Paraná Clube é o vice-campeão de calotes no futebol brasileiro

Time paranaense não pagou nem compra de gelo. Entre os clubes da Série A e B, apenas o Guarani tem mais protestos

08/10/17 às 22:30 - Atualizado às 17:30 Rodolfo Luis Kowalski
(foto: Geraldo Bubniak)

Após 11 anos de Série B, o Paraná Clube vive um momento mágico, brigando para voltar à elite do futebol brasileiro ao mesmo tempo em que promove o resgate do paranismo, com direito a público recorde na Arena da Baixada. Fora de campo, porém, velhos fantasmas ainda atormentam, o principal deles as dívidas.

Um levantamento inédito feito pelo Bem Paraná junto aos sete Tabelionatos de Protesto de Curitiba e ao Instituto de Estudos de Protesto de Títulos (IEPTB) revela que o Tricolor é um dos clubes com mais protestos por falta de pagamentos, com 118 registros. Juntos eles somam mais de R$ 1,26 milhão em dívidas, com inadimplências que vão de R$ 66 até R$ 399 mil.

Espuma para colchão, hospedagens, empréstimos financeiros, troféus, medalhas, artigos esportivos, telhas, materiais de construção, a grama do CT Gralha Azul e até gelo fazem parte do universo de dívidas do clube, com um total de 41 empresas ou pessoas físicas aparecendo como credoras em tabeliães paranaenses.

Procurada, a diretoria do Paraná Clube não respondeu aos questionamentos da reportagem até o fechamento da edição.

Entre os clubes que disputam as Séries A e B, apenas o Guarani, com 241 protestos, fica na frente do time da Vila Capanema, enquanto o Corinthians, com 89, aparece logo atrás. Já com relação aos rivais de dentro do estado, Atlético e Coritiba estão zerados, enquanto o Londrina tem um protesto contra si.

Cabe ainda explicar que cada um desses protestos representa uma ação de um portador de título comercial que não foi pago dentro do prazo, garantindo assim seu pagamento por meio de ações judiciais.


Os Calotes
Ao longo da última quinta e sexta-feira, o Bem Paraná tentou contato com todas as empresas que registraram protestos contra o Paraná Clube. São 118 protestos ao todo, dos quais 21 distribuídos neste ano, 31 em 2016, 51 em 2015 e 15 em 2014 – o último deles é de 11 de setembro, no valor de R$ 3.871,50 em favor de uma madeireira.

Mais da metade das empresas confirmou que as dívidas ainda existem, relatando ainda que o clube nunca as procurou para tentar algum acordo ou mesmo respondeu às tentativas de negociação dos valores devidos. Uma minoria (três empresas) apontou que os valores já teriam sido acertados, o que reduziria o passivo paranista em R$ 11,8 mil. As restantes não atenderam às ligações ou não foram encontradas.

Ex-presidente
O título de protesto de maior valor, registrado no 2º tabelionato, tem como credor o ex-presidente paranista Aquilino Romani. O montante de R$ 398,5 mil, protestado em julho de 2014, é referente a um empréstimo que ele fez ao clube em 2009, quando ainda não era presidente (Romani comandou entre 2010 e 2012). Seria apenas um dos vários empréstimos que o clube tomou com o empresário – o único protestado.

“Isso está em aberto, mas tenho conversado direto com o clube. É só fazerem uma proposta que eu retiro (o protesto)”, afirma Romani. “Tenho nove empréstimos no Paraná, todos com o prazo lá para frente. Esse está protestado porque na época deixei as cópias umas cinco vezes para renovarem o empréstimo, mas o Rubens (Bohlen), que era o presidente, não assinou. Então, se eu não protestasse, não poderia mais cobrar”, emenda.

Gramados e Jardinagem
São duas empresas do ramo com 12 protestos contra o clube: a Grasstecno, com um, e a Agropar, empresas que já foram responsáveis pela manutenção dos gramados da Vila Capanema e do CT Gralha Azul. Juntos, os débitos com as duas empresas passam dos R$ 254,9 mil. Ildo Padilha dos Santos, proprietário da segunda empresa, confirma que a dívida está ativa e promete ir à Justiça para buscar seus direitos.

“Foi uma sacanagem o que fizeram. Essa diretoria bateu o pé, disse que não ia pagar e não pagou. Eu registrei os protestos em 2014, mas as dívidas vem desde 2010”, relata o empresário. “Cheguei a fazer um acordo, ia até cobrar menos do que o clube devia, mas a verdade é que nunca se interessaram em pagar. Agora não tem mais conversa, não faço mais nenhum tipo de acerto”, afirma ele, estimando que o valor da dívida deverá pelo menos dobrar com o cálculo de juros e correção monetária.

Materiais de construção, tintas e telhas
Somente uma empresa de telhas havia registrado dois protestos cujos valores chegavam perto dos R$ 3 mil, mas já teriam sido quitados. Numa outra loja de materiais de construção, o débito de R$ 3,2 mil estaria com atraso de 478 dias, sem que qualquer negociação para acertar o valor tenha sido iniciada.

Essas, porém, não são as únicas inadimplências do clube. Há ainda uma empresa de tintas, com R$ 2.130 protestados, e uma outra de construção civil especializada em reformas, a Consport, com R$ 34,7 mil.

Limpeza e higiene
São três empresas do ramo com 10 protestos registrados, inadimplências que chegam a R$ 11,4 mil. Uma dessas empresas, a Higiemix, com protestos no valor de R$ 5,3 mil, informou que os débitos teriam sido quitados no ano passado. As outras duas, a Soft Clean e a Montrelimp, não responderam aos questionamentos da reportagem até o fechamento da edição.

Hospedagem
Duas grandes redes que cobram o clube, provavelmente por hospedagens fora de Curitiba. Uma delas é a Mabu Hotéis, com resorts em Curitiba e Foz do Iguaçu. São quatro protestos registrados pela empresa, cujo valor chega a R$ 11,9 mil. Já a outra rede com que o clube tem pendências é a Bourbon, com nove protestos num valor total de R$ 15,9 mil.

Comércio de espuma e gelo
Numa empresa que comercializa espuma e plásticos para colchões, a dívida paranista protestada passa de R$ 4 mil. Procurada, informou que o débito já teria sido acertado, embora outros valores estejam pendentes.

Já num comércio de gelo, o montante devido é ainda maior: R$ 7.618,00. São 12 protestos registrados entre julho de 2015 e abril deste ano. A Sol e Gelo, empresa que ficava no Rebouças, é a que mais reclamou dos calotes sofridos. Hoje, segundo consta em seu CNPJ, nem existe mais, tendo sido extinta voluntariamente.

Outras inadimplências
Somente para uma empresa de segurança, a MundiSeg, o montante chega a R$ 261 mil, enquanto um de seus braços, a Escolha Certa Prestação de Serviços, cobra R$ 98 mil.

Numa transportadora de resíduos, com uma dívida de valor baixo, de R$ 1.814,24, o clube chegou a prometer responder as cobranças por e-mail, mas há 90 dias não dá mais respostas. Caso parecido com o de uma empresa que vende troféus e medalhas, a Êxito Arte, com dois protestos registrados no valor de R$ 1.606. “Entramos em contato para negociação e não tivemos respostas”.

Numa dedetizadora, que também cobra valor menor (R$ 4.551,15 em quatro protestos), o comentário é de que os atrasos são recorrentes. “Um dia eles pagam. São valores baixos, sempre fazem isso. Mas se solicitarem algum serviço, vamos amarrar. Só vamos atender de novo quando recebermos o valor pendente.”

DÍVIDAS DO PARANÁ CLUB

 

Credor

Valor total protestado

Número de protestos

Serviço

Ingram Micro BR

R$ 51.750,00

6

Tecnologia

Rei das Espumas

R$ 4.160,88

2

Espumas e plásticos

Luvizotto Extintores

R$ 333,00

1

Extintores

Aquilino Romani

R$ 398.596,25

1

Ex-presidente

Plus Santé

R$ 12.383,88

6

Saúde

Voi Com. Visual

R$ 5.804,00

1

Comunicação

Agropar Paisagismo

R$ 117.743,00

11

Jardinagem

Dalas Participações

R$ 2.850,00

2

 

BSS Card

R$ 79,24

1

Gráfica

Emporium Fitness

R$ 8.916,00

3

Artigos esportivos

Transresíduos

R$ 1.814,24

1

Logística

Mabu Hotéis

R$ 11.895,00

5

Hospedagem

Narcel Refrigeração

R$ 38.900,00

10

Gastronomia

Sol e Gelo

R$ 7.618,00

12

Comércio de gelo

Etertiba

R$ 2.962,10

2

Telhas

Stylus Artes Visuais

R$ 985,00

1

 

Escolha Certa

R$ 97.969,24

1

Segurança

MundiSeg Vigilância

R$ 260.704,87

1

Segurança

Yumifarma

R$ 1.196,56

1

Farmácia

Cepil Dedetizadora

R$ 4.551,15

4

Dedetizadora

Soft Clean

R$ 1.770,01

2

Produtos higiene

Montrelimp

R$ 4.279,14

4

Produtos higiene

Higiemix

R$ 5.327,74

4

Produtos higiene

Laborsys

R$ 2.339,00

3

Saúde

Casco Campos

R$ 1.890,00

1

Artigos esportivos

Tintas Verginia

R$ 2.130,00

2

Construção

Bellatrix Distribuição

R$ 260,00

1

Logística

Acquafort

R$ 3.196,50

3

Construção

Grasstecno

R$ 137.168,54

1

Jardinagem

Bourbon Hotéis

R$ 15.928,40

9

Hospedagem

Bernatos

R$ 2.100,00

1

Serviços automotivos

Consport

R$ 34.686,00

1

Construção

Platinox

R$ 1.040,00

1

Gastronomia

Exito Arte

R$ 1.606,00

2

Artigos esportivos

Fazenda Nacional

R$ 3.929,92

1

 

Banco Safra

R$ 2.034,80

1

Banco

Smart Point

R$ 5.055,00

4

Tecnologia

Eletro Boqueirão

R$ 1.276,42

1

Eletrodomésticos

L C M I R Elevadores

R$ 1.976,00

1

 

Point Sport

R$ 432,63

1

Artigos esportivos

Madeireira Marcelândia

R$ 3.871,50

1

Madeireira

 

PROTESTOS CONTRA CLUBES DA SÉRIE A
Corinthians: 89
Vasco: 72
Avaí: 57
Atlético-GO: 33
São Paulo: 29
Botafogo: 27
Bahia: 18
Flamengo: 13
Grêmio: 4
Palmeiras: 3
Vitória: 2
Fluminense: 1
Atlético-MG: 0
Atlético-PR: 0
Cruzeiro: 0
Chapecoense: 0
Coritiba: 0
Santos: 0
Ponte Preta: 0
Sport: 0

PROTESTOS CONTRA CLUBES DA SÉRIE B
Guarani: 241
Paraná Clube: 117
Juventude: 81
Ceará: 75
Paysandu: 66
Náutico: 56
ABC: 47
Santa Cruz: 27
Internacional: 22
Boa Esporte: 8
Oeste: 5
América-MG: 5
Luverdense: 3
Londrina: 1
Brasil de Pelotas: 0
Goiás: 0
Vila Nova:
Figueirense: 0
Criciúma: 0
CRB: 0

4 Comentários

Você precisa acessar o seu perfil para comentar nas matérias.

Marco Aurelio Souza
MARROM!
Thiago C Raphael
Jornalzinho vagabundo, vá procurar matéria de verdade, nem sabia que existia essa m****, se não fosse a tiraçaõ de sarro dos melancia nem iria saber que existe esse lixo
MARCELO
Como sempre todos e principalmente a nossa imprensa tentando criar um ambiente negativo.Subindo que parece inevitável, será pago isso aí e ainda sobra pro cafezinho!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!
Fabiano Kachel
Materia ridícula e pra lá de tendenciosa. Divida se mede pela quantidade de protestos? Atletico Paranaense " zerado " ?? O estadio dos cara ta quase indo a leilão..
So pode ser piada de mau gosto de algum estagiário melancia, ou desse jornaeco de Mer** querendo tumultar o excelente momento do tricolor.
Blogs
Ver na versão Desktop