º

Estudantes inovam durante protesto no Piauí

A ideia é distribuir jornais com informações sobre o motivo das manifestações

13/01/12 às 15:11 - Atualizado às 15:12   |  Agência Brasil

Depois de promover mais de uma semana de protestos, os estudantes de Teresina (PI) programaram para essa sexta-feira (13) uma forma diferente de manifestação. A ideia é distribuir, durante o protesto, jornais com informações sobre as manifestações, as reivindicações e eventuais vítimas. Os manifestantes querem a suspensão do reajuste da tarifa de ônibus e também mudanças no sistema de integração do transporte urbano.

Apenas nesta quinta-feira (12) o último grupo dos 17 estudantes presos no começo desta semana foi liberado. O Diretório Central dos Estudantes (DCE) da Universidade Federal do Piauí (UFPI) informou que a libertação só ocorreu porque foi impetrado um pedido de habeas corpus.

O coordenador de Formação Política do DCE da UFPI, Floro Mauel, disse que a manifestação desta tarde ocorrerá na área próxima à  Avenida Frei Serafim – uma das principais da capital piauiense.

Mauel disse que o prefeito de Teresina, Elmano Férrer, se comprometeu a conversar com os estudantes, mas ainda não se manifestou. “Nós estamos abertos ao diálogo”, disse o estudante. Ele acrescentou que se a prefeitura não entrar em negociação, os estudantes pretendem intensificar os protestos.

A presidenta da União Brasileira dos Estudantes Secundaristas (Ubes), Manuela Braga, disse que uma comissão com representantes da Ubes e da União Nacional dos Estudantes (UNE) foi criada para  tentar dialogar com a prefeitura de Teresina. “A prefeitura não quer dialogar, a resposta deles é com repressão policial”, disse.

A Polícia Militar informou que os quatro policiais envolvidos na agressão ao advogado Enzo Samuel, que defende o DCE da UFPI, foram afastados das atividades relacionadas às manifestações. A atuação dos policiais no caso está sendo averiguada, mas eles permanecem trabalhando em outros setores da Polícia Militar.

Os protestos começaram no dia 2, mas teve o pior dia na terça-feira (10), quando houve intenso confronto com a polícia. Os policiais usaram spray de pimenta, balas de borracha e gás lacrimogênio, de acordo com o comandante-geral da Polícia Militar do Piauí, coronel Rubens Pereira.

Desde o início das manifestações, dois ônibus foram queimados e uma árvore de Natal em tamanho gigante, colocada pela prefeitura, foi destruída, segundo informações da Polícia Militar. Estudantes e policiais acabaram feridos. O estudante Floro Mauel disse que dois manifestantes foram atingidos nos olhos com balas de borracha. Um deles corre o risco de perder a visão de um dos olhos.

O Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Piauí acusou a PM de retirar de um fotógrafo a memória de sua câmera. O coronel Rubens Pereira disse que os policiais não têm conhecimento desta ação.“Se tiver sido um policial militar que fez isso, não foi a mando da PM e será punido exemplarmente”, disse.

Publicidade
0 Comentário