Integrantes do MST se aproximam da sede da Justiça Federal

13/09/17 às 10:20 - Atualizado às 16:47 Redação Bem Paraná

Integrantes do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra chegaram por volta das 10 horas nas proximidades do prédio da Justiça Federal, no Ahu, em Curitiba. Eles vieram para apoiar o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que presta depoimento logo mais às 14 horas ao juiz Sérgio Moro. Mais de dez ônibus chegaram agora há pouco nas proximidades da Justiça. 

Eles devem se unir à 2ª Jornada de Lutas pela Democracia, que acontece na Praça Generoso Marques. O evento contará com atividades culturais, debates e o lançamento do livro "Comentários a uma sentença anunciada: o processo de Lula", durante à tarde. A partir das 18h começa o Ato em solidariedade ao ex-presidente, com a presença de Lula e de lideranças nacionais e estaduais do PT.

Estão previstas a participação de 50 a 60 caravanas. Grande parte dos militantes são do Paraná, mas há caravanas vindas de Santa Catarina, Rio Grande do Sul, São Paulo, Rio de Janeiro, Bahia, Brasília e Piauí.

Entre as presenças já confirmadas no Ato, estão: Gleisi Hoffmann, presidenta do PT Nacional; Eugênio Aragão, ex-ministro da Justiça; o senador Roberto Requião; Vagner Freitas, presidente da CUT Brasil; Bratriz Cerqueira, presidenta da CUT/MG; o economista e ativista João Pedro Stédile; e Emir Sader, sociólogo e cientista político. Entre os artistas, já confirmaram presença: Pereira da Viola, Samba da Resistência, Delghetto e Elian Woidello.

Programação:

15h - Atividades culturais

16h - Debates: Plano Popular de Emergência / Lava Jato

17h - Lançamento do livro: "Comentários a uma sentença anunciada: o processo de Lula"

18h- Ato em solidariedade ao ex-presidente

Já tem bloqueios para depoimento de Lula no Ahu. Veja o que muda

 

Lula chegou a Curitiba na noite de terça e dispensou escolta na estrada

 

Juiz Sérgio Moro chega à sede da Justiça Federal

Nesse processo, Lula é acusado de receber propina da Odebrecht para a construção de uma sede do instituto que leva seu nome, em São Bernardo do Campo. Além disso, R$ 504 mil teriam sido usados para a compra de um apartamento vizinho à cobertura do ex-presidente. A defesa de Lula nega as acusações e alega que o processo é político.

0 Comentário

Você precisa acessar o seu perfil para comentar nas matérias.

Blogs
Ver na versão Desktop