Captura do caranguejo-uçá é proibida em 10 estados

01/02/17 às 00:00 - Atualizado às 22:27 Por Ceres Battistelli | cerestb@gmail.com
Os Ministérios do Meio Ambiente e da Agricultura publicaram a Instrução Normativa Interministerial nº 6, que estabelece medidas de proteção ao caranguejo-uçá em dez estados do Brasil (foto: Divulgação/IBAMA)

Os Ministérios do Meio Ambiente (MMA) e da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) publicaram no Diário Oficial da União (DOU), do último dia 23 de janeiro, a Instrução Normativa Interministerial nº 6, que estabelece medidas de proteção ao caranguejo-uçá (espécie Ucides cordatus) durante a "andada", período em que ocorre sua reprodução. A norma é uma reedição dos regulamentos publicados anteriores, sendo que as datas foram adequadas com as previsões dos períodos de "andada" da espécie neste e nos próximos dois anos.

A captura, o transporte, o beneficiamento, a industrialização e a comercialização de qualquer indivíduo da espécie fica proibido em 10 estados do país: Pará, Maranhão, Piauí, Ceará, Rio Grande do Norte, Paraíba, Pernambuco, Alagoas, Sergipe e Bahia. A "andada" pode ocorrer de novembro a março, com picos em janeiro, e geralmente se inicia um dia após a lua cheia ou nova, prolongando-se por até 6 dias. Mais informações no site www.ibama.gov.br

Museu de História Natural de Curitiba reabre para visitação
Depois de seis meses fechado aos domingos, o Museu de História Natural de Curitiba, referência nacional em pesquisa zoológica, volta a abrir para visitação neste dia. A reabertura acontece neste domingo (29), com atendimento das 9h às 17h e entrada gratuita.

Além da pesquisa da fauna curitibana, o museu possui áreas de exposições que apresentam os dioramas, diversos ecossistemas e os seus animais, como a floresta com araucária, cerrado, ambiente marinho. Há ainda um local reservado para a mostra de animais taxidermizados (empalhados), com as aves de rapina e animais em extinção. Na área externa, a atração é a passarela suspensa que permite ao visitante transitar por um bosque original com araucárias, uma das poucas áreas remanescentes de floresta nativa.

Manchester vai plantar 3 milhões de árvores para mudar passado industrial
As autoridades da cidade britânica de Manchester - conhecida por sua importância industrial e depois pelo desenvolvimento científico e cultural – anunciaram um programa de arborização que prevê o plantio de três milhões de novas árvores ao longo dos próximos 25 anos. Para se ter uma ideia do tamanho deste projeto, há alguns anos Nova York iniciou um projeto parecido, mas com o intuito de plantar um milhão de árvores em dez anos. O plano foi chamado de “Manchester, cidade das árvores” e a ideia é plantar, pelo menos, uma árvore por cada habitante da cidade, além de recuperar áreas verdes degradadas ou simplesmente abandonadas, que somam, atualmente, mais de dois mil hectares.

Parque Ecológico mantido pela Klabin recebe licença do IAP
O Parque Ecológico mantido pela Klabin (PEK) na Fazenda Monte Alegre, em Telêmaco Borba, recebeu do Instituto Ambiental do Paraná (IAP) a Licença Ambiental de Operação. O documento permite a ampliação das atividades do Parque, que passa a funcionar também como um Centro de Reabilitação de Animais Silvestres (CRAS). Os investimentos que vêm sendo realizados pela Klabin nos últimos dois anos, para reforma e adequação do Parque, darão ao local melhores condições de atendimento aos animais silvestres resgatados que precisam de cuidados clínicos. A reforma é uma condicionante do licenciamento ambiental do IAP para o Projeto Puma, nova fábrica de celulose da Klabin, em Ortigueira (PR). Desde a inauguração, na década de 1980, o Parque Ecológico da Klabin realiza um trabalho permanente de conservação de espécies ameaçadas e pesquisas científicas em conjunto com instituições de ensino de todo o Brasil. Atualmente, 250 animais de mais de 50 espécies habitam o Parque, muitos oriundos de apreensões realizadas pelo próprio IAP e pela Polícia Ambiental do Paraná.

Plano de ação pode ajudar a salvar aves
O bioma Mata Atlântica já perdeu algo em torno de 90% de sua vegetação nativa colocando em risco de extinção pelo menos 107 espécies de pássaros. As aves fazem parte da fauna mais sensível às mudanças ambientais e climáticas. Para assegurar sua preservação, o Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), do Ministério do Meio Ambiente, publicou, no dia 26 de janeiro, no Diário Oficial da União, o Plano de Ação Nacional para a Conservação das Aves da Mata Atlântica (PAN). Ugo Vercillo, diretor do Departamento de Conservação e Manejo de Espécies do MMA, disse que “o PAN vai integrar os diversos setores que atuam para reduzir o números de aves silvestres ameaçadas de extinção”. Para ele, o resultado poderá vir nos próximos anos, com a redução do número de pássaros da Lista Vermelha das Espécies Ameaçadas de Extinção. O PAN vai até 2022.

0 Comentário

Você precisa acessar o seu perfil para comentar nas matérias.

Últimas de Conteúdo sustentável
Blogs
Ver na versão Desktop