso novo futebol?

Pesos penas em boas mãos

José Aldo é um verdadeiro campeão. Longa data sem saber o gosto amargo da derrota, é considerado um dos três melhores pesos por pesos do mundo e parece não ter adversários. Seu próximo adversário deve ser o Zombie coreano que venceu Junstin Poirier, pelo UFC on Fuel 3. O coreano mostrou grande técnica, mas ainda está longe de querer bater de frente com Aldo. Esse é uma certeza de que o título dos penas fica no Brasil por muito tempo, embora já fosse cogitada sua ida para os pesos leves.

Pesos leves e revanches

Há quase dois anos a categoria do penas vive rivalidades que obrigaram a organização a editar duas revanches, tamanho o equilíbrio dos combates. De certa forma, isso trava a categoria, deixando muita gente boa na fila. O ex-campeão Frank Edgar defendeu seu cinturão duas vezes contra Grey Maynard e agora irá fazer sua segunda luta seguida com o atual campeão Ben Henderson. Vencendo ou não, a única chance de título de um brasileiro é de Édson Barbosa, lutador que ficou marcado pelo nocaute plástico no UFC Rio. Barboza luta dia 27. Vamos ficar de olho.

Não vejo brasileiros em condições de brigarem pela categoria meio-médios… Por enquanto

Com o domínio de St Pierre há anos nesse cenário, nossos melhores atletas como Thiago Alves Pitt Bull e Paulo Thiago vêm de derrotas e terão ainda um longo caminho pela frente. A divisão é recheada de atletas muito competitivos como John Fitch, Johny Hendricks, Martin Kampmann e o maluco Nick Diaz. Nossa esperança no momento é o capixaba Erick Silva, pupilo de Andersom Silva. Ele tem feito apresentações perfeitas, mesmo com o incidente no UFC RIO. É o único brasileiro com chances na categoria, se embalar é claro uma sequência de pelo menos três vitórias.

Domínio extremo de Anderson Silva nos médios

Desde 2006 nos acostumamos com as grandes performances de Anderson. Mas sempre me perguntei. Será que a maioria de seus oponentes eram de fato caras que cheiram título? Alguns oponentes, confesso, têm enorme potencial, como Belfort, Sonnem e Henderson, mas a grande maioria não chega nem aos pés do spider. Quem talvez possa acabar com o reinado de Silva é o cubano que recentemente assinou com o UFC, Hector Lombard, invicto também desde 2006. É a única chance de a categoria não ser varrida até a aposentadoria de Anderson.

Jon Bones Jones choca os meio pesados

Há alguns meses esse americano com ar de adolescente vem chocando os fãs de MMA. Com seu jeito exêntrico que lembra Anderson, porém com um jogo não apenas imprevisível, mas desconcertante. Cotoveladas giratórias, high kicks, quedas sensacionais, clinches avassaladores e um perfeito controle da distância, Jones, em menos de um ano, parece não ter mais adversários. Caso vença sua luta contra Dan Henderson, no UFC 151, possivelmente deva subir de peso em 2013, abrindo assim novamente o caminho para brasileiros como Shogun, Lyoto, Thiago Silva e o estreante Glover Teixeira.

Pesos Pesados. Quem pode segurar esse cinturão por muito tempo?

Júnior dos Santos Cigano foi demolindo seus adversários com nocautes precisos, resultado de um boxe de campeão mundial. Afinal, seu treinador já afiou as mãos de ninguém menos que Acelino Popó Freitas. Esse boxe é o grande responsável pelo sucesso de Cigano, que ainda não precisou mostrar o que sabe da “arte suave” (Jiu-Jítsu). O título dos pesados vem trocando de mão em mão há anos. Nenhum lutador conseguiu segurá-lo por muito tempo. O doping de Overeem e a mudança no card do próximo evento fizeram com que Cigano mudasse sua tática contra Mir, mas ainda é favorito. Tem potencial para reinar por mais alguns anos sem ser incomodado, mesmo com brasileiros perigosos como Antônio Pezão e Fabrício Werdum, e os gringos Cain Velásquez e Lavar Johnson.

Dominick Cruz se machuca e não enfrenta Faber no UFC 148

8 maio, 2012 às 10:52  |  por Gustavo Kipper

Não será desta vez que veremos a terceira batalha entre os pesos-galos Dominick Cruz e Urijah Faber, ambos treinadores da edição 15 do TUF americano. Espero que a notícia não esfrie o reality, que está melhor a cada dia. Cruz agora terá que aguentar as provocações de Faber sem ter muitos argumentos.

É impressionante o número de lesões que os atletas sofrem nas vésperas de suas lutas. Qual a porcentagem de culpa do stress dos lutadores, e será também que os treinos muito puxados nas semanas que antecedem os torneios não estão forçando os atletas além de seus limites? Em breve gostaria de ouvir a opinião de um especialista sobre o tema. Grandes lutas já foram desmarcadas por conta dessas lesões. No caso de Dominick, tenho certeza de que sua lesão no joelho é séria. Até porque é a própria organização que conduz os exames. Mas será que em alguns casos, principalmente quando o atleta não se preparou direito, ela torna-se “conveniente”? O tema é polêmico.

Enquanto isso, sem adversário, o mais justo seria uma luta entre Faber e o brasileiro Renan Barão, os dois principais desafiantes. Mas Faber não vai querer abrir mão do “title shot”, mesmo que isso represente permanecer meses sem lutar. Essa possibilidade, dependendo da lesão de Cruz, seria uma disputa do cinturão interino dos pesos-galos entre Barão e Faber, com vantagem do brasileiro. Com um cartel impressionante de 30 vitórias, Barão é, possivelmente, um dos próximos campeões da categoria.