22º

Paraná recupera perdas e colheita surpreende

Safra deve ficar entre 31,5 milhões e 31,8 milhões de toneladas — 0,75% menor a anterior

31/07/12 às 00:00

O Paraná recuperou perdas de produção provocadas pela severa estiagem ocorrida entre o fim do ano passado e início deste ano e se prepara para colher, na safra 2011/12, de 31,5 a 31,8 milhões de toneladas de grãos. O volume corresponde a uma ligeira queda, de 0,75%, em relação à safra anterior (2010/11). O resultado abrange as três safras de grãos cultivadas no Estado, entre a produção de verão, outono e inverno, e consta no relatório de julho, divulgado ontem pelo Departamento de Economia Rural (Deral), da Secretaria da Agricultura e Abastecimento.
De acordo com o diretor do Deral, Francisco Simioni, a partir da segunda safra houve recuperação na produção e nos preços praticados ao produtor. O bom desempenho da segunda safra compensou as perdas de 21% na produção de grãos de verão da safra 11/12, prejudicada pela seca principalmente nas regiões Oeste e Sudoeste do Paraná.
Milho —  A segunda safra de milho compensou a quebra na produção com a colheita de 10,5 milhões de toneladas, volume 65% superior ao ano anterior.


Soja —  “A tendência é de crescimento na área plantada no Estado”, disse Simioni. A safra 2011/12 também foi prejudicada pela estiagem que castigou o Estado desde o fim do ano passado até meados de fevereiro deste ano, quando houve quebra de 23,7% na produção do grão.
Feijão — Por outro lado, produtos como feijão e trigo apresentam queda na produção na safra 2011/12. As três safras de feijão cultivadas no Paraná devem totalizar 668,9 mil toneladas, 21% a menos que no ano anterior. Os produtores estavam desestimulados com os preços do feijão no mercado, principalmente na primeira safra, que teve queda de 36% na produção (de 533.603 toneladas na safra 2010/11 para 341.602 toneladas).
Os produtores paranaenses aumentaram a área cultivada com feijão da segunda safra em 31%, passando de 170.992 para 224.041 hectares, que proporcionaram produção de 293.326 toneladas. 

Publicidade
0 Comentário