Caseo amigdaliano? Saiba o que é

Cálculo na área é mais comum ser formado em mulheres de 40 a 89 anos, principalmente na fase da menopausa

22/10/17 às 21:00 - Atualizado às 21:11

O caseo amigdaliano é a formação de cálculo no interior das criptas amigdalianas (pequenas cavidades ou recessos no interior das amígdalas). Ele se forma pelo acúmulo de material calcificado e depósito de resíduos. Estes resíduos são pele morta (descamação da mucosa da boca), fragmentos e pequenas partículas de vírus, bactérias ou fungos e demais agentes infecciosos, proteínas salivares e restos alimentares.

Estudo recente, analisando exames de imagem, mostra que a prevalência é de 46% na faixa etária entre 40 a 89 anos, e 1.5 vezes mais frequente em mulheres do que homens.

São vários os sintomas, como garganta arranhando ou raspando, sensação de corpo estranho na garganta, mal hálito, sensação de engolir, tossir ou expelir pedrinhas que se desprendem da garganta.

Como sintomas associados pode ainda ocorrer febre, amigdalite, saburra lingual, boca seca, dor ao se alimentar, faringite, periodontite (inflamação dos tecidos que envolvem os dentes), abcesso amigdaliano (coleção de pus que se acumula por trás da amígdala), rinite, sinusite. Em geral, trata-se de quadro clínico benigno.

“Às vezes é um quadro clínico transitório que vem, persiste alguns dias e cede da mesma forma que aparece, ou seja, espontaneamente", diz Jeanne Oiticica, médica otorrinolaringologista e Chefe do Grupo de Pesquisa em Zumbido do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP.

A formação de caseo, muitas vezes, pode decorrer da mudança do pH da boca. O pH ideal e equilibrado da boca gira em torno de 7, pH neutro. Toda vez que houver uma redução nesse pH, ou seja, acidez na boca, aumenta-se a chance de formação de caseo.

Entretanto, como citado anteriormente, podem ocorrer doenças associadas, daí a importância de sempre procurar a opinião de um especialista que pode ser o otorrinolaringologista, dentista ou gastrenterologista”, explica a médica otorrinolaringologista e Chefe do Grupo de Pesquisa em Zumbido do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP.


Tratamento pode ser simples

Primeiramente, é preciso saber o que está ocasionando o caseo, pois isto varia caso a caso. O tratamento mais simples é quando o problema advem da alimentação. Nestes casos, basta que ocorra a correção da alimentação para que o problemas desapareçam.
Já naqueles asos em que há doenças associadas, essas devem ser adequadamente tratadas com antibióticos,anti-inflamatórios, procedimentos cirúrgicos e ou odontológicos, dentre outros.
“No caso de boca seca, a chamada xerostomia, deve-se investigar e corrigir, aumentando a ingesta de água e líquidos e até mesmo com salivas artificiais", diz comenta Jeanne Oiticica, médica otorrinolaringologista e Chefe do Grupo de Pesquisa em Zumbido do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (USP).
A especialsta ressalta que quando o caseo for decorrente do uso de determinado medicamento, deve-se considerar a possibilidade de troca ou suspensão do mesmo. "Quando o problema é hormonal, por exemplo, no climatério ou andropausa, a correção adequada da disfunção está indicada”, finaliza a médica otorrinolaringolosgista da Faculdade de Medicina da USP.


Prevenção do caseo amigdaliano

  • Beber bastante líquido ao longo do dia, ato que favorece a produção de saliva fluida e não viscosa, contribui para a limpeza das criptas amigdalianas e previne o acúmulo de caseo.
  • Evitar alimentos que deixam a saliva grossa e espessa como bebidas lácteas, chocolate, café, álcool.
  • Comer 1 maçã por dia. Essa fruta tem poder adstringente, desengordurante, ajuda muito na limpeza dos resíduos da boca e previne o acúmulo de caseo.
  • Se o problema for a xerostomia ou boca seca, o uso de salivas artificiais (carmelose) está indicada.
  • Quando a questão é o pH da boca, gargarejos diários com ½ copo de água morna e uma pitada de bicarbonato 2 vezes ao dia ajudam a prevenir o problema, além da mudança de hábitos alimentares.
  •  
0 Comentário

Você precisa acessar o seu perfil para comentar nas matérias.

Blogs
Ver na versão Desktop