Mudança

22/05/17 às 21:03

Depois da espetacular classificação para as oitavas de final na Copa Libertadores da América, lá no Chile, o torcedor atleticano tinha em mente que no jogo contra o Grêmio, na Baixada, o time voltaria jogar bem e ganhar pontos. Nenhuma dessas situações ocorreram, e perdemos mais uma partida pelo campeonato brasileiro. A questão não está em ter ocorrido está derrota, mas sim da maneira como estamos jogando. Acredito que a diretoria também não está satisfeita com o rendimento da equipe. Neste momento acredito que deveria sim um novo treinador ser contratado, e Paulo Autuori continua na sua caminhada, mas não no Atlético. Agora o time tem dois dias de folga. E domingo jogamos novamente contra o Flamengo. Que voltemos a jogar bem com ou sem Paulo Autuori!

Um Ultra abraço!

Gabriel Barbosa | barbosagabriel@ig.com.br


Oportunidade perdida
No sábado, o Coritiba perdeu fora de casa, 1 a 0 para o Santos. Uma oportunidade perdida contra um time misto, vindo de um jogo bastante complicado no meio de semana, pela Libertadores. O time paulista aparentava estar se poupando, jogando num ritmo mais lento que costuma jogar em casa e o Verdão não conseguiu aproveitar isso.
O time Coxa-Branca pecou defensivamente, com erros de posicionamento. Volantes, laterais e zagueiros não se entenderam bem e Juninho fez falta. A diretoria do Cori terá que reforçar a zaga.
Se por um lado o goleiro do adversário — Vanderlei, ex-Coritiba — foi muito bem, Wilson também fez um bom jogo e algumas defesas importantes.
Sim, o árbitro foi mal, mas é o infeliz nível da arbitragem brasileira. Temos que conviver com isso e nos prepararmos para isso, já que mudanças na arbitragem não devem acontecer. Nosso Coritiba teve maior posse de bola, atacou mais, mas não marcou o gol. Alecsandro estreou mal, perdendo o pênalti que teria dado o empate. O chute que deu na cobrança nem de longe pareceu aquele chute que seu pai, Lela, deu em 1985, contra o mesmo adversário, também no fim do jogo... O ponto alto foi ouvir a torcida Coxa cantando alto na Vila.
Coritiba, a Torcida que nunca abandona!

Luiz Carlos Betenheuser Jr | blogluiz@gmail.com


A fase da impotência
O Paraná, nas oito primeiras partidas do ano, só não fez gol diante do Coritiba (1 a 0). Veio maio e com ele, um certo desencontro com o gol. A verdade é que, das 25 partidas já disputadas pelo Tricolor este ano, em nove deixou de marcar gols. Embora a verificação do fato seja relevante, por outro lado o Tricolor hoje detém números que o coloca dentre as melhores defesas do país.
Nesta semana, o Paraná irá enfrentar o Atlético-MG. Caso tenha pretensões de seguir adiante, deve fazer valer sua força defensiva e assim, não sofrer gols para levar a disputa ainda aberta para o jogo de volta. O ataque não vem emocionando a torcida. O Paraná apenas marcou em duas das últimas seis partidas.
A questão reside na aparente falta de capacidade dos avantes na tradução em gols das jogadas criadas pelos meias. Renatinho caiu de produção, mas segue criando. Biteco, apesar de mal fisicamente (ou preguiçoso), ainda tenta descolar passes de efeito, com o preço de ser um a menos na recomposição. Minho, apesar de buscar ainda entrosamento, é o único com aparente vontade de criar espaços pelo drible. Há tempos o Tricolor vem sendo refém de "noves" sem nenhuma capacidade ofensiva; talvez a única mácula ao belo trabalho de Pastana na montagem do elenco.
Que a impotência paranista comece a ser curada nesta quarta-feira, e que não seja com apenas um comprimido para uma noite, mas sim para a temporada inteira.
Força Tricolor

David Formiga | davidformiga@gmail.com

0 Comentário

Você precisa acessar o seu perfil para comentar nas matérias.

Blogs
Ver na versão Desktop