Ibama apreende e doa 22 toneladas de pescado em Santa Catarina

08/02/17 às 00:00 - Atualizado às 18:08 Por Ceres Battistelli | cerestb@gmail.com
Fiscais do Ibama apreenderam, em Itajaí (SC), 14 toneladas de peixe em uma embarcação que pescava em local não autorizado, além de 8 toneladas de peixe em um barco que realizava pesca de arrasto (foto: Divulgação)

Fiscais do Ibama apreenderam, na última semana, em Itajaí (SC), 14 toneladas de peixes em uma embarcação que pescava em local não autorizado, além de 8 toneladas de peixe em um barco que realizava pesca de arrasto.

Na primeira apreensão, foram encontradas cerca de 1,7 tonelada de peixe-sapo e 12,5 toneladas de outras espécies, como congro-rosa e merluza. Os responsáveis pela embarcação foram multados em R$ 297 mil por captura de peixe-sapo acima da quantidade permitida e por pesca sem permissão em profundidades superiores a 250 metros. Também foram apreendidas duas redes de arrasto. O caso foi encaminhado ao Ministério Público Federal, que poderá denunciar os infratores por irregularidades previstas na Lei de Crimes Ambientais.

Agentes ambientais do Ibama também apreenderam outras oito toneladas de peixes em Itajaí, além de 198 kg de camarão rosa. Na ocasião também foram encontradas 50 raias-chita, espécie ameaçada de extinção. O proprietário recebeu uma multa de R$169 mil por operar com autorização irregular e outra de R$ 250 mil pelos espécimes ameaçados de extinção encontrados a bordo.

Programa Nacional de Rastreamento de Embarcações Pesqueiras por Satélite
Segundo o coordenador-geral de Fiscalização Ambiental do Ibama, Jair Schmitt, o grande volume de peixes-sapos apreendidos indica que a captura não ocorreu de forma involuntária e que os autuados teriam intenção de comercializar a espécie. Toda a movimentação do barco foi monitorada pelo Programa Nacional de Rastreamento de Embarcações Pesqueiras por Satélite (Preps), que indicou a atividade de pesca em áreas não autorizadas.

Toda a mercadoria apreendida nas duas últimas semanas em Itajaí foi doada ao Programa Mesa Brasil, do Serviço Social do Comércio (Sesc), em Florianópolis, Blumenau e Joinville.

Parques estaduais são boa alternativa às praias durante o verão

Como alternativa às praias, visitar as unidades de conservação do Instituto Ambiental do Paraná (IAP) pode ser uma boa pedida para as férias de verão. Em todo o estado, 29 unidades estão abertas à visitação e com infraestrutura para atender o público.

Entre os parques mais visitas estão Serra da Baitaca (Caminho do Itupava), em Quatro Barras; o Parque Estadual de Vila Velha, em Ponta Grossa; e o Parque Estadual Pico do Marumbi, em Morretes.

Acesse o site www.iap.pr.gov.br , conheça as características dos Parques Estaduais e programe sua visita.

Brasil sedia evento sobre substâncias químicas
Desde ontem (7 de fevereiro), representantes de mais de 100 países estão discutindo, em Brasília, os desafios que envolvem o gerenciamento adequado de substâncias químicas e resíduos, nos aspectos da segurança alimentar, produção e consumo sustentáveis, e a eficiência no uso desses recursos, visando à sustentabilidade. A reunião vai até o dia 14 de fevereiro, com a realização de workshops, painéis e eventos paralelos.

As recomendações aprovadas no evento serão apresentadas na 5ª Conferência Internacional sobre Gestão de Substâncias Químicas (ICCM 5), marcada para 2020, quando será definida a abordagem e a gestão para esses produtos nas próximas décadas.

Com um volume importante de produção e importação de substancias químicas e uma indústria que ocupa a 6ª posição no ranking mundial em movimentação comercial. Estima-se que entre 10 mil e 15 mil substâncias químicas estejam em circulação no mercado brasileiro.

Papel que pode ser impresso com luz e reutilizado 80 vezes
Pesquisadores da China e da Califórnia se uniram para desenvolver um novo tipo de “papel” que possa ser impresso com luz e reescrito até 80 vezes. A invenção emprega a química de mudança de cor de nanopartículas, que podem ser aplicada através de uma película de revestimento fino à uma variedade de superfícies – incluindo o papel convencional.

Em um esforço para reduzir o impacto ambiental prejudicial da impressão a jato de tinta, os pesquisadores da Universidade de Shandong na China, da Universidade da Califórnia, do Riverside e do Lawrence Berkeley National Laboratory publicaram recentemente um estudo detalhando a invenção de um papel regravável e imprimível à luz.

0 Comentário

Você precisa acessar o seu perfil para comentar nas matérias.

Blogs
Ver na versão Desktop