Arquivos da categoria: Parlatório S/A

PARLATÓRIO – Dólar cai mais ou não?

8 junho, 2016 às 13:46  |  por Maximilian Santos

“Acreditamos que não há muito espaço para o dólar cair mais, pois o Banco Central já sinalizou que nesse patamar começa a reduzir o estoque de swaps cambiais, o que deve dar sustentação à moeda. Além, disso, nossa situação externa melhorou por causa da desvalorização e da recessão. Num cenário de retomada da economia pós-impeachment as importações vão subir, reduzindo nossa conta corrente.”

marcelo-giufrida-anbima-sao-paulo-20110420-original

Marcelo Giufrida, economista e ex-presidente da Anbima (Associação das Entidades do Mercado de Capitais)

 

PARLATÓRIO – Os melhores líderes

6 junho, 2016 às 13:51  |  por Maximilian Santos

“Os melhores líderes não precisam de respostas instantâneas para tudo para poder inspirar. Eles pedem opiniões e reconhecem que o mundo é muitas vezes complexo e ambíguo. Os gerentes mais eficientes do Google, por exemplo, foram também os que admitiam que não tinham todas as respostas em uma pesquisa feita pela empresa.”

Skärmavbild-2013-02-05-kl.-12.45.44

Carl Honoré, autor do livro “Solução Gradual”.

 

PARLATÓRIO – Requião e os jornalistas

7 abril, 2016 às 12:52  |  por Maximilian Santos

“Fui tomado de surpresa quando o senador pegou o gravador de minha mão. Eu estava tentando desligar, imagine eu. Ele disse que queria apagar a entrevista e saiu do plenário em direção ao gabinete dele dizendo que estava louco para bater num moleque. Ele não respondeu a mim. Eu pedia para ele devolver o gravador e ele não respondia a mim. Eu achei prudente não entrar no gabinete com ele”.

 

Jornalista Victor Boyadjian, na Band em 2011, quando teve seu gravador tomado pelo senador Roberto Requião (PMDB-PR), ao fazer uma pergunta sobre aposentadoria. Lembrando que hoje, o senador Roberto Requião, apesar de suas atitudes de censuras, em sua polêmica carreira política, diz que luta pela lei que amplia o direito de resposta.

PARLATÓRIO – Delfim Netto sobre o governo Dilma e a crise

28 março, 2016 às 10:30  |  por Maximilian Santos

“É difícil dizer que acabou, porque isso depende do resultado de impeachment. Acredito que a situação tem piorado muito. Em condições normais de pressão e temperatura, a nomeação do Lula teria ajudado muito o governo. Ele é habilidoso, é negociador, tem controle sobre todo o PT – o principal adversário da Dilma desde a nomeação do Joaquim Levy, ministro da Fazenda em 2015, foi o PT. O programa do PT é contrário ao programa do Levy, do Nelson Barbosa, atual ministro da Fazenda e, na minha opinião, é absolutamente impróprio para o momento em que estamos vivendo. Essa foi uma das maiores dificuldades dela, que também teve uma enorme inabilidade no tratamento com o PMDB. Ela conseguiu afastar o PMDB, tentou dividi-lo. Ou seja, o governo nunca entendeu que só uma ação muito forte no Congresso conseguiu mudar o sistema e as perspectivas de futuro.”

 

Delfim Netto, economista, que diz ter sido “grande amigo” do governo Lula e, até o fim de 2012, da gestão de Dilma, em entrevista para a Folha de São Paulo.

PARLATÓRIO – Ainda sobre Moro na Fortune

25 março, 2016 às 17:33  |  por Maximilian Santos

“A presidente Dilma Rousseff está sob risco de impeachment e a reputação do ex-presidente Lula está rasgada. E mais importante: a coexistência passiva com a longa endemia da corrupção na América Latina está se tornando um hábito do passado”.

 
líbio Moisés Naím, jornalista e escritor, colunista do jornal espanhol “El País” e especialista em América Latina.

PARLATÓRIO – E as discussões para soluções da crise econômica?

23 março, 2016 às 14:54  |  por Maximilian Santos

“O momento existe para que sejamos realistas e pragmáticos, enfrentando os problemas mais imediatos. É o que estamos procurando fazer. Temos de discutir os problemas políticos, ao mesmo tempo em que devemos discutir os econômicos.”


Nelson Barbosa, ministro da Fazenda, durante o Fórum Brasil da Carta Capital, com o tema Como retomar o crescimento.

PARLATÓRIO – A crise política por Beto Richa

21 março, 2016 às 15:11  |  por Maximilian Santos

“É tempo de passar o Brasil a limpo. Todas as punições e esta profunda e rigorosa investigação comandada pelo juiz Sergio Moro têm que servir de exemplo para outros políticos e gestores públicos de todas as partes do Brasil”


Governador Beto Richa, em conversa com a imprensa no Palácio Iguaçu.
Lembrando que a Procuradoria Geral da República (PGR) investiga o governador.

PARLATÓRIO – Lula na Casa Civil

16 março, 2016 às 14:46  |  por Maximilian Santos

“É ato discricionário, isto é, depende das razões de conveniência e oportunidade da autoridade pública e não tem previsão legal para tal vedação. O que pode ocorrer é o processo contra o Lula permanecer com o Sérgio Moro. O precedente do mensalão abre esta possibilidade. Não me recordo com qual político foi, mas houve uma manobra para tentar tirar o foro privilegiado dele antes do julgamento do STF. A manobra foi rechaçada pela Corte Suprema, que classificou o ato como uma tentativa espúria de criar uma “ciranda de processos”, o que afrontaria o poder judiciário.”

 

Eduardo Vital Chaves, sócio e responsável pela área de Contencioso Cível Empresarial, Administrativo e Regulatório do escritório Rayes & Fagundes Advogados Associados

PARLATÓRIO – Se Lula assumir um Ministério

15 março, 2016 às 13:15  |  por Maximilian Santos

“Quando se pretende assumir uma função com finalidade diversa daquela que autoriza a prática do ato, o procedimento torna-se passível de controle judicial”.

Egon Bockmann Moreira, professor de direito constitucional da Universidade Federal do Paraná (UFPR).

PARLATÓRIO – Comparação entre a corrupção brasileira e a italiana

14 março, 2016 às 14:10  |  por Maximilian Santos

“O político corrupto, por exemplo, tem vantagens competitivas no mercado político em relação ao honesto, por poder contar com recursos que este não tem. O corrupto costuma enxergar o seu comportamento como um padrão e não a exceção. A corrupção envolve quem paga e quem recebe. Se eles se calarem não vamos descobrir jamais. A corrupção política italiana assemelha-se bastante à brasileira na amplitude, na naturalidade com que era praticada e até mesmo na aura protetora e fatalista que parecia torná-la”

Juiz Sérgio Moro no encontro realizado pelo grupo de empresários Lide Paraná, em palestra na última semana.