Projeto prepara cidade para o futuro

01/06/12 às 00:00

O prefeito de Campo Largo, Edson Basso, assina hoje, um contrato com a Federação das Indústrias do Estado do Paraná (Fiep) para a elaboração de um plano de desenvolvimento integrado para o município, denominado “Campo Largo 2030”. O projeto visa conhecer as mudanças e tendências da economia, da tecnologia e da sociedade, que ocorrem em âmbito global, nacional e principalmente local para diversos setores e temáticas, buscando identificar e apoiar caminhos para a inovação e o desenvolvimento sustentável.
Para o Secretário Municipal de Desenvolvimento Econômico, Valdemar Cequinel, estudos como este procuram preparar as cidades para o futuro. “É uma forma de antever os impactos do crescimento e desenvolvimento, além de prever medidas adequadas às novas realidades”, explica.


A ideia surgiu em 2011 por meio de uma parceria entre a Prefeitura e a Acicla (Associação Comercial e Industrial de Campo Largo). Segundo o Secretário Municipal de Desenvolvimento Econômico, juntos os órgãos envolvidos irão produzir um projeto específico para o planejamento do município. “A Fiep já realizou trabalhos semelhantes em Curitiba, Londrina e Cascavel, além de projetos nas áreas de construção civil, energia, indústria automobilística e outros”, relata.
A ideia também foi baseada em um estudo semelhante realizado em Maringá, o qual norteia as ações do município. A assinatura do protocolo do projeto Campo Largo 2030 será às 19h30 na sede da Acicla, durante a solenidade de posse da nova diretoria da associação.


Os principais resultados esperados são o crescimento ordenado aliado à sustentabilidade, aproveitando oportunidades e investimentos sem deixar de garantir a qualidade de vida e o bem estar da população. O secretário lembra que a valorização e o aumento dos níveis de emprego e renda de Campo Largo também elevam a rede comercial e de prestação de serviços públicos e privados.
“Por já possuir o título de capital da louça, queremos que as indústrias deste ramo cresçam. O mesmo ocorre com os demais setores produtivos. Precisamos formatar uma parceria sólida, onde cada um (poder público, iniciativa privada, setores da educação e o associativismo comercial e industrial) ofereça uma parcela de seus esforços, como certificações de qualidade, busca de padrões de excelência em produção e prestação de serviços”, acrescenta Cequinel.

0 Comentário
Blogs
Ver na versão Desktop