O sucesso de Dona Hermínia no Guairão

Estrelada por Paulo Gustavo levará 13 mil pessoas ao Teatro

10/08/17 às 23:00 - Atualizado às 09:19 Augusto Tortato, Adalberto Juliatto, Gabriel Kambreck e Lis Claudia Ferreira | contato@curitibacult.com.br | www.curitibacult.com.br
Em 2006, Paulo Gustavo resolveu montar sozinho o monólogo de sucesso (foto: Divulgação)

Você certamente já ouviu aquela frase “mãe é tudo igual, só muda o endereço”. Ou, você assistiu ao filme ‘Minha Mãe é uma Peça’ e viu sua mãe em praticamente todas as cenas. Talvez seja esse, um dos motivos que tenha feito o longa ser o filme brasileiro com maior arrecadação da história do cinema nacional.

O personagem que ganha vida através do ator Paulo Gustavo, que por sinal é filho de Dona Hermínia, retorna em turnê pelos palcos do Brasil e estreia com todo o poder possível: seis sessões no Teatro Guaíra e todas esgotadas há mais de dois meses. Ao todo, serão mais de 13 mil pessoas que irão acompanhar a peça neste fim de semana.

Já se passaram onze anos desde que a peça estreou. Os momentos são outros, milhões de pessoas já assistiram, seja no cinema ou no teatro. Mas aparentemente a mágica não passou, as mães não mudaram, os trejeitos muito menos.

Em 2006, Paulo Gustavo, destemido e determinado, decide montar sozinho o seu próprio espetáculo, o monólogo ‘Minha Mãe É Uma Peça’. Com poucos recursos, três mil reais viabilizados por uma “vaquinha” feita pela família, mas convicto de que a história que Dona Hermínia tinha para contar falaria a muita gente, Paulo convence o Teatro Cândido Mendes (RJ) a ceder um espaço em sua pauta. Convida os talentosos João Fonseca, para dirigi-lo e Nelo Marrese para o cenário. Ambos acreditam no projeto e de pronto aceitam o desafio. Foi dada a largada! Em pouco tempo o espetáculo se torna burburinho na cena carioca, o boca a boca se ocupa da divulgação e as sessões vão se esgotando com uma antecedência cada vez maior. Sessões extras passam a ser uma constante, já fazendo parte da agenda do teatro, até que chega o momento em que o Cândido Mendes, tão acolhedor e berço de tantos espetáculos de sucesso, fica pequeno para o espetáculo.

Dona Herminia ganhou o Brasil e não deve sair de cena tão cedo. A peça consegue uma façanha alcançada por poucas obras no Brasil: alcançar um público tão diverso quando o universo representado no palco. Donas de casa, famílias, idosos e jovens universitários lotam os teatros em todo o Brasil para assistir Paulo Gustavo interpretando a mãe que é de praticamente todos os brasileiros.

As sessões em Curitiba, acontecerão entre esta sexta (11) até o domingo (13). Os ingressos se esgotaram em menos de 72 horas, há dois meses atrás. A peça tem o apoio cultural do Curitiba Cult e produção local da CL Produções.


Música

Tribalistas estão de volta
O trio de Marisa Monte, Carlinhos Brown e Arnaldo Antunes volta com músicas inéditas após 15 anos do seu único álbum "Tribalistas". As quatro novas músicas tratam de assuntos sociais e falam muito sobre a inclusão da diversidade, Um só, Diáspora, Aliança e Fora da Memória já estão disponibilizadas nas plataformas digitais. O primeiro trabalho de estúdio da banda conquistou até mesmo o público internacional com os sucessos Velha Infância e Já Sei Namorar, o novo álbum que ganha o nome de Um Só, garante o mesmo "espírito coletivo" e será lançado em um especial televisionado pela Rede Globo no dia 31 de agosto.


Cinema

‘Valerian’ e ‘O Estranho que Nós Amamos’ são as estreias da semana
Chegaram aos cinemas ontem (10) Valerian e a Cidade dos Mil Planetas e O Estranho que Nós Amamos. Trata-se de duas produções opostas em suas propostas e voltadas para públicos distintos. Respectivamente temos uma ficção científica com nada além de grandiosos efeitos, e um renomado filme de época com ar de suspense.

Valerian mostra uma dupla de viajantes do espaço que precisa investigar uma estação repleta de espécies extraterrestres, antes que um grande crime aconteça. O Estranho que Nós Amamos apresenta um internato para mulheres durante a Guerra Civil americana, lá as moradoras decidem cuidar de um soldado inimigo ferido; presença a qual despertará uma inesperada tensão entre todos.


Show

Os dois filhos de Francisco comemoram o sucesso da dupla no palco da Live Curitiba
Celebrando 26 anos de carreira, Zezé di Camargo e Luciano mais uma vez emocionam o público curitibano. “Dois tempos – Parte Dois”, álbum considerado pelos cantores como uma combinação entre o passado e o presente das músicas da dupla, terá apresentação no palco da Live Curitiba no sábado (12).

Com dezenas de discos gravados e muitas histórias emocionantes, os dois filhos de Francisco garantem que permanecem cantando juntos por muito tempo, para alegria dos fãs da dupla, que lotam os shows em todo o Brasil e também no exterior.

Entretanto, recentemente Zezé declarou que por causa do desgaste das constantes viagens, em breve a dupla deve diminuir o ritmo de shows, passando a manter uma agenda de duas apresentações por semana. Ainda assim, Zezé di Camargo e Luciano devem fazer cerca de 80 shows por ano.

E é por conta dos vários compromissos de agenda que a dupla não deve fazer parte do musical que, aos moldes do longa “Dois filhos de Francisco”, contará toda a trajetória de Zezé di Camargo e Luciano ou, como consta em seus documentos, Mirosmar José de Camargo e Welson David de Camargo, respectivamente. O musical já está sendo produzido, porém, ainda não tem data de estreia. Enquanto isso o público pode prestigiar a dupla no palco da Live. Os ingressos variam entre R$50,00 e R$800,00 e podem ser adquiridos no Disk Ingressos.


Anavitória no palco do Positivo

Com mais de sessenta milhões de visualizações no YouTube e 700 mil seguidores no Facebook, duo Anavitória, retorna a Curitiba, no dia 03 de setembro, para única apresentação no Teatro Positivo. Os ingressos estão à venda a partir de R$50. Antes de Curitiba, as meninas passam por Londrina (01) e Maringá (02).

0 Comentário

Você precisa acessar o seu perfil para comentar nas matérias.

Blogs
Ver na versão Desktop