10º

Paraná cai pela 2ª vez em 3 duelos contra o G4 da Série B

22/07/12 às 19:07 - Atualizado às 19:32
Paraná e Criciúma no Heriberto Hülse: Wendel teve a grande chance do empate no segundo tempo (foto: Divulgação)

Na Série B, o Paraná Clube encerrou a trinca de duelos contra equipes que estão na zona de classsificação para a primeira divisão nacional — o chamado G4. E o saldo não foi bom: duas vitórias e uma derrota, ou 33% de aproveitamento. A última derrota foi verificada no sábado, quando o time perdeu para o Criciúma (líder da Série B) por 2 a 1, em Criciúma. Nas partidas anteriores, o time havia sido derrotado pelo Vitória (2º lugar) por 4 a 3, em Salvador, e derrotado o América-RN (então o 4º colocado) por 1 a 0, na Vila Capanema. 

Após essa trinca de jogos, a equipe paranaense se manteve na oitava posição, mas ficou a cinco pontos do G4. Já o Criciúma manteve o 100% de aproveitamento jogando em casa e chegou aos 29 pontos, em primeiro lugar, um à frente do vice-líder Vitória.

Após a partida de sábado, no Estádio Heriberto Hülse, o treinador Ricardinho reclamou do segundo gol do Criciúma. Ele alegava que Zé Carlos estava pelo menos 1 metro a frente do último zagueiro quando recebeu a bola na área. “A diferença do jogo foi o segundo gol, em que o atacante do Criciuma estava impedido. Lamentável, mais uma vez, pois perdemos um jogo que tínhamos condições de vencer. Eles venceram num lance do bandeira. Não é desculpa, mas foi o que aconteceu, é uma constatação apenas, e nós não fomos competentes em aproveitar nossas chances”.

O treinador aproveitou ainda para fazer uma crítica mais “abrangente”, afirmando que os erros em lances capitais tem sido uma constante no futebol brasileiro, e não apenas em jogos do Paraná ou jogos da Série B. “Infelizmente não temos dado sorte com os erros dos árbitros. O engraçado é que nem uma vezinha eles erram a nosso favor. Mas eu acho que isso não é uma situação só do Paraná. Tem sido uma constante e tem acontecido em vários e vários jogos até de Série A.”

Agora, o Paraná se prepara para uma sequência de duas partidas em casa, contra o Ceará e o Avaí. O próximo jogo acontece no sábado, dia28, contra a equipe cearense, que vem embalada após vitória contra o ASA e tenta se aproximar do pelotão de cima da tabela.

Jogo — Sabendo da força do adversário como mandante e sem poder contar com Lucio Flavio, vetado pelo departamento médico, o técnico Ricardinho apostou num meio campo veloz, com Cambará e Zé Luis mais recuados e Luisinho e Welington na armação. A escalação, contudo, não surtiu efeito: Welington e Luisinho erravam muitos passes e dificultavam a saída para o jogo, Cambará e Zé Luis falhavam na marcação e davam espaços ao adversário.

O Criciúma chegou a ter dois gols anulados por impedimento, ambos de Zé Carlos,  antes de abrir o placar, aos 16 minutos. Zé Carlos fez o pivô na área e tocou para Válber, que invadiu a área na velocidade, saindo de trás da defesa, e só tocou na saída de Luis Carlos.

Dois minutos depois, porém, o Paraná conseguiu chegar ao empate com Wendel, que aproveitou rebote de chute de Anderson de fora da área.

Mas nem deu tempo para comemorar: na saída de bola, Zé Carlos recebeu lançamento e chutou, para ótima defesa do goleiro paranista. No rebote, porém, a bola ficou para Fransérgio, que só empurrou para o fundo das redes e colocou novamente o Criciúma em vantagem.

Após o segundo gol, a equipe catarinense recuou, com Fransérgio ficando preso à marcação, e apenas trabalhou para segurar o resultado. O Paraná, por sua vez, mudou a estratégia e passou a pressionar o adversário, mas esbarrou nas grandes defesas de Douglas Leite e num gol incrível perdido por Wendel, aos 39 minutos.

Em Criciúma

Paraná x Criciúma
Paraná
Luís Carlos; Paulo Henrique (Nilson), Anderson, Alex Alves e Fernandinho; Zé Luís, Cambará (Marquinhos), Welington e Luisinho (Geraldo); Arthur e Wendel. Técnico: Ricardinho.
Criciúma
Douglas Leite; Ezequiel, Matheus Ferraz, Nirley e William; Rodrigo Possebon, Fransérgio (Giovani Augusto), Kléber e Valber Diego Oliveira); Lucca (Lins) e Zé Carlos. Técnico: Paulo Comelli
Gols: Válber (C), aos 16', Wendel (P) aos 18' e Fransérgio (C) aos 19'.
Cartões Amarelos: Zé Carlos e Rodrigo Possebon (C) e Zé Luis (P)
Árbitro: Leandro Pedro Vuaden (RS)
Local: Estádio Heriberto Hülse, em Criciuma, sábado, às 16h20

Primeiro tempo
3 - Nilo chega bem pela direita e cruza para Pedro Ken, que chega atrasado A zaga corta.
5 - Ricardinho manda uma bomba, mas a bola passa raspando no travessão do Vitória.
22 - Tentativa de cruzamento pela esquerda do Vitória, mas a bola fica com Weverton.
26 – Maranhão chega pela direita e encontra Derley no centro da pequena área. Ele toca de cabeça, mas Gustavo defende.
32 – Pedro Ken rouba a bola, faz cruzamento que passa por toda a área do Atlético. Ninguém consegue chegar a tempo.
40 – Marcelo faz bom cruzamento pela direita e Tiago Adan quase marca. Porém, já não valia nada porque o juiz marcou falta do ataque atleticano.
49 – Cleberson tenta cortar a bola, que cai no pé de Leílson. Ele dá um chutão, mas a bola vai para fora.

Segundo tempo
3 - Boa chance em cobrança de falta, mas a bola sobe e sobra fácil com Caio Secco.
3 - O goleiro Caio dá belo lançamento para Marquinhos, que vai até o fundo, dá drible entre as pernas de um marcador e bate, para a defesa de Weverton.
15 – Na cobrança de falta do Vitória, a bola vai forte, mas para fora.
20 - Caio perde o tempo da bola e quase dá uma boa chance de gol a Bruno Furlan.
24 – Bruno Furlan chuta, Caio Secco defende e joga a bola nos pés do Marcelo. Com o go l aberto e o goleiro batido, ele manda para fora.
29 – Ricardinho encontra Ligüera bem localizado. Ele recebe, gira e bate, mas vai bem no meio do gol e Caio Secco defende tranqüilo.
31 – Gol do Vitória. Leílson vem com velocidade pela esquerda e bate forte e cruzado. Weverton não consegue chegar.
41 – Marcelo mais uma vez perde o gol do Atlético. Bruno Furlan cruza de esquerda e o meia-atacante, sozinho, na frente do gol aberto, joga novamente para fora.
43 – Vitória quase faz mais um. Willie recebe livre dentro da área e chuta, mas a bola explode no travessão e vai para o meio da área.

Publicidade
0 Comentário