'Mata Teu Pai' dá visão feminista ao mito de Medeia

Grupo de senhoras curitibanas foi chamado a participar como coro da tragédia grega

05/04/17 às 00:00 - Atualizado às 20:25
A Medeia de Grace Passô é um personagem entre o retrocesso e a intolerância (foto: Divulgação)

O espetáculo Mata Teu Pai, de Grace Passô, integrante da Mostra do 26º Festival de Curitiba, é uma livre adaptação do mito trágico de Medéia e foi escrito especialmente para a atriz Debora Lamm, conhecida por seu trabalho no humorístico Zorra. Com direção de Inez Viana e direção de produção de Claudia Marques, a peça é a primeira parte de uma trilogia, concebida por Inez, que se propôs a fazê-la posteriormente, na linguagem da Dança e da Ópera. O espetáculo aborda questões atuais, como o feminismo e o preconceito.

A encenação se baseia no discurso de Medéia, em que o público tem papel fundamental. Junto com a atriz Debora Lamm também estará um grupo de senhoras, moradoras de Curitiba, que formam um coro.

A Medeia de Grace Passô é um personagem perambulando por entre o retrocesso e a intolerância. Na visão da autora, Medéia está em movimento, mas só quer descansar um pouco no meio dos escombros da cidade onde agora está. “Encontra mulheres: síria, cubana, paulista, judia, haitiana. Se vê na mesma condição de imigrante, por outro viés, evidente, mas sabe que não é dona de sua vida. Algumas se tornam suas cúmplices, outras algozes. Percorre um caminho interior, onde decide que quem tem que morrer é Ele, que a desprezou e tirou seu direito de ser sua mulher”, diz a diretora Inez Viana. “Que direitos temos nós? É o que nos pergunta Medéia. Para além de um paralelo sobre o mito, Grace Passô recria a sua feiticeira, não só sobre os dias de hoje, mas também sobre a condição da mulher hoje. Há muitas Medéias com diferentes questionamentos. Mas a todas devemos escutar para que a catarse, através da arte, seja expurgada e então um novo homem, mais justo, possa renascer.”

“Medéia é uma protagonista feminina que desafia o amor romântico: ressignifica o sentimento quando na fuga com o ser amado, o que fará dela uma estrangeira, mata o próprio irmão e mais adiante mata seus próprios filhos com Jasão ao se ver traída por ele. A Medéia de Mata Teu Pai leva consigo o discurso e angústias do mundo atual. Dar voz a uma personagem milenar será sempre um desafio”, comenta a protagonista.

Com uma ambientação simples, da cenógrafa Mina Quental, um campo minado se desenha no espaço, trazendo toda a sorte de lixo eletrônico, como caixas e mais caixas de carregadores de celular, baterias, teclados de computador e monitores. A luz de Nadja Naira e Ana Luzia De Simoni revela formas, rostos, corpos, de forma transversal, criando contradições nas imagens, para que o espectador possa construir junto, se sentindo parte da história.

SERVIÇO:
Mata Teu Pai
Sesc da Esquina
5 e 6 de abril as 21h.


Ingressos
A venda dos ingressos será pelo site www.festivaldecuritiba.com.br, pelo aplicativo do Festival (Festival de Curitiba 2017) e na bilheteria oficial do evento, no ParkShoppingBarigüi, com funcionamento das 11h às 23h, de segunda a sexta, no sábado, das 10h às 22h e, aos domingos, das 14h às 20h. Nesta edição, o cliente tem a opção de não retirar o ingresso impresso na bilheteria: os ingressos comprados pelo site terão um QR Code, que será enviado ao celular do público e usado para a entrada nas peças e demais eventos do Festival.

0 Comentário

Você precisa acessar o seu perfil para comentar nas matérias.

Últimas de Festival de Curitiba
Festival de Curitiba Viagem à raiz de Antígona
Blogs
Ver na versão Desktop