12º

Atlético apresenta três alternativas de jogo para o Brasileirão

Técnico Ricardo Drubscky já utilizou três opções de time em 2013, com variações na defesa e no ataque

21/05/13 às 23:18 - Atualizado às 23:37   |  Silvio Rauth Filho
O técnico Ricardo Drubscky do Atlético: três modelos de time (foto: Divulgação/CAP)

O técnico Ricardo Drubscky apresentou novidades táticas nos três jogos que o Atlético disputou na Copa do Brasil de 2013. Apenas em uma partida ele repetiu o esquema tático e o estilo de jogo adotados em 2012. Foi no Ecoestádio, contra o Brasil de Pelotas (RS), na vitória por 2 a 0. Nos dois confrontos como visitante, o treinador modificou a defesa ou o ataque.

Em 2012, Drubscky adotou o 4-2-3-1. O esquema tático, porém, é apenas parte da estratégia. O estilo de jogo no ano passado tinha uma linha defensiva avançada, tentando deixar o ataque oponente em impedimento e reduzindo o espaço para o meio-campo adversário. Para isso, ele usou dois zagueiros rápidos: Manoel e Cleberson. Na verdade, o Atlético todo jogava avançado, pressionando a saída de bola. Era uma estratégia que combinava com a necessidade da equipe, ou seja, vencer a maioria das partidas para alcançar o G4. E que explorava também a fragilidade de certos times da Série B.

Com a bola, o 4-2-3-1 de 2012 tinha dois laterais ofensivos e dois volantes com bastante liberdade de apoio – Deivid pela direita e João Paulo pela esquerda. Os avanços, porém, eram sincronizados: os dois laterais não atacavam ao mesmo tempo, nem os dois volantes. A linha de três meias ofensivos tinha um armador centralizado (Elias ou Paulo Baier) e dois velocistas pelos lados (Henrique ou Felipe na esquerda e Marcelo na direita). No ataque, Drubscky usava um centroavante de força física (Marcão ou Fernandão).

Esse modelo de jogo sofreu modificações no jogo de ida da Copa do Brasil, em Pelotas (RS). O técnico não tinha Cleberson, contundido, e escalou Luiz Alberto, um zagueiro sem velocidade, mas especialista na bola aérea. O Atlético jogou com a linha defensiva recuada, já que um lançamento nas costas de Luiz Alberto poderia custar caro. O time não marcou a saída de bola adversária e passou a pressionar apenas a partir do círculo central. Outras alterações foram os laterais e volantes mais defensivos, subindo raras vezes ao ataque. Jonas, que tem qualidade na bola aérea e na marcação, foi usado na lateral-direita.

O resultado desse plano de jogo é que o Brasil (RS) ficou sem espaço para jogar, mas também não se arriscou muito. A partida ficou truncada, favorecendo o time de Drubscky, que não tinha urgência pela vitória – poderia decidir a vaga na partida de volta, em Curitiba. Mesmo assim, o Atlético fez 1 a 0 no final do 1º tempo. No 2º tempo, a equipe gaúcha se arriscou mais e sofreu alguns contra-ataques.

A maior alteração do técnico em 2013, porém, foi apresentada na partida com o América (RN). Ele usou um 4-2-2-2, ou seja, um 4-4-2 com dois volantes e dois meias rápidos. O armador Elias e o centroavante Marcão ficaram no banco. Paulo Baier nem viajou com o grupo. Jogadores lentos perderam lugar no time. No ataque, os titulares foram os velozes Éderson na esquerda e Marcelo na direita. No meio-campo, Everton e Felipe mostraram mobilidade e dinâmica. Além de rapidez no ataque, os quatro precisaram de velocidade sem a bola, para marcar os volantes e os laterais adversários.

Drubscky passa a contar com esses três modelos de time. O 4-2-3-1 defensivo seria uma opção para um jogo de grande dificuldade ou para segurar um ataque rápido. O 4-2-3-1 ofensivo se apresenta como a alternativa para as partidas em casa ou para os confrontos como visitante contra adversários menos qualificados. O 4-2-2-2 de contra-ataque é a formação para atuar fora de casa contra equipes com problemas defensivos.

AS TRÊS OPÇÕES DE JOGO PARA 2013


4-2-3-1 Defensivo

Características: Linha defensiva recuada. Laterais e volantes defensivos. Zagueiros sofrem menor exigência na velocidade e mais na bola aérea. Três meias: dois rápidos pelos lados e um armador centralizado.
Quem perde espaço: jogadores ágeis, como Cleberson, Léo, Felipe, Ciro e Éderson
Quem ganha espaço: jogadores de força física, como Luiz Alberto, Marcão e Derley


4-2-3-1 Ofensivo

Características: Linha defensiva avançada. Pressão na saída de bola adversária. Laterais e volantes ofensivos. Zagueiros são exigidos na velocidade. Três meias: dois rápidos pelos lados e um armador centralizado.
Quem perde espaço: defensores lentos, como Luiz Alberto
Quem ganha espaço: defensores rápidos, como Manoel e Cleberson


4-2-2-2 Contra-ataque

Características: Linha defensiva levemente recuada. Laterais e volantes avançam apenas nos contra-ataques. Quarteto ofensivo apenas com jogadores rápidos. Sem centroavante. Dois atacantes abertos pelos lados do campo.
Quem perde espaço: meias e atacantes lentos, como Elias, Marcão e Paulo Baier
Quem ganha espaço: meias e atacantes rápidos, com Felipe, Everton, Éderson e Ciro


O QUE OS TRÊS MODELOS TÊM EM COMUM
Compactação defensiva: Linhas de defesa, meio-campo e ataque ficam bem próximas quando o time perde a bola
Volantes: Um pela esquerda e outro pela direita, com a mesma liberdade ofensiva – não há 1º ou 2º volante
Velocidade: Pouca preocupação com posse de bola e prioridade para as jogadas rápidas (mas sem bolas longas e exageros individualistas)
Pontas invertidos: O time não começa o jogo dessa forma, mas em certos momentos coloca canhotos na direita e vice-versa. O objetivo é forçar os ataques em diagonal e abrir espaço para os avanços dos laterais.

 


Na Baixada

Julgamento
O diretor de futebol do Atlético, Antonio Lopes, foi suspenso por 30 dias em julgamento na 1ª instância do TJD-PR (Tribunal de Justiça Desportiva do Paraná) na noite de ontem. Ele era acusado de invadir a área técnica e de ofensas à arbitragem no primeiro Atletiba da final do Campeonato Paranaense, na Vila Olimpica do Boqueirão. Ele corria o risco de pegar até 450 dias. Tem direito a recurso ao Pleno (2ª instância) do TJD-PR. Enquanto estiver suspenso não poderá circular em áreas restritas no estádio e representar oficialmente o clube na esfera esportiva. Pela invasão de Lopes, o clube foi multado em R$ 500. O meia Zezinho, expulso no Atletiba, foi absolvido. Ele era acusado de "jogada violenta" e poderia ser suspenso de uma a seis partidas.

Publicidade
1 Comentário
  • Jr Senyal 22/05/13 às 10:06
    Ótima matéria. Enquanto a maior parte da crônica esportiva do Paraná fica criticando os elencos dos nossos clubes, deveriam analisar e comentar sobre melhoras em esquemas taticos e a evolução dos times (quando houver é claro). Trazendo ao torcedor informações úteis e que poderemos notar quando nossos times estiverem em campo, pq ficar pedindo contratações de peso é o mesmo que ficar dando murro em ponta de faca.