17º

Estudantes da Unifesp presos em manifestação são soltos

Ordem da Justiça Federal saiu na noite desta sexta-feira, um dia depois das prisões

15/06/12 às 22:06 - Atualizado às 14:59   |  Agência Brasil

A Justiça Federal em Guarulhos (SP) decidiu na noite desta quinta-feira (15) pela soltura dos 22 alunos da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) que estão presos desde a noite de quinta-feira (14) na Superintendência da Polícia Federal (PF), na zona oeste paulistana. Segundo a assessoria da Justiça, os alvarás de soltura já foram expedidos e deverão ser entregue ainda nesta noite à PF.

Os estudantes foram presos após a Polícia Militar conter uma manifestação que acontecia no campus de Guarulhos. Houve confronto e a polícia usou balas de borracha e bombas de gás contra os universitários. Segundo o advogado Pedro Yokoi, que defende os estudantes, eles foram detidos, com variações entre cada caso, sob as acusações de formação de quadrilha, constrangimento ilegal e dano ao patrimônio público.

Por meio de nota, a PM justificou que foi acionada “a fim de garantir a segurança de professores, que foram encurralados no prédio da faculdade por alunos que se manifestavam contra supostos problemas de infraestrutura da instituição”. Também por meio de nota, a Reitoria da Unifesp acusou os alunos de cometerem excessos, com depredações e gritos de ocupação. O movimento estudantil atribuiu os estragos na universidade à ação policial.

Durante todo o dia um grupo de estudantes esteve na porta da superintendência para protestar contra as prisões. O advogado disse ainda que os alunos só não foram transferidos para um centro de detenção provisória (CDP) devido ao sucesso nas negociações com a diretoria da PF. “Ficar em um CDP é uma situação constrangedora para pessoas que não são criminosas”, disse.

Publicidade
0 Comentário