Maestro Alessandro Sangiorgi faz palestra no Teatro Regina Vogue

O objetivo é lançar uma nova forma de se aprender sobre liderança e trabalho em equipe

31/07/13 às 13:32 - Atualizado às 17:46 Redação Bem Paraná com assessoria

Em 1988, Peter Drucker (1909-2005), um dos mais influentes e reputados pensadores do universo corporativo de nosso tempo, publicou um artigo na edição de janeiro/fevereiro da Harvard Business Review que logo se tornaria clássico. 

Tinha nove páginas e um título simples: “O Advento da Nova Organização”.
Nele, pela primeira vez, Drucker comparava empresas a orquestras.

“As companhias modernas, ancoradas na inovação aberta, cada vez mais atentas ao consumidor global, dependem do conhecimento e da rica informação de especialistas (os músicos, virtuoses), da divisão de trabalho (as seções de uma orquestra) e da capacidade de colaboração em grupo (a própria orquestra).” (Drucker)

"Não conheço empresa perfeita, assim como não existem orquestras perfeitas", diz Carlos Osmar Barreto, professor da Fundação Getulio Vargas e amante da música clássica, estudioso das idéias de Drucker. "Mas possivelmente não há, ainda, metáfora mais adequada que comparar o maestro, a um presidente de empresa e os departamentos de uma companhia, às seções de uma sinfônica."

Nessa palestra, o Maestro Sangiorgi inova, trazendo aos participantes os meandros de se organizar e gerir uma orquestra. Integrando os mais modernos conceitos de gestão empresarial de equipes, a palestra mostra que somente um líder altamente eficaz é capaz de contribuir com os esforços da organização, para superar as dificuldades e assim ter um grupo eficiente e afinado aos objetivos da empresa.

Por isso, a liderança hoje, mais do que em qualquer época, significa ter agilidade e eficiência para descobrir os talentos de que uma empresa dispõe - gente com iniciativa e visão otimista - coordená-los e incentivá-los ao trabalho, com cooperação e harmonia.

Durante a palestra, a plateia poderá perceber que as novas estruturas organizacionais atualmente devem ser informais e flexíveis: menos hierarquia, mais oportunidades para os profissionais desempenharem múltiplos papéis. Ou seja, muitas vezes é necessário ser o líder de uma equipe, enquanto em outras, apenas um dos membros dela.

Para o líder eficaz, ser flexível e resiliente em relação a cargos e na hora de transferir as pessoas de um projeto para outro, implica em pensar sempre no projeto e não em postos fixos. Para se entender na sua plenitude o papel do maestro-líder para uma orquestra-equipe, serão abordados temas primordiais na formação de um grupo motivado e coeso:
- Coloque o poder nas mãos das pessoas que realmente fazem o trabalho.
- Encoraje as responsabilidades individuais em nome da qualidade dos produtos.
- Deixe os papéis de cada profissional mais claros.
- Forje uma equipe horizontal e multidisciplinar.
- Divida e promova a rotatividade das lideranças.
- Aprenda a ouvir, aprenda a dizer.
- Busque o consenso - e construa sistemas criativos de modo a favorecê-lo.
- Dedique-se apaixonadamente a sua missão.
Utilizando um pequeno grupo de orquestra formado por 4 violinos, 1 viola, 1 cello, 1contrabaixo e 3 sopros, o Maestro Sangiorgi promove a interação direta do público que participa da apresentação, ora “regendo”, ora “tocando”.

Para Alessandro Sangiorgi, “quando olhamos para a gestão de pessoas, a chave do processo é a interdisciplinaridade, ou seja, fazer com que os profissionais com as mais diversas formações interajam na organização. Os desafios podem ser diferentes, mas o trabalho motivado e em equipe só tende a trazer grandes resultados à empresa e aos seus colaboradores”.

Grande parte das empresas possui um elenco bastante heterogêneo de colaboradores. Essa diversidade é extremamente positiva, mas merece uma atenção especial e constante. As pessoas não são “gerenciadas”, mas motivadas e desafiadas a se autodesenvolverem.

Assim como em uma orquestra, um dos grandes diferenciais do negócio, certamente é a comunicação que seus colaboradores praticam entre si, com a empresa e consequentemente com o cliente. Por isso, o trabalho em equipe é reconhecido como um poderoso instrumento para o ganho de desempenho das organizações.

A palestra conclui em como formar equipes produtivas, como tornar mais fluida a comunicação entre a equipe, como favorecer a integração no ambiente de trabalho e como lidar com as diversas lideranças que cada tarefa exige de cada membro do grupo.

Os participantes, ao final saberão a importância de valorizar e estimular a adoção de comportamentos tais como:

- Competência - conjunto de habilidades, talentos e características que permitem à pessoa ter influência em determinado campo de atuação.
- Transparência - a atitude de dizer a verdade e colocar sinceramente as expectativas que se tem em relação ao outro.
- Cumprimento das metas - realizar o que se prometeu ou comprometeu a fazer.
- Consistência - característica da pessoa cujas atitudes estão alinhadas com um histórico de condutas passadas.
- Comprometimento - autorresponsabilidade, seriedade e empenho em atingir os resultados esperados.
- Coerência - fazer aquilo que prega, isto é, considerar bom para os outros, o que considera bom para si mesmo.
- Cumplicidade - criar algo em comum com o outro, uma relação de parceria e lealdade na qual os objetivos e motivos estão implícitos.

O Maestro italiano Alessandro Sangiorgi, depois de capitanear a Orquestra Sinfônica do Paraná (OSP) por mais de nove anos, retornou a Curitiba após algumas temporadas regendo orquestras na Europa e na Ásia, em especial a Ópera Nacional de Sofia-Bulgária, em sua última turnê mundial.


“O pensamento cartesiano nos ensina a ver as organizações como máquinas, quando o certo seria entendê-las como organismos vivos”
(Peter Ducker)


Serviço:
Dia: 01/08/2013 (Quinta-Feira)
Hora: 19h30
Local: Teatro Regina Vogue
Ingressos: R$ 40,00
Informações e Reservas:
41 3209-3074 / 9997 9163 (Tarás Antônio – taras.antonio@kobzar.com.br )
Promoção: H.Pimentel Comunicação e Cultura

 

0 Comentário
Blogs
Ver na versão Desktop