O dragão de sete mil cabeças e o PT

29/09/14 às 00:00

Para a presidente Dilma Rousseff (PT) a Hydra é uma “serpente de sete cabeças”, em uma associação treinada para a propaganda eleitoral gratuita superproduzida do PT. Em um ensaio mais atento, os marqueteiros talvez atentassem para o detalhe de que umas das feras mitológicas mais conhecidas fora da cultura greco-romana na verdade é um dragão de sete cabeças. A cada vez que o semideus Hércules tentou lhe arrancar as cabeças apareciam outras duas em seu lugar. Na associação da Hydra com a corrupção, feita pela presidente na propaganda, o primeiro passo seria saber a diferença entre serpente e dragão. Seguindo o raciocínio mitológico, o aumento do poder de combate proposto pela presidente só faria com que novas cabeças aparecessem. “Uma serpente de sete cabeças, temos que corta-las uma a uma, não importa que sejam sete ou sete mil”, diz a presidente multiplicadora de cabeças. Na mitologia, Hércules pediu ao sobrinho Iolau que queimasse a base das cabeças cortadas com um tição, logo após o corte, cicatrizando a ferida. Sobrou apenas a cabeça do meio, considerada imortal. Para derrotar o monstro mitológico, Hércules esmagou com uma pedra a última cabeça imobilizando a fera para sempre.  Claro que os erros da presidente sobre a Hydra ecoaram nas redes sociais, principalmente nos grupos especializados no assunto. A maioria dos indignados é de jovens.

Sem assunto, oposição reprisa vídeo fake
Pelo jeito os candidatos de oposição ao governo do Estado estão sofrendo de falta de assunto na briga contra o governador e candidato à reeleição, Beto Richa (PSDB) nessa reta final da campanha. Na sexta-feira, o vídeo antigo em que o senador e candidato à reeleição, Álvaro Dias (PSDB), critica Richa – que já havia sido usado na propaganda da candidata do PT, Gleisi Hoffmann – foi replicado no programa do candidato do PMDB, senador Roberto Requião. E depois foi repetido pelo menos umas três vezes no horário do candidato “nanico” Geonísio Marinho e no horário dos candidatos a deputado estadual do PRTB. Se isso for o máximo que os oposicionistas conseguiram reunir contra o tucano, Richa já pode preparar o terno novo para a posse do segundo mandato, em 1º de janeiro de 2015.

Bate volta
Já Álvaro apresentou depoimento do governador destacando que em todas as pesquisas, ele é apontado como o melhor senador do Brasil.

Inexplicável
Todos se perguntam o motivo que levou a candidata do PT ao governo, Gleisi Hoffmann, não mudar o programa eleitoral, mesmo estacionada em todas as pesquisas. Nem mesmo os correligionários entendem a decisão. A própria candidata a presidente , Dilma Roussef, mentora de Gleisi, já mudou o programa diversas vezes.

Façam o que eu digo...
Requião adora reclamar da imprensa, mas ontem voltou a usar reportagens de jornais locais para atingir Beto Richa. Reproduziu texto de colunista da Gazeta do Povo que relatava o remanejamento de verbas orçamentárias para o pagamento de dívidas do Estado com o BRDE.

Fundo do poço
O candidato do PMDB exibiu um quadro onde um ator aparece falando de dentro de um buraco para dizer que o Paraná está “no fundo do poço”. E afirma que para sair dessa situação é preciso “trocar já de governador”.

Autocrítica?
Requião diz que não são sérios os políticos que tem a campanha financiada pelos donos do pedágio. Com certeza não está falando de Marcelo Almeida (PMDB), candidato ao Senado de sua chapa, sócio da empreiteira concessionária do serviço.

Cultura
Propaganda eleitoral também é cultura. Em um momento “Globo Rural” da campanha de Richa, ficamos conhecendo a agricultura de precisão, uma técnica agrícola que se utiliza tecnologia de informação baseada no princípio da variáveis do solo e clima a partir de dados específicos de áreas geograficamente referenciadas, para o processo de automação agrícola, dosando-se adubos e agrotóxicos.

Abraçados
Gomyde voltou a atacar Marcelo Almeida e sua ligação com o pedágio. Enquanto isso, Álvaro Dias corre solto muito à frente dos dois nas pesquisas.

A lógica da família
Alguns candidatos a deputado fazem questão de colocar a família na propaganda. Até aí tudo bem. Mas a turma fica muda ali atrás e balançando a cabeça concordando com o candidato. Qual é a mensagem subliminar? “Vocês, eleitores vão me ajudar a sustentar todas essas pessoas se me elegerem?

0 Comentário

Você precisa acessar o seu perfil para comentar nas matérias.

Blogs
Ver na versão Desktop