Armadilha Coxa

18/11/15 às 00:00 Mauro Mueller | falecomomauro@yahoo.com.br

Thiago Galhardo foi uma boa contratação do Coritiba e ele foi caindo de produção com todo o time. Ele entrou no segundo tempo do jogo contra o Cruzeiro e o Coritiba venceu por 1 a 0. Lembro que a torcida pedia para que o Ney Franco escalasse o Thiago Galhardo como titular. Ney Franco escalou o garoto, que não jogou bem, e o Coritiba perdeu para o Atlético Mineiro por 2 a 0. Então, muitos torcedores falaram que a ausência de Kleber Gladiador era o motivo pelo qual o time não estava jogando bem. Kleber não jogou contra o Galo. No 0 a 0 contra o Joinville, o Kleber também não jogou e Ney Franco já estava pressionado por um certo número de conselheiros, que pediam a cabeça do treinador.
E contra a Ponte mais um resultado ruim de 0 a 0, sendo que então o Coritiba poderia ter saído da Zona do Rebaixamento. Veio o empate contra o Figueirense e, mais uma vez, se vencesse, sairia da ZR. E tinha em campo Wilson, Kleber, Juan e Negueba. O torcedor percebeu algumas alterações equivocadas de Ney Franco, um posicionamento errado de um ou outro jogador, mas também o torcedor viu o mesmo time apático que jogava nas mãos de Marquinhos Santos. Depois, a reclamação de atraso de pagamentos, para fechar com chave de ouro.

O ponto que fica muito claro discutir não é o técnico. São os jogadores contratados para resolverem as posições, serem titulares e são apresentados com toda a esperança. Neste caso, não tem nenhuma contratação que me chamou a atenção lá no início da temporada. As duas únicas contratações que o Coritiba acertou foram por indicação de Ney Franco. Resolveu o gol, no caso de Wilson, e a falta de gols do time, com Henrique Almeida. Por causa desta contratação, hoje o Coritiba ainda tem chances de escapar da Segunda Divisão, pois, caso não fosse este atacante, o Coritiba estava na lanterna. Ninguém fazia gols no time antes deste atacante entrar no Coritiba, na esperança do menino Raphael Lucas, que fez muitos gols no Campeonato Paranaense e parou.

No embarque do Aeroporto Afonso Pena, Negueba disse que este jogo com o Goiás deve ser encarado como o mais importante do ano. Mas o torcedor sabe que isso já foi falado no jogo contra o Corinthians, Figueirense, Ponte, Joinville e agora de novo. Parece aquele amigo que promete para a esposa que vai parar de fumar e já faz 20 anos. O jogo mais importante era o jogo das contratações, que dificultaram a vida do Marquinhos Santos e do Ney Franco.

Mauro Mueller é apresentador do Show de Bola da Rede Massa, radialista e ator

O Goiás tem cinco mudanças no time titular e a mudança de esquema, saindo do 4-3-3 para o 4-4-2. Estudar o adversário, ver jogos passados, analisar esquema de jogo do Goiás não vai adiantar muito desta vez. Uma vitória contra o Goiás será para o Coritiba somente alimentar um foco de esperança em permanecer na Série A. O jogo mais importante do Coritiba é contra o próprio Coritiba. Tem clubes que caem para a Segunda Divisão para se reestruturarem. Tem castigos bons para um clube atolado em dívidas e sem capacidade em contratar jogadores.

Mas o Coritiba é um time que já deveria ter aprendido com as quedas, deveria ser escolado em contratar jogadores que chegam para se recuperar, “baladeiros” que perderam espaço em grandes clubes, que brigaram, saíram pela porta dos fundos e não estão muito preocupados em escrever sua história no clube de futebol e reconstruir as carreiras. Eles estão mais preocupados em dar um tempo, recuperar o seu futebol, se recuperar de lesão, sair do foco da mídia de rede nacional, fazer meia dúzia de partidas boas, montar um DVD e sair para “um grande clube dos Emirados”. E os clubes daqui ainda não aprenderam a escapar destas armadilhas.

Blogs
Ver na versão Desktop