11º

Ministro diz que espião é problema dele, não de Dilma

Abin teria abafado caso de agente que passou informações para espião norte-americano

30/10/13 às 20:33 - Atualizado às 21:00   |  Agencia Estado

O ministro-chefe do Gabinete de Segurança Institucional, José Elito Siqueira, minimizou nesta quarta-feira, 30, o episódio revelado pelo jornal O Estado de S. Paulo no domingo, 27, de que a direção da Agência Brasileira de Inteligência (Abin) decidiu recomendar a aposentadoria do agente 008997, sem abrir sequer uma sindicância para apurar o caso, apesar de suspeitas de que o servidor pudesse ter passado informações a um espião norte-americano. Para o ministro, o caso é um "problema administrativo normal".

Questionado por repórteres se a presidente Dilma Rousseff teve conhecimento do fato, Elito respondeu: "Isso é problema meu. A presidente Dilma tem problemas muito mais importantes para cuidar. Qualquer grande estrutura do País tem problemas isolados, e foi um problema administrativo normal"

As declarações de Elito foram feitas após participar de cerimônia em homenagem a servidores no Palácio do Planalto. O posicionamento do ministro do GSI vai em sentido contrário ao do ministro-chefe da Secretaria-Geral, Gilberto Carvalho, que qualificou nesta quarta o episódio como "grave".

Conforme revelou o jornal, o caso foi abafado na Abin, para evitar desgaste. Integrantes da agência temem que o espião norte-americano que manteve contato com 008997 possa ter obtido uma lista de informantes infiltrados na comunidade árabe da Tríplice Fronteira.

"Não vamos especular, tratar assuntos passados. A gente não tem que especular. São assuntos de suas instituições, não são assuntos especulativos, então a gente não pode nem deve comentar", desconversou Elito, destacando que o agente tinha 35 anos de serviço e que a "aposentadoria é um desejo de cada um".

De acordo com o ministro, há um ano e meio a Abin teve um problema com um servidor que estava vendo senhas da estrutura da própria agência. "Quem viu aquilo foi a própria Abin, que chamou a Polícia Federal, fez o flagrante, (o servidor) foi preso, demitido de qualquer serviço público e está respondendo a um processo criminal. É um problema de Justiça, de lei, então se aplica as leis, seja ele, seja esse que vocês levantaram ou não como qualquer outro. A gente cumpre a lei e é o que fizemos. Não tem diferença", disse o ministro.

Oposição

Para o deputado Duarte Nogueira (PSDB-SP), causa "estranheza" que colaboradores do governo Dilma serviram a um núcleo de espionagem em parceria com os Estados Unidos e o GSI tenha optado por varrer o episódio para debaixo do tapete, depois das denúncias de um esquema de espionagem da Casa Branca no Brasil.

"São dois pesos e duas medidas", avaliou o deputado, dizendo que era necessário a abertura de sindicância para apurar a conduta do agente da Abin. Nogueira defende a convocação do ministro Elito para prestar esclarecimentos no Congresso Nacional.

Publicidade
0 Comentário