16º

Observadores são recebido com bombas

16/04/12 às 00:00

Síria — A Síria bombardeou a cidade de Homs ontem, dia em que chegaram ao país os observadores militares da ONU, enviados pelo Conselho de Segurança em sua primeira resolução em 13 meses de conflito. “Novamente estou muito preocupado pelo ocorrido ontem e hoje na Síria”, disse o secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, depois de se reunir em Bruxelas com o primeiro-ministro belga, Elio Di Rupo. “ É muito importante que o governo sírio adote todas as medidas necessárias para preservar o cessar-fogo”, disse Ban. A trégua, apoiada pelas Nações Unidas, foi instaurada na quinta-feira passada. “Os bombardeios contra Jaldiye (bairro rebelde de Homs) aumentaram nesta manhã", disse presidente do Observatório Sírio de Direitos Humanos (OSDH), Rami Abdel Rahman.

Cuba solta preso em protesto
Cuba — Foi solto na sexta-feira (13) Andrés Carrión Álvarez, detido por protestar contra o regime cubano durante missa celebrada pelo papa Bento 16, na cidade de Santiago de Cuba, em março, segundo informações da dissidência política da ilha. “Ele foi liberado e está em sua casa, conforme fomos informados por três familiares dele”, disse Elizardo Sánchez, porta-voz da Comissão Cubana dos Direitos HUmanos e Reconciliação Nacional (CCDHRN). O trabalhador social Álvarez saltou uma barra de segurança e gritou palavras de ordem contra o governo de Cuba como "Abaixo o comunismo" e "Abaixo à revolução! Abaixo à ditadura!". Sánchez diz que não há informação sobre a participação de Álvarez em alguma organização dissidente. O homem de 38 anos estava sendo mantido no centro de investigação da segurança do Estado, segundo a CCDHRN.

Tradição questionável
Espanha — O rei da Espanha, Juan Carlos 1º, foi alvo de fortes críticas ontem pela imprensa local por ter participado caça de elefantes em Botswana num momento de forte crise econômica em seu país. A imprensa divulgou os custos da viagem e criticou a falta de transparência da Casa Real, três meses após ter prometido apresentar suas receitas por um caso de corrupção envolvendo o enteado do rei.  A viagem real da semana passada teria permanecido secreta se Juan Carlos não tivesse tropeçado em um degrau e fraturado uma costela. O rei acabou tendo de ser transferido de maneira emergencial para Madri para realizar uma cirurgia. Na semana passada, Juan Carlos cancelou uma reunião com o primeiro-ministro espanhol, Mariano Rajoy, porque ele já teria partido para Botsuana, segundo jornais espanhóis.     “Foi uma viagem irresponsável, no pior momento possível”, afirmou o jornal “El Mundo” em editorial. “A imagem de um monarca caçando elefantes na África num momento em que crise econômica cria tantos problemas para os espanhóis é um exemplo muito ruim”, emendou.

Rota perigosa
Inglaterra — Cem anos depois do naufrágio do Titanic, uma nova rota de navegação comercial ligando o Atlântico Norte e o Pacífico pelo Ártico, apresenta perigos e desafios ainda desconhecidos, apontam especialistas. Conhecida como Passagem do Nordeste ou Rota Marítima do Norte, a partir de 2009 a região tornou-se uma opção viável em diferentes épocas do ano. A abertura da rota só foi possível pelo derretimento de icebergs e áreas de gelo devido às mudanças climáticas, aponta o relatório Segurança e Transportes 1912-2012, do Titanic ao Costa Concordia, elaborado pela seguradora alemã Alianz. “'A operação de navios na região está exposta a uma série de riscos, como más condições climáticas e dificuldades de comunicação, e muitos permanecerão desconhecidos por muito tempo”, acrescenta a pesquisa.Chris Parry, contra-almirante reformado da Marinha Real Britânica, onde atuou por 35 anos, diz que a principal dificuldade da navegação na região é o fato de que o Ártico ainda é amplamente desconhecido, sem cartas náuticas elaboradas.

Ataque covarde
Estados Unidos —  A secretária americana de Estado, Hillary Clinton, qualificou ontem de “covardes” os ataques que sacudiram o Afeganistão, e pediu uma "rápida e efetiva resposta" das forças de segurança afegãs. Hillary telefonou ao embaixador americano no Afeganistão, Ryan Crocker, para “discutir sobre os covardes ataques em Cabul e em outros pontos do país hoje, e analisar a segurança do pessoal americano” na sede diplomática, informou o departamento de Estado. “(Hillary) Pediu ao embaixador Crocker que transmita ao presidente afegão Karzai o agradecimento dos Estados Unidos pela rápida e efetiva resposta das Forças Nacionais de Segurança afegãs”, explicou sua porta-voz, Victoria Nuland.

Megacomícios
França —  A falta do já clássico debate direto entre os dois principais candidatos em um estúdio de TV fechado, a França viu ontem um debate indireto em plena praça pública, no qual o presidente-candidato Nicolas Sarkozy estava a 12 quilômetros de distância do favorito, o socialista François Hollande. Sarkozy armou seu gigantesco palanque na emblemática place de la Concorde, um dos pontos mais conhecidos de Paris, descrita pelo próprio presidente como mais que uma praça, "uma maneira de pensar; tudo que é verdadeiramente francês se mede aqui", disparou para um multidão calculada pelos organizadores em 100 mil pessoas, açoitadas por um vento polar em plena primavera do Hemisfério Norte. Um vento ainda mais gelado batia na esplanada do Chateau de Vincennes, na qual discursou François Hollande, também para 100 mil pessoas, segundo os organizadores (a mídia eletrônica francesa evitou fazer seus próprios cálculos).

Publicidade
0 Comentário