Tripanossoma, violência sonora mais que necessária

27 novembro, 2017 às 13:33  |  por José Marcos Lopes

20150522_003247

O TRIPANOSSOMA surgiu em 2008 em Curitiba com o objetivo de fazer música da forma “mais pesada, veloz e suja” possível. Desde então, o trio vem cumprindo a promessa. Lançado no Youtube, o álbum “Nunca subestime a madrugada” é uma paulada sonora com influências do metal extremo oitentista e do punk. Sem invenções e modernices, como explica o baterista Horak: ”Não concordamos com os rótulos de thrash core, metal core, ou qualquer rótulo que vincule ao som moderno. Mais adequado seria associar o Tripa aos sons das antigas”, diz. Além da sonoridade suja e direta, também chamam atenção as letras. “As letras do Tripanossoma foram cuidadosamente elaboradas levando em conta as regras gramaticais da linguagem culta”, diz Horak. Leia aí a entrevista com Horak e ouça “Nunca subestime a madrugada”.

Mob Metal – Como foi o início do Tripanossoma? Quando começou? Houve muitas mudanças de formação, qual a formação atual?
Hordak - O Tripa foi criado em 2008 por mim junto com um mano do bairro, pra fazer som próprio em português da
forma mais pesada, veloz e suja que conseguíssemos. No início diversos integrantes passaram pela banda, cada um trazendo suas próprias influências e, de alguma forma, agregando algo às composições. Após diversas mudanças a formação se estabilizou com Hordak (eu) na bateria, Grizlor no baixo e voz e Mantena na guitarra.

Mob Metal - O álbum “Nunca Subestime a Madrugada”, que está disponível no Youtube, mostra influências de
thrash/death metal oitentista e crossover. Foi algo natural, ou partiu de algumas influências definidas?
Hordak - Desde o início a idéia é mesclar riffs de metal tradicional dos anos 80 com a atitude punk da geração 77, presente no som e nas letras. O resultado desta fusão é um som sujo, veloz, que transita entre o punk e o metal, mantendo-se sempre fiel à sonoridade oitentista. Por esse motivo, não concordamos com os rótulos de thrash core, metal core, ou qualquer rótulo que vincule ao som moderno. Mais adequado, portanto, seria associar o Tripa aos sons das antigas. Afinal, nunca tivemos a intenção de criar algo novo; pelo contrário, queremos soar igual as bandas que nos influenciaram. Temos influências de Amebix, DRI, Exploited, Discharge, Onslaught, Venom, Psychic Possessor, Vulcano e Sarcófago, dentre outras. Em breve pretendemos lançar o álbum também em formato físico.

Mob Metal - Como é o processo de composição?
Hordak - As composições seguem o princípio de que devem sempre estar de acordo com a vontade de cada um dos três membros. Todos devem estar plenamente satisfeitos com o que está sendo criado. Na verdade, independentemente de quem criou o quê, todas as letras e música são divulgadas como compostas pelos membros atuais, ex membros e amigos da banda. Isso reflete a união e parceria. Todo mundo contribui de alguma forma, de modo que nenhum membro possui maior ou menor participação no processo criativo.

Mob Metal - As letras parecem bem trabalhadas, há uma preocupação especial com essa parte?
Hordak - As letras do Tripanossoma foram cuidadosamente elaboradas levando em conta as regras gramaticais da linguagem culta. O vernáculo é levado a sério. Tais letras retratam assuntos polêmicos como violência gratuita, luta de classes, destruição do meio ambiente, falsa democracia, religiões alienadoras, repressão policial e, principalmente, o fato de o ser humano estar se auto-destruindo através de seu próprio ódio e ganância. Por motivos meramente lúdicos e, sob a perspectiva da liberdade artística e poética, muitas letras foram escritas em primeira pessoa gramatical, o que não deve sob nenhuma hipótese levar o interlocutor à equivocada interpretação de que a banda estaria incentivando, ou mesmo praticando tais atos. Um exemplo disso é a letra de “Beber e Dirigir”, que retrata a rotina de um alcoolista que conduz seu veículo em alta velocidade, oferecendo risco à sociedade. O fato de a letra estar redigida em primeira pessoa poderia levar o ouvinte desinformado a interpretar equivocadamente que a banda consente com tais atos, o que não é verdade.

IMG_2942
Hordak, Grizlor e Mantena

Mob Metal - No vídeo gravado no Tenda a banda tinha uma vocalista. A formação pode aumentar, ou vai se manter como trio?
Hordak – O trio que gravou o álbum estabilizou-se em 2013 e, desde então, permanece fixo como formação oficial. No início de 2017, porém, Kassandra Speltri (ex vocal da AAAAAA Malencarada), uma talentosa atriz e amiga da banda foi convidada para participar de uns shows e, devido à afinidade com as músicas, recebeu o convite para se tornar membro oficial da banda. Neste contexto ocorreu a produção do vídeo do Tenda. Poucas semanas depois o destino fez com que ela se mudasse pra Alemanha, de modo que a formação voltou a ser o mesmo trio que gravou o álbum. De acordo com a banda, as chances de entrada de outros membros é quase inexistente.

Mob Metal - Tem material novo, algum lançamento previsto?
Hordak - Até o momento, o único lançamento previsto é o álbum “Nunca Subestime a Madrugada”, em formato físico, que atualmente encontra-se disponível apenas no Youtube. Existem planos também para a produção de outros vídeo clipes em breve. Paralelamente, novas composições já estão em andamento para fazerem parte de um álbum futuro. Algumas novas composições já têm sido apresentadas nos shows mais recentes.

Mob Metal - Vocês têm feito várias apresentações no circuito curitibano, estão abertos para tocar em outros
lugares? Qual o contato da banda?
Hordak - Uma das metas para 2018 é a realização de apresentações em outros Estados pelo Brasil. Após vários anos de apresentações em Curitiba, estamos sentindo que chegou a hora de percorrer outras cidades para difundir o trabalho do Tripanossoma. O contato com a banda pode ser feito através da nossa fan page, ou pelo whatsapp +55 41 99997-4873.

Tripa nova logo

0 Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>