Torcedor do Coritiba é preso; PM diz que confronto foi premeditado

18/06/17 às 18:38 - Atualizado às 15:46 Redação Bem Paraná
Torcedor preso por tentativa de homicídio: segundo polícia, ele teria confessado o crime (foto: Divulgação/Secretaria de Segurança Pública do Paraná)

Um rapaz de 24 anos foi preso em flagrante suspeito pelo crime de tentativa de homicídio contra um torcedor do Corinthians, na manhã deste domingo (18), no bairro Alto da Gloria, em Curitiba. A ação foi realizada por uma equipe policial da Delegacia Móvel de Atendimento ao Futebol e Eventos (Demafe). O secretário de Estado da Segurança Pública, Wagner Mesquita, afirmou que três ônibus e uma van de torcedores do Corinthians teriam ignorado as orientações da Polícia Militar e buscado propositalmente o confronto com torcedores do Coritiba. 

A polícia prendeu o rapaz no meio de uma torcida organizada do time do Coritiba, ainda durante o primeiro tempo da partida, iniciada às 11 horas. O homem preso é apontado pela polícia como o principal suspeito pelo crime. O preso foi identificado como João Carlos de Paula, integrante da torcida organizada Império Alviverde. De Paula não possuía antecedentes criminais. Ele responderá pelo crime de tentativa de homicídio, cuja pena varia de oito a 20 anos de prisão. Ele aguarda à disposição da Justiça.

"Ele aparece nas imagens analisadas pela equipe da Demafe desferindo golpes com os pés contra a cabeça da vítima, um homem de 29 anos, que estava caída no chão e não pode se defender", falou o delegado responsável pelas investigações, Clóvis Galvão.

O delegado acrescentou que, a partir do cadastro já disponível na Demafe, foi possível a rápida identificação do responsável pelas agressões.

Confissão - De acordo com a polícia, a vítima desceu do ônibus, que estava estacionado ao lado do Estádio Major Antônio Couto Pereira, com a intenção de confrontar a torcida organizada adversária, quando foi alcançada pelos rivais e agredida. Na delegacia, o suspeito confessou a autoria do crime. Há, pelo menos, outros sete agressores. Na sequência das investigações eles serão identificados e indiciados no inquérito policial já instaurado.

Planejamento – O secretário da Segurança, Wagner Mesquita, ressaltou o trabalho prévio desencadeado pelas forças policiais a cada jogo. “É feito um rigoroso planejamento preventivo e ostensivo. A Polícia Militar é responsável pela interlocução com todas as torcidas organizadas, que são recebidas em pontos pré-determinados na capital, escoltadas e desembarcadas no estádio”, afirma.

Segundo a PM, haviam neste domingo cerca de 50 os ônibus da torcida visitante. “Entretanto, três ônibus e uma van do Corinthians não acataram as ordens e fizeram um trajeto diferente do que havia sido acordado com a polícia, desembarcando muito próximo da torcida rival”, disse Mesquita. Ainda segundo o secretário, a troca de informações com a polícia de São Paulo, a respeito das torcidas, foi intensificada.

“Se o indivíduo que está vindo para o estádio não obedece e não segue as orientações da polícia, isso gera uma situação de risco diferenciada, que foi o que aconteceu”, alegou Mesquita. “O que realmente propiciou a ocorrência desse evento foram estes três ônibus que não obedeceram o que era determinado", afirmou ele. 

O delegado Clóvis Galvão, da Demafe, responsável pela investigação, também apontou que o confronto foi buscado intencionalmente pelos torcedores corinthianos que estavam nesses veículos. "Os três ônibus que não foram cadastrados e pararam próximo à sede da Império pararam lá para confrontar com a Império”, afirmou ele.

“Eles se reuniram, vieram mais cedo, com esse intuito de enfrentamento com a torcida adversária”, reforçou o tenente-coronel Wagner Lúcio dos Santos, da PM. “Eles chegaram antes do horário previsto e não nos foi repassado que eles viriam. Desembarcaram próximo à torcida organizada”, explicou.

Já outros 38 ônibus vindos de São Paulo e outros oito coletivos de torcedores corintianos de Curitiba tiveram escolta da PM e chegaram ao estádio sem imprevistos, segundo informações do comandante do 12º Batalhão da PM, tenente-coronel Wagner Lúcio dos Santos.

Feridos - De acordo com o Corpo de Bombeiros, foram seis os feridos atendidos neste domingo, relacionados ao jogo de futebol. A orientação é que essas pessoas procurem a Polícia Civil para prestar queixa, diretamente na sede da Demafe ou pelo telefone (41) 3326-3600.

Por posse de drogas para consumo, outras três pessoas encaminhadas para a delegacia. O trio assinou termo circunstanciado e foi liberado.

0 Comentário

Você precisa acessar o seu perfil para comentar nas matérias.

Blogs
Ver na versão Desktop