Os Irmãos Karamazov de Dostoievski

10 agosto, 2016 às 17:47  |  por Erol Anar

The_Brothers_-Karamazov_large

De acordo com alguns críticos deste livro de Dostoiévski, o romance é o melhor de todos os tempos. Makedoniy Kiselev é um diretor de cinema russo que fará a versão cinematográfica do livro de Dostoievski, “O Irmão Karamazov”.

Lubovi Skotoprigonyevska, o filme abre uma nova perspectiva sobre o grande autor e sua obra-prima chave Irmãos Karamazov.

“Lubovi Skotoprigonyevska” é um filme independente sem fins lucrativos de longa-metragem baseado em Os Irmãos Karamazov, último e mais magnífico romance de F. Dostoevsky. A ação é centrada em torno do desenrolar das histórias dos irmãos  Karamazov com suas mulheres, suas paixões e reflexões acerca de Deus. A linha de investigação do detetive de um assassinato é executada em segundo plano. No primeiro plano, há uma história de amor de um adolescente em uma cadeira de rodas e Aleksey Karamazov, o irmão mais novo, também por “paixões de seus irmãos por mulheres, que consideram que Aleksey seja um anjo e a única pessoa capaz de ajudar o desenrolar de seus relacionamentos complicados. O filme explora o ser humano no ponto mais alto das tensões e contradições psíquicas. Em uma situação de escolha e para superar suas paixões, vão perdoar uns aos outros?

Por que é importante?

Dostoievski nos ajuda a entender a nós mesmos. Em algum momento da vida, todos nós vamos encontrar uma pessoa que vai tornar-se importantes para nós e a situação pode não ser sempre tão simples. O que se deve fazer, e como é possível sobreviver a uma traição? Como pode alguém, sem se auto destruir, superar o adversário? Como se pode superar a dor, manter-se vivo e perdoar? Mantendo contato com as personagens de Dostoiévski, podemos mudar nossas almas e do mundo que nos rodeia.“

https://www.indiegogo.com/projects/lubovi-skotoprigonyevska-dostoyevsky#/

errrrr

“Se nada é real tudo é permitido”

19 fevereiro, 2016 às 13:38  |  por Erol Anar

errrrr

 

Por Erol Anar /A internet tem inegável benefícios , a despeito disso ela é um golpe na literatura. Os jornais e revistas também têm influência negativa da internet. Grandes jornais, New York times, por exemplo, dizem que em breve eles só serão publicados virtualmente e não terão impressão em folhas. Grandes editoras também falam que  irão no mesmo caminho, livros serão publicados só na internet. Isso será possível? Ler 300 págnias na tela de um  computador? A nova geração, geração da internet, segundo pesquisas não lêem livros, a maior parte não tem paciência nem para ler duas páginas de e-mail…Música e teatro receberam  efeito negativo da internet, filmes atuais são assistidos pelo dvd, em casa, cada dia menos pessoas vão as salas de teatro e cinema. Se nós pensarmos nos museus e exposições artísticas então, teremos um número ainda mais reduzido de visitantes.

A globalização vai destruir diferenças culturais , quase todos os países tem os mesmos programas na televisão: big brother, competição sobre conhecimentos, ídolos , e quem vencerá concurso de música , etc…Por esta razão, as cores das culturas vão desaparecer…o mundo vai ser mais chato e enfadonho.

O capitalismo em despigmentização quer reformar-se. Pode a internet dar essa chance para ele? Grandes empresas nos EUA e no Japão trabalham cada dia mais pelo mundo virtual. Os escritórios montados em casa reduzem custos, os funcionários conectam o principal computador e de casa fazem seu trabalho, sem precisar deslocar-se até o local do emprego. Cada dia isso é mais comum o comércio eletrônico, que amplia as oportunidades de ganho para as empresas, por isso os ganhos tornam-se incomparavelmente   maiores: sem despesas com manutenção de local, funcionários,  e escritórios, etc….  Cartão de crédito é cada dia mais usado do que o dinheiro, e no futuro talvez o dinheiro impresso não exista mais, esse tipo de trabalho vai aprisionar os humanos nas suas casas e destruir o relacionamento social . As pessoas não saíram nas ruas porque não existe segurança lá, e tudo ele poderá comprar na internet e pegar na frente do portão de sua casa. A educação também, poderemos estudar em casa. Vamos pensar sobre o relacionamento de uma família que poderá conviver vinte e quatro  horas na sua casa…Não será fácil!

O progresso da tecnologia do robô vai ser importante para formar a sociedade do futuro, o jornal traz a novidade que os japoneses criaram um robô que será vendido em três anos, esse robô poderá trabalhar ininterruptamente e em difíceis condições, cada dia menos  será preciso um ser humano para realizar a mesma tarefa.

As fronteiras vão se aproximar entre o real  e o virtual.

Talvez essa frase de um missionário Ismaelita no Irã, mil anos atrás,  Hasan Sabbah , explique a sociedade do futuro, ele afirmou que: “ Se nada é real tudo é permitido.”

15 anos do Fórum Social Mundial (FSM), em Porto Alegre

9 janeiro, 2016 às 11:33  |  por Erol Anar

B_top_home

Por Erol Anar

Porto Alegre sediará a edição de 15 anos do Fórum Social Mundial (FSM), em janeiro de 2016.

(19-23 de Janeiro de 2016)

“O Fórum Social Mundial é uma importante novidade no cenário internacional por sua capacidade de articulação de inúmeras matizes da luta anti-capitalista, seu caráter auto-gestionário, pela radicalidade de suas propostas políticas, sociais, econômicas e ambientais, e por sua metodologia radicalmente participativa e horizontal. Tem contribuído na reconstrução de uma referência utópica para milhões de pessoas que lutam contra o pensamento hegemônico de que não há possibilidades reais de um outro mundo fora das dinâmicas e imposições do mercado capitalista.”

 

19Janeiro2016 TARDECAMINHADA PELA PAZ, JUSTIÇA SOCIAL E SOLIDARIEDADEATO OFICIAL DE ABERTURA DO “FSM PORTO ALEGRE 15 ANOS”
20Janeiro2016  MANHÃ – Atividades Político Culturais Autogestionárias de BALANÇOS dos 15 anos de FSM  TARDE – Atividades Político Culturais Autogestionárias de Convergência sobre os BALANÇOS dos 15 anos de FSM
21Janeiro2014  MANHÃ – Atividades Político Culturais Autogestionárias de discussão dos DESAFIOS conquistados após 15 anos de FSM TARDE – Atividades Político Culturais Autogestionárias de Convergência sobre os DESAFIOS conquistados após 15 anos de FSM 
22Janeiro2014  MANHÃ – Atividades Político Culturais Autogestionárias de discussão sobre as PERSPECTIVAS do FSM para o futuro TARDE – Atividades Político Culturais Autogestionárias de Convergência sobre as PERSPECTIVAS do FSM para a futuro 
23Janeiro2016  ASSEMBLÉIA DOS MOVIMENTOS SOCIAISSHOW DE ENCERRAMENTO

Programação

 

Devido ao grande número de atividades inscritas, a programação oficial será divulgada a partir do dia 15/01. A partir desta data, também informaremos os responsáveis pela atividade inscrita o local da sua atividade.

Até o momento as seguintes atividades já foram inscritas:

  • #UPMSCultura
  • 20 Anos de Combate do Trabalho Escravo no Brasil
  • A construção de rede de solidariedade em uma Escola Pública: A função social da escola e o papel da gestão compartilhada.
  • A EJA e suas possibilidades
  • A Experiência dos Parlamentos Metropolitanos para o Aprofundamento da Democracia
  • A luta popularn no Brasil de hoje
  • À Luz da Teoria, Arte e Ação
  • A necessária relação entre feminismo e educação no mundo que está sendo”.
  • A Psicologia Social Comunitária e sua aproximação aos movimentos sociais na academia
  • A Reforma Psiquiátrica através da Narrativa de Experiências dos Usuários
  • A Universidade Popular dos Movimentos Sociais e o futuro da Educação Popular Universitária
  • A violência contra a juventude negra e a sua relação com os capitães da areia na obra de Jorge Amado
  • Agenda Pós 2015 – Governança, Implementação e Monitoramento
  • Alinhavando saberes: a psicologia e a educação popular em saúde
  • Amor em Movimento – Projeto Práticas Corporais UFSC
  • Aposentados, integração e valorização
  • Apresentação dos Trabalhos da Comissão Estadual da Verdade do Paraná
  • As Gordas – Espaço sobre gordofobia e autoestima
  • As mulheres na atividade artesanal
  • As plantas medicinais, o desenvolvimento, a saúde e a soberania nacional
  • Atividade em apoio e solidariedade a Mauricio Hernandez Norambuena
  • Auditoria Cidadã da Dívida e Direitos Sociais
  • Auditoria social : quando a sociedade civil se transforma em auditor das relações governos locais x empresas globais
  • Autogestão na habitação: novos desafios
  • Autoquestionaria
  • Bebida Alcoólica e Cigarro: Visibilidade Zero!
  • Bioma Cerrado e Bioma Pampa, responsabilidade sustentável para impedir a devastação
  • Campanha da Legalidade
  • Caravana de educação em direitos humanos
  • Cartagena
  • Cartografias da Emergência: Novas Lutas no Brasil
  • Ciclo de Debates “Inclusão Social, Segurança e Universidade”
  • Cine Medios Libres
  • Cine-debate sobre a luta armada contra a ditadura
  • Ciranda das Mulheres – na luta por outro mundo possível!
  • Círculo de Cultura sobre Educação Popular na Amazônia
  • Cobertura Móbile das Atividades do Fórum Mundial de Mídia Livre
  • Conexões Globais Cidades Democráticas
  • Conflitos territoriais urbanos: um olhar a partir da função social da propriedade e da autogestão do habitat
  • Consequencias do Crime Ambiental de Mariana
  • Consumo consciente, comércio justo local e incubação de empreendimentos solidários
  • Controvérsia raça e classe no combate à pobreza
  • Cultivando àgua Boa : uma resposta aos desafios da COP21
  • Cultura e os desafios de um novo desenvolvimento
  • Cursinhos populares: encontro e troca de experiências
  • Curso de Formação de Educadores/as em Solidária e de Educadores/as de Educação de Jovens e Adultos dos Programas de Educação e Qualificação Profissional como Pronatec, Mulheres Mil e outros programas de superação da pobreza do Governo Federal.
  • Curso de Formação de Educadores/as em Solidária e de Educadores/as de Educação de Jovens e Adultos dos Programas de Educação e Qualificação Profissional como Pronatec, Mulheres Mil e outros programas de superação da pobreza do Governo Federal.
  • Danças de Mundo/Danças Circulares Sagradas/Processos Circulares Poiéticos
  • Debate sobre Integração Regional na América Latina
  • Democracia e Desenvolvimento em tempos de Golpismo e Crise
  • Democracia: artesanato, desenvolvimento e marco jurídico
  • Desafio e Possibilidade na Educação Social.
  • Desenvolvimento Psicomotor e suas interferências nas aprendizagens
  • Desfile em cetim
  • Diagnóstico socio terriotorial e o mapa falado – SUAS( Sistema Ùnico de Assistência Social )canoas RS
  • Diálogos sobre a juventude negra
  • Diálogos sobre participação de adolescentes e jovens
  • Diga Não a Redução: Pelos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes
  • Digitalscapes: the new registers of production in cognitive capitalism
  • Direito à Identidade: Viva Seu Nome
  • Direito a Saúde, mercado financeiro e Estado. Procurador da Republica Peterson Perreira –
  • Direitos das Mulheres: A implementação de um projeto de apoio Jurídico e Educativo em Francisco Beltrão – PR
  • Direitos Humanos e mídias sociais
  • Disco xepa
  • Dostoiévski: Desmascarando Alma Humana
  • É noiz que tá Palco Barreiro
  • Educação para Sustentação da Vida
  • Educação popular e transgressão: prática educativa da escola de formação quilombo dos palmares (equip)
  • Educação Popular na Extensão/Comunicação
  • Educação popular: salas anexas da EJA
  • Encontro nacional para consolidar o Documento Nacional Preparatório à VI Conferência Internacional e Educação de Adultos
  • Equipe de Matriciamento em Violência Sexual no Hospital Universitário de Santa Maria/RS
  • Escola de Conselhos – Os desafios da Formação Continuada de Conselheiros Tutelares e Conselheiros de Direitos da Criança e do Adolescente
  • Escola Santa Marta – Uma experiência de Escola Sustentável
  • Espetáculo Itinerante IN-VISÍVEIS
  • ESPORTE e POLÍTICA – Cidadania e Participação – Democratizando as Olimpiadas
  • Exibição do filme “Umbigo” e debate seguinte.
  • Experiência de Implantação do Conselho Estadual do Povo de Terreiro do RS
  • Exposição 15 anos do FME e do FSM : Uma Educação é necessária para outro mundo possível
  • Exposição da Revista Caros Amigos,
  • Falun Dafa Meditação para Mente e o Corpo
  • Feminismo negro e protagonismo histórico da mulher negra
  • Festa da Diversidade
  • Filmes e autodesenvolvimento: a arte como indutora da promoção humana
  • Finanças solidárias
  • Formação Cooperativista Solidário
  • Formação de gestores públicos
  • Formación en Educación Popular: educadores -estudiantes, educadores-militantes, educadores- docentes. Experiencias compartidas entre movimientos sociales de desocupados y la universidad, en el norte Argentino.
  • Formación en Educación Popular: educadores -estudiantes, educadores-militantes, educadores- docentes. Experiencias compartidas entre movimientos sociales de desocupados y la universidad, en el norte Argentino
  • Fortalecer os meios de implementação e revitalizar a parceria global para o desenvolvimento sustentável – ODS
  • Fórum Metropolitano das Diversidades
  • Fórum Mundial de Direitos Humanos: do Brasil, do Marrocos à Argentina
  • Forum social mundial da saude e da seguridade social
  • Fórum Temático Educação Ambiental
  • Fraternidade e os refugiados no mundo. Diferença e indiferença nas cidades.
  • Frente Nacional das Organizações do Movimento Negro Brasileiro
  • Front Contra Hegemônico ou Governamentalidade Colonial? CNPI e CEPI como Espaços Políticos Indígena e Indigenista
  • Geopolítica, Inteligência, Estratégia e Paradiplomacia aplicada a ação e segurança dos Movimentos Sociais e construção do Poder Popular e da Democracia Direta
  • História do Movimento Estudantil
  • justiças contemporâneas
  • Juventudes Rumo ao Fórum Mundial da Água/2018
  • Lançamento do livro: FREPOP – Fórum de Educação Popular: tecendo e alinhavando encontros, experiências e saberes
  • Lei de cotas no brasil: comemorar a conquista e enxergar os desafios atuais
  • Leis Antiterrorismo e a criminalização de lutas sociais
  • Liberdade a Mauricio
  • Lixo Zero
  • Maio de 68
  • Mariana, urânio, Angra 3 – o nuclear em questão
  • Massacre da Educação no Paraná
  • Mauricio te queremos livre
  • Memória FSM – Repositório Digital do Processo Fórum Social Mundial
  • memória, verdade, justiça e reparação: a visão dos trabalhadores/as
  • Métodos de gestão e adoecimento: a luta sindical dos bancários por um trabalho digno
  • Mineração: quando, como, para que e para quem minerar
  • Movimento Ecumênico e a Questão Palestina
  • Mulheres Indígenas e Cidadania
  • Mulheres Negras em marcha pelo fim do racismo, contra a redução da maioridade penal e pelo bem viver
  • Mulheres Negras Protaginismo na Cultura e Política
  • Mulheres negras: História, memória e resistência.
  • Naturalmente Brasileiro
  • Nome da oficina: SUS 20 Anos: Saúde Púbica de Qualidade um Direito do Povo Brasileiro
  • O debate sobre a violência contra a juventude negra e a sua relação com os capitães da areia na obra de Jorge Amado.
  • O Direito a Saúde, o mercado financeiro e o Estado. 2 – Lançamneto das Diretrizes aprovadas na 15ª Conferência Nacional de Saúde. 3 – Manifesto ABRASUS – Frente em Defesa do SUS
  • O feríado 20 novembro e a conjuntura nacional do movimento negro brasileiro
  • O genocídio da população negra no Brasil
  • O Manifesta é uma Horta!
  • O percurso da Universidade Popular dos Movimentos Sociais. Reflexão e balanço (2003-2015)
  • O que o racismo fez com você: Dialogo entre mulheres negras
  • O saber tradicional e o fazer manual: estimulos para um ser humano mais criativo
  • Observatório Regional CAB/ Cidades Sustentáveis
  • Oficina de Educomunicação Socioambiental
  • Oficina de educomunicação: Protagonismo de Adolescentes e Crianças
  • Oficina de Práticas de Gestão Pública Participativa
  • Oficina de Radioweb com Rádio-Móvel: PLPs Vozes em Ação
  • Oficina de SAN – Segurança Alimentar e Nutricional
  • Oficina de Zine: classe social, corporalidades e estética de gênero
  • Oficina Direito a Ter Direitos Apresenta seminário da População Adulta em Situação de Rua
  • Oficina Educomunicação – Produção e Consumo Sustentável
  • Oficina sobre Desarmamento Humanitário
  • Os desafios da Educação Integral e a articulação dos comitês
  • Os Desafios da implementação e municipalização dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável no Brasil: a estratégia do Programa Cidades Sustentáveis para as eleições de 2016
  • Os diferentes modos de privatização da educação e a ação da Contee nas estratégias de enfrentamento. Educação Não É Mercadoria.
  • Os direitos dos jovens, adultos e idosos à educação pública de qualidade: as particularidades do Projeto MOVA-Brasil
  • Os Processos Fórum Social Mundial, seus percursos e perspectivas: um posicionamento feminista
  • Outra cidade é possível. Em debate a cidade dos movimentos culturais, da juventude e daqueles que lutam pela sua função social
  • Painel UFRGS Cais Mauá
  • Palestra de apresentacao
  • Palestra: Capitalismo Global e universalismo
  • Papel dos Trabalhadores e Uma Sociedade Democrática.
  • Pasado y futuro del FSM: balance de 15 anos
  • Petróleo é Soberania Nacional
  • Plano Nacional pela Redução de Homicídios. A luta pela sobrevivência da juventude negra.
  • Poéticas andanças
  • Policia e Policiamento na America Latina
  • Política educacional no Brasil: debetendo possibilidades
  • Política Pública de Fomento ao Sistema Nacional de Comércio Justo e Solidário
  • Políticas neoliberais e privatização da educação: as lutas em defesa da Educação Pública
  • Por um sistema tributário mais justo: Isonomia de tratamente entre as rendas; propostas para o setor extrativo
  • Prática de Formação Integral na Qualificação Profissional: Trabalho e Educação uma Articulação Possível nos Preceitos de Educação Popular em São Bernardo do Campo – SP
  • Práticas de Educação Popular no Fortalecimento da Economia Solidária
  • Problemas e desafios atuais da Diversidade Religiosa
  • Projeto Democrático para o Brasil e para a América Latina: estratégias de transição
  • Projeto Mborayu
  • Projeto promoção da vida e prevenção do suicídio: Uma vida melhor é possível!
  • Quilombismo no RS: O Poder para mudar, nós queremos!
  • Racismo e Sofrimento Psíquico
  • Racismo estrutural e periferia
  • Reafirmando o compromisso com as politicas publicas etnicos racias/neabis/10.639/03 e intolerancias religiosas e fortalecimentos de luta e resistencia
  • Rede Quilombola
  • Redes de Pontos de Cultura
  • Redes Federadas e a Mídia Livre
  • Reforma urbana e Democracia participativa
  • Reparação Histórica e Humanitária e Projeto Político do Povo Negro Para o Brasil.
  • Reunião da Rede em Canos – RS
  • Reunião dxs secretarixs Municipais de Educação do RS : Debate sobre PNE e Base Curricular Comum
  • Roda de Conversa sobre a Comunicação Pública e Mídia Livre
  • Roda de Diálogo: Povos e Comunidades Tradicionais
  • Roda de Prosa
  • Roda de Terapia Comunitaria Integrativa
  • Rumos da Previdência Social e Fundo de Pensão no Serviço Público Federal a partir de 2016 e a reação dentro dos movimentos sindicais em defesa do RPPS.
  • Rússia e China: duas estradas para o BRICS
  • Sarau Mundo Arte
  • Sarau Tolerante: o poder da arte no combate a violência
  • Saúde Urbana: investimentos sociais e ambientais para a promoção da Saúde nas Cidades
  • Semeando a Primavera da Justiça e dos Direitos em uma Paisagem de Terra Arrasada
  • Seminário Internacional Educação ao Longo da Vida – Reunião Nacional Preparatória da CONFINTEA BRASIL + 6
  • Seminário Saúde e Democracia -a luta em defesa do SUS por outra saúde possível
  • Seminario: atuação e desafios para a construção de “outra educação para outro modelo civilizatório
  • Principais nós e marcos. Contribuições e reflexões para avançar
  • Serviços Públicos de Qualidade e a Responsabildadde dos Municípios
  • Show Rumo Certo MC’s
  • sistematização de experiencias em processo
  • sobre Participação Social, Educação Popular e Políticas Públicas
  • Tecnologia do Oprimido: A Engenharia Popular e Solidária que Queremos
  • Tema Os diferentes modos de privatização da educação e a ação da Contee nas estratégias de enfrentamento. EDUCAÇÃO NÃO É MERCADORIA.
  • Tenda HipHop Social
  • tenta cultural
  • Territorialização e Territorialidades Guarani Kaingang e Xokleng ao Sul do Mundo
  • Tibete Livre–Artesanias RangZen
  • Todo poder às mulheres nos sindicatos: paridade qualificada e sindicalização de mulheres
  • Tramando Contra a Violência de Gênero
  • Transmita sua atividade ao vivo pela internet
  • Três Oficinas: 1ª – As Biotecnologias e o Biorisco; 2ª – As Normativas de Biossegurança em vigor no Brasil e as normas internacionais; 3ª – Soluções Emergentes: As Biotecnologias e o Biorisco.
  • Ubuntu, Bem Viver e Ecossocialismo como princípios de um outro mundo possível
  • Um debate acerca dos direitos dos governados em Michel Foucault: entre a biopolítica e o cuidado de si
  • Um mundo é possível sem manicômio
  • Uma análise sobre as contribuições do pensamento freireano nas políticas e práticas de EJA
  • UMA OUTRA ESCOLA É POSSÍVEL. I Fórum Diálogos Escolas Sustentáveis em Rede
  • Uma Outra Política Econômica é Possível
  • Uma Outra Segurança Pública é Possível – debate sobre a Segurança Pública para um mundo solidário, liberdade e com paz
  • Universidade Popular: saberes e suas práticas na construção de identidades sociais, tradicionais e multiculturais nos territórios
  • Vale do rio doce- a luta contra a privatização continua
  • Violência contra a mulher e sua repercusão na saúde e no trabalho
  • Violência no Trabalho da Enfermagem – Aspectos Internos e Externos
  • Violência sexista no local de trabalho
  • Vivência As Gordas – espaço sobre gordofobi e promoção da auto estima
  • Workshop – O Rap como ferramenta histórica dos movimentos sociais nos municípios brasileiros

Operação litoral TJPR- 2016

6 janeiro, 2016 às 11:28  |  por Erol Anar

IMG-20160104-WA0016

 

O  TJPR finaliza hoje o primeiro período na operação litoral 2015/16. O objetivo do Programa é melhorar o atendimento da população, melhorando o atendimento aos jurisdicionados, durante períodos em que aumenta o movimento no litoral paranaense. Esse primeiro período, iniciado em 28 de dezembro de 2015, teve a atuação dos Juízes de Direito André O. Padilha (unidade de Guaratuba), Rafaela Mari (unidade de Matinhos), Marcos Antonio Frason (unidade Pontal do Paraná). A  Ilha do Mel, pertencente a comarca de Paranaguá, contou com a atuação da Juíza Rafaela Mari e do Promotor de Justiça Roger Galino na data de 04 de janeiro. Em todas as Comarcas servidores do TJPR apoiaram os trabalhos realizados durante as audiências e realizaram atendimento e orientação ao público, auxiliando o julgamento ágil e eficaz nas infrações de menor potencial ofensivo, previstas na Lei nᵒ 9.099/1995.

IMG-20151228-WA0010

As campanhas de prevenção e orientação à população, com distribuição de panfletos, cartilhas e informativos foi realizada através do Juizados móvel, aconteceu através da Van do Tribunal de Justiça, que buscou locais de maior movimentação para realizar a campanha, aproximando o judiciário da população presente nas praias do litoral paranaense.

IMG-20151229-WA0016

O PAPPUD (Programa de Alternativas Penais em Prevenção ao Uso de Drogas) ocorreu através de atendimento em grupo, com atuação da Psicóloga Jucemara F. Rodrigues Anar CRP 08/5052, que atuou com dinâmicas de grupo e orientação individual, utilizando técnicas de justiça restaurativa.

Os trabalhos foram supervisionados pelo Desembargador Fernando Wolff Bodziak e coordenação do Juiz auxiliar da 2ᵃ Vice-Presidência, Fábio Ribeiro Brandão. A coordenação dos servidores contou com o apoio da Assessora de Supervisão Caroline Pelanda.

imagem

magritte_mirror_tn

Existen personas perfectas?

30 novembro, 2015 às 10:21  |  por Erol Anar

Existen personas perfectas?, claro que existen! Ellas se dicen ser tantos que si lo contamos nosotros parecrá increíble quien no lo descubre em si mismo cree que es perfecto. Quien no confia em si mismo, se esconde tras una máscara y queda com uma apariencia de uno poderoso en si com uma personalidad pobre. Esse tipo de persona juzga a todas las otras, y las juzga cruelmente. Según su juicio todo el mundo es poco inteligente, ruin y sucio. Em el enorme planeta tierra sólo existe el del limpio y bueno, conoce todo, observa todo y comenta ciertas cosas.

Deja trás de si conceptos inmutables y da  bellaca vida superficial. Cuenta como suyo la superioridade y el orgullo em la misma música como en um disco ralado. Pero sólo los conceptos y conocimientos no pueden explicar la esencia de la vida.! Pero este tipo de personas no aprenden eso… y pasean superficialmente por la vida. Quien quiere compreende la esencia de la vida precisa además, asir la vida profindamente, psicológica, filosófica e historicamente acumulando y haciendo intersecciones entre lo que se sabe com esos datos, todo eso sumado a la propia experiencia  de existir.

Existen muchas personas en la sociedad de esse tipo: perfeccionista y superficial.

En realidad essas personas no consiguen ser felices. Pequenos acontecimentos los hacenreaccionar com intensidade, como uma voz desafinada em um concierto, ellos no aceptan ninguna crítica para si mismos.

El bellaco Murin habla lo siguiente em el libro de Dostoiévski “La dueña de cas”: -“una persona enormenete flaca no puede  vivir soñando, no tiene eso em su mente! Para él todas las cosas, dejará todo y correrá hacia vos nuevamente. Es ara él la mitad del mundo y él no va a pensar em dominar, se va a diminuir él mismo y se va a encoger com miedo, hasta quedar del tamaño de um zapato. Si vos das libertad a uma persona flaca ella la colocará em uma bolsa y la devolverá austed, entregará todo. Lo qué irá a hacer um corazón sin mente?”.

Lo que Rimbaud habla sobr la cuestión de la felicidade mágica es que cuando comenzamos a pensar en nuestro interior escuchamos al gallo de Galha cantar nuestros corazones. La felicidade esa escondida em esa excursión.

Espero que el gallo de Galha que vive dentro de ustedes cante, desafiando la eternidad.

 

Con amor…

 

Erol Anar.

“Café de mañana existencialista”.

 

A exposição União Soviética através da câmera em Curitiba

28 setembro, 2015 às 09:31  |  por Erol Anar

20150927_112133

Por Erol Anar / Museu Oscar Niemeyer recebe mostra de fotos da União Soviética Ontem visitei o museu Oscar Niemeyer. Especialmente a exposição “A União Soviética através da câmera” é impressionante.

20150927_114050

Leonid Lazarev, “Uma janela”, 1966

O Museu Oscar Niemeyer (MON) recebe de 16 de julho a 25 de outubro de 2015, na sala 7, a exposição União Soviética através da câmera, com cerca de 200 imagens em preto e branco feitas por seis importantes fotógrafos da União Soviética.

antanas__napraiadepalanga

Antanas Sutkus, Na praia de Palanga (1961)

Leonid Lazarev, 01 de maio. Moscou (1959)

Leonid Lazarev, 01 de maio. Moscou (1959)

Para retratar este ambiente, os curadores selecionaram obras de alguns dos mais importantes fotógrafos da URSS: Viktor Akhlomov, Yuri Krivonossov, Antanas Sutkus, Vladimir Lagrange, Leonid Lazarev e Vladimir Bogdanov.

Viktor Akhlomov, Avenida Kalinin. Moscou (1977)

Viktor Akhlomov, Avenida Kalinin. Moscou (1977)

A diretora-presidente do Museu Oscar Niemeyer, Juliana Vosnika, diz que é muito significativo receber esta exposição que retrata um importante momento histórico. “Proporciona aos visitantes notar as semelhanças e diferenças daquele período em relação ao pensamento contemporâneo”, afirma. *
O exposição vai continuar até 25 de outubro de 2015.
*Fonte: MON

Vladimir Lagrange, Pequenas bailarinas (1963)

Vladimir Lagrange, Pequenas bailarinas (1963)

Yuri Krivonossov, As crianças. Rio Amur (1964)

Yuri Krivonossov, As crianças. Rio Amur (1964)

“El infierno son los otros”

18 agosto, 2015 às 16:52  |  por Erol Anar

806_mestres3

Por Erol Anar / Siempre yo escribo sobre la vida, pero las personas no les gusta reflexionar sobre la esencia de sus vidas. La mayor parte de las personas prefieren olvidar y no tener conciencia sobre lo que vivencian, prefieren apenas vivir. Ellas olvidan el tiempo y no lo perciben. Cuando ellos pierden sus memorias parecería que viven en un jardín de felicidad. Entretanto, quien olvida su vida no esta semi muerto, está totalmente muerto. Esta más muerto que un fósil de 100 millones de años o que las personas enterradas en La Iglesia Oscura de Capadocia en su consolidación, con más de 1.000 años. Es más posible que los cadáveres se levanten a que esas personas que no piensan sobre sus vidas hagan lo mismo.

El filósofo y romancero francés Jean Paul Sartre afirma que “El infierno son los otros”. La dirección de nuestras vidas son los otros que definen lo que podemos o no hacer. Los otros son nosotros concebidos, ellos construyen paredes entre nosotros y las otras personas. Durante toda nuestra vida hacemos sin querer hacer, no hacemos lo que deseamos, por lo general.

 

Cuando pensamos en hacer algo, primeramente pensamos en la relación con los otros, infelizmente, deseamos no poder realizarnos en respuesta a los otros. La mayor parte de las personas se casan porque los otros quieren, tienen hijos porque los otros quieren… por eso nuestros sueños nunca se realizan: nuestras vidas contienen las baladas del pesar!

Nosotros llevamos leña para nuestro infierno porque no Lo hacemos para ayudar a los otros, a la sociedad, al sistema donde cada cual tanto nos quemamos. Siempre hacemos acusaciones, cuando nuestra situación va empeorando, comenzamos a hacer filosofía sobre eso: la sociedad, el sistema, los contenidos, todos hacen eso conmigo! Nosotros no tenemos responsabilidad sobre nuestra situación. Así somos porque nos queremos salvar de ese peor momento de nuestras vidas. todas las razones son correctas, muchas veces,

Nos responsabilizamos también! Qué hacemos para cambiar la situación antes de que sea el peor momento? Cuál fue nuestro enfoque? No nos enfocamos en una verdad, pensamos que actuamos correctamente, que todo lo hacemos bien. En cinco minutos podemos explicar todos los secretos del mundo, todas las historias, y hablamos a los otros con superioridad. Mientras tanto lo explicación de la vida no tiene un contenido suficiente. Tendrá que suceder una profundización en el contexto de la realidad de la vida del conjunto con la explicación, tiene que haber una percepción de la naturaleza del ser humano y de la esencia de la vida.

Cuando caímos en la llama estábamos patinando y entendimos que no era fácil salir! La realidad de la vida nos envuelve, nos juega en contra muchas veces. Todo el mundo lleva su leña para su infierno, concuerdo con eso!!

Creamos el infierno para nosotros, pero quemamos a los otros también en ese mismo infierno.

“O inferno são os outros”

29 julho, 2015 às 16:26  |  por Erol Anar
O inverno são os outros

O inferno são os outros

Por Erol Anar / Sempre eu escrevo sobre a vida, porém as pessoas não gostam de refletir sobre a essência de suas vidas. A maior parte das pessoas preferem esquecer e não ter consciência sobre o que vivenciam, preferem apenas viver. Eles esquecem o tempo e não o percebem. Caso eles percam suas memórias poderão pensar que vivem no jardim da felicidade. Entretanto, quem esquece sua vida não é semimorto, é totalmente morto. É mais morto do que um fóssil de 100 milhões de anos e até mesmo das pessoas enterradas na Igreja Escura da Capadócia, na sua solidão, com mais de 1.000 anos. É mais possível que os cadáveres levantem do que essas pessoas que não pensam sobre as suas vidas façam o mesmo.

O filósofo e romancista francês Jean-Paul Sartre afirma que ‘‘O inferno são os outros.’’ A direção das nossas vidas são os outros quem têm, são os outros que definem o que podemos ou não fazer. Os outros são nossos conhecidos, eles constroem paredes entre nós e as outras pessoas. Durante toda a nossa vida fizemos sem querer fazer, não fizemos o que desejamos, geralmente. Quando pensamos em fazer algo, primeiramente pensamos na reação dos outros, infelizmente, nossos desejos não podem ser realizados a despeito dos outros. A maior parte das pessoas casam porque os outros querem, tem filhos porque os outros querem… por isso nossos sonhos nunca se realizam: Nossas vidas contêm as baladas do pesar! Nós levamos lenhas para o nosso inferno porque não reagimos para auxiliar os outros, a sociedade, o sistema do qual tanto nos queixamos.

Sempre fazemos acusações, quando nossa situação vai piorando, começamos a fazer filosofia sobre isso: A sociedade, o sistema, os conhecidos, todos fizeram isso comigo! Nós não temos responsabilidade sobre a nossa situação. Assim somos porque queremos nos salvar desse pior momento da vida. Todas as razões são corretas, muitas vezes, mas estamos responsáveis também! O que fizemos para mudar a situação antes de ser o pior momento? Qual foi nosso esforço? Não nos esforçamos na verdade, pensamos que agimos corretamente, que tudo fizemos certo. Em cinco minutos podemos explicar todos os segredos do mundo, todas as histórias, e olhamos para os outros com superioridade. Entretanto, a explicação da vida não é um conceito suficiente. Terá que acontecer um aprofundamento no contexto da realidade da vida em conjunto com a explicação, tem que haver a percepção da natureza do ser humano e a essência da vida. Quando caímos na lama, ficamos patinando e entendemos que não é fácil sair! A realidade da vida nos ensina, nos joga contra a parede muitas vezes. Todo mundo leva sua lenha para seu inferno, concordo com isso! Criamos o inferno para nós, porém queimamos os outros também nesse mesmo inferno.

Café da Manhã Existencialista

12 junho, 2015 às 09:28  |  por Erol Anar

Still-life-wooden-table-glasses-newspaper-coffee_1680x1050

 

Por Erol Anar / No dia seguinte tomamos café da manhã numa cafeteria. No menu tinha um tipo de café da manhã pelo qual me interessei porque chamava Café da manhã existencialista. Esse pedido continha um café puro e um charuto ou um cigarro forte. Sorri para quem organizou esse tipo de café da manhã, essa pessoa deve cair num tipo de depressão como Sartre, o filósofo existencialista. Eu estava ali sorrindo.
A vida às vezes é um café da manhã existencialista, passa com sua dureza e você pensa que ela é só cheia de problemas. Não percebemos nossa existência plena. Até que chega um momento no qual o sol brilha novamente em nossos corações e ficamos alegres porque estamos vivos e sorrimos felizes com as pequenas coisas. A vida é assim: às vezes um café da manhã existencialista e às vezes um banquete mágico.
Estávamos tomando nossos cafés nas mesas ao ar livre no restaurante, em frente ao sol da manhã e pensávamos que a vida é bonita.

 

“Café da Manhã Existencialista”
(Editora Juruá)

er