Campanha eleitoral nas asas da FAB

05/12/13 às 15:02 Ademar Traiano

O uso abusivo da máquina pública em uma permanente campanha eleitoral antecipada, ilegal e desleal é prática diária do PT. Nesse vale tudo, o Paraná vive uma situação curiosa. Tem três ministros petistas que trabalham 24 horas por dia contra o Estado e usam todos os artifícios para tomar o Palácio Iguaçu e transformar o Estado em mais um aparelho do partido. Nos últimos dias, três veículos nacionais, o jornal O Globo, a Folha de S. Paulo e a revista Veja, noticiaram movimentações condenáveis dos petistas paranaenses.


Matéria do jornal O Globo do último final de semana revela que a ministra paranaense Gleisi Hoffmann (PT), da Casa Civil, é a campeã no uso dos jatinhos da FAB para fazer campanha política ilegal e fora de época.


Diz a matéria de O Globo: “Nas asas dos jatinhos da Força Aérea Brasileira (FAB), ministros que serão candidatos no ano que vem percorrem suas bases eleitorais num misto mal-disfarçado de trabalho com campanha antecipada”.

E prossegue: “De todos os ministros candidatos, a maior ofensiva tem sido da ministra da Casa Civil, Gleisi Hoffmann, que enfrenta dificuldades para emplacar sua candidatura contra o governador tucano Beto Richa, no Paraná”.

Na penúltima semana de novembro, por exemplo, segundo O Globo, "Gleisi e o vice-presidente da Câmara dos Deputados, André Vargas (PT-PT), fizeram uma propaganda maciça, nas redes sociais, sobre uma nova rodada de entrega de máquinas e caminhões em cidades do interior, realizada no sábado da semana passada, dia 23. No dia 9 de novembro, Gleisi fez novamente um ato com prefeitos de Londrina, com Vargas e Zeca Dirceu (PT-PR). À FAB, ela requisitou um jatinho para duas pessoas."

"E não é só em viagens e eventos públicos no estado que Gleisi tem participado de atos com conotação político-eleitoral. No gabinete da Casa Civil também recebe uma romaria de prefeitos e políticos locais. A ministra mantinha agenda discreta de candidata até outubro. Os voos solicitados por ela à FAB, até aquele período, tinham Curitiba como destino, onde ela reside. Porém, em novembro ela começou a circular mais pelo Paraná", informa o jornal.

Apanhada em flagrante delito, fazendo campanha antecipada com recursos públicos, Gleisi tentou disfarçar: “Fazer entregas de equipamentos e obras de governo é parte das atribuições dos ministros, inclusive da Casa Civil”. Não é.

As atribuições da Casa Civil são de outra natureza. A principal delas é o assessoramento do presidente, a coordenação de ações de governo, inclusive de outros ministérios. Também é responsável pela avaliação das propostas legislativas que o Executivo encaminha ao Poder Legislativo e cuidar da publicação de atos oficiais do governo. Entre essas funções não está, certamente, a de percorrer o Paraná em jatos da FAB, pagos pelo contribuinte brasileiro, para distribuir caminhões basculantes.

A matéria de O Globo revela ainda que Gleisi requisita jatinhos da FAB para seu uso, mas lota a aeronave com aliados políticos, como o deputado federal Zeca Dirceu (PT), filho do mensaleiro Zé Dirceu, cotado para ser seu vice. Voos da alegria para entregar obras, retroescavadeiras e caminhões. São atos descarados de campanha bancada pelo contribuinte.

Não é só no uso de jatinhos da FAB que Gleisi usa a máquina do governo em sua campanha. A jornalista Monica Bergamo, da Folha de São Paulo, revela que a campanha de Gleisi, através de seu marido, o ministro das Comunicações, Paulo Bernardo, atuou na presepada petista que gerou o estranhíssimo emprego do mensaleiro José Dirceu como gerente de um hotel em Brasília com um salário nababesco. Diz a jornalista:

“O PTN (Partido Trabalhista Nacional) deve apoiar a candidatura da ministra Gleisi Hoffmann (Casa Civil) ao governo do Paraná no próximo ano. O partido é presidido por José Masci de Abreu, irmão de Paulo Masci de Abreu, dono do hotel que contratou José Dirceu para trabalhar em Brasília. No mês passado, Gleisi e o marido, Paulo Bernardo, ministro das Comunicações, receberam em casa representantes do partido no Paraná. Além do hotel, Masci tem também uma empresa de comunicação que possui ao menos oito rádios em SP”.

Entre os problemas que o novo patrão de Dirceu espera resolver com sua proximidade com o PT e a campanha de Gleisi, segundo revela a revista Veja, está um projeto muito lucrativo. A renovação da concessão da TV Excelsior, cassada em 1970.

O Hotel St. Peter, comandado pelos novos aliados de Gleisi Hoffmann, está no centro do novo escândalo envolvendo o PT. Apesar de o dono real ser Paulo Masci, a empresa aparece como sendo de um laranja profissional que mora no Panamá, conhecido paraíso fiscal.

A sede de poder dos petistas é insaciável. A obsessão de tomar o poder no Paraná é antiga. A falta de limites do PT é tamanha que a cúpula do partido está encarcerada na Papuda por corrupção e formação de quadrilha. Mas continua operando mesmo na cadeia, como revela o caso do suposto 'emprego', do mensaleiro José Dirceu no "hotel panamenho". Um local que se tornou suspeito de práticas de atividades como lavagem de dinheiro, evasão de divisas e sonegação fiscal.

 

 

Ademar Traiano é líder do governo na Assembleia Legislativa

Blogs
Ver na versão Desktop