Assembleia aprova reajustes diferentes para Legislativo e outros poderes

7 julho, 2015 às 17:58  |  por Ivan Santos

assembleia

Os deputados estaduais aprovaram hoje, em primeiro turno, reajustes salariais diferentes para os servidores do Legislativo, Judiciário, Tribunal de Contas e Ministério Público do Estado. Para os funcionários da própria Assembleia, foi aprovado por 41 votos favoráveis e sete contrários o aumento será de 3,45% a ser pago em outubro – como aprovado no mês passado para os servidores do quadro geral do governo do Estado. Já para os servidores dos demais poderes foi aprovado, por unanimidade, o reajuste de 8,17%, a ser pago no mês que vem, com valor retroativo a 1º de maio deste ano.

Prevaleceu a vontade do governo e do presidente da Assembleia, deputado Ademar Traiano (PSDB), de seguir o mesmo índice dos servidores do Executivo – apesar do Legislativo, assim como o Tribunal de Justiça, MP, TCE – ter autonomia financeira e orçamento próprio – e recursos para garantir a reposição da inflação de seus funcionários.

“Não posso interferir em propostas encaminhadas pelo TJ, que é um poder independente”, disse Traiano, que alegou ter conversado com a cúpula do MP e do Tribunal de Contas, mas que ambos os órgãos decidiram pela reposição imediata da inflação para seus servidores. “Em relação à Assembleia, seria um contrasenso nós agirmos diferente”, argumentou o tucano, referindo-se ao reajuste definido para os professores e servidores do Executivo. “Seria profundamente incoerente a Assembleia Legislativa aprovar um reajuste diferente do que aquele estabelecido para o Executivo”, reforçou o líder da bancada do governo, deputado Luiz Cláudio Romanelli.

Assim como o governo, a Assembleia também vai pagar, além dos 3,45% em outubro deste ano, outros 8,5% em janeiro de 2016, relativo à inflação estimada para 2015. E a inflação de 2016, em janeiro de 2017, acrescido de 1%.

Traiano desconversa sobre saída de Alvaro Dias do PSDB

7 julho, 2015 às 16:08  |  por Ivan Santos

Traiano

Presidente do PSDB do Paraná, o deputado estadual e presidente da Assembleia Legislativa, Ademar Traiano, desconversou hoje sobre a possibilidade do senador Alvaro Dias deixar o partido. Traiano se limitou a comentar que Alvaro “é uma grande liderança”, e opinou que o senador tenha “um projeto nacional”, por isso as conversas com outros partidos.

Segundo as informações de bastidores, Alvaro teria intenção de disputar a presidência da República em 2018, e poderia deixar o “ninho tucano” em busca de outra legenda para suas pretensões, já que no PSDB, a vaga já é disputada pelo senador Aécio Neves (MG), além do governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, e o senador José Serra (SP). Entre os partidos que ele estaria conversando estariam o PSB e o PDT.

Em defesa de Dilma, Gleisi bate boca com tucano no Senado

7 julho, 2015 às 07:10  |  por Ivan Santos

Gleisi

A senadora Gleisi Hoffmann (PT) bateu boca com o tucano Aloysio Nunes (SP) na sessão de ontem do Senado. Gleisi acusou o PSDB de “criar um clima” para desestabilizar o governo Dilma Rousseff e assumir uma postura “golpista”.

Nunes rebateu. “Eu sou um senador da oposição. Você chamou a oposição de golpista. Estou contestando”. “Não lhe chamei de golpista. Vossa excelência vestiu a carapuça”, respondeu a petista.

Gleisi criticou o discurso do senador Aécio Neves (MG) na convenção nacional do PSDB no último domingo, quando o tucano disse que o PSDB terá “coragem para fazer o que tem que ser feito” e que deve se preparar para “ser governo” em pouco tempo.
“Quer se criar um clima de que tudo está ruim, de que a presidenta não tem mais credibilidade. (…) Não estou dizendo que o país está uma beleza. Eu subo a essa tribuna para dizer que esse país não é a feiura que vossas excelências pintam”, criticou a paranaense.

“Não desejo o fim do governo da presidente. Quero ganhar deles no voto, em 2018. Mas se acontecer algo antes, no sentido de interromper o mandato, estaremos em condição de fazer uma transição tranquila e assumir as rédeas”, argumentou Aloysio Nunes.

Alvaro Dias pode trocar o PSDB pelo PSB

7 julho, 2015 às 07:05  |  por Ivan Santos

CAE - Comissão de Assuntos Econômicos

O senador Alvaro Dias pode deixar o PSDB para se filiar ao PSB em busca de legenda para disputar o governo do Estado em 2018 ou até à Presidência da República. Alvaro se reuniu recentemente com dirigentes da sigla socialista, que teriam garantido a ele espaço para suas pretensões eleitorais. No “ninho tucano”, o senador avalia que teria dificuldades, já que o partido é controlado no Estado pelo governador Beto Richa, com quem ele não tem boas relações, e no plano nacional, não haveria espaço para uma candidatura à sucessão presidencial já que a vaga estaria praticamente garantida para o senador Aécio Neves (PSDB/MG). A notícia de que Alvaro tirou uma licença de uma semana do Senado, alegando problemas particulares, aumentou as especulações de que ele estaria prestes a trocar de sigla.

Na semana passada, levantamento divulgado pela Paraná Pesquisas reforçou o cacife de Alvaro para as eleições estaduais. Segundo o instituto, se a disputa pelo Palácio Iguaçu fosse hoje, ele teria 26,6% das intenções de voto, empatado tecnicamente com o senador Roberto Requião (PMDB), que apareceu com 30,2%. Com o detalhe de que Requião disputou a eleição do ano passado, e teria o “recall” da última disputa. Além disso, o peemedebista estaria no “teto”, já que sofre forte rejeição de parte significativa do eleitorado.

CCJ aprova reajuste de 3,45% para servidores da Assembleia

6 julho, 2015 às 17:32  |  por Ivan Santos

640_o_imagem4668 Foto: Pedro de Oliveira/Alep

A Comissão de Constituição e Justiça da Assembleia Legislativa aprovou hoje, parecer favorável ao reajuste de 3,45% para os servidores da Casa, a ser pago em outubro, seguindo mesmo índice aprovado pelos deputados para os funcionários do Executivo. Votaram contra a proposta os deputados Péricles de Mello (PT), Gilson de Souza (PSC) e Pastor Edson Praczyk (PRB), que defendiam o mesmo índice de 8,17% aplicado para os servidores do Tribunal de Justiça, Tribunal de Contas, Ministério Público e Defensoria Pública – e representa a inflação do período. No caso desses órgãos, o reajuste também será pago imediatamente, com valor retroativo a 1º de maio.

Com a aprovação, o projeto deve ser votado amanhã, em primeiro turno em plenário.

O erro de Ratinho Jr

6 julho, 2015 às 16:37  |  por Josianne Ritz

Apesar de liderar a corrida pela Prefeitura em 2016, o secretário de Desenvolvimento Urbano do Governo Beto Richa, Ratinho Jr é considerado por analistas o grande perdedor da nova rodada do Paraná Pesquisas publicada hoje na Gazeta do Povo.

Em pouco menos de seis meses, Ratinho viu suas intenções de voto derreterem na capital. Em janeiro tinha 38% das intenções de voto. Hoje, tem apenas 25,9%. Os especialistas acreditam que ele estaria melhor posicionado se tivesse permanecido na Assembleia Legislativa para cumprir o seu mandato de deputado estadual.

 

Ratinho Jr cai, mas mantém liderança na disputa pela prefeitura de Curitiba

6 julho, 2015 às 13:11  |  por Ivan Santos

ratinho jr

Levantamento da Paraná Pesquisas divulgado hoje pela Gazeta do Povo aponta que o deputado estadual e secretário de Estado do Desenvolvimento Urbano, Ratinho Júnior (PSC), lidera as intenções de voto para a prefeitura de Curitiba, com 25,9%, seguido do prefeito Gustavo Fruet (PDT), com 15,1% e do deputado estadual Maurício Requião Filho (PMDB), com 12,7%. Ratinho Jr tinha 38% em dezembro de 2014, e 26,4%. Fruet tinha 17% em dezembro e 12,7% em março.

O ex-prefeito Luciano Ducci (PSB) apoarece com 8,4%, seguido dos deputados federais Rubens Bueno (PPS), com 6,5%, e Fernando Francischini (SD) com 5,4%. Os deputados estaduais Ney Leprevost (PSD), e Tadeu Veneri (PT), têm 5,9% e 4,2%, respectivamente.

Justiça rejeita recurso de Requião contra Pessuti

6 julho, 2015 às 07:07  |  por Ivan Santos

A 11ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça rejeitou recurso do grupo do senador Roberto Requião que tentava derrubar liminar que suspendeu o processo de expulsão do ex-governador Orlando Pessuti na Comissão de Ética e Disciplina do PMDB. Pessuti é acusado de infidelidade partidária por ter aparecido no programa eleitoral do governador Beto Richa (PSDB) campanha de 2014 pedindo que os eleitores não votassem em Requião, candidato peemedebista ao governo. “Não podemos permitir que troquem integrantes da executiva, da comissão de ética e próprio diretório, eleitos em convenção e de forma democrática, descumprindo e ferindo o estatuto do PMDB. Isso está acontecendo e não pode acontecer”, disse Pessuti.

O ex-governador disse ainda que todas as decisões tomadas à revelia e sem respaldo são contestadas na Justiça. “Felizmente a Justiça está nos dando ganho de causa contra as arbitrariedade praticadas pelo grupo de Requião. Vamos vencer todas, a justiça está ao nosso lado, e retomar a normalidade democrática do partido que não existe com Requião”, previu. Em março, a juíza Bruna Cavalcanti de Albuquerque Zandomeneco concedeu liminar suspendendo a reunião da Comissão de Ética do PMDB e o processo que julgaria o afastamento ou expulsão de Pessuti. A juíza acatou petição formulada pela defesa de Pessuti que coloca em suspeição a relatora do processo, a vereadora Márcia Ferreira, de São José dos Pinhais, que convocou a reunião e o advogado Luiz Fernando Delazari, também membro da comissão.

Reeleito presidente do PSDB, Aécio diz que Dilma “não governa mais”

5 julho, 2015 às 15:04  |  por Ivan Santos

aecio

O senador Aécio Neves foi reconduzido à presidência nacional do PSDB hoje, em convenção, realizada em Brasília no hotel Royal Tulip. O tucano recebeu 99,34% dos votos para cumprir mais um mandato de dois anos. A crise no governo Dilma Rousseff e a possibilidade da petista não terminar seu mandato por conta da perda de controle da base aliada no Congresso e das denúncias de envolvimento de seu partido no escândalo de desvio de recursos da Petrobras deu o tom do discurso de Aécio e outros dirigentes do PSDB durante o evento.

“Esse grupo político que aí está, está caminhando a passos largos para a interrupção deste mandato. A verdade é que a presidente não governa mais. Ela perdeu o controle da máquina administrativa do Brasil. Terceirizou a condução do Brasil na economia e na política. O Brasil de hoje, com essas revelações diárias de corrupção, é incapaz de alimentar esperanças. Este não é o Brasil que queremos, o Brasil com o qual sonhamos”, afirmou Aécio.

O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso afirmou que o Brasil vive um cenário de “acumulação de crises” e que a saída para que o país volte a crescer está na união do povo ao redor das forças oposicionistas. “Recordo muitas situações difíceis pelas quais passou o Brasil. Momentos de muita tensão. Mas raramente vi um momento como o atual: uma acumulação de crises e paralisação do Executivo”, afirmou.

O ex-presidente acrescentou que confia no papel da oposição e pediu ainda mais “respeito à Constituição”. Fernando Henrique criticou os 13 anos do PT no governo federal. “Nunca antes neste país se roubou tanto”, disse. “Tudo o que nós fizemos foi às limpas. Atualmente, temos um Brasil que foi quebrado pelo PT. A crise que existe hoje em dia é uma crise deles, não nossa”, destacou.

Segundo o ex-presidente, o quadro demonstra a aliança do PSDB com o povo e expõe que a sigla precisa, ainda mais, “aumentar sua escuta” das demandas da sociedade.

O senador José Serra (PSDB-SP) também destacou a crise que o país atravessa. “Cabe a nós, forças políticas responsáveis , oferecer alternativas para sair dessa crise. O estrago feito no governo federal na era petista é gigantesco”, disse.

Serra enumerou questões como o desemprego, que, segundo ele, deve chegar a 9% no final de 2015, e a queda dos investimentos.
Falou ainda da deterioração dos serviços públicos, em especial na saúde. Resultado, segundo ele, da falta de definição de prioridades no setor e de desmandos. “Só vai haver crescimento se enfrentarmos o desafio da reindustrialização do nosso país”, afirmou o tucano.

Defesa de Clayton Camargo nega processo por tráfico de influência no CNJ

4 julho, 2015 às 13:27  |  por Ivan Santos

noticia_171148_img1_3-f1

A defesa do Desembargador Clayton Coutinho de Camargo, composta por Rodrigo Mudrovitsch, George Alves e Felipe Carvalho, do Mudrovitsch Advogados, Fajardo Faria e Cesar Franceschi, divulgou nota afirmando que “diferentemente do que restou consignado na notícia datada de 30.06.2015, disponibilizada no sítio eletrônico do Conselho Nacional de Justiça, bem como em outras, de diferentes meios de comunicação, o Desembargador não está respondendo a qualquer processo administrativo relativo a suposto tráfico de influência para favorecimento do Conselheiro Fábio Camargo”.

Segundo a nota, “de fato, um procedimento dessa estirpe chegou a ser instaurado perante o Conselho Nacional de Justiça. No entanto, foi sumariamente arquivado pela Corregedora Nacional de Justiça, Ministra Nancy Andrighi, na data de 20.10.2014, pois versava sobre fatos manifestamente infundados”.

Ainda segundo os advogados de Camargo, “o processo relativo ao afastamento do Desembargador de sua atividade judicante se refere, na realidade, a uma apuração sobre a evolução de seu patrimônio, sendo que, antes mesmo do término do procedimento, o próprio Ministério Público Federal rechaçou a maior parte da apuração inicialmente delineada”.