Grupo J&F repassou R$ 2,1 milhões a Instituto em que Gilmar Mendes é sócio

14/06/17 às 08:35 - Atualizado às 10:11 Redação Bem Paraná com informações da Folhapress
(foto: Carlos Moura/SCO/STF)

O Instituto Brasiliense de Direito Público (IDP), que tem como sócio o ministro Gilmar Mendes, do STF (Supremo Tribunal Federal) recebeu nos últimos dois anos R$ 2, 1 milhões do grupo J&F, que controla a JBS. O valor teria sido repassado a título de patrocínio de eventos organizados pelo IDP. Representantes do instituto declararam que R$ 650 mil deste total foi devolvido no dia 29 de maio, após a revelação do acordo de delação premiada de executivos da empresa.

O IDP diz que, em razão de uma cláusula contratual relacionada à conduta ética e moral por parte do patrocinador, rescindiu um contrato assinado em 11 de junho de 2015 com o grupo.

Ainda de acordo com a faculdade, os recursos foram destinados a cinco eventos, "além do suporte a um grupo de estudos em Direito do Trabalho, da concessão de bolsas de estudo para estudantes carentes e egressos do sistema prisional, cursos gratuitos para a comunidade".

De acordo com o IDP e a JBS, um dos congressos incluídos nos patrocínios ocorreu em abril, em Portugal. O evento foi pouco mais de uma semana depois de sete executivos do frigorífico firmarem um acordo de delação com o Ministério Público Federal. Participaram daquele encontro magistrados, ministros do governo de Michel Temer, além de advogados e políticos.

A JBS, por meio da assessoria de imprensa, diz que gastou R$ 1,45 milhão desde 2015, sem mencionar a devolução de R$ 650 mil. A empresa cita três congressos patrocinados, sendo o último realizado em Portugal, neste ano, no valor de R$ 650 mil.

A delação foi homologada pelo ministro Edson Fachin no STF, relator do caso, que decidiu levar ao plenário do tribunal um recurso do governador do Mato Grosso do Sul, Reinaldo Azambuja (PSDB), que contesta sua relatoria. Ou seja, o colegiado do qual Gilmar faz parte terá que tomar decisão sobre a delação. Não há ainda data para esse julgamento.

0 Comentário

Você precisa acessar o seu perfil para comentar nas matérias.

Blogs
Ver na versão Desktop