Peças Arqueológicas são encontradas em Ortigueira

O programa de resgate arqueológico começou em janeiro de 2010 e ainda não tem prazo para terminar

15/03/10 às 15:39

Técnicos em arqueologia de Erechim, no Rio Grande do Sul, estão realizando um trabalho de pesquisa ao longo do Rio Tibagi, na Área de impacto da Hidrelétrica Mauá, através da Habitus – assessoria e consultoria que tem como arqueólogo responsável Everson Paulo Fogolari.

O programa de resgate arqueológico, no qual se incluem a prospecção, o monitoramento conjunto à execução da obra, o salvamento com escavações em sítios relevantes e a educação patrimonial, começou em janeiro de 2010 e ainda não tem prazo para terminar. O 1° passo foi realizado há três anos, com o levantamento de todas as áreas da barragem. Agora,  está sendo feito o salvamento dessas áreas.

Ao todo são 39 sítios identificados no levantamento. As peças mais encontradas são cerâmicas indígenas e artefatos líticos (ponta de flechas e lâminas de machado), e também uma fogueira com data ainda não determinada. Participam do trabalho oito técnicos em arqueologia.

5 Comentários

Você precisa acessar o seu perfil para comentar nas matérias.

gaúcho!
Interessante..hora se não são os gaúchos a ter q vir trabalhar para fazer o que certos incopetentes não conseguem. Ao invés de se preocupar com o próprio patrimônio e dele cuidar, só pensam em ganhar dinheiro e criticar. Ciuminho! Pois bem, vão lá para o sul que lá irão aprender certas coisas que talvez não conheçam, tipo, valorizar o patrimônio e dele se orgulhar!!
Júnior
Estamos acompanhando o trabalho desta empresa de arqueologia, os indígenas que vivem na região querem conhecer os sítios mas são impedidos. Realmente uma usina deste porte deveria escolher melhor estas empresas terceirizadas que vem de longe, danificam nosso patrimônio e ainda lucram com isto, e nós é que ficamos com o prejuízo.
xx
O trabalho deste tal de fogolari é pura falcatrua, onde pra começar nem arqueólogo ele é (gestor administrativo em arqueologia) e o processo de resgate do material arqueológico é feito de maneira totalmente errada. Não sei como uma pessoa sem conhecimento algum no ramo pode ganhar uma licitação......p
Marcos Salomoni
Ministério Público Federal instaura Inquérito Civil Público para apurar supostas irregularidades no Salvamento do Patrimônio Arqueológico na UHE Maúa, em virtude das inúmeras contradições e omissões apontadas nos relatórios e projetos apresentados pelo sociólogo Everson Fogolari, da empresa Habitus, aumentando a polêmica em torno do licenciamento ambiental da usina, alvo de tantos protestos em nossa região.
Diário Oficial da União (Diário da Justiça, p. 3), Nº 141, 26 de julho de 2010.
http://www.in.gov.br/imprensa/visualiza/index.jsp?jornal=126&pagina=3&data=26/07/2010
Marcos Salomoni
Ministério Público Federal instaura Inquérito Civil Público para apurar supostas irregularidades no Salvamento do Patrimônio Arqueológico na UHE Maúa, em virtude das inúmeras contradições e omissões apontadas nos relatórios e projetos apresentados pelo sociólogo Everson Fogolari, da empresa Habitus. Diário Oficial da União, Nº 141, 26 de julho de 2010.
http://www.in.gov.br/imprensa/visualiza/index.jsp?jornal=126&pagina=3&data=26/07/2010
Blogs
Ver na versão Desktop