‘Velhas brigas’

08/11/17 às 00:00
(foto: Franklin de Freitas)

Pré-candidato ao governo do Estado, o deputado estadual Ratinho Júnior (PSD) já deu o tom do que deve ser seu discurso de campanha, nos comerciais do partido que estão sendo veiculados nas emissoras de TV esta semana. Na aparição, o parlamentar diz defender um estado “forte, inovador, aliado ao setor produtivo, celeiro e produtor de alimentos para o mundo e sem brigas políticas”. “Chegou a hora de acabar com velhas brigas daqueles que nada fizeram pelo Brasil e pelo Paraná”, diz o pré-candidato.

‘Mente moderna’
“Chega de eles e nós, chega de esquerdas ou direitas. Vamos olhar para frente e unidos avançar por um Paraná inovador que gere riquezas para todos. Com gente honesta e mente moderna, levaremos o Paraná a um novo patamar”, afirma Ratinho Jr.

Consignado
O Tribunal de Contas do Estado (TCE) suspendeu a licitação lançada pelo governo do Estado para a contratação de uma empresa especializada para a administração de sistema de gerenciamento de empréstimos consignados feitos por servidores ativos, inativos e pensionistas. A decisão cautelar é do conselheiro Fabio Camargo. O pregão estava previsto para hoje. A modalidade escolhida pela Secretaria de Estado da Administração e Previdência (Seap) foi pregão eletrônico de maior lance ou oferta. O preço mínimo previsto em edital era de R$ 7,8 milhões.

Custo
Camargo acatou representação da Associação Brasileira de Bancos (ABBC) e deu 15 dias, a partir da notificação, para que a Seap apresente a defesa no processo. “Observo também que o sistema adotado pelo governo do Estado do Paraná poderia onerar ainda mais o custo do empréstimo consignado contratado pelos interessados finais, os servidores, os aposentados e os pensionistas, situação que iria de encontro ao princípio da menor onerosidade ao usuário final, que deve ser observado pelo Estado na contratação de serviço dessa natureza”, apontou Camargo no despacho.

Julgamento
O Tribunal de Contas do Estado do Paraná (TCE-PR) julga hoje as contas do governo Beto Richa de 2016. O relator do processo é o conselheiro Fábio Camargo.

Devolução
O TCE condenou o Instituto de Aposentadorias e Pensões de Campo Largo (Fapen) a devolver R$ 2,9 milhões aos cofres do município da região metropolitana de Curitiba, com juros e correção monetária nos últimos 15 anos. O motivo foi a realização de operações arbitrárias no mercado financeiro, que causaram prejuízo a fundo de previdência. São responsáveis pelo ressarcimento, solidariamente, Evaldo Pissaia, diretor-geral do Fapen entre 2001 e 2007; e a empresa C&D Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários, contratada pela entidade.

Liquidez
Auditoria do tribunal constatou irregularidades como a contratação da corretora sem licitação. Mesmo antes da contratação efetiva, representantes da empresa participaram de reuniões com a diretoria do instituto, situação apontada na inspeção como indício de direcionamento. A segunda irregularidade foi a realização de um total de 4.434 operações de compra e venda de ações sem autorização prévia do Comitê de Investimentos. O contrato previa a aplicação de R$ 3 milhões em títulos em ações de seis empresas e fundos que operavam na Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa): Embraer, Eletro, Gerdau, Itaú, Petros e Sabesp. A corretora, no entanto, optou por ações de outras empresas – como Caloi e Vasp –, de baixa liquidez. Essas operações resultaram em prejuízo. Dos R$ 3 milhões aplicados em 2002, restavam apenas R$ 82 mil em 2007.

0 Comentário

Você precisa acessar o seu perfil para comentar nas matérias.

Últimas de Política em debate
Política em Debate TV Assembleia
Política em Debate Clima eleitoral
Política em Debate Sem chance
Blogs
Ver na versão Desktop