PUCPR avalia cães com lesão na medula

25 novembro, 2014 às 18:50  |  por Fabiana Ferreira

Nesta quarta-feira, dia 26, a PUCPR realiza uma pré-avaliação de cães cadastrados para fazer parte do estudo com células-tronco para a recuperação de movimentos. Os animais serão atendidos a partir das 18h no térreo do Bloco Azul, em frente ao TUCA.

Ainda não fez o cadastro? Inscreva-se pelo telefone 3271-1400 ou pelo e-mail marcio.luis@pucpr.br, informando nome do tutor e do animal, telefone e e-mail de contato, além de um breve relato do problema apresentado pelo cão. Nesse momento, apenas cães serão cadastrados.

O Núcleo de Tecnologia Celular da PUCPR, em parceria com a UFPR, conseguiu uma grande conquista na pesquisa com células-tronco neste ano: ratos recuperaram parcialmente os movimentos e controle da micção após transplante de células-tronco. O mesmo estudo poderá auxiliar na recuperação dos movimentos de cães.

5388793051416916392

A partir das 20h haverá uma palestra de abertura com a pesquisadora Carmen Rebelatto, do Núcleo de Tecnologia Celular da PUCPR, explicando o que são células-tronco. Depois, o professor do curso de veterinária da PUCPR, José Ademar Villanova, falará dos avanços da medicina veterinária realizados pelo Laboratório de Tecnologia Celular da Universidade. Após as palestras (que serão curtas, em torno de 15 minutos cada) o público poderá esclarecer dúvidas sobre o tema. O evento é gratuito e aberto à comunidade.

 

 

Urubu Mobile

23 novembro, 2014 às 20:13  |  por Fabiana Ferreira

Ajude a mapear as estradas com maior número de atropelamentos de animais selvagens. Para isso, não é preciso ser especialista. O Urubu Mobile ou Sistema Urubu faz isso. Ele é um aplicativo para a coleta de dados sobre atropelamento de fauna silvestre desenvolvido para tablets e smartphones, idealizado pelo Centro Brasileiro de Estudos em Ecologia de Estradas e produzido com o auxílio dos departamentos de Ciência da Computação, Ciências Florestais e Biologia da Universidade Federal de Lavras.

10380154_678786472220569_1932715944774208404_o (2)

Com o Urubu Mobile toda a foto terá uma posição geográfica obtida com o GPS do seu equipamento, além da data e alguma descrição se você desejar. Faça o download no Google Play.

Vem ai: Mostra Animal 2014

17 novembro, 2014 às 18:30  |  por Fabiana Ferreira

V Mostra Animal, em Curitiba, terá presença de diretores e produtores renomados

Ativista norte-americana e diretores da série “Não Conta Lá em Casa”, do Multishow, estão entre as presenças confirmadas

banner_mostra_2014A 5ª edição da Mostra Animal – Mostra Internacional de Cinema Pelos Animais, evento que acontece nos dias 29 e 30 de novembro, na Cinemateca de Curitiba, irá exibir 22 produções cinematográficas de seis países com foco no cuidado e direito dos animais. Além dos filmes, estão previstos bate-papos com os diretores e produtores que virão ao evento.

Entre os destaques está a participação da ativista norte-americana Aryenish Birdie, representante do curta Pegada Tóxica (Tail of Toxics), uma animação de grande repercussão que aborda os testes em animais para produtos químicos e farmacêuticos. O curta é uma produção do Comitê Médico pela Medicina Responsável, uma organização dos Estados Unidos, da qual Birdie faz parte, como coordenadora de Políticas de Controle de Testes em Animais. O filme será exibido pela primeira vez no Brasil durante a Mostra. A exibição será no dia 30/11, domingo, às 16h45 e, em seguida, acontece o bate-papo com a ativista.

O diretor Ricardo Ufo da série “Não Conta Lá em Casa”, exibida pelo Multishow, também irão participar de um bate-papo contando sua experiência filmando dois episódios, que exibidos recentemente, nas Ilhas Faroé, na Escandinávia. Lá, eles acompanharam os trabalhos de organizações de proteção à vida marinha. Os episódios mostraram imagens fortes, um mar tingido de sangue e depoimentos emocionados dos ativistas que lutam para evitar a matança de baleias-piloto.

Os horários de exibição dos filmes e dos bate-papos podem ser consultados no site da Mostra: www.mostraanimal.com.br

Participam de discussões também representantes da ONG ElephantVoices Brasil, os diretores Rodrigo Camargo, (Em que lado…), Fernanda Lange (Nós), Cristine Helen Santos (Amigos FiéisNão abandone animais), Juliana Fiori (Leitão Pururuca), Luara Lux (Penso, logo… não durmo),
Camila Ferreira (Adote) e os produtores Heron Gordilho (O Zoológico do Futuro) e Alexandre Souza (Ecce Homo).

Sobre a Mostra Animal

A Mostra Animal é organizada pela SVB – Sociedade Vegetariana Brasileira, Grupo Curitiba. Acontece desde 2009 e hoje já faz parte do calendário cultural da capital paranaense. A Mostra Animal conta também com versão itinerante que já passou por diversas cidades do país, como Vitória, Salvador, Jundiaí, Recife e Brasília.

 

Serviço:
V Mostra Animal

Data: 29 e 30 de novembro

Local: Cinemateca de Curitiba (Presidente Carlos Cavalcanti, nº 1174, São Francisco)

Horário: das 14h às 21h

Entrada gratuita

Mais informações: www.mostraanimal.com.br

 

Corujas, macacos e papagaios. O que eles têm em comum?

17 outubro, 2014 às 18:06  |  por Fabiana Ferreira

 Crédito: Vivian Lemos

Imagine alguém querer ter em casa uma coruja. De verdade. Viva. Parece estranho, mas existe quem ouse esta extravagância. Macaco-prego também entra nesta lista de desejos esdrúxulos. Animais silvestres viraram moda, agora são pets, e em muitos casos para satisfazer esta necessidade tão indispensável ao ser humano, um grupo de consumistas ajuda a financiar o tráfico de animais. Tem também quem o faça de forma legal. Com licença ambiental. Nestes casos, por desconhecimento da espécie comprada e falta de jeito para lidar com o bicho, o abandono, muitas vezes, torna-se a forma mais viável de se livrar do problema.  Casos de papagaios e tartarugas tigres-dágua. Esta última, são aquelas pequenininhas vendidas para aquário, costumam crescer mais do que o esperado.

Não bastam cães e gatos. Tão comuns. Que sem graça latidos e miados! A maioria da população já os tem. É preciso algo novo, diferente de um simples animal doméstico. Um dos efeitos colaterais de tal exagero consumista é consequência mais cruel para um animal e até mesmo para um ser humano. A privação de liberdade. A impossibilidade de viver para sempre em seu habitat natural.

Em Tijucas do Sul, o Centro de Triagem de Animais Silvestres (Cetas), localizado na Região Metropolitana de Curitiba, é uma amostra deste desejo desenfreado. Atualmente, a lotação é de 1800 animais. Entre aves, macacos, veados, tartarugas e outras espécies. A maioria vítima do comércio ilegal, outra grande parte do abandono e maus-tratos. Em menor quantidade, animais que foram encontrados na mata, filhotes sem família ou vítimas de atropelamento.

Mantido pela Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR), o centro é único no Paraná, recebe quase que diariamente, por meio do Ibama ou da Polícia Militar Ambiental do Estado  centenas de aves apreendidas em nossas estradas. Elas são confinadas em minúsculas caixas sem ventilação. No Cetas, é comum vê-las se recuperando de fraturas nas asas. Traficante não quer saber de bem-estar animal. Muitos casos são de indivíduos reincidentes. A polícia prende. A Justiça solta. E eles voltam a cometer o mesmo crime.

sagui

O carinho e a dedicação de uma das profissionais do Cetas pude ver em uma visita recente. O filhote de sagui é alimentado a cada duas horas na mamadeira pela coordenadora do local, Ana Carolina Fredianelli (na foto). E não pense que durante a madrugada a alimentação é suspensa. O bichinho precisa ser alimentado sem interrupção.

Os profissionais do Cetas se empenham em salvar a vida dos animais e mantê-los de forma que se sintam mais próximos de seu ambiente natural. Inclusive promovem atividades para mantê-los ativos.  Também buscam ao máximo reintroduzi-los à natureza. Mas apesar de todos os esforços, muitos bichos não teriam mínimas chances de sobrevivência. E vivem ali para sempre. Por melhor que sejam tratados, sempre é triste vê-los enjaulados, quando poderiam estar soltos e livres.

papagaio_pirataDepressão – O papagaio Pirata foi adquirido de forma legal. Por algum motivo não se sabe ao certo, estresse talvez, começou a arrancar as próprias penas. A dona não quis saber de acompanhar o tratamento. Hoje, ele vive no Cetas, e deve passar por um tratamento com fitoterapia ou homeopatia. Está na fase de “desmame” quando se retira aos poucos uma medicação alopática, no caso antidepressivos.

Denúncias: o Cetas não está aberto à visitação e não recolhe animais. Ao ter conhecimento  de um animal silvestre machucado ou em situação de maus-tratos ou abandono – tipo araras, tucanos, papagaios, capivaras, jacarés ou comércio ilegal ligue para o Batalhão da Polícia Militar Ambiental, em São José dos Pinhais: (41) 3299-1350.

Os cães e o Ebola

14 outubro, 2014 às 17:03  |  por Fabiana Ferreira

Hoje reproduzo artigo do médico veterinário Marcelo Quinzani que trata sobre o Ebola e os cães. Fiquei indignada na semana passada com a as autoridades espanholas que eutanaziaram um cachorro que teve contato com uma enfermeira infectada com o vírus.

O animal foi retirado de sua casa enquanto seus donos permaneciam em quarentena no hospital. A mesma atitude deveria ser tomada em relação ao animal. Não matá-lo simplesmente como forma de prevenção. Mesmo com os apelos do marido da enfermeira, a mobilização nas redes sociais e de manifestantes no endereço onde o casal morava, a polícia não teve dó.

A doença  Ebola e os cães   

ebola_divulgacao

Nesta semana tivemos contato com a primeira notícia sobre um cão supostamente infectado com o vírus Ebola. O caso aconteceu na Espanha, onde um animal de propriedade de uma enfermeira espanhola com a doença teve que ser eutanasiado, causando muita consternação e preocupação com a possibilidade de animais domésticos participarem da disseminação do vírus. Como se trata de uma doença emergente, há muitas dúvidas, que podem gerar medo e medidas precipitadas. A desinformação é o maior perigo na disseminação da maioria das doenças.

Existe uma preocupação com os cães e outros animais domésticos no papel de transmissores do vírus, mas somente em regiões endêmicas da África. No atual cenário mundial da doença, a probabilidade de um cão fora da África, inclusive no Brasil, transmitir o vírus é muito remota, pois existiria a necessidade de contato direto com pessoas infectadas ou com sintomas do Ebola.

Apesar de existirem evidências de que os cães podem ser infectados, não há nenhum indício de que eles possam desenvolver a doença. Segundo pesquisadores da Universidade de Guelph, em Ontario (Canadá), um estudo com cães em uma comunidade na África, onde um surto do vírus Ebola estava em andamento, 27% dos cães saudáveis tinham anticorpos séricos contra o vírus (ou seja, tiveram contato com o vírus Ebola), mas nenhum tinha o vírus detectável em circulação.

Sinais de exposição ao vírus não surpreendem, pois o contato dos cães com os humanos é muito íntimo e provavelmente um cão de uma pessoa com Ebola tenha contato direto com secreções corpóreas contendo o vírus. Mas independentemente do fato de cães terem sido expostos à doença, não há atualmente nenhuma evidência de que animais infectados podem disseminá-la.

No caso muito improvável de um cão de estimação brasileiro ter contato com uma pessoa com suspeita de Ebola, os serviços públicos de saúde, incluindo veterinários, devem investigar todos os contactantes e isolar esse animal em quarentena. Acreditamos que esforços coordenados estão em andamento para desenvolver orientações para a gestão dos cães expostos a indivíduos com infecção pelo vírus Ebola em todo o mundo.

A falta de informação sobre a contaminação de cães pelo vírus torna difícil o desenvolvimento de práticas baseadas em evidências. No entanto, dada a informação disponível sobre o vírus Ebola em cães, recomendações podem ser desenvolvidas para o evento, mesmo diante da baixa probabilidade de que cães ou outros animais de estimação expostos à doença sejam, a partir daí, uma fonte de preocupação no controle e disseminação da mesma. Mesmo assim, preocupações sobre cães e vírus Ebola não podem ser descartadas e muito menos subestimadas. Elas devem fazer parte de todos os esforços para promover o controle da doença e conter sua disseminação entre os continentes.

*Marcelo Quinzani é médico veterinário e diretor clínico do Hospital Veterinário Pet Care de São Paulo.

 

Caminhada em defesa dos animais e benção neste sábado (4)

3 outubro, 2014 às 16:27  |  por Fabiana Ferreira

Amanhã (4/10) é Dia de São Francisco de Assis, santo protetor dos animais. Para comemorar a data será realizada em Curitiba uma manifestação a partir das 14 horas. A concentração será na Praça do Japão. Está prevista a benção dos animais às 14h30. Será feita uma caminhada até a Boca Maldita.

caminhada_protecao

O movimento organizado por protetoras independentes quer chamar a atenção das autoridades para a investigação de caso de maus-tratos por empresas paranaenses. As protetoras denunciam que motoristas atropelaram cães de rua e não prestaram socorro. Os animais, são três cães muito machucados, estão sob os cuidados das protetoras.

Diria que amanhã também poderia ser comemorado o dia delas, pois aqui na terra podemos considerá-las verdadeiras representantes de São Francisco. E cada vez com mais trabalho.

 

Sábado tem Benção dos Animais

1 outubro, 2014 às 17:35  |  por Fabiana Ferreira

No Dia de São Francisco, sábado (4), acontece a primeira Benção dos Animais na Paróquia Santa Maria Goretti, no Bom Retiro.

Bênçãos dos animais

Leve seu bichinho para ser abençoado das 09h às 12h e das 14h às 16h. A Igreja fica na Rua Cel. João Guilherme Guimarães, 2000, próximo ao Bosque do Alemão.

Neste dia, será realizada missa apenas às 19h. Sem a participação dos bichinhos.

Salva Bicho resgata cães que escaparam de fogueira

9 setembro, 2014 às 12:26  |  por Fabiana Ferreira

A ONG Salva Bicho precisa de ajuda. Resgatou neste fim de semana dois filhotes que viviam na rua e sobreviveram a uma barbárie no Pinheirinho. A mãe dos cachorrinhos e outros cinco cães que viviam na rua foram queimados vivos, segundo a ONG. Cada dia uma notícia pior que a outra nesta cidade.

Para manter estes e outros animais, a Salva Bicho conta com o seu apoio. Precisa entre outras coisas de ração Special Dog.

As doações podem ser feitas nos seguintes bancos:

ITAÚ Ag.1656 – Poup.28060-7/500 – Myrian Ruhle

CEF Caixa Econômica Federal
Ag.0372 operação: 013
Poupança – conta 13396-0 – Myriam Ruhle e/ou Fabiane Rosa

Banco do Brasil – Ag: 6992-2 C/C: 5492-5 – Fabiane D. Cabral da Rosa.

O cachorro do candidato

25 agosto, 2014 às 14:49  |  por Fabiana Ferreira

Antes era criança que político segurava no colo. Agora são os cães. Assisti na sexta-feira, 22, o horário eleitoral. O vereador e candidato a deputado estadual, Prof. Galdino, estava com um cachorro a tiracolo. O animal parece ser um sem raça definida, mas muito fofo, branquinho, de banho tomado e escovado. Isto tudo para mostrar que ele é defensor da causa animal.

Imagina se a moda pega e os defensores dos direitos dos portadores de deficiência física resolvem posar ao lado de cadeirantes? Ou se um defensor do meio ambiente decidi ficar agarrado a uma árvore?

Na página do Facebook lá está o Galdino cercado de cães e em uma das fotos com uma espécie de maltês no colo (foto abaixo). Outro cachorro branquinho e escovado. Já não convence. Cadê o vira-lata, sujo, sarnento, candidato? Foto com poodle publico eu.

Já no site do candidato, além da tradicional bicicleta consta uma imagem de um cachorro pulando em volta dele. O vereador realmente destinou R$ 500 mil por emenda orçamentária para o município em prol da causa animal. Confirmei a informação com a Rede de Proteção Animal de Curitiba. Proposta expressiva se levarmos em conta a proposição de bebedouros em lugares públicos e a permissão para enterrar o animal de estimação no túmulo da família. Estes dois últimos, nada muito útil para os cães e gatos que vivem nas ruas abandonados, não?

Agora o candidato faz promessa de um hospital público para animais. Ideia genial. Mas precisa explicar como isso sairia do papel e se tornaria uma realidade.

Acho excelente que na Assembleia Legislativa do Paraná tenhamos representantes pensando na causa animal, mas quem vai votar com este interesse sugiro que pesquise minuciosamente a atuação dos políticos. Me parece, em muitos casos, que alguns deles estão se aproveitando deste “nicho” para conseguir a simpatia do eleitor.