Arquivo mensais:fevereiro 2008

Duas para fechar a noite

29 fevereiro, 2008 às 21:00  |  por Marcus Vinícius

1.

A troca de ataques entre Nicanor Duarte e Requião está gerando anedotas. Tem gente dizendo que a birra pode provocar uma nova Guerra do Paraguai. Requião então subiria no cavalo Proletário e bradaria: “Os que forem brasileiros me acompanhem”. Galoparia sozinho.

2.

O presidenciável Fernando Lugo demonstrou preocupação com as críticas de Requião ao governo do Paraguai. Parece que já ouviu falar do “toque de Midas ao contrário” do governador. Sabe no que vai dar?

Arcebispo do Paraná enquadra ‘padre de passeata’

29 fevereiro, 2008 às 17:15  |  por Marcus Vinícius

DEU NA AGÊNCIA ESTADO:

ARCEBISPO DO PR VETA PARTICIPAÇÃO
DE PADRES NA POLÍTICA

Em Cascavel, cidade do oeste paranaense, o arcebispo da diocese local, dom Mauro Aparecido dos Santos, decretou a proibição de padres a terem filiação partidária e participação de religiosos em equipes de governos federal, estadual e municipal. A medida entra em vigor a partir de 1º de abril. O documento é uma determinação para todos os presbíteros e diáconos que atuam na diocese de Cascavel, que reúne 17 municípios com 30 paróquias. Dom Mauro, que assumiu a diocese local há um mês, disse que a medida não é nenhuma novidade, “uma vez que ela já vem sendo implementada pela Igreja Católica”.

A determinação estabelece, além da proibição de filiação partidária e participação na administração pública, outros itens que devem ser seguidos. Um deles estabelece que o religioso que se filiar em qualquer partido político, ou ingressar em equipe de trabalho governamental, fica suspenso de suas funções sacerdotais, sem direito pagamento de benefícios, moradia, carro, telefone, plano de saúde e contribuição previdenciária. O padre que for suspenso por este decreto e desejar retornar à sua atividade deverá participar de um retiro de trinta dias seguidos e fazer um curso sobre história da Igreja.

É ilegal, é imoral e engorda

29 fevereiro, 2008 às 16:59  |  por Marcus Vinícius

A socióloga de galinheiro pode dizer que não, mas o debate que será transmitido amanhã (sábado) entre os pré-candidatos do PT na TV Educativa é um flagrante crime eleitoral. Fazer uso de emissora pública (paga com recursos do Erário) para atender interesses que se restringem ao filiado petista que, afinal, é quem vota nas prévias, não parece lícito, não é mesmo?

Eu sei, a socióloga irá argumentar que é “isso é democracia”, que é papel da TV pública suscitar o “debate político” e mais aquele lero-lero típico de quem enche a burra em um carguinho público fácil e bem remunerado. Mas se é assim, qualquer candidato, do mais recôndito buraco do estado, deve ter direito ao mesmo espaço. Afinal, como diz aquele pessoal da “estética da favela” – a socióloga cocoricó inclusive -, é coisa de “comunidade”.

Já se viu, os petistas adoram confundir o público com o privado. Barão de Itararé repetido até a exaustão é o lema do partido: “Faço na vida pública o que fazia na privada”.

Agora ponha-se esse “debate democrático” no tempo e no espaço que lhe cabe: o ano eleitoral. E logo se vê a afronta à democracia – porque, nesse caso, os iguais são só os petistas –  que redunda, no mínimo, em propaganda eleitoral extemporânea (fora de época) e em uso do bem público para interesse privado. O resto é balela petista que você, eu, nós, já sabemos onde vai dar.

Segurança reforçada

29 fevereiro, 2008 às 16:03  |  por Marcus Vinícius

00-cadeado.jpgO superintendente da Administração dos Portos de Paranaguá e Antonina (APPA), Eduardo Requião (irmão daquele!) anda temeroso. Tanto que reforçou a segurança nos portos. Hoje o Chaveiro Santa Rita mandou a conta de R$ 763,00 por serviços prestados. Pelo jeito, o cadeado é grande! Quaquaquá.

‘Requião é corrupto’, diz Nicanor

29 fevereiro, 2008 às 15:40  |  por Marcus Vinícius

DEU NA AGÊNCIA EFE

PRESIDENTE DO PARAGUAI CHAMA REQUIÃO
DE ‘CORRUPTO DE CORPO E ALMA’

Requião “é um corrupto de corpo e alma, de muito peso. É o homem ligado ao tráfico de soja e controla os grandes círculos do contrabando na fronteira”, afirmou Duarte a um programa de TV exibido na noite da última quinta-feira pelo Canal 2.

Ele acrescentou que o presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse a ele uma vez “que estava profundamente arrependido de ter apoiado Requião no segundo turno das eleições presidenciais no Estado do Paraná”, que faz fronteira com o Paraguai.

Duarte respondeu assim às críticas feitas por Requião na última quarta em Ciudad del Este, a 330 km de Assunção, e vizinha da brasileira Foz do Iguaçu, onde o político brasileiro qualificou de “tolices” algumas afirmações do chefe de Estado contra ele.

O presidente do Paraguai afirmou que Requião financia parte da campanha presidencial de Lugo, que admitiu ter se reunido com o político brasileiro quando viajou para Curitiba para um tratamento médico.

“Nicanor deveria se preocupar com a criminalidade às margens do Rio Paraná (fronteira comum), com a miséria do povo. São absolutamente incompreensíveis as tolices que disse”, criticou o governador brasileiro a correspondentes da imprensa paraguaia no leste do país.

As declarações de Duarte se unem a um protesto formal entregue na última quinta pelo ministro das Relações Exteriores paraguaio, Rubén Ramírez, ao embaixador brasileiro em Assunção, Valter Pecly Moreira, no qual o governo do Paraguai chamou as expressões de Requião de “impertinentes e exageradas”.

Já Lugo, candidato presidencial da opositora Aliança Patriótica para a Mudança, formada pelo Partido Liberal, segunda força eleitoral do país, e vários grupos sociais e de esquerda, disse que as opiniões de Requião são as de “alguém que se solidariza com o povo paraguaio”.

O ex-bispo continua favorito para vencer as eleições presidenciais de 20 de abril, segundo pesquisa publicada na quarta-feira pelo jornal “Última Hora”, de Assunção.

Nesta pesquisa, Lugo tem o apoio de 37,9% dos entrevistados, enquanto o general reformado Lino Oviedo, do partido opositor União Nacional de Cidadãos Éticos (Unace), ocupa o segundo lugar com 29,7% das preferências.

Na terceira posição aparece a ex-ministra da Educação Blanca Ovelar – do Partido Colorado, no poder há 61 anos -, apoiada por Duarte, com 29,6%, enquanto o empresário Pedro Fadul, do também opositor Partido Pátria Querida (PPQ), tem apenas 2,4%.

Triste fumaça

29 fevereiro, 2008 às 15:23  |  por Marcus Vinícius

00-poluicao.jpg

Fábrica na Vila Hauer, próxima ao Rio Belém.

Foto: Franklin de Freitas

A Guerra do Paraguai

29 fevereiro, 2008 às 14:17  |  por Marcus Vinícius

DEU NA CBN

O senador paraguaio Bader Rachid Lichi reagiu às duras críticas feitas pelo governador Roberto Requião ao presidente daquele país, Nicanor Duarte Frutos. O jornal Ultima Hora, de Assunção, publica na edição de ontem que Bader chama Requião de “tonto” e que acusa o governador do Paraná de “dar proteção a delinqüentes”. Além disso, Bader afirmou que não compete ao governador falar sobre temas que dizem respeito ao Paraguai.

Desta forma, o senador responde às críticas feitas por Requião na última quarta-feira, durante uma visita ao consulado brasileiro na Cidade do Leste. Na edição de quinta-feira, o Diário Vanguardia, publica que o governador teria chamado o presidente paraguaio de “demente”, e que ele deveria parar de “falar besteiras”, em relação às insinuações de que Requião estaria financiando a campanha do candidato Fernando Lugo. Ainda de acordo com a publicação, Requião teria dito que Nicanor deve “entregar tranqüilamente” o governo do Paraguai a Lugo.

A segunda lua de mel de Pessuti

29 fevereiro, 2008 às 14:08  |  por Marcus Vinícius

O vice-governador Orlando Pessuti e a esposa, Regina Fischer Pessuti, que também ocupa cargo no governo (ah, o nepotismo esclarecido), participam de “missão econômica” no Japão, China e outros países da Ásia no período de 11 de abril a 7 de maio. Durante quase um mês, portanto, gozarão da conhecida hospitalidade do Oriente. Nos bastidores do Palácio das Araucárias, a viagem do vice e da segunda-dama vem sendo considerada uma lua de mel reeditada. Eles merecem.

Sanepar cometeu 37 infrações ambientais em 13 meses

29 fevereiro, 2008 às 13:32  |  por Marcus Vinícius

A Companhia de Saneamento do Paraná (Sanepar), presidida por Stênio Jacob, cometeu 37 infrações ambientais de janeiro de 2007 até esta data. As irregularidades foram notificadas pelo Instituto Ambiental do Paraná (IAP). A maioria das infrações estão relacionadas à rede de esgotos. Ontem, a Secretaria Municipal do Meio Ambiente acusou indícios de que a companhia estaria despejando esgoto in natura (ou seja, sem tratamento) nos principais rios da cidade. Uma diretoria especializada foi montada para detectar as ocorrências. Caso a denúncia seja comprovada, a prefeitura de Curitiba pode romper o contrato que mantém com a Sanepar.

Família mora em delegacia

29 fevereiro, 2008 às 13:17  |  por Marcus Vinícius

00-familia.jpg

00-familia1.jpg

00-familia2.jpg

Em Jaracatiá, distrito de Goioerê, uma família vive há três meses no prédio de uma delegacia de polícia desativada. Uma menina de 10 anos divide o quarto-cela com dois irmãos. Uma cama fica sobre o concreto e a outra, sobre um vaso sanitário

A filha de Lídia Vieira, de 37 anos, A.V. S., de 10 anos, acorda cedo todos os dias para estudar. A rotina da estudante da 5.ª série de uma escola pública de Goioerê, na Região Centro-Oeste do estado, não seria diferente da maior parte das crianças de sua idade, não fosse por alguns detalhes muito peculiares à vida da família dela.

A menina divide o “quarto” com seus dois irmãos. O mais velho, de 17 anos, improvisou um colchão fino sobre a cama de concreto. É no outro colchão mirrado, instalado numa cama sobre o vaso sanitário, que A. dorme com a irmã mais nova, de seis anos. “É ruim dormir no quarto por causa do calor e do mau cheiro”, reclama. Mas este não é o único improviso na “casa” da garota. Ela, os irmãos e a mãe, Lídia Vieira, de 37 anos, grávida de cinco meses, moram em uma delegacia desativada no distrito Jaracatiá, a quatro quilômetros do centro da cidade.

Eles ocuparam o local há três meses. A mudança foi autorizada pela administração do município, que despejou a família do terreno onde morava para construir um conjunto de casas populares. “O prefeito colocou a gente para morar aqui e como não tinha para onde ir, aceitamos mesmo sendo na delegacia”, lembra Lídia. “Eles devem ficar por mais seis meses na delegacia até as casas ficarem prontas. Depois serão transferidos para uma moradia popular”, explicou o secretário municipal de administração de Goioerê, José Vieira Neto.

DO BLOG DO RIGON

Fotos: Dirceu Portugal