Coxa no Pinheirão: saiba detalhes

07, outubro 2011 por Napoleão de Almeida

TAGS

A nova casa do Coritiba - depois de uma bela reforma

A Tribuna do Paraná (num trabalho de apuração de Elaine Felchaka e Rodrigo Sell) trouxe a notícia de que o Pinheirão fora adquirido pela OAS horas após o leilão judicial do estádio, que não apresentou nenhum interessado no imóvel.

Tudo partiu de um post sutil do deputado Reinhold Stephanes Jr, conselheiro do Coritiba, no Twitter:

Apesar de Stephanes ter garantido que o contrato foi assinado no dia 06/10, a negociação ainda é 99% certa. O 1% restante pode mesmo atrapalhar: trata-se da determinação judicial em leiloar o bem, que já havia sido combatida pela FPF com uma ação não acatada pela justiça antes do primeiro leilão. O segundo está marcado para o dia 20/10 e este é o prazo para que as negociações finalizem. A política – e até mesmo o bom senso, já que o valor é quase três vezes maior do que o inicial do leilão – definirão se haverá ou não o segundo dia para arremate.

O valor pago pela OAS será de R$ 85 milhões pelo terreno e o contrato com o Coritiba é de 20 anos. O estádio terá capacidade para 46 mil pessoas e abrigará um complexo esportivo e comercial.

O Coxa ainda negocia como fará a partilha da arrecadação com a OAS – este é outro ponto em discussão, mas que não impede a compra do imóvel – uma vez que hoje conta com uma carta de 30 mil sócios, fonte principal de renda do clube. O modelo de gestão será idêntico ao da Arena do Grêmio, em Porto Alegre. A previsão de conclusão, passadas as negociações, é 2015 – ou seja, nada concorrente com a Copa 2014 na Arena.

O clube pretendia anunciar a negociação no jantar de aniverário de 102 anos, junto com o já confirmado lançamento da pedra fundamental do novo CT, dia 17/10. No entanto, Stephanes Jr., coxa-branca de carteirinha, empolgado com a negociação, acabou se antecipando. O que gerou uma reprimenda velada ao deputado e a seguinte nota oficial:

O Conselho Administrativo do Coritiba Foot Ball Club vem a público informar que as notícias veiculadas pela imprensa, segundo as quais o Clube, em parceria com uma construtora, teria adquirido o estádio Pinheirão, com a finalidade de construir na área um novo estádio, são infundadas.

Nenhum negócio foi fechado até o presente momento, tratando-se de mera especulação o que foi noticiado. O Conselho Administrativo esclarece também que o único porta-voz autorizado a prestar informações que dizem respeito ao patrimônio do Clube é o seu vice-Presidente.

O destino dado ao Couto Pereira está indefinido e passará pelo conselho; a intenção de Vilson Ribeiro de Andrade, vice-presidente do clube, é construir um centro comercial na região, cujos rendimentos seriam revertidos ao Coritiba. Esse projeto, no entanto, ainda está no campo da idealização e terá um obstáculo a ser superado: quando da mudança na lei do Zoneamento Urbano de Curitiba (clique para ler), que beneficiou o Atlético ao atribuir valor histórico e interesse público na Arena, dada a necessidade de se emitir os títulos de potêncial construtivo pensando na Copa 2014, Coritiba e Paraná brigaram por isonomia de direitos e conseguiram. Agora, a lei de Zoneamento no Couto também tem as mesmas características da Arena, o que poderá impedir a construção de um centro comercial por lá, já que há interesse histórico e público na área – o mesmo vale para a Vila. Mas isso é uma segunda etapa.

Coxa no Pinheirão: história

Inaugurado em 1985, o Pinheirão não trás boas lembranças a torcida do Coritiba. Apenas um título foi conquistado pelo clube no estádio da FPF: o Paranaense de 99, sobre o Paraná.

Lá, de acordo com o grupo Helênicos, o clube jogou 25 vezes com o Atlético, tendo perdido 11 jogos e vencido apenas 5. Perdeu o Paranaense de 1998 e a Copa Sesquicentenário de 2003 para o rival. Contra o Paraná, 24 jogos, 16 derrotas e 5 vitórias. Perdeu o Paranaense de 1995. Em 2005, durante um período de reformas no Couto Pereira, chegou a mandar alguns jogos lá.

Meus dois centavos:

Como 99% não é 100%, o Pinheirão pode não vir a ser a casa nova do Coxa, mesmo com tudo acima acertado. Mas os indícios e as fontes que conversaram comigo estão confiantes. E eu também: a nova realidade do Pinheirão ajudará a todos.

Livra a FPF de um ônus administrativo enorme, um elefante branco; livra o Estado e a Prefeitura de problemas mil, desde dívidas até a criminalidade instalada na região; nem Estado, Prefeitura ou FPF terão de adminstrar o estádio e onerarem-se (mesma razão pela qual a saída da Arena para a Copa 2014 é a melhor para Curitiba: o problema no pós-Copa é do clube); dá ao Coritiba um palco a altura das suas pretensões, funcional e moderno; ao Atlético, rende R$ 15 milhões, já que o clube é credor; e, por fim, revitaliza a região, hoje já central em Curitiba.

Os ingleses, donos do maior campeonato do planeta, botaram o mítico Wembley abaixo em nome da modernidade. O avanço se faz assim. O Couto Pereira serviu até o ponto atual, mas pelas razões acima, que não se apegue em sentimentalismo. Fosse assim e a Baixada velha ainda estaria lá. E o Coxa ainda jogaria no Parque da Graciosa:

*Colaboraram com a reportagem Caroline Mafra e Hugo Pontoni.

O blog está concorrendo ao Top Blog 2011! Clique aqui e vote na categoria Esportes!

Comentários