Comércio de Curitiba começa ano com vendas no vermelho

Empresários do setor pretendem recorrer a promoções e descontos para alavancar a comercialização em março

20/03/14 às 00:00 - Atualizado às 23:07
Comércio aponta recuo de 1% nas vendas de feveiro em relação às de janeiro. Cai também otimismo do empresário (foto: Arquivo/JE)

O início do ano de 2014 para o comércio reflete a atual situação ruim da economia brasileira: queda nas vendas e baixo Índice de Confiança do Empresário do Comércio de Curitiba (ICECC) em fevereiro. Dados da pesquisa ACP – Datacenso revelaram 1% de decréscimo nas vendas em relação a janeiro, com o recuo de 0,7% do ICECC para o mesmo período.
Segundo a sondagem, de um lado estão os empresários cada vez menos otimistas e mais cautelosos com as vendas a curto e longo prazo diante do desempenho da atual economia; do outro, clientes endividados, fato que contribui para a estagnação do mercado. Durante o período, o quadro de funcionários manteve-se o mesmo para 93% dos comerciantes ouvidos.
Apesar dos dados negativos houve o crescimento de 1% das vendas em relação mesmo mês de 2013. Para o mês de março os proprietários de estabelecimentos estimam um acréscimo médio de 5% nas vendas, crescimento que deverá ser alavancado, principalmente, pelos investimentos em promoções, descontos, maior variedade de produtos e novas coleções.


Os setores que apresentaram crescimento acima da média no período foram os de calçados e celulares, com incremento de 7% e 5%, respectivamente, enquanto a seção de móveis e eletros decresceu 11%, e 9% nas de joalheria/ bijuteria e relojoarias.
O valor despendido em compras pelo consumidor curitibano em fevereiro ficou em torno de R$ 284, com pequena expansão em relação a janeiro (R$ 275,70). Os itens mais citados pelos consumidores nas compras não habituais foram roupas/acessórios (61%), calçados (18%), utilidades domésticas (8%), celular/ smartphones (6%), perfumes (6%) e viagem (6%).
Em fevereiro, a principal forma de pagamento utilizada pelos consumidores continuou sendo à vista em dinheiro, seguido de parcelado com cartão de crédito. Entretanto, verificou-se queda na modalidade de pagamento parcelado com cartão de crédito e aumento significativo no pagamento à vista em dinheiro.
A amostragem do consumidor curitibano entrevistado está equilibrada quanto ao gênero, sendo a faixa etária predominante de 26 a 55 anos e renda familiar mensal entre R$ 1.245 a R$ 6.220.

Publicidade
0 Comentário