18º

Leilão do Cepac da Linha Verde será dia 26

21/06/12 às 11:44   |  SMCS
Viadutos e trincheiras da Linha Verde serão licitados no segundo semestre. Na imagem, projeto das trincheiras verdes (foto: Ilustração:IPPUC)

O leilão para captação de recursos da Operação Urbana Consorciada Linha Verde será no dia 26, às 12h30, na Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa).

A Operação Urbana vai mudar todo o perfil urbano da Linha Verde desde o Contorno Sul até o Atuba. Os recursos captados serão aplicados nas obras que vão melhorar o trânsito na avenida que corta a cidade de norte a sul.
A Comissão de Valores Mobiliários (CVM) aprovou o registro da Operação Urbana Consorciada Linha Verde e a Prefeitura foi autorizada a emitir os títulos dos Certificados de Potencial Adicional de Construção (Cepacs).

Os títulos da Operação Urbana Linha Verde que serão lançados na Bolsa de Valores têm lastro no potencial de 4,47 milhões de metros quadrados de área adicional de construção. O potencial construtivo alcança uma faixa de 22 bairros, em uma área que liga Curitiba de Norte a Sul, onde vivem 82 mil habitantes.

Neste primeiro leilão será colocada uma parte dos Cepacs à venda. O valor de cada Cepac é de R$ 200. No total, a Operação Urbana Linha Verde prevê a emissão em etapas de 4,83 milhões Cepacs ao longo da vigência da Operação que é de 25 a 30 anos. Novos leilões serão realizados para a venda de todos os títulos.
"A Operação Urbana terá garantia de investimentos e de execução. O recurso entrará no Banco do Brasil e o controle da aplicação será feito pela Caixa Econômica Federal", explicou Luciano Ducci.
Qualquer pessoa pode participar do leilão, basta procurar o Banco do Brasil ou as corretoras credenciadas pelo banco.

Obras - Dois viadutos, uma trincheira e a conclusão da linha Verde Norte até o Atuba estão na lista de um grande pacote de obras que a Prefeitura licitará, a partir do segundo semestre, no eixo da Linha Verde, que passa por 22 bairros de Curitiba onde vivem 715 mil habitantes.

As intervenções fazem parte da Operação Urbana Consorciada, que terá a venda dos Certificados de Potencial Adicional de Construção (Cepacs) na Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa).
"Cepac é sinônimo de obras em Curitiba", definiu o prefeito Luciano Ducci. "Os recursos obtidos com a venda pública desses títulos serão investidos em melhorias na própria Linha Verde. É a mudança do perfil de uma região importante da cidade com a transformação efetiva da antiga BR-116 num eixo de desenvolvimento metropolitano", explicou o prefeito.

Com os dois novos viadutos, um na Anne Frank e outro na Tenente Francisco Ferreira de Souza, a Prefeitura elimina um dos gargalos da Linha Verde, na região do Hauer e da avenida Wenceslau Braz.
As duas novas passagens concluirão o trinário formado pela Marechal Floriano e pelas ligações das ruas Desembargador Westphalen e Tenente Francisco Ferreira de Souza e a Anne Frank com a Aluízio Finzetto. Quando prontos, os viadutos vão retirar três sinaleiros que existem na antiga rodovia, melhorando o fluxo de veículos.
Outra obra importante é da trincheira paralela a da rua Gustavo Rattman, que hoje faz a ligação Bacacheri/Bairro Alto. A nova trincheira formará um binário com a já existente e vai interligar as ruas Amazonas de Souza Azevedo, no Bacacheri, com a Fúlvio José Alice, no Bairro Alto.

Também está prevista para o segundo semestre a licitação das obras da nova trincheira e do viaduto da avenida Victor Ferreira do Amaral, que terá uma estação do Ligeirão. Também fará parte deste pacote a conclusão da Linha Verde Norte, no trecho entre a Fagundes Varela e o trevo do Atuba.

Desenvolvimento - Em alguns setores da Operação Consorciada será possível construir até quatro vezes a área do lote. Nos terrenos situados nos Polos e no Setor Especial da Linha Verde a altura das edificações será livre, limitada apenas pelo cone de aproximação de vôo da aeronáutica.

Os recursos aplicados na Operação Urbana serão investidos diretamente na infraestrutura da área que margeia a Linha Verde com benefícios diretos a quem vive ou passa pela região que integra Curitiba à Região Metropolitana.
A área definida para receber os investimentos, com recursos provenientes da venda dos Cepacs, envolve 22 bairros ao longo da Linha Verde: Atuba, Tingui , Bairro Alto, Bacacheri, Jardim Social, Tarumã, Capão da Imbuia, Cristo Rei, Jardim Botânico, Cajuru, Jardim das Américas, Prado Velho, Guabirotuba, Parolin, Hauer, Fanny, Novo Mundo, Xaxim, Capão Raso, Pinheirinho, Tatuquara e CIC. 

Publicidade
0 Comentário