“Cura gay”

03/11/17 às 00:00
(foto: Pedro de Oliveira/Alep)

A Assembleia Legislativa promoveu audiência pública na terça-feira para debater a resoluçãodo Conselho Federal de Psicologia (CFP), que estabelece normas de atuação para os psicólogos em relação à questão da orientação sexual, em especial diante das chamadas “terapias de reversão sexual” ou tratamentos para a “cura gay”. O deputado Péricles de Mello (PT) associou o tema ao projeto “escola sem partido” e ao perigo do autoritarismo. “Vivemos um retrocesso monstruoso no país e o autoritarismo aparece com muita força. O projeto ‘escola sem partido’ é um exemplo claro e pretende também proibir até a menção da palavra ‘genero’ nas escolas, tentando associar o tema à esquerda. Já vivemos algo semelhante em 1964, quando pessoas que marchavam em nome da ‘família’ defenderam o golpe militar. E isso está acontecendo novamente”, disse.

Homofobia
“Homossexualismo não é doença e estamos vendo o Legislativo e o Judiciário fazendo ingerência nesta discussão, querendo por meio de legislação arbitrar condutas. Isso apenas traz preconceito, aumenta a homofobia. A ciência é clara, não há, portanto, doença ou necessidade de cura. O que existe é uma orientação sexual”, disse a representante do Conselho Regional de Psicologia do Paraná (CRP/PR) e coordenadora da Comissão de Direitos Humanos da entidade, Sandra Fergütz Batista.

Reajuste
A possibilidade dos servidores públicos municipais de Curitiba ficarem sem reajuste salarial em 2017 foi o assunto do dia na sessão de ontem da Câmara de Vereadores. Seis vereadores criticaram a possibilidade de a Prefeitura não conceder a reposição. Parlamentares da oposição e que se declaram independentes disseram que o prefeito não cumpriria o que foi assumido com o projeto de lei aprovado no pacote de ajuste fiscal que segundo a prefeitura, serviria para dar um “alívio” às contas do Município.

Furo
Segundo o líder do prefeito na Casa, Pier Petruzziello (PTB), a questão ainda não está encerrada. “Vamos aqui, com muita tranquilidade, tentar dar esse 1,5% ainda, se houver o entendimento de que vai custar mais de R$ 89 milhões de furo para a prefeitura, porque R$ 4 bilhões (dos R$ 8 bilhões) do orçamento de Curitiba fica para pagar folha”, disse. Para o vereador Felipe Braga Côrtes (PSD) para quem deveria, ao menos, haver a reposição da inflação, que segundo o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) gira em torno de 3%.

Cohab
O atraso de 108 dias na entrega do relatório de encerramento do exercício de 2014 levou o Tribunal de Contas do Estado do Paraná a multar em R$ 2.990,94 Ubiraci Rodrigues, presidente da Companhia de Habitação Popular de Curitiba (Cohab-CT) naquele ano. Rodrigues, em sua defesa, alegou que o atraso teria ocorrido pela falta “de ferramenta tecnológica suficiente e adequada para o encaminhamento e remessa dos dados”.

Reforma tributária
Relator da reforma tributária na Câmara, o deputado federal paranaense Luiz Carlos Hauly (PSDB) afirmou, em entrevista ao programa Roda Viva, da TV Cultura que a proposta é uma revolução do ponto de vista social, em especial ao zerar a carga de impostos incidentes sobre remédios e alimentos.“São R$ 2 trilhões de contencioso tributário, R$ 3 trilhões de dívida ativa, R$ 500 bilhões de renúncia fiscal por ano, R$ 460 bilhões de sonegação e uma burocracia que chega a custar 2,6% do preço final de um produto”.

0 Comentário

Você precisa acessar o seu perfil para comentar nas matérias.

Últimas de Política em debate
Política em Debate TV Assembleia
Política em Debate Clima eleitoral
Política em Debate Sem chance
Blogs
Ver na versão Desktop