Arquivos da categoria: Recursos Humanos

IMG_5942

Paranaguá ganha ampla unidade da Unicesumar, com mais de 120 cursos de graduação e pós-graduação

1 novembro, 2017 às 20:34  |  por Maximilian Santos

Com a presença de autoridades e formadores de opinião de Paranaguá e região, a unidade da Unicesumar na cidade litorânea foi inaugurada na noite da última segunda-feira (30). Participaram do corte da faixa inaugural, a secretária de educação de Paranaguá, Vandecy Silva Dutra, o secretário de trabalho, comércio, indústria e assuntos sindicais, Brayan Roque, representando seu pai o prefeito Marcelo Roque.

Com localização em uma das principais avenidas da cidade, na Dr. Roque Vernalha, número 901, o espaço, que ganhou amplo investimento, conta com auditório que poderá também ser utilizado para palestras com parcerias locais, laboratório de informática, biblioteca e salas de aula modernas. “A Unicesumar em Paranaguá vai atender inicialmente três mil alunos. Também teremos condições especiais para as transferências de outras instituições, com análise de carga horária em tempo recorde e garantia de, ao menos, 90% da carga feita em outra universidade, além de 20% de desconto em todo o curso superior”, afirma Adriano Albano, diretor geral da Unicesumar em Paranaguá.

A instituição, que está entre as 10 maiores do País, com a melhor qualidade segundo o MEC, disponibilizará cursos de graduação para toda a população do litoral paranaense como Ciências Econômicas, Design de Moda, Design de Interiores, Design de Produto, Educação Física (bacharelado e licenciatura), Engenharia de Produção, Engenharia de Software, Gastronomia, Gestão Ambiental, Gestão de Cooperativas, Negócios Imobiliários entre outros. Já na categoria pós-graduação e MBA, são mais de 80 opções nas mais diversas áreas.

A Unicesumar conta com 19 cursos reconhecidos como os melhores ofertados no guia do estudante, com média 4,0 em uma escala de 1,0 a 5,0 no IGC – índice geral de cursos.

“Levamos a educação a sério. Nosso objetivo é poder trazer cursos de qualidade que não estão disponíveis no litoral paranaense, junto de outros que já estão com o objetivo de ajudarmos no desenvolvimento da região e no conhecimento de toda a sociedade local. Estamos muito felizes em inaugurar mais essa unidade. Fomos muito bem recebidos e já contamos com várias inscrições para o nosso vestibular”, finaliza Adriano Albano.

Confira todos os cursos disponíveis na unidade da Unicesumar em Paranaguá em HTTPS://cursos.ead.cesumar.br

Postado por Maximilian Santos.
Crédito da foto: IMG Foto & Vídeo

 

 

 

4 coisas para aprender com o modelo Disney de gestão

16 agosto, 2017 às 13:49  |  por Rafaela Salomon

“Eu gosto do impossível porque lá não existe concorrência.” A clássica frase de Walt Disney diz um pouco sobre o modelo de gestão que a empresa desenvolveu e perpetuou. Para buscar o “impossível”, o visionário empresário americano criou processos internos que têm um único foco: valorizar a experiência do cliente. E se sua empresa não é do ramo do entretenimento? Há o que aprender com a Disney? Especialista em educação corporativa e treinamentos vivenciais, a consultoria Sunrise tem certeza que sim.

“Na Disney, tudo é feito para não só encantar o público, mas fazê-lo voltar e propagar de forma positiva a experiência vivida. Todas as empresas, independentemente do setor, têm esse mesmo desafio, não é verdade?”, avalia a sócia da Sunrise, Andrea Medina. “Para chegar lá, a Disney criou um modelo de gestão que pode ser resumido em quatro pilares: cultura organizacional, pessoas, atendimento e lideranças, que estão todos intimamente conectados”, complementa a outra sócia da consultoria, Silvia Vidovix.

Para as duas especialistas, quatro pontos críticos relacionados aos pilares no modelo de gestão da Disney ajudam a explicar o sucesso da empresa, que, mais do que clientes, tem verdadeiros advogados da marca.

  • Funcionários muito bem treinados: preparados para dar 100% de atenção aos clientes, os funcionários formam, como em um show, um “elenco”. Sabem distinguir o trabalho no palco e nos bastidores, com consciência de que o trabalho em equipe é o caminho mais curto para entregar o resultado.
  • Atenção de todos aos pequenos detalhes: para a Disney, cada micro detalhe faz diferença para a experiência do cliente. O segredo aqui é se colocar no lugar do público para entender seus anseios e compor cada elemento do negócio.
  • Líderes engajados: são preparados para conduzir bem suas equipes. Como bons contadores de histórias, sabem apoiar e dar o direcionamento correto a todos os subordinados, administrando mudanças com confiança e respeito.
  • Processos eficientes de comunicação com o cliente: para que o encantamento da experiência do cliente ocorra de maneira orgânica, a análise das ações e seus resultados ocorrem permanentemente. Corrigir falhas e aprimorar os acertos são mantras internos, que permitem a empresa sempre recomeçar com eficiência.

    Sobre a Sunrise: especializada em educação corporativa e treinamentos vivenciais, a Sunrise tem 15 anos de experiência no mercado e grandes marcas em seu portfólio de clientes, como Oracle, L’Oréal, Nestlé, Accor, Carrefour, Claro e Volkswagen, entre outros. Com suas capacitações, possibilita às empresas driblar os desafios do mundo corporativo, transformando pessoas, melhorando desempenhos e maximizando o que sua equipe tem de melhor.

- Postado Rafa Salomon

IBGC - Carlos Peres - Capítulo Paraná

Palestrantes vão compartilhar, em Curitiba, experiências sobre os desafios da gestão familiar

24 maio, 2017 às 18:26  |  por Maximilian Santos

O Instituto Brasileiro de Governança Corporativa (IBGC) irá promover, nesta quinta-feira (25), a palestra Governança da Família Empresária. Destinado a acionistas e conselheiros de empresas familiares, o evento tem como objetivo levar ao público orientações para os desafios que impactam no desempenho das empresas de controle familiar, além de fortalecer a unidade e a integração da família para com a empresa, visando construir um projeto de gestão com foco no longo prazo.

Entre os palestrantes, estão a executive coach e membro da Comissão de Empresas de Controle Familiar do IBGC, Cris Bianchi, e a diretora de Novos Negócios da Thermomix do Brasil e diretora do departamento de agronegócios da FIESP, Nuria Pont. A mediação será de Sandra Papaiz, sócia da Papaiz Empreendimentos Imobiliários. Juntas, elas discutirão o tema e compartilharão suas experiências com o público.

O coordenador geral do IBGC para o Capítulo Paraná, Carlos Peres (foto), ressalta a importância e a atualidade do tema. “A palestra levará ao público discussões sobre assuntos que interferem diretamente no dia a dia das empresas, além de promover a boa relação entre os membros da família e a longevidade dos seus negócios.”

O evento terá início a partir das 18h, no Curitiba Trade Center Office Building (Alameda Dr. Carlos de Carvalho, 417 – Centro). As inscrições são gratuitas, com vagas limitadas. Mais informações pelo telefone (11) 3185-4200.

 

Editado por Maximilian Santos.
Crédito da foto: Divulgação.

 

 

 

Adriana mulher

Operação Lava Jato contribuiu para que as organizações repensassem os seus modelos de negócio

24 maio, 2017 às 13:02  |  por Maximilian Santos

O Brasil continua em destaque mundial por causa de seus escândalos políticos envolvendo companhias nacionais e internacionais. A Operação Lava Jato é um exemplo clássico de como uma grande estatal passou de maior empresa do país em patrimônio à agente principal de um esquema de lavagem de dinheiro – o mais comentado dos últimos tempos.

Apesar de ser um case de insucesso em gestão, a Operação Lava Jato contribuiu para que as organizações repensassem os seus modelos de negócio, com foco nos serviços de suporte à gestão transparente e eficiente. Além das organizações de capital aberto, destacam-se neste processo as Pequenas e Médias Empresas, que sentiram a necessidade de participar desse movimento junto com as grandes corporações a fim de manter o controle periódico de suas atividades.

“O cenário muda quando se trata de Governança Corporativa no universo das PME’s, pois podemos analisar duas categorias dentro dessa dimensão: as empresas com maturidade organizacional e as que nasceram pequenas, mas continuam imaturas mesmo tendo crescido em termos de mercado. Neste segundo caso, por vezes estas empresas são provenientes de ecossistema de startups”, revela Adriana Almeida (foto), sócia-gerente da De Biasi. “Dependendo da análise de cada estrutura, o desenho de implantação do sistema de gestão terá as suas particularidades e um tempo muito maior para que a empresa entenda e aplique uma nova cultura em seu meio”.

A executiva acrescenta que o papel da consultoria é apoiar as organizações no que tange à conformidade com as leis vigentes e melhores práticas de mercado e que em tempos de Lava Jato pôde-se sentir um aumento na demanda por serviços que envolvem a implantação e melhoria de procedimentos e processos e conformidade fiscal. “Contudo, a demanda ainda é incipiente e contrasta com o alto potencial de mercado que essas pequenas organizações possuem – com forte participação na atividade econômica brasileira”, salienta.

Preceitos da Governança Corporativa – O desdobramento da Operação Lava Jato é parte de uma estratégia de Governança Corporativa malsucedida e se reflete em todos os âmbitos empresariais, inclusive na geração de valor de uma empresa. Adriana destaca que os preceitos básicos que tornam uma corporação transparente no mercado é a objetividade, honestidade, competência e bom comportamento profissional, sendo a transparência a principal base da Governança. “Pode parecer clichê, mas o que podemos extrair do cenário atual é que nem sempre a aparência da empresa está alinhada ao que ela realmente comunica no mercado”.

Neste cenário, o compliance se torna um dos grandes agentes responsável pela mudança de pensamento e cultura. “O nosso desafio na De Biasi é contribuir com as empresas na identificação e mapeamento de riscos, acompanhar o relacionamento com os reguladores governamentais e novas medidas da legislação tributária brasileira”, finaliza a executiva.

Confira as principais vantagens da Governança Corporativa:

Transparência - A falta de conhecimento ou incongruências na comunicação/administração da empresa pode afetar a saúde dos seus negócios. A transparência é a base da Governança Corporativa.

Capital Humano – Com os processos definidos, a empresa passa a ter uma melhor estrutura de capital humano em que são levados em consideração a atratividade, retenção e sucessão de talentos. Essas práticas ajudam a tornar a empresa mais competitiva, pois seus colaboradores, gestores, gerentes, proprietários, fornecedores e clientes se tornam os porta-vozes/embaixadores da empresa.

Prestação de Contas – Possui forte vínculo com ações de compliance, na qual as empresas assumem integralmente as consequências de seus atos e omissões. A Prestação de Contas garante lisura interno-externa, sendo que o papel das auditorias externas é o de acompanhar periodicamente este processo para que não haja erros.

Compliance – Esta área desempenha um papel importante na saúde dos negócios, garante o cumprimento das leis vigentes, promove a segurança dos dados e zela pela integridade da empresa. Gerencia o relacionamento com os reguladores governamentais e acompanha novas medidas legislativas.

Definição Sucessória – De quem é a palavra final? Neste tópico identificamos a importância de se ter um plano definido de sucessão. Com a Governança Corporativa, é possível estabelecer uma hierarquia empresarial em que os colaboradores saibam claramente para quem responder. Além disso, é importante que a empresa esteja precavida de possíveis acontecimentos em que haja a necessidade de sucessão instantânea de seu corpo diretivo.

 

 

Editado por Maximilian Santos.
Crédito da foto: Divulgação.

 

 

 

 

Mario

Saber gerir as emoções é um diferencial dos líderes de sucesso

22 maio, 2017 às 16:28  |  por Maximilian Santos

A instabilidade emocional faz parte de vários ambientes em que estamos inseridos, como trabalho, família, reuniões e carreira. Constantemente, somos levados ao estresse por fatores como pressão, insegurança, falta de reconhecimento e fracasso. “A gestão emocional nos tira desse frame, impulsionado por fatores externos, e nos faz perceber que temos a capacidade de administrar nossa reação a eles. Com ferramentas específicas, conseguimos trabalhar nosso autocontrole, saindo de estados emocionais pobres de recursos para estados mais ricos e conscientes.” A afirmação é de Mário Echeverria (foto), trainer do Instituto Eneagrama, principal empresa no Brasil de gestão emocional e desenvolvimento humano, palestrante da segunda edição do Intensive Leadership Academy (ILA), que acontece nos dias 9 e 10 de junho, em Curitiba. O seminário é organizado e ministrado por executivos da Dale Carnegie Training, referência mundial em desenvolvimento de competências e habilidades profissionais. Echeverria será o responsável pela palestra bônus para quem comprar os ingressos nas categorias Vip e Diamond.

A inteligência emocional está intimamente ligada ao sucesso de líderes com resultados acima da média. Uma pesquisa realizada pela Gallup, em 63 países, durante 25 anos, com cerca de 300 mil gestores que demonstraram ter uma produtividade constante acima da média, evidenciou que estes gestores de sucesso criam oportunidades para si e para os outros fazerem aquilo que eles sabem fazer de melhor, ou seja, eles entendem e respeitam a diversidade, o poder dos talentos naturais e não tentam mudar as pessoas, mas sim, permitem com que elas se empoderem utilizando o que há de melhor dentro delas.

Segundo Echeverria, a gestão emocional expande a capacidade do profissional de maximizar o seu desempenho, pois a partir do autoconhecimento, que é um dos cinco pilares da gestão emocional, ele pode decidir investir mais tempo e energia desenvolvendo seus potenciais naturais. “Ela contribui com o aumento de autocontrole na liderança, habilidade determinante em situações onde a ansiedade pode impactar diretamente em decisões relevantes para o sucesso ou não da empresa.

No trabalho em equipe, ela dá maior empatia, ou seja, permite compreender como as pessoas a volta enxergam a realidade, e isso permite que o líder possa entender como pode contribuir e somar”, destaca.

Na avaliação de Echeverria, a inteligência emocional desempenha um papel preponderante nos executivos de nível mais alto da empresa, nos quais diferenças em habilidades técnicas são menos significativas. “Quanto maior a responsabilidade e o cargo na organização, maior a necessidade de se ter uma excelente inteligência emocional”, diz.

Dale Carnegie Training – Por 104 anos, a Dale Carnegie Training, por meio de seus programas de treinamento pessoal e profissional vem orientando seus participantes a construir objetivos claros de forma planejada, organizada, com estratégias eficazes, desenvolvendo seus talentos, atitudes, valores, habilidades práticas de comunicação, gestão, liderança, relações humanas, engajamento, vendas, negociação, controle de estresse e apresentações de alto impacto.

Mais informações sobre o Intensive Leadership Academy, programação completa e inscrições no site www.ilabr.com.br

 
Editado por Maximilian Santos.
Crédito da foto: Divulgação.

 

 

 

Guilherme2-01

Liderança é a chave para desenvolvimento de equipes e crescimento dos negócios

16 maio, 2017 às 16:32  |  por Maximilian Santos

Liderança é o poder de ativar ação nas pessoas, de obter resultados por meio delas, de fazê-las adotar a visão do líder, mas sem precisar usar de coação ou corrupção. “O líder investe seu tempo em construir pessoas. Ele sabe quais são as reais prioridades, obtém a confiança da equipe, a administra solidamente e a mantém motivada. Ser chefe é fácil. Ser líder é para quem consegue assumir o papel e a responsabilidade de ser exemplo e guia”. A afirmação é de Guilherme Amaral (foto), Carnegie Master e diretor em Minas Gerais e Paraná noroeste, palestrante da segunda edição do Intensive Leadership Academy (ILA), que acontece nos dias 9 e 10 de junho, em Curitiba. O seminário é organizado e ministrado por executivos da Dale Carnegie Training, referência mundial em desenvolvimento de competências e habilidades profissionais.

Na avaliação de Amaral, os resultados de uma equipe podem ser atribuídos ao tipo de liderança que ela recebe. “Quando uma liderança forte reage, ela impacta emocionalmente as pessoas do projeto, e isso é como trocar uma música ruim por uma outra maravilhosa em uma festa. Todos seguem o novo ritmo. Temos visto exemplos, como o da Ford, que contratou o executivo da Boeing Alan Mulally como CEO e recuperou-se de sua pior crise sem ajuda governamental. As pessoas respondem a uma liderança positiva e poderosa”, destaca.

Os líderes são aqueles que continuam a enxergar o melhor caminho para o grupo. Eles conseguem ver as necessidades emocionais, forças e limitações de seus liderados, as oportunidades e desafios do caminho, e integram em tempo real todas essas informações, com o critério de construir prosperidade para todos enquanto obtém os resultados que sua organização precisa. “Algumas características são fundamentais em bom líderes, como focar na fonte dos problemas e enxergar as pessoas como solução. Além disso, ele comunica assertivamente e mostra seu engajamento 100% do tempo. Ele se importa, quer saber o que acontece com as pessoas, além de saber dos números”, observa Amaral.

Dale Carnegie Training – Por 104 anos, a Dale Carnegie Training, por meio de seus programas de treinamento pessoal e profissional vem orientando seus participantes a construir objetivos claros de forma planejada, organizada, com estratégias eficazes, desenvolvendo seus talentos, atitudes, valores, habilidades práticas de comunicação, gestão, liderança, relações humanas, engajamento, vendas, negociação, controle de estresse e apresentações de alto impacto.

Segundo Amaral, a Dale Carnegie é a única organização que genuinamente fornece processos de treinamento transformadores. “Levamos nossos participantes a mudarem emocionalmente, mentalmente e em seus comportamentos e habilidades. Nosso limite é o interesse de nossos clientes em desenvolverem-se. Somos a única empresa de treinamentos que comprova o retorno sobre o investimento em pessoas”, diz.

 

Editado por Maximilian Santos.
Crédito: Divulgação.

 

 

palestra_clovis_barros_cdl_danielzimmermann_8802

Clóvis de Barros Filho estará hoje em Curitiba para Fórum de Pessoas da Amcham

18 abril, 2017 às 14:25  |  por Maximilian Santos

Clóvis de Barros Filho estará hoje (18/04) em Curitiba , para participar do Fórum de Pessoas, evento promovido pela Câmara Americana de Comércio (Amcham-Curitiba), com o objetivo de promover uma reflexão sobre as tendências e transformações do mercado. Clóvis de Barros Filho será um dos palestrantes do Fórum de Pessoas, que tem o objetivo de promover uma reflexão sobre as transformações da sociedade e as tendências do mercado. Eugênio Mussak e Adriana Kersting também são convidados do evento.

Clóvis de Barros Filho irá abordar o tema “Mudança: um convite à realidade” será. Ele é professor livre-docente da Universidade de São Paulo (USP), palestrante há dez anos no mundo corporativo, consultor e autor de publicações como “Felicidade ou Morte” e “Ética e Vergonha na Cara!”.

O consultor em Desenvolvimento Humano e Organizacional, Eugênio Mussak, vai falar sore “os desafios dos seres humanos perante as adaptações”. Ele também é médico e escritor de livros como “Metacompetência – uma nova visão do trabalho”.

“A quarta revolução industrial” será o tema da palestra de Adriana Kersting, diretora de Recursos Humanos da SAP  Labs na América Latina. O termo é usado para marcar a transformação causada pela convergência das tecnologias digitais, físicas e biológicas.

 

Editado por Maximilian Santos.
Crédito da foto: Daniel Zimmermann.

 

 

 

ThiagoGuerrer (8)_BX

Thiago Guerrer traz nova estratégia para área comercial varejo da Midea Carrier

6 março, 2017 às 12:31  |  por Rafaela Salomon

Primeiro funcionário contratado pela Midea no Brasil, Thiago Guerrer chegou à empresa em 2007 para assumir a gerência de vendas de VRF (Fluxo de Refrigerante Variável, em português), solução para climatização comercial. Dois anos depois, tornou-se o responsável pela inserção da marca chinesa no país com a função de gerente nacional de vendas. Após o anúncio da criação da joint-venture entre a Carrier e a Midea, que deu origem à Midea Carrier ABC JV, passou a se dedicar ao canal varejo da empresa, já como diretor comercial responsável pela região Nordeste e grandes contas de São Paulo.

Agora, como diretor comercial e de marketing, Thiago Guerrer, ao lado de Marcos Torrado, diretor do canal Building Systems and Service e Especializado, vai responder diretamente a Felipe Costa, CEO Brasil da Midea Carrier. O executivo tem como missão aumentar a participação da Midea no segmento de eletrodomésticos no país.

Desde 2016, o portfólio de eletrodomésticos da Midea no Brasil aumentou, ganhando novas linhas de produtos, como duas linhas de completas de cozinha, a Midea Liva e a Midea Desea, adegas, além de panela de pressão elétrica, fritadeira sem óleo e panela de arroz elétrica. A empresa também promoveu uma reestruturação dos produtos destinados à climatização residencial que passaram a ser comercializados com a submarca Springer Midea.

Como primeira ação, Guerrer pretende adotar uma estratégia de horizontalização da área comercial, ou seja, terá foco regional e vai expandir e reforçar a presença dos produtos Midea em outros canais, como hipermercados, homecenters, lojas de materiais para construção, presenteiros e atacadistas. “Um dos desafios que temos hoje é consolidar a marca Midea no país como referência. E só vamos conseguir alcançar essa meta se estivermos presentes no maior número de pontos de venda possível”, explica Guerrer.

Com mais de 15 anos de experiência, executivo tem como perfil manter sua equipe em campo visitando pessoalmente as lojas e abrindo novas oportunidades no varejo. “Vamos acelerar a distribuição olhando estrategicamente para cada ponto de venda existente no país. Também pretendemos continuar entrando em novos segmentos e promover o crescimento sustentável do portfólio no país”, conta.

Com o amplo portfólio da Midea, e os próximos lançamentos de aspiradores de pó e lava e seca, Thiago acredita que a atuação da empresa no país esteja mais equilibrada, tanto no segmento de produtos para cozinha como soluções de climatização. “Inspirado no que a Midea é ao redor do mundo, meu sonho é tornar a empresa o terceiro player relevante de home appliance no Brasil. E tenho certeza que estamos construindo nossa história no país”, declara Thiago.

 

Sobre a Midea Carrier no Brasil

Em agosto de 2011, a Carrier, empresa fundada pelo inventor do ar-condicionado, Willis Carrier, e a Midea assinaram o contrato de joint venture para produção e distribuição de sistemas de climatização de ar e eletrodomésticos no Brasil, Argentina e Chile. O acordo marcou a criação da Midea Carrier ABC JV.

Com as duas plantas no Brasil, a empresa tem hoje o maior centro fabricante de ar-condicionado da América Latina, com capacidade instalada que ultrapassa um milhão de unidades ao ano. É detentora das marcas Midea, Carrier, Springer e Toshiba (para distribuição de ar-condicionado), oferecendo soluções completas para climatização residencial, comercial e de grandes obras e eletrodomésticos que facilitam e trazem novas experiências para o dia a dia.Recentemente, adotou a estratégia de união com a marca Springer para a linha de climatização residencial (ar-condicionado e climatizadores), tornando ‘Springer Midea’ a submarca da categoria.

Para garantir a perfeita distribuição de seus produtos, a Midea Carrier possui mais de 200 lojas especializadas “Casas Carrier” e “Totaline”, além de um grupo com cerca de 700 revendedores credenciados e a presença nas principais lojas de varejo e e-commerce do Brasil. A Carrier é co-fundadora e membro do GBC – Green BuildingConcil, ONG que visa fomentar a indústria de construção sustentávelno mundo.Conheça um pouco mais da empresa em www.mideacarrier.com.br

Gislene Isquierdo, master Coach e especialista em desenvolvimento humano.

27% dos executivos erram ao falar em público. Confira 5 passos para acabar com esses erros

1 março, 2017 às 15:38  |  por Maximilian Santos

Fazer apresentações ou discursos é uma experiência aterrorizante para a maioria das pessoas. Muitos as temem mais do que à morte, dizem as pesquisas. Mas será possível ter uma carreira de sucesso sem dominar esta arte? Apesar de algumas poucas exceções, a resposta é negativa. É uma das premissas de um executivo saber se comunicar bem. Apesar disso, pesquisa feita pela Universidade da Califórnia aponta que 27% dos executivos em cinco países erram muito em técnicas para falar em público. Segundo a psicóloga Gislene Isquierdo, master Coach e especialista em desenvolvimento humano, esse medo existe essencialmente porque as pessoas não querem ser rejeitadas. O medo de falar em público acaba afetando diversos pontos durante uma apresentação ou uma reunião. Por isso, a psicóloga lista os 5 maiores erros que as pessoas podem cometer, e conquistar o “efeito uau” para falar em público.

 

Erro 1: “deu branco”

Segundo Gislene Isquierdo, o principal erro que as pessoas cometem em uma apresentação é o famoso “branco”, quando se esquecem do conteúdo que iriam falar. “Isso gera pânico e insegurança na apresentação, e é um erro terrível”.

 

Erro 2: discurso engessado

O segundo erro, muito comum em alguns palestrantes, é quando a apresentação traz uma formalidade no vocabulário e no estilo que acaba tornando a fala em algo engessado e fechado para perguntas. “Se a sua audiência começa a fazer perguntas pertinentes ou quer outro tipo de informação, é importante ser mais flexível e responder o que eles pedem”, indica a especialista.

 

Erro 3: robozinho

Outro erro que Gislene aponta está relacionado aos gestos. “Algumas pessoas ensaiam gestos específicos e acabam parecendo robôs diante do público, porque esses gestos não são naturais ou espontâneos”, explica. A coach destaca que espontaneidade é peça chave para uma apresentação em público.

 

Erro 4: rigidez

Segundo a psicóloga, é importante não adotar uma postura rígida demais ao falar em público. “As pessoas muito nervosas com o conteúdo da apresentação acabam adotando uma postura tensa, e o público acaba espelhando o apresentador, ficando igualmente nervoso e pouco receptivo”, explica Gislene.

 

Erro 5: expressão apática

Por fim, a especialista destaca que pessoas nervosas ou preocupadas demais acabam não se expressando corretamente. “Essa expressão apática acaba afetando até mesmo que o apresentador olhe nos olhos da audiência”, explica, destacando como isso atrapalha a comunicação entre o público e o apresentador. “É importantíssimo olhar nos olhos das pessoas”, conclui.

 

Os 5 passos para acabar com os erros e falar em público

Para conseguir criar o que Gislene Isquierdo chama de “Efeito Uau”, é necessário seguir alguns passos essenciais. “Seguindo esses passos, será possível ser autêntico e estratégico ao mesmo tempo, e ainda agir diante do público com o carisma necessário para conquistar a plateia e obter resultados”, destaca.

 

Passo 1: Valorizar as forças

A primeira coisa a se fazer para falar bem em público é descobrir as próprias forças. “Se você é focado e direto, procure ser assim e ir direto ao ponto, mas se você é extrovertido, engraçado, ou possui muito conteúdo, tente colocar essa sua característica mais forte como ponto de destaque”, explica.

 

Passo 2: Melhorar as fraquezas

Em seguida, é importante definir a característica mais fraca e que precisa ser desenvolvida. “Se você fala muito rápido ou pausado demais, procure melhorar a sua forma de falar, e se você se repete demais, tente reduzir isso”, indica. Gislene também destaca os vícios de linguagem como pontos a serem melhorados, como a repetição de “né” ou “tá” durante a fala.

 

Passo 3: Melhorar a autoconfiança

Segundo a coach, existem diversas ferramentas que melhoram a segurança e autoconfiança. “É importante que você esteja confiante e seguro na hora de falar em público, por isso dê atenção a isso”, explica. “Uma dica para melhorar a autoestima pode ser valorizar as roupas que te fazem se sentir melhor, e estudar profundamente o tema da apresentação”, conta.

 

Passo 4: Levar a melhor versão

Para fazer uma boa apresentação, é importante ser autêntico e espontâneo. “Você não precisa fingir ser outra pessoa: basta se apresentar na sua melhor versão, com o seu jeito, sua autenticidade e espontaneidade”, explica a coach.

 

Passo 5: Cuidar dos gestos e entonação

Por fim, Gislene explica que o último passo para falar em público com maestria é melhorar os gestos e a entonação da fala. “Quando você se sente confortável e confiante, você tem o mesmo gestual e entonação dos momentos em que está com os amigos”, conta a especialista. Segundo ela, e é isso que vai conquistar o público: ser verdadeiro diante das pessoas.

 

 

Editado por Maximilian Santos.
Crédito da foto: Divulgação.

 

 

 

291516_630350_beach_park_gerente_de_rh___cecilia_vieira___foto_dilvulgacao

Beach Park é reconhecido como uma das melhores empresas para trabalhar em 2016

17 agosto, 2016 às 20:57  |  por Maximilian Santos

Cecilia Vieira, Gerente de Recursos Humanos do Beach Park, empreendimento voltado para o entretenimento em Aquiraz, no Ceará, conta que o empreendimento foi apontado como uma das melhores empresas nacionais para trabalhar em 2016. O estudo, feito pelo Great Place to Work (GPTW), avalia o nível de confiança dos colaboradores com o ambiente de trabalho e as melhores práticas de gestão de pessoas das empresas nacionais. Entre os itens avaliados constam: a relação com chefes, as possibilidades de aprendizado e desenvolvimento profissional, a política de remuneração, o ambiente de trabalho e qualidade da comunicação interna, entre outros.

A empresa, que já havia ganho alguns prêmios GPTW, acredita que o GPTW Brasil 2016 fortalece o comprometimento na gestão de pessoas da marca. Para, é uma honra estar novamente entre as melhores do país. “Uma premiação desse nível torna nacional a visibilidade das nossas práticas e, aliada aos resultados que acumulamos enquanto negócio, ainda estimula outras empresas a seguirem na mesma linha”, observa a executiva.

Ao longo dos 30 anos de história do Beach Park, a qualidade no relacionamento com o público interno e externo sempre foi uma prioridade. Por ser um empreendimento com serviços de entretenimento, turismo e hotelaria, servir satisfatoriamente ao público se torna imprescindível e o mérito se torna ainda maior quando se alcança os resultados. A empresa estimula, ainda, o desenvolvimento ao trabalhador com treinamentos ofertados desde o primeiro dia de admissão; as oportunidades de desenvolvimento e crescimento – evidenciadas por histórias reais de vários colaboradores que traçaram sua história dentro da empresa; os projetos de reconhecimento, agradecimento e recompensa ao colaborador; as celebrações organizadas para comemorar conquistas ou momentos importante; as ações e os benefícios que envolvem saúde e bem-estar; o cuidado e apoio da empresa com questões pessoais, entre diversas outras atividades.
, avalia o nível de confiança dos colaboradores com o ambiente de trabalho e as melhores práticas de gestão de pessoas das empresas nacionais. Entre os itens avaliados constam: a relação com chefes, as possibilidades de aprendizado e desenvolvimento profissional, a política de remuneração, o ambiente de trabalho e qualidade da comunicação interna, entre outros.

A empresa, que já havia ganho alguns prêmios GPTW, acredita que o GPTW Brasil 2016 fortalece o comprometimento na gestão de pessoas da marca. Para, é uma honra estar novamente entre as melhores do país. “Uma premiação desse nível torna nacional a visibilidade das nossas práticas e, aliada aos resultados que acumulamos enquanto negócio, ainda estimula outras empresas a seguirem na mesma linha”, observa a executiva.

Ao longo dos 30 anos de história do Beach Park, a qualidade no relacionamento com o público interno e externo sempre foi uma prioridade. Por ser um empreendimento com serviços de entretenimento, turismo e hotelaria, servir satisfatoriamente ao público se torna imprescindível e o mérito se torna ainda maior quando se alcança os resultados. A empresa estimula, ainda, o desenvolvimento ao trabalhador com treinamentos ofertados desde o primeiro dia de admissão; as oportunidades de desenvolvimento e crescimento – evidenciadas por histórias reais de vários colaboradores que traçaram sua história dentro da empresa; os projetos de reconhecimento, agradecimento e recompensa ao colaborador; as celebrações organizadas para comemorar conquistas ou momentos importante; as ações e os benefícios que envolvem saúde e bem-estar; o cuidado e apoio da empresa com questões pessoais, entre diversas outras atividades.

crédito: divulgação

Editado por Rafaela Salomon