Arquivos da categoria: Fomento e Desenvolvimento

Luiz Fernando Vianna

Itaipu deve encerrar 2017 com a quarta posição no ranking histórico anual de produção

7 dezembro, 2017 às 17:22  |  por Maximilian Santos

A produção parcial da Itaipu Binacional em 2017, registrada até as 6h16 desta quarta-feira (6), pelo Horário Brasileiro de Verão, chegou à marca de 88,6 milhões de megawatts-hora (MWh) e ultrapassou a do mesmo período em 2008, ano da quarta maior geração histórica anual desde o início da operação da usina, em maio de 1984. Como a previsão é que a geração fique 14% maior nos próximos sete dias, em comparação ao mesmo período de 2008, projetando uma produção em torno de 95 milhões de (MWh) para este ano, a hidrelétrica deve consolidar a quarta maior marca anual até o fim de dezembro.
Este ano, a eficiência operacional de Itaipu é de aproximadamente 98%. Esse índice relaciona a energia produzida e a energia que, numa hipótese ideal, poderia ter sido gerada.
O ranking deste ano é bastante significativo para a usina, já que 2017 apresentou um cenário hidrológico bastante difícil no País para a produção de hidroeletricidade. Ao longo dos meses, a geração de Itaipu oscilou entre a sexta e a quarta posição, atingida agora.
Em agosto, a produção parcial de 2017 aparecia em quinto lugar e chegou a cair para a sexta posição durante três dias de setembro. De lá para cá, a hidrelétrica recuperou posição por posição e a tendência é que se mantenha assim até o fim de dezembro.
“Gerar essa enorme quantidade de energia limpa com uma eficiência operacional acima dos 95% é constatar que as equipes brasileira e paraguaia da Itaipu estão trabalhando com um alinhamento afinado e considerável competência”, afirma o diretor-geral brasileiro de Itaipu, Luiz Fernando Leone Vianna.
E complementa: “Colocar a produção de Itaipu entre os cinco melhores anos do ranking envolve um trabalho complexo, que passa por uma boa gestão das afluências, pelo excelente desempenho da operação e manutenção dos equipamentos da usina, por uma boa disponibilidade dos sistemas de transmissão brasileiro e paraguaio, assim como pelos sinais econômicos de elevação do consumo dos nossos países. E, finalmente, passa pela boa coordenação eletro-hidroenergética entre as empresas envolvidas, como Itaipu, Eletrobras-Furnas, Copel, Operador Nacional do Sistema e a paraguaia Ande”.
Até o meio-dia desta quinta-feira (7), a Itaipu já tinha produzido 89,1 milhões de MWh, energia suficiente para atender o Brasil inteiro por dois meses e sete dias; o Estado de São Paulo por oito meses; o Paraná por três anos; Brasília por 13 anos; e Foz do Iguaçu por 160 anos.

Liderança mundial - A Itaipu Binacional é líder mundial em produção de energia limpa e renovável, tendo produzido mais de 2,5 bilhões de MWh desde o início de sua operação, em 1984. Com 20 unidades geradoras e 14.000 MW de potência instalada, fornece cerca de 17% da energia consumida no Brasil e 76% no Paraguai.

Em 2016, Itaipu produziu um total de 103.098.366 MWh, estabelecendo um novo recorde mundial de produção anual. A maior marca anterior havia sido estabelecida em 2013, com 98.630.035 MWh. O terceiro melhor ano em produção foi 2012, com a geração de 98.287.128 MWh.

Editado por Maximilian Santos
Crédito da foto: Divulgação.

 

MArco Tulio BB

Recursos para crédito rural crescem 25% em 2017

5 dezembro, 2017 às 19:25  |  por Maximilian Santos

Os recursos direcionados ao crédito rural aumentaram 25% no segundo semestre deste ano frente ao mesmo período em 2016. É o que afirmou o diretor de Agronegócios do Banco do Brasil, Marco Túlio da Costa, em reunião com a Frente Parlamentar da Agropecuária (FPA) nesta terça-feira (5). O montante total chegou a cerca de R$ 300 bilhões liberados pela instituição financeira.

Para Marco Túlio, o resultado é consequência de uma parceria cada vez mais estreita com o setor agropecuário. “Estamos alinhados e comprometidos com os produtores rurais. A FPA é o nosso canal de comunicação com o setor agropecuário. Estamos abertos ao diálogo e esperamos que continuem confiando na instituição, pois nós continuaremos ouvindo os anseios e necessidades do setor e buscando soluções que atendam a todos os segmentos em quaisquer situações”, ressaltou o diretor.

As recentes medidas apresentadas pelo Banco atenderam demandas dos produtores rurais de arroz do Rio Grande do Sul e Paraná, de maçã em Santa Catarina e de leite em várias regiões do País. Todos esses segmentos passam por mudanças bruscas devido ao alto custo de produção nacional ocasionado pelo desarranjo no mercado interno com a desleal concorrência e competitividade dos produtos importados frente aos locais. “A abundância da matéria-prima causa efeito automático sobre o preço do produto. As dificuldades enfrentadas estavam impactando diretamente no rendimento e capital dos pequenos, e consequentemente no seu acesso ao crédito e no pagamento de dívidas”, disse Marco Túlio.

A primeira iniciativa se iniciou com o setor pecuarista, frente aos desgastes causados pela Operação Carne Fraca. Todos os prazos de renegociações de dívidas com o Bando do Brasil que venciam neste ano foram prorrogados até 2018. “Muitos pequenos produtores iam se desfazer de rebanhos ou vender seus animais por um preço muito aquém do mercado para sanar as dívidas. Demos um fôlego ao setor”, destacou o diretor do BB.

Crédito da foto: DiárioD.
Editado por Maximilian Santos.

 

 

 

Banco do Brasil

Banco do Brasil vai liberar R$ 1 bilhão em crédito para projetos de agroenergia no Oeste Paranaense

18 maio, 2017 às 20:38  |  por Maximilian Santos

O Banco do Brasil deve investir nos próximos anos até R$ 1 bilhão na região do Oeste Paranaense, em linhas de financiamento voltadas à produção de energia a partir da biomassa. O Programa Agro Energia foi lançado nesta quinta-feira (18), em uma solenidade no Espaço Milton Santos, no Parque Tecnológico Itaipu, em Foz do Iguaçu. Voltado, na região, ao biogás, o programa conta com a parceria da Itaipu Binacional e do Centro Internacional de Energias Renováveis – Biogás (CIBiogás), entre outros.

“Já existe, aqui na região, um elo produtivo identificado e mapeado. O trabalho que a Itaipu e o CBIogás vêm fazendo facilita nosso acesso aos produtores de forma mais organizada”, resume o diretor de Agronegócios do Banco do Brasil, Marco Túlio Moraes da Costa (foto). Em abril, o mesmo programa, mas voltado especificamente aos projetos fotovoltaicos, já havia sido lançado em Rio Verde (GO). “A Itaipu faz um trabalho de sustentabilidade na região e o Banco do Brasil só vem para apoiar esta iniciativa”, reforça.

Para o superintendente de Energias Renováveis da Itaipu, Paulo Schmidt, a empresa já tem atuado na preservação dos recursos hídricos e destinação correta dos resíduos. Agora, é um segundo momento. “Temos a possibilidade de gerar ganhos aos produtores rurais, especialmente nas cadeias de proteína animal. Mas se não tivermos incentivos, isso pode não acontecer”, afirma. Ele lembra a parceria entre Itaipu e Copel, por meio do Programa Mais Clique Rural, que tem o objetivo de modernizar a distribuição de energia e internet no meio rural.

As linhas de crédito serão usadas para a instalação dos biodigestores, compra dos geradores e integração da propriedade agrícola à rede elétrica. Os juros subsidiados variam de 2,5% a 8,5% ao ano, dependendo do tamanho da propriedade. Estima-se que o retorno do investimento aconteça em no máximo cinco anos. O valor investido na região vai depender dos projetos que chegarem ao Banco do Brasil.

Durante a solenidade, a Cooperativa LAR assinou um memorando de intenções para levar o financiamento do Banco do Brasil aos seus associados. O CBIogás e a Itaipu Binacional também assinaram o documento.

Pioneirismo regional - A criação da linha de crédito do Banco do Brasil tem origem em uma demanda levantada pela Câmara Técnica de Energias Renováveis do Programa Oeste em Desenvolvimento, do qual Itaipu e CBIogás fazem parte. “Vimos que o principal gargalo era a falta de um financiamento para tocar os projetos. Então, tivemos uma reunião com o Banco do Brasil sobre a possibilidade de ampliar o financiamento e encarar os projetos de biogás como um negócio”, explica o diretor-presidente do CIBiogás, Rodrigo Régis.

De acordo com ele, a região Oeste do Paraná tem um enorme potencial na área de agroenergia. Só na suinocultura, há mais de dois mil produtores com potencial de criação de usinas geradoras de energia elétrica a partir da biomassa. O retorno do produtor, caso ele faça uma unidade geradora com recursos próprios, é da ordem de 18%. Se a criação do empreendimento for subsidiada por financiamentos como o do Banco do Brasil, o retorno sobe para 24%. O tempo de recuperação do investimento cai de cinco para três anos.

Além disso, completa Régis, há uma perspectiva do aumento de produtividade na já pujante região Oeste do Paraná. “Um produtor que quer aumentar o número de cabeças de gado, por exemplo, precisa resolver a questão dos dejetos para conseguir as licenças ambientais. Hoje, vai ter produtor que subirá de 500 para 2.000 cabeças porque poderá dar fim aos dejetos, obedecer às leis ambientais e criar renda”, conta.

“Nós temos que aproveitar este momento, sermos assertivos e agirmos rápido. Já foi feito um mapeamento na região, agora precisamos mostrar aos produtores que este é um negócio viável”, afirma Régis. E completa: “Investir nesta tecnologia não é só produzir energia, mas fazer o saneamento ambiental. Livrar-se de um passivo e gerar outra fonte de renda.”

Segundo um levantamento feito pela Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (FIESP), o agronegócio responde por 46% das exportações do Brasil e por 25% do Produto Interno Bruto (PIB) do País. No Sul do País, o setor é responsável por 70% das exportações e 35% das riquezas. O agronegócio é um dos maiores demandantes de energia elétrica para sue funcionamento.

 

 

Editado por Maximilian Santos.
Crédito da foto: Divulgação.

 

 

 

Vianna

Itaipu Binacional completa 43 anos em cenário promissor no Brasil e Paraguai

16 maio, 2017 às 19:06  |  por Maximilian Santos

A usina de Itaipu completa 43 anos de criação nesta quarta-feira (17) em meio a um cenário de crescimento bastante promissor para os dois países sócios no empreendimento. O Brasil já dá sinais de que deixou a recessão e o Paraguai se consolida cada vez mais como um dos melhores países da América Latina para se investir.

Itaipu tem um papel fundamental no desenvolvimento econômico e social das duas nações vizinhas. Mesmo com a expansão do parque gerador brasileiro, a usina responde, hoje, por 17% do consumo de energia elétrica de todo o mercado nacional e atende mais de 76% do paraguaio.

Quanto mais Itaipu gera, aproveitando com a melhor eficiência a matéria-prima do seu negócio, que é a água, menor é a dependência do Brasil de outras fontes de energia, como as termoelétricas, cujo custo de produção é muito mais elevado que o das hidrelétricas.

Para o diretor-geral brasileiro, Luiz Fernando Vianna (foto), o aniversário da empresa representa um marco histórico para o Brasil e o Paraguai e um exemplo para o mundo de cooperação entre dois países. “A criação de Itaipu é uma demonstração da capacidade de entendimento, com justiça e bom senso, dos nossos povos para erguer e gerir uma empresa vital para a sociedade brasileira e paraguaia”, diz Vianna.

Primeira usina hidrelétrica a romper a barreira anual dos 100 milhões de megawatts-hora (MWh), Itaipu produziu, em 2016, mais de 103 milhões de MWh. Na última década, a geração média anual da usina passa dos 93,2 milhões de MWh. Nenhuma outra hidrelétrica teve desempenho similar. Desde que entrou em operação, em maio de 1984, a geração acumulada da usina soma quase 2,5 bilhões de MWh. Essa energia toda seria suficiente para suprir a demanda elétrica do mundo inteiro por 42 dias.

Para se manter competitiva e sustentável, a usina vem se preparando para o futuro, em várias frentes.  Os principais desafios em andamento são o projeto de modernização das unidades geradoras e os estudos para a revisão do Anexo C do Tratado de Itaipu. A atualização das máquinas deve durar dez anos e prevê investimentos de US$ 500 milhões. Já o Tratado de Itaipu completa 50 anos em 2023, quando seu Anexo C será revisado, conforme foi acordado entre os dois países em 1973.

O Anexo C é o documento que define as bases financeiras e de prestação dos serviços de eletricidade da binacional, que precisará passar por uma revisão para atender, de forma igualitária, aos interesses de brasileiros e paraguaios. No documento está definido o pagamento de royalties pela utilização das águas do Rio Paraná, como compensação pelas áreas que foram alagadas para a formação do reservatório da usina. Desde sua entrada em operação, Itaipu já pagou em royalties, ao Brasil e ao Paraguai, mais de US$ 10 bilhões.

No Brasil, esses recursos beneficiam principalmente o Estado do Paraná e os 16 municípios lindeiros ao reservatório (15 deles em território paranaense), mas também Estados e municípios localizados a montante da usina, além de órgãos federais como o Ministério do Meio Ambiente, o Ministério de Minas e Energia e o Fundo Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico. Para os municípios, especialmente, os royalties representam uma renda importante, proporcionando benefícios à população.

História - O Tratado de Itaipu, assinado em 26 de abril de 1973, pelos presidentes Alfredo Stroessner e Emílio Garrastazu Médici, garantiria a implantação do projeto Itaipu. O tratado previa a criação da Itaipu Binacional, com sede em Brasília e Assunção. Seu capital seria de US$ 100 milhões. O Anexo C do Tratado definiu a divisão igualitária da energia a ser produzida e a formação de seu custo.

No dia 17 de maio de 1974, há exatos 43 anos, era constituída a empresa binacional Itaipu, para gerenciar a obra e, futuramente, administrar o empreendimento hidrelétrico. Dez anos depois, a partir de maio de 1984, a usina começava a gerar.

Sempre preocupado em garantir eletricidade suficiente para garantir a crescente industrialização, o Brasil tinha no setor elétrico uma das maiores preocupações. O crescimento da capacidade instalada no Brasil mostra que o esforço era grande para suprir o país com eletricidade. Em 1950, eram apenas 1.900 megawatts (MW); em 1960, 4.800; e em 1970, 11.460 MW. Isto é, a capacidade instalada mais que dobrava a cada década. E, em 1980, ainda sem Itaipu, atingiu 31.300 MW, quase o triplo de dez anos antes.

Quando as obras começaram, o projeto de Itaipu – 12 mil MW de capacidade instalada – representava 75% de toda a capacidade existente. Em 2007, a potência de Itaipu aumentou para 14 mil MW com a finalização do projeto e entrada em operação das últimas duas das 20 unidades geradoras.

A gestação de Itaipu foi articulada numa época de crescimento econômico vertiginoso do Brasil. No final dos anos 1960 e meados dos anos 1970, impulsionado por uma oferta de dólares no mercado internacional, que migrava para onde houvesse um projeto capaz de se viabilizar. E o País atraía esses dólares com extrema facilidade, o que alimentou grandes projetos de infraestrutura.

Economia - A economia paraguaia, que registrou um crescimento de 14% em 2013, fechou o ano passado com alta de mais de 3%. A inflação está controlada e a taxa de desemprego do país está em queda. Já no Brasil, a atividade econômica cresceu 1,12% no primeiro trimestre deste ano, na comparação com o último trimestre de 2016. É o que mostra o Índice de Atividade Econômica do Banco Central (IBC-Br), dessazonalizado (ajustado para o período). Em 2015, o Produto Interno Bruto (PIB – a soma de todas as riquezas produzidas pelo país), indicador oficial calculado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), teve queda de 3,8%. No ano passado, o PIB encolheu 3,6%, segundo informações da Agência Brasil.

 

 

Editado por Maximilian Santos.
Crédito da foto: Divulgação.

 

 

 

Ele

De gastronomia à tecnologia: 15 empresas paranaenses de alto crescimento são as apostas da Endeavor em 2017

25 abril, 2017 às 17:46  |  por Maximilian Santos

Para se obter sucesso ao empreender, sabemos que experiência conta. Por esse motivo, a Endeavor, organização global e sem fins lucrativos de fomento ao empreendedorismo, acaba de anunciar as empresas que irão participar do Programa Scale-up 2017. 15 empresas do Paraná foram selecionadas pelo alto crescimento e diferencial competitivo no mercado. Ao todo, foram 200 selecionadas no Brasil, que terão acesso a uma rede de mentores, formada pelos principais líderes empresariais do país, que há 17 anos doam tempo para a causa. O objetivo é que os selecionados aprendam com quem já fez e potencializem o impacto dos seus negócios para a geração de novos empregos.

“Essa é a terceira vez que o programa acontece no Paraná com muito sucesso. Este ano selecionamos diferentes perfis de empresas, variando de alimentação, beleza, educação e tecnologia da informação – o que há em comum entre essas empresas é o diferencial do modelo de negócios e as altas taxas de crescimento. No total tivemos mais de 750 inscritos no Brasil inteiro, foram 75 aqui no estado”, explica Marco Antonio Mazzonetto, coordenador da Endeavor no Paraná.

Durante os sete meses de duração, o programa de apoio por meio de mentoria irá oferecer um diagnóstico do principal desafio do negócio, e em seguida, conectar os empreendedores com a rede de mentores da Endeavor, que são grandes empreendedores e especialistas, apoiadores da causa da organização.

Cada empresa será direcionada a um mentor para ajudá-los com as suas “dores de crescimento”. Este acompanhamento será realizado em encontros no decorrer do programa, onde o mentor se tornará um padrinho do negócio, o acompanhando em seu desenvolvimento. Durante este período, também serão realizadas mentorias coletivas, em eventos exclusivos para os selecionados, com o objetivo de abordar grandes desafios em comum e promover network.

 No Paraná, Scale-Ups Endeavor cresceram 85% –  ”Aqui no Paraná, as Scale-Ups selecionadas para o programa cresceram 85%, em média, se compararmos os anos de 2015 e 2016. Para este ano é esperado o mesmo índice de crescimento. Sabemos a dificuldade de manter taxas de crescimento tão elevadas, entretanto, entendemos que empresas que possuem mentoria têm duas vezes mais chances de obter sucesso, por este motivo o programa Scale-Up Endeavor é uma grande oportunidade”, completa Mazzonetto.

No Brasil, empresas de alto crescimento são responsáveis pela geração de 46% de empregos - A importância do sucesso destas empresas de alto crescimento vai além da questão empreendedora. Recentemente a Endeavor fechou uma parceria com o Instituto Insper de São Paulo, que trouxe a pesquisa acadêmica para estudar as Scale-ups. De acordo com o professor do Insper, Guilherme Fowler A. Monteiro, as Empresas de Alto Crescimento (crescimento de 20% ) hoje são responsáveis por quase metade dos empregos no país, mesmo representando 1,3% das empresas brasileiras. E isso se deve devido à alta produtividade destes modelos de negócios escaláveis, que possuem crescimento sem que os custos cresçam na mesma proporção. “O foco na produtividade é um fator que faz com que o crescimento seja mais sustentável no longo prazo”, diz o professor.

Veja quais são as paranaenses selecionadas para o Scale-up 2017

ALDEIA COWORKING – A aldeia é um negócio de educação e conteúdo extremamente conectado com a prática, no qual as pessoas aprendem e fazem ao mesmo tempo. Oferece um espaço híbrido de coworking e educação.

CONVISO – A Conviso une a utilização de seu software com o apoio de especialistas para fornecer soluções de MASP (Managed Application Security Process) voltado para implementação de serviços gerenciados especializados em segurança de aplicações.

DOCWAY – Com o intuito de resgatar valores da medicina humanizada e trazer mais conforto aos pacientes, a Docway é um aplicativo leva os médicos às residências dos pacientes. Oferece, além das consultas onde e quando o usuário desejar, serviços como coleta de exames e vacinas.

DRONEMAPP – A DroneMapp une a utilização de drones com sua plataforma para captura e tratamento de imagens aéreas para gerar análises e indicadores de auxilio a mineradoras, construtoras, gestoras de resíduos e empresas de telecomunicação a fazer o monitoramento e gestão de seus ativos.

FEITO BRASIL – Com cosméticos veganos, fabricação artesanal e valorização da cultura brasileira, a Feito Brasil é uma marca de cosméticos com grande preocupação ambiental. Carrega o forte diferencial da tradição do processo artesanal aos conceitos de arte, design, cultura e sustentabilidade.

INTELLTECH – Customização, mobilidade, algoritmos inteligentes, agilidade na obtenção da informação, conectividade e inovação são alguns dos atributos inerentes às soluções desenvolvidas pela Intelltech, que oferecem inspeção, monitoramento de estruturas e mitigação de riscos no contexto de Barragens Hidroelétricas, Barragens de Rejeitos e Minas.

LEADLOVERS – A Leadlovers é uma plataforma de automação de marketing digital ideal para atrair novos leads para o negócio, transformar leads em clientes recorrentes, criar sequências de email marketing, construir páginas personalizadas, dentre outros serviços.

MARIA DOLORES – A Maria Dolores é uma marca de acessórios assinados pela designer de mesmo nome, que desenha peças com pedras preciosas brasileiras e metais nobres. Foi a primeira marca brasileira convidada a expor na conceituada Henri Bendel, em NY, e participa anualmente da Bijorhca, uma das principais feiras do setor que acontece em Paris.

MONCLOA – A Moncloa comercializa chás preparados com ingredientes naturais e sem adições químicas, para consumidores que buscam bem-estar e qualidade de vida. A aposta é em um produto clássico, com inspiração contemporânea. Os blends são exclusivos e assinados por uma tea sommelier. Além dos chás, são vendidos acessórios de preparo que servem também como presente. A Moncloa desenvolve continuamente novos sabores de chás e a loja já teve sua marca premiada em concursos nacionais.

MYMOB – A MyMob oferece como principal serviço a assistência técnica para smartphones Apple, Samsung e Motorola, e também para Macbook. As lojas estão localizadas em shoppings de alto fluxo e os serviços são realizados, na maioria dos casos, em poucos minutos. Além da assistência técnica, a MyMob também comercializa acessórios para celulares e GoPro.

SAE DIGITAL – A SAE Digital é um sistema de ensino voltado que pretende revolucionar a educação básica no Brasil unindo a utilização de materiais impressos com tecnologias de realidade virtual e uma plataforma de ensino adaptativo.

SPONTE – A Sponte é uma empresa que oferece um software de gestão escolar e também gestão de franquias. Está há quase 20 anos no mercado e no portfólio conta com empresas como Pearson Education (Wizard, Yázigi, Skill), CNA, InFlux, Instituto Brasileiro de Linguas, Pet Cursos, etc.

TASTY – A proposta da Tasty Salad Shop é descomplicar a alimentação saudável por meio de um Fast Casual. Saladas são servidas como prato principal das refeições, além de sanduíches, tortas, sopas, sucos, snacks e sobremesas. Há opções prontas, delivery e um ambiente moderno e com design de qualidade, com atendimento rápido e informal, trazendo conveniência e ingredientes frescos ao dia a dia.

PHONE TRACK – O PhoneTrack é uma ferramenta para rastreamento de ligações recebidas voltadas para mensuração do ROI de campanhas de marketing, gerenciamento de leads e otimização de resultados de equipes de televendas.

WERT SOLUTIONS – A Wert Solutions é uma empresa criada com o propósito claro de proporcionar ao mercado soluções sistêmicas, inteligentes, inovadoras e de valor nas áreas industrial e de serviços. Desenvolveu o Manusis, um software especialista de Gestão de Manutenção e Ativos.

 

 

Editado por Maximilian Santos.
Crédito da foto: Divulgação/No Ar.

 

 

 

palestra_clovis_barros_cdl_danielzimmermann_8802

Clóvis de Barros Filho estará hoje em Curitiba para Fórum de Pessoas da Amcham

18 abril, 2017 às 14:25  |  por Maximilian Santos

Clóvis de Barros Filho estará hoje (18/04) em Curitiba , para participar do Fórum de Pessoas, evento promovido pela Câmara Americana de Comércio (Amcham-Curitiba), com o objetivo de promover uma reflexão sobre as tendências e transformações do mercado. Clóvis de Barros Filho será um dos palestrantes do Fórum de Pessoas, que tem o objetivo de promover uma reflexão sobre as transformações da sociedade e as tendências do mercado. Eugênio Mussak e Adriana Kersting também são convidados do evento.

Clóvis de Barros Filho irá abordar o tema “Mudança: um convite à realidade” será. Ele é professor livre-docente da Universidade de São Paulo (USP), palestrante há dez anos no mundo corporativo, consultor e autor de publicações como “Felicidade ou Morte” e “Ética e Vergonha na Cara!”.

O consultor em Desenvolvimento Humano e Organizacional, Eugênio Mussak, vai falar sore “os desafios dos seres humanos perante as adaptações”. Ele também é médico e escritor de livros como “Metacompetência – uma nova visão do trabalho”.

“A quarta revolução industrial” será o tema da palestra de Adriana Kersting, diretora de Recursos Humanos da SAP  Labs na América Latina. O termo é usado para marcar a transformação causada pela convergência das tecnologias digitais, físicas e biológicas.

 

Editado por Maximilian Santos.
Crédito da foto: Daniel Zimmermann.

 

 

 

Jorge Costa Oliveira

Ministro português busca aproximação comercial em Curitiba

22 março, 2017 às 17:28  |  por Maximilian Santos

O WTC Curitiba promove nesta segunda-feira (27) na Fiep (Jardim Botânico) o evento “Internacionalização como saída? – O acordo Portugal 2020 como porta de entrada na Europa”, com a presença do secretário de Estado da Internacionalização de Portugal, Jorge Costa Oliveira.

O objetivo é estreitar as relações comerciais entre empresários paranaenses e o mercado lusitano, a partir do acordo Portugal 2020 – que a União Europeia promove desde 2014 para estimular o desenvolvimento econômico, social e sustentável do país ibérico num prazo de seis anos.

Com apresentações do administrador Luis Castro Henriques, do Aicep Portugal Global, de Gonçalo Almeida, sócio da AD Sociedade de Advogados, e de Carla Maia, CEO da GO Engenharias, o evento abordará incentivos em inovação produtiva, Golden Visa e M&A.

A iniciativa marca o início da nova gestão do WTC Curitiba e WTC Joinville, presididos pelo empreendedor Josias Cordeiro da Silva em sociedade com os executivos Vanderlei Palhano, Rui Francisco de Paula, Gilmer Solis e Sandro Vieira. Fundada nos Estados Unidos pela família Rockefeller nos anos 1960, a sigla WTC (World Trade Center) é mundialmente conhecida como sinônimo de solidez e fomento de grandes negócios, contando com uma rede de 330 escritórios em 110 países.

 

Editado por Maximilian Santos.
Crédito da foto: Divulgação.

 

 

Roberto e Simone Bavaresco inauguram a nova unidade da Rede Bavaresco Praias (Créd. Nakamura)

Rede de Supermercados Bavaresco inaugura nova loja, agora em Praia de Leste, em Pontal do Paraná

21 dezembro, 2016 às 12:53  |  por Maximilian Santos

Mostrando mais uma vez sua força e o compromisso de levar o que existe de melhor e com preço acessível para o litoral paranaense, a Rede de Supermercados Bavaresco atinge mais um de seus objetivos de expansão e inaugurou nesta segunda-feira (19/12), no município de Pontal do Paraná, em Praia de Leste, a sua sétima loja. Com a presença de autoridades locais, imprensa, fornecedores, clientes e convidados especiais, a cerimônia contou com o tradicional corte da faixa inaugural, movimentado coquetel e grande show pirotécnico de fogos.

O empreendimento, gerido pelos empresários Roberto e Simone Bavaresco, teve início em maio de 2016 e irá gerar mais de 160 empregos diretos, com um projeto em uma área de 11 mil metros quadrados, sendo cinco mil e 200 m² de área construída,  com uma unidade ampla, moderna e que proporciona aos clientes, moradores da região e veranistas, conforto e um variado mix de produtos.

A nova unidade do Bavaresco conta com 18 caixas, extensa área de circulação, gôndolas modernas, atuais balcões de congelados e refrigerados (das mais novas tecnologias), uma das melhores marcas de carrinhos de compras, panificadora e confeitaria (com variados tipos de panificações e pâtisserie), açougue completo com cortes nacionais e internacionais, hortifrúti com produtos selecionados, adega moderna e completa, fiambreria, empório, entre outros setores.

Para o presidente da Rede de Supermercados Bavaresco, Roberto Bavaresco, é na crise e no momento apreensível que se encontram as oportunidades. “Acreditamos na recuperação do Brasil, pois já passamos por várias crises e as empresas que investiram, se reinventaram e apostaram, com pesquisa e consciência, sempre cresceram e se fortaleceram. Poder contribuir para o desenvolvimento do município de Pontal do Paraná, com uma loja moderna, gerando emprego, com as últimas tendências no mercado supermercadista, como uma opção que proporciona bom atendimento e economia para os consumidores, é mais que uma honra, é nossa missão”, explica.

Já para o prefeito eleito de Pontal do Paraná, Marcos Fioravante, a nova loja é um presente para a cidade de Pontal do Paraná, que comemora, neste dia  20 de dezembro, aniversário de emancipação. “Agradeço aos empresários Roberto e Simone Bavaresco por investirem em nossa cidade. Esse é um presentão para todos nós pontalenses. Temos a absoluta certeza que essa obra irá trazer mais desenvolvimento, um serviço de qualidade para nossa população e para os veranista, ajudando também no turismo. Só os mais de 160 empregos diretos são motivos de muita comemoração por nós”, comenta.

A loja em Praia de Leste conta com sistema de ar condicionado, estacionamento com capacidade para 110 vagas de carro, bicicletário e modernas instalações.


Sustentabilidade – A nova unidade da Rede de Supermercados Bavaresco procurou minimizar qualquer tipo de impacto ambiental na região, por meio de análises e planejamentos com profissionais capacitados. Foram encontradas as melhores soluções para a manutenção do local, com a utilização de lâmpadas de LED com baixo consumo, climatização com economia de energia, além do uso de gás glicol, que não é poluente ao meio ambiente.


Panificadora e Confeitaria Diretamente dos fornos e dos modernos utensílios do Bavaresco Praias, além dos variados tipos de pães, serão produzidos doces e salgados, a fim de agradar os vastos paladares de clientes. Na padaria, serão produzidos baguetes, broas, pão francês, pão d’água, pão de batata, pão de leite, caseiro entre outros. Entre os salgados, coxinhas, croquetes, risoles, croissants, empadões, fazem parte das variedades no setor. Já na confeitaria, produzidos pelos experientes colaboradores contratados, doces, tortas, bolos serão feitos com os melhores produtos do mercado.

Açougue e empório de carnes – Esse é um dos setores de grande destaque da Rede Bavaresco, já que o presidente, Roberto Baresco, é um dos mais premiados produtores de Nelore. Seu grande conhecimento em cortes pode ser conferido no cuidado e na higienização com que cada carne chega às unidades da marca. A apuração na escolha de fornecedores é um dos pontos marcantes. Na loja de Praia de Leste os clientes poderão encontrar peças e mais de 30 cortes. Opções assadas também estarão disponíveis.

Hortifruti – A Rede de Supermercados Bavaresco se preocupa com a escolha dos fornecedores de frutas, verduras, legumes e temperos naturais. Com rigoroso critério, os produtos chegam direto dos produtores para as prateleiras do setor, com a mais alta qualidade e totalmente frescas. Uma grande gôndola com produtos orgânicos também estará disponível para os clientes.
O Bavaresco Praias também conta com mercearia, bazar, rotisseria, pet, setor de área de limpeza, higiene pessoal entre outras. A loja fica localizada na Rodovia PR-407 – Eng. Argus Thá Eyn – Praia de Leste, em Pontal do Paraná. O horário de atendimento será de segunda a sábado, das 7h às 23h, e aos domingos e feriados das 7h às 22h.

 

Editado por Maximilian Santos.
Crédito da foto: Nakamura.

 

 

Lucas Coregon

CORECONPR reúne economistas para falar sobre os rumos da economia em 2017

2 dezembro, 2016 às 17:05  |  por Maximilian Santos

O Conselho Regional de Economia do Paraná convida a imprensa, economistas, acadêmicos, empresários e a população em geral para acompanharem no dia 07 de dezembro, quarta-feira, às 19h30, a análise dos especialistas econômicos da ACP, FIEP, DIEESE, FECOMÉRCIO e OCEPAR, sobre os “Rumos da Economia em 2017”. O debate tem como objetivo avaliar o desempenho da economia em 2016 e as perspectivas para o próximo ano nos setores do comércio, indústria, agricultura, pecuária e emprego, além de apresentar uma análise geral do mercado sobre a economia paranaense, a economia nacional e internacional. O evento será na sede da Associação Comercial do Paraná (ACP), Rua XV de Novembro, 621 – Centro, Curitiba – PR.

O economista Lucas Dezordi (CORECONPR/UP) será o mediador de debate e também irá falar sobre as perspectivas da Economia Brasileira e Internacional. O Dieese será representado pelo economista Sandro Silva, que vai apresentar um balanço sobre a geração de empregos e salários em 2016, assim como o cenário para o próximo ano. Roberto Zurcher é o economista que mostrará os dados da FIEP na questão do desempenho da indústria. O economista Cláudio Shimoyama falará pela Associação Comercial do Paraná, revelando dados sobre a inadimplência e estatísticas do comércio. O agronegócio ficará a cargo do representante da OCEPAR/SESCOOP, o economista Emerson Barcik, que irá demonstrar os resultados do setor neste ano e as projeções da safra de 2017. O economista da FECOMÉRCIO, Vamberto Santana, mostrará o desempenho do comércio neste ano e as projeções para o novo ano.

 

 

Editado por Maximilian Santos
Crédito da foto: Divulgação.

 

 

 

Foto Ministro_k

Lide Paraná promove almoço-debate com o Ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior – Marcos Pereira

24 outubro, 2016 às 14:48  |  por Maximilian Santos

Na próxima quarta-feira (26), das 11h30 às 14h30, no Castelo do Batel, o LIDE Paraná realiza mais um almoço-debate, agora, com a presença do Ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Marcos Pereira. Com o tema “Atuação do MDIC no fomento às exportações e na implementação de políticas industriais” o encontro terá como objetivo debater o tema na atual situação do País.

O ministro, de 44 anos, é advogado internacional, especialista em Direito e Processo Penal, professor universitário, autor jurídico e presidente nacional do Partido Republicano Brasileiro (PRB). Foi escolhido Ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior no governo de Michel Temer, em maio deste ano.

Nascido em Linhares, no interior do Espírito Santo, Marcos Pereira já foi diretor administrativo e financeiro da Rede Record do Rio de Janeiro, em 1995; assumiu a direção da Rede Mulher de Televisão, em 1999; e quatro anos depois se tornou o vice-presidente da Rede Record. Em 2003 foi sócio da LM Consultoria e após dez anos fundou a empresa, hoje denominada, Marcos Pereira e Oliveira Sociedade de Advogados, escritório com mais de 20 profissionais que atende diversos clientes. No âmbito jurídico, foi membro da Comissão Especial de Direito Empresarial do Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB).

O almoço-debate realizado pelo LIDE Paraná conta com o patrocínio da Renault do Brasil e da Empresa de Segurança e Terceirização de Serviços – INTERSEPT.


LIDE - 
Idealizado e presidido pelo empresário João Dória Jr. o LIDE conta, atualmente, com mais de 1.700 empresas filiadas que, juntas, representam mais de 53% do PIB privado brasileiro. Tem matriz em São Paulo e unidades em diferentes estados brasileiros, além do Paraná. O Grupo também está presente internacionalmente, em quatro continentes, nos seguintes países: Alemanha, Angola, Argentina, Chile, China, Estados Unidos, Itália, Marrocos, Moçambique, Portugal, Uruguai e Oriente Médio.

 

Crédito da foto: Divulgação/Mcomm
Editado por Maximilian Santos