Após prisão de Rogério 157, Rocinha tem noite de tiroteio e mortes

07/12/17 às 11:00 - Atualizado às 13:51 Folhapress

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Desde da prisão, na quarta-feira (6), do chefe do tráfico da Rocinha, Rogério Avelino da Silva, o Rogério 157, durante ação policial no Parque Arará, na zona norte do Rio, a favela vive clima de tensão, tiroteio e mortes. As informações são da Agência Brasil.

A segurança foi reforçada na comunidade, onde dois traficantes morreram, nesta quarta-feira à noite, após troca de tiros entre policiais do Bope (Batalhão de Operações Especiais) e do Batalhão de Choque. Segundo relatos, os policiais faziam uma operação na favela, quando entraram em confronto com criminosos na altura da Rua 2.

Eles foram levados para o Hospital Miguel Couto, mas já chegaram mortos. Os nomes dos dois não foram divulgados pela polícia, que fez buscas na região e apreendeu duas pistolas, uma granada, farta munição e cerca de 35 quilos de maconha. O policiamento continua reforçado nesta quinta (7) na favela, uma das maiores da América Latina.

Os confrontos voltaram a se intensificar e a polícia não descarta a possibilidade de uma retomada da disputa entre facções rivais pelo controle dos pontos de venda de entorpecentes. O chefe do trafico na favela da Rocinha, Rogério Avelino da Silva, está preso no Complexo Penitenciário de Gericinó, em Bangu, na zona oeste da cidade.

A Secretaria de Segurança acredita que conseguirá autorização do Departamento Penitenciário do Ministério da Justiça para que o traficante seja transferido ainda nesta quinta a um presídio federal fora do Rio. Ele foi levado na quarta para Gericinó, depois de ter prestado depoimento na Cidade da Polícia. A Secretaria de Segurança deve encaminhar ofício ao Tribunal de Justiça do Rio solicitando a transferência.

0 Comentário

Você precisa acessar o seu perfil para comentar nas matérias.

Blogs
Ver na versão Desktop