Classes produtoras pedem redução de pedágio

6 maio, 2015 às 11:28  |  por Josianne Ritz

Dirigentes das principais Federações de classes produtoras do Paraná protocolaram um documento na Casa Civil pedindo a duplicação do Anel de Integração e a redução do preço do pedágio. Assinam o documento o presidente da Federação da Agricultura do Estado do Paraná (FAEP), Ágide Meneguette; o representante da Federação das Associações Comerciais e Empresariais do Paraná (Faciap), Marcelo Andrade; o representante da Federação do Comércio (Fecomércio), Ari Bittencourt; o presidente da Federação dos Transportadores de Cargas do Paraná (Fetranspar), Sergio Malucelli; e o representante da Associação Comercial do Paraná (ACP), Gláucio Geara. Eles argumentam no documento que uma solução definitva é é fundamental e imediata por conta do custo no transporte da produção agrícola e de mercadorias, com reflexos no comércio, na indústria e serviços. Além do que, evitaria acidentes de trânsito com vítimas fatais

Projeto proíbe contratação de empresas que fazem doações de campanha

6 maio, 2015 às 10:27  |  por Josianne Ritz

Os deputados Nereu Moura (PMDB) e Requião Filho (PMDB) apresentaram um projeto de lei pedindo que empresas e consórcios formados por empresas que tenham efetivado doações eleitorais e partidárias a candidatos, comitês financeiros e partidos políticos, sejam proibidos de contratar com poderes e órgãos públicos. O projeto está tramitando na Casa. A proibição vale para pessoas jurídicas surgidas a partir de fusão, incorporação ou cisão das quais tenham efetivado doações eleitorais. As normas valem ainda para subsidiárias, controladoras e integrantes de um mesmo conglomerado das pessoas jurídicas doadoras. A intenção seria contribuir para o combate à corrupção eleitoral, com redução da possibilidade de confusão de interesses entre o público e o privado.

Traiano sem arrependimentos

6 maio, 2015 às 09:09  |  por Josianne Ritz

Ontem, por causa da manifestação de servidores, funcionários da Assembleia e imprensa tiveram que entrar pela porta dos fundos da Assembleia, já que as portas foram fechadas com receio de uma possível invasão. “Este é o último ato dos professores, creio que a partir de agora poderemos voltar a viver em paz, já que não teremos mais nenhum projeto polêmico na Casa”, avaliou o deputado estadual Ademar Traiano, presidente da Assembleia.

Apesar das manifestações, o parlamentar afirmou não se arrepender de ter mandado fechar o prédio para que não houvesse manifestação, nem de ter seguido a sessão plenária apesar da ação policial do lado de fora. “Os novos parlamentares estavam muito tensos e isso cria um clima de instabilidade. Ninguém gosta de ver o que foi visto. Mas não havia outra forma de conduzir, a não ser a maneira como conduzi. Tomei as medidas judiciais para garantir que o Poder Legislativo não fosse depredado, nem nenhum deputado fosse agredido. Não me arrependo de nada!”, avaliou o presidente.

Projetos contra violência em protestos ganham urgência

6 maio, 2015 às 07:22  |  por Josianne Ritz

Os deputados estaduais votaram ontem e aprovaram por 35 votos contra 5 o regime de urgência de dois projetos de lei na Assembleia Legislativa que proíbem o uso de animais como aparato de apoio policial em manifestações de rua e o uso de balas de borracha para conter protestos públicos. Os dois serão anexados nas votações das comissões. O projeto de lei de autoria dos deputados Rasca Rodrigues (PV) e Marcio Pacheco (PPL) fala apenas do uso de animais – sejam eles cães de raça ou cavalos. Na justificativa da mensagem, o episódio do uso de cães de raça foi classificado por especialistas como “demonstração excessiva da força”. Foi dado como exemplo o caso de um cinegrafista da TV Bandeirantes que foi mordido na coxa quando tentava descer a rampa da Assembleia para fazer as imagens do confronto. “Ouvi dizer que a culpa foi dos animais. Eles não tem nada a ver com isto. Precisamos é evitar que eles sejam usados contra manifestantes como servidores públicos. Aliás, dizer que os professores não estavam armados é uma grande mentira. Eles estavam sim. Estavam armados de coragem, de indignação, de respeito”, ironizou Rasca.

O deputado estadual Tercílio Turini (PPS) apresentou um projeto ainda mais amplo. Além de proibir o uso de animais em eventos de qualquer espécie pela Polícia Militar e Civil, proíbe ainda o uso de balas de borracha. Os casos de emprego de animais ou balas de borracha seriam considerados como “transgressão disciplinar”, devendo ser instaurado procedimento disciplinar para a devida apuração. “Os ferimentos causados por balas de borracha e ataques de animais podem ser fatais e, portanto, devem ser reprimidos”, diz a justificativa do projeto. “O ferimento físico foi grave durante todo o conflito. Mas existe ainda o ferimento da alma e este não tem nem como medirmos”, complementou Turini.

Leia mais no Bem Paraná

É amanhã, no Senado

5 maio, 2015 às 22:23  |  por Josianne Ritz

A Comissão de Direitos Humanos e Legislação Participava ouve amanhã, às 9h, professores e servidores públicos do Paraná que foram vítimas da violência da Polícia Militar no último dia 29 de abril, durante manifestação contra a aprovação do projeto que reestrutura os fundos da Paraná Previdência. A audiência foi solicitada pelos senadores Paulo Paim e Gleisi Hoffmann.
Além dos servidores, foram convidados para a audiência pública o governador do Paraná, Beto Richa; o secretário de Estado de Segurança Pública, Fernando Francischini; o chefe da Casa Militar, Adilson Casitas; o presidente do Sindicato dos Trabalhadores em Educação Pública, Hermes Leão; o presidente da Federação Nacional dos Jornalistas, Celso Augusto Schröder; o presidente do Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), Marcus Vinicius Furtado Coelho; o ministro da Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República, Pepe Vargas; e o diretor executivo da Anistia Internacional, Átila Roque.

Cida Borghetti assume escritório de representação em Brasília

5 maio, 2015 às 13:16  |  por Ana Ehlert

O governador do Paraná, Beto Richa, indicou nesta segunda-feira (4) a vice-governadora, Cida Borghetti, para assumir as funções de chefe do Escritório de Representação do Paraná em Brasília. Cida, que foi deputada federal na última legislatura, esteve à frente do órgão entre 1998 e 2.000.

“O Paraná conta com a experiência e o bom trânsito em Brasília da vice-governadora para estreitar o relacionamento com o governo federal, senadores, deputados federais e com os demais poderes”, disse Richa.

Cida Borghetti também coordenará um grupo de trabalho formado por secretários e técnicos da Vice-governadoria, Casa Civil, secretaria estadual do Planejamento e Coordenação Geral, Procuradoria Geral e do próprio Escritório de Representação do Paraná em Brasília.

PRIORIDADES – A vice-governadora afirma que vai ampliar o trabalho de articulação que já vem fazendo em Brasília. Nas últimas semanas, ela teve audiências com os ministros dos Portos, Transportes, Saúde, Mulher, Cidades, Comunicação e Aviação Civil. Também participou de reuniões com a bancada paranaense no Congresso.

A vice-governadora adianta que quer estabelecer uma rotina de reuniões com a bancada a fim de discutir as demandas do Estado. “Isso será essencial para trabalharmos em sintonia. Temos bons projetos em andamento nos ministérios e órgãos federais. O desafio é fazê-los andar na velocidade que os paranaenses precisam”.

Entre as demandas do Paraná estão mais recursos e parcerias nas áreas de Educação e Saúde; a ampliação do programa de construção de casas populares; investimentos nas rodovias e aeroportos; revisão da poligonal do Porto de Paranaguá e a construção do Trem Pé-Vermelho – trem de passageiros ligando as regiões metropolitanas de Londrina e Maringá – e da ferrovia Norte-Sul.

Cida Borghetti também quer estreitar as relações dos secretários, presidentes de empresas e autarquias estaduais com ministros, secretários-executivos e com o corpo técnico do Governo Federal. “Essa aproximação deve garantir mais qualidade e agilidade aos nossos projetos”.

Após confronto, Richa muda secretário de Educação e Comando da PM

5 maio, 2015 às 12:55  |  por Ana Ehlert

O secretário da Educação do Paraná e o Comandante da Polícia Militar teriam sido afastados do cargo pelo governador Beto Richa, nesta manhã de terça-feira, 4. O novo secretário da Educação deve ser João Carlos Gomes, atual titular da Secretaria de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior.

Já o coronel César Kogut, da Polícia Militar, deve ser substituído ou pelo coronel Nerino Mariano de Brito ou pelo coronel Maurício Tortato nando Xavier Ferreira, deixa a pasta quatro meses após ter assumido o cargo.

A mudança teria ocorrido nesta manhã de terça-feira, 5. Apesar de não haver confirmação oficial da mudança, ela é dada como certa.  A mudança seria resultado do confronto entre policiais militares e professores no Centro Cívico em Curitiba, na última quarta-feira.

 

PMDB inicia caça aos peemedebistas tucanos

5 maio, 2015 às 09:07  |  por Josianne Ritz

A Comissão Executiva do PMDB do Paraná aprovou, na reunião de ontem, uma resolução que disciplina a questão da fidelidade partidária. Segundo a decisão, os filiados ao PMDB-PR não poderão ocupar cargo ou função de confiança, direta ou indiretamente, no Governo do Estado do Paraná enquanto este for comandado pelo PSDB.
O não cumprimento da resolução implicará em processo na Comissão de Ética do partido, com suspensão cautelar de todas as atividades partidárias. A decisão concede prazo de 30 dias para os filiados nesta situação deixarem seus cargos no governo ou suas funções no partido. Entre os afetados está o líder do governo na Assembleia Legislativa e fiel escudeiro do governador Beto Rich, Luiz Cláudio Romanelli (PMDB)

Dia da Infâmia

5 maio, 2015 às 07:07  |  por Josianne Ritz

O deputado Requião Filho (PMDB) criticou a ação fria do presidente da Casa em manter a sessão plenária por ouvir a assessoria militar, que dizia que o clima não era de guerra do lado de fora. “Eu se fosse o senhor, presidente, demitiria toda a sua assessoria militar como uma resposta para os professores que ficaram indignados do lado de fora com a violência sofrida”, salientou ele. Requião Filho apresentou um projeto ontem para instituir o 29 de Abril como o Dia Estadual da Infâmia para que a sociedade jamais esqueça o que ele chamou de “massacre contra os professores”.

Fagner “rejeita” prêmio da Assembleia

5 maio, 2015 às 07:05  |  por Josianne Ritz

O cantor e compositor Fagner achou melhor não comparecer à Assembleia Legislativa do Paraná ontem para receber o diploma de “Menção Honrosa”, proposto pelo deputado Ney Leprevost (PSD). De acordo com o presidente da Abrabar – Associação Brasileira de Bares e Restaurantes, Fábio Aguayo, o cantor não se sentiu a vontade para comparecer à Assembleia no momento em que os deputados discutiam a ação da Polícia Militar contra os professores, na manifestação do dia 29 de abril. Aguayou convidou Fagner para um show de comemoração de 10 anos da Abrabar. Para evitar o “climão” na Assembleia, Fagner receberia o diploma na noite de ontem em bar no Batel.