Desconstruindo o mito

09, setembro 2011 por Napoleão de Almeida

O ano é o já distante 2007. O Paraná de Caio Júnior tinha surpreendido grandes clubes (e principalmente orçamentos) e abocanhou uma vaga na pré-Libertadores. Caio foi embora, chegou Zetti e, com ele, algumas novas caras. Entre elas, Dinélson.

O Paraná, pode-se dizer, fez uma boa Libertadores. Passou pelo Cobreloa-CHI na fase inicial, encarou Flamengo, Real Potosí-BOL e Unión Maracaibo-VEN na fase de grupos e parou no Libertad-PAR nas oitavas. Fez mais que o Coritiba em duas participações. No Estadual, quebrou um tabu nas semifinais contra o Atlético, 3-1 na Arena, e avançou a decisão. Nela, derrota surpreendente para o AC Paranavaí e um vice-campeonato amargo, que era apenas indício do Brasileirão ruim, que resultaria na Série B.

Mas a imagem que ficou foi a de um time que superou o desempenho de um rival na Libertadores e quebrou um tabu em cima de outro, muito pela habilidade de um meia habilidoso: Dinélson. Um mito foi criado em cima de um promissor jogador e uma torcida carente, hoje ainda mais, após 4 anos de desilusão.

O tempo andou. E nesses quatro anos, Dinélson viveu às voltas com problemas físicos. Uma lesão no joelho esquerdo fez com que o meia atuasse apenas 736 minutos* e tendo marcado 3 gols, mesmo rodando por Corinthians, Coritiba e Avaí, além do próprio Paraná, no período, como mostra o quadro abaixo:

*Números apurados pelo Blog Torcedor Paranista, de Luís Hansen

Ao voltar para o Paraná, Dinélson reencontra o clube com a torcida precisando do mito. E isso pode ser prejudicial a ambos.

O Tricolor demonstrou perda de fôlego na Série B nas últimas rodadas e pior: perdeu Wellington, maestro da equipe nos bons momentos, pelo resto da competição. A chegada de um meia com o perfil de Dinélson – e ainda mais por ser ele – enche a torcida de esperanças. Mas não se pode pedir isso dele.

Dinélson também procura o mito, o sonho que teve lá atrás, ainda no Corinthians. É talentoso, mas sofreu demais com as lesões e, a exemplo do que o Paraná viveu com Kerlon, pode não dar resultados. E a fantasia irá se desfazer no primeiro passe errado.

É hora de desconstruir o mito. Esqueça 2007, os bons momentos; é hora de o paranista entender que esse é um novo Dinélson, em um novo momento. Ele pode ser útil ao clube na briga pelo acesso, mas é assim que deve ser tratado: como um jogador útil, não o Messias que reconduzirá o Paraná a elite nacional. Se torcida, clube e ele próprio entenderem isso, pode ser que em dezembro a volta por cima surja para ambos.

No vídeo abaixo, você confere a primeira entrevista de Dinélson no retorno ao Paraná, exibida no Jogo Aberto Paraná da Band, de segunda a sexta, 12h30:

O blog está concorrendo ao Top Blog 2011! Clique aqui e vote na categoria Esportes!

Comentários