15º

Clássico “Escola de Mulheres” passa por Curitiba

A peça do francês Molière adaptada por Roberto Lage, tem no elenco Carlos Machado e Carol Macedo

31/05/12 às 13:48 - Atualizado às 13:48   |  Redação Bem Paraná com assessoria
(foto: Divulgação)

Do original roteiro de L’école des Femmes, do francês Molière de 1662, a peça Escola de Mulheres tem sido readaptada no Brasil e encantado plateias. Desde 1984, o diretor Roberto Lage traz à tona a trama que além de diversão estimula reflexões sobre individualismo, poder, moral, amizade, confiança e relacionamento amoroso, entre outros sentimentos humanos. Em sua nova montagem, com os atores Carlos Machado e Carol Macedo, a equipe chega ao Paraná para o público de Ponta Grossa no dia 01 de junho, no Teatro Marista e a Curitiba, nos dias 02 e 03, no Teatro Regina Vogue.

Para o diretor, o texto, escrito há quase 350 anos, faz parte do mundo contemporâneo. “Muitos conflitos do passado, o homem infelizmente ainda não resolveu”. Entre eles, Lage aponta a intenção de determinados seres humanos quererem sempre “se dar bem”, em detrimento de outras pessoas, que fazem ou não parte de seus círculos pessoais. E quem quer “se dar bem” na história a qualquer custo, é Arnolfo, representado por Carlos Machado. A personagem tem pouco mais de 40 anos e o seu maior medo é ser enganado por uma suposta esposa. Os diálogos ácidos e engenhosos, marca registrada de Molière, devem fazer a plateia rir e pensar.

O elenco conta também com Cláudio Andrade, Beto Nasci, Bruno Barros, Geraldo Franco, Rodrigo Phavanello e Patrícia Vilela.

No enredo, Arnolfo, homem maduro, achando-se um exímio conhecedor dos adultérios e dos motivos que predispunham a que esses comportamentos corressem pelo fato de os homens serem complacentes com suas mulheres e, principalmente, as mulheres alfabetizadas, talentosas e belas, que desenvolviam artimanhas para enganar os maridos com muita destreza e malícia, para não sofrerem do mal que tanto as ridicularizava. Tem como Criados, Alain e Georgette. Criou uma menina, Inês, a partir de sua receita infalível de mulher honesta, com a qual se casaria. Ela seria submissa, dependente, ignorante e de completa inocência. No entanto, Inês, ironicamente, apaixona-se pelo também jovem Horácio filho de Oronte, seu amigo. O adultério, propriamente dito, não se consuma, pois Arnolfo e Inês não chegam a se casar. Inês é apenas coerente com seu sentimento e firme em sua decisão.

Serviço:

 

Local: Teatro Marista

Endereço: Rua Rodrigues Alves, 701, Jd. Carvalho, Ponta Grossa

Data e horário: Dia 01 de junho de 2012 (sexta-feira), às 21h

Preço: A partir de R$ 20,00

 

 

 

Local: Teatro Regina Vogue

Endereço: Avenida Sete de Setembro, 2775 – Centro

Data e horário: Dias 02 e 03 de junho (sábado e domingo), às 21h

Preço: A partir de R$ 30,00

Publicidade
0 Comentário