Jornalistas sírios são mortos em Damasco

13/08/12 às 00:00

Síria — Dois jornalistas sírios foram mortos na capital Damasco, informaram ontem a agência de notícias estatal síria Sana e a rede de televisão árabe Al-Arabiya. Ambos os repórteres morreram no sábado, segundo ambas. A Sana afirmou que um dos seus repórteres, Ali Abbas, foi morto na casa onde morava em Damasco. Conforme a reportagem, “um grupo terrorista armado” (termo utilizado pelo regime para os rebeldes) teria sido responsável pelo crime. Não foram dados mais detalhes. Já a Al-Arabya destacou que o sírio Bara’a Yusuf al-Bushi, um desertor do exército da Síria que trabalhava como freelancer para a rede e outras corporações de mídia internacionais, foi morto em um ataque a bomba enquanto fazia uma reportagem em al-Tal, subúrbio do norte de Damasco.

Terremoto
Irã — O número de mortes causadas pelo dois terremotos que atingiram o Irã no sábado aumentou para 250, informou a televisão estatal iraniana. Os feridos chegam a mais de 2 mil. Milhares de pessoas passaram a noite fora de suas casas depois que vilarejos foram destruídos e residências foram danificadas no noroeste do país. Imagens da rede iraniana mostraram dezenas de famílias dormindo em cobertores espalhados em parques.  Mais de mil equipes de resgate trabalharam durante a noite para libertar pessoas presas sob escombros e chegar a algumas das aldeias remotas afetadas pelos tremores. A TV estatal também mostrou feridos sendo transportados em macas,

Aposentadoria
Egito — O presidente do Egito, Mohamed Morsi, decidiu aposentar o ministro da Defesa, Hussein Tantawi, informou ontem a agência de notícias estatal Mena. Morsi também revogou um documento constitucional que dava amplos poderes às Forças Armadas do Egito, conforme explicou o seu porta-voz Yasser Ali. “O presidente decidiu anular a declaração constitucional adotada no dia 17 de junho” pela Suprema Corte das Forças Armadas, que assumiu o poder no ano passado após a queda de Hosni Mubarak, disse Ali, em comunicado divulgado na televisão estatal. A televisão estatal disse que o ministro da Defesa aposentado será substituído por Abdel Fattah al-Sissi.

Resgate
Itália — Itália não precisa apelar aos fundos de resgate da zona do euro, porque a ação do Banco Central Europeu (BCE) pode ser suficiente para aliviar a tensão nos mercados de títulos soberanos da região, afirmou o ministro da economia italiano Vittorio Grilli, em entrevista ao jornal italiano La Repubblica, publicada ontem. “Os instrumentos do BCE, quando operacionais, podem aliviar substancialmente a pressão nos spreads”, disse Grilli, referindo-se aos spreads crescentes entre os rendimentos dos bônus da Alemanha e da Itália. “Temos um superávit primário significativo e no próximo ano vamos alcançar o equilíbrio orçamentário em termos estruturais”, explicou o ministro.

0 Comentário
Blogs
Ver na versão Desktop