Arquivos da categoria: Geral

Álvaro Dias lidera pesquisa Data Vox para o Senado com 66,7% dos votos

29 agosto, 2014 às 17:50  |  por Narley Resende

O candidato à reeleição para o Senado Álvaro Dias tem 66,7% das intenções de voto, segundo a pesquisa do Instituto Data Vox Brasil, divulgada nesta sexta-feira (29). O segundo colocado, Ricardo Gomyde (PCdoB), tem 5,2%; Marcelo Almeida (PMDB) aparece com 3,4% dos votos; Professor Piva (PSOL), 1,6%; e Luiz Bárbara tem 1,2% das intenções de voto. Evandro Castagna (PSTU) e Mauri Viana (PV) têm 1% dos votos cada e Adilson Senador da Família tem 0,7%. Brancos e nulos somam 9,4% e não sabem ou não responderam 9,8%, segundo Data Vox.

A margem de erro é de 2,5 pontos porcentuais para mais ou para menos. A pesquisa foi realizada entre os dias 22 e 27 de agosto. Foram entrevistados 1536 eleitores em 36 municípios do Estado. O nível de confiança é de 95%. O registro no Tribunal Regional Eleitoral do Paraná (TRE-PR) PR PR-00026/2014. A pesquisa foi contratada pelo próprio instituto ao custo de R$ 49.500,00.

alvaro

Requião tem maior índice de rejeição, segundo Data Vox

29 agosto, 2014 às 16:54  |  por Narley Resende

O senador Roberto Requião (PMDB) é o candidato ao governo do Paraná mais rejeitado pelos entrevistados do Instituto Data Vox no Estado, com 32,5% dos eleitores declarando que não votariam de jeito nenhum no peemedebista. O segundo com maior número de rejeições é o governador Beto Richa, candidato à reeleição, com 20,8% dos entrevistados. A senador Gleisi Hoffmann (PT) tem 19,6% de rejeição. Túlio Bandeira (PTC) tem 9%; Bernardo Pilotto (PSOL) 8%; Rodrigo Tomazzini (PSTU) 7%; Ogier Buchi (PRB) 6,7%; e Geonísio Marinho (PRTB) tem 6% de rejeição. Poderiam votar em todos representam 8,3%, e Não sabe/não respondeu, 16,2% dos entrevistados.

A margem de erro é de 2,5 pontos porcentuais para mais ou para menos. A pesquisa foi realizada entre os dias 22 e 27 de agosto. Foram entrevistados 1536 eleitores em 36 municípios do Estado. O nível de confiança é de 95%. O registro no Tribunal Regional Eleitoral do Paraná (TRE-PR) PR PR-00026/2014

rewjeição

Data Vox aponta empate entre Marina e Dilma no Paraná

29 agosto, 2014 às 16:40  |  por Narley Resende

Na pesquisa para medir intenções de voto dos eleitores do Paraná em candidatos à Presidência da República, o Instituto Data Vox Brasil aponta empate entre Marina Silva (PSB), com 28,5%, e Dilma Rousseff (PT), com 28,0%. O candidato Aécio Neves (PSDB) aparece em seguida com 23,4% das intenções de voto no Paraná.

Brancos e nulos somam 8,4% e os indecisos 7,5%. O candidato Pastor Everaldo (PSC) tem 2,0% e Eduardo Jorge 1% dos votos paranaenses. Os outros candidatos têm menos de 1%, segundo o Data Vox.

A margem de erro é de 2,5 pontos porcentuais para mais ou para menos. A pesquisa foi realizada entre os dias 22 e 27 de agosto. Foram entrevistados 1536 eleitores em 36 municípios do Estado. O nível de confiança é de 95%. O registro no Tribunal Regional Eleitoral do Paraná (TRE-PR) PR PR-00026/2014. A pesquisa foi contratada pelo próprio instituto ao custo de R$ 49.500,00.

presidenbte

Data Vox: Richa 40,7%; Requião 27,1%; e Gleisi 15,1%

29 agosto, 2014 às 16:25  |  por Narley Resende

A quarta pesquisa ampla no Paraná durante o período eleitoral foi divulgada nesta sexta-feira (29) e mostra o governador Beto Richa (PSDB), candidato à reeleição, na frente com 40,7 % das intenções de voto. A sondagem estimulada do Instituto Data Vox Brasil coloca o candidato ao governo pelo PMDB, senador Roberto Requião, com 27,1% em segundo lugar A candidata do PT, senadora Gleisi Hoffmann, aparece em seguida, com a preferência de 15,1% dos eleitores.

Brancos e nulos somam 6,4% e os indecisos 7,5%. O candidato do PTC, Tulio Bandeira, aparece com 1%. Os demais candidatos: Bernardo Pilotto (PSOL), Ogier Buchi (PRP), Geonísio Marinho (PRTB) e Rodrigo Tomazini (PSTU) tiveram menos de 1%.

Segundo turno

O candidato à reeleição Beto Richa venceria no segundo turno em qualquer cenário eventual, segundo o Data Vox. Na simulação entre Richa e Roberto Requião, o Data Vox aponta vitória do tucano, com 49,3% dos votos, contra 41,8% de Requião. Brancos e nulos somariam 3,9%, e 5,0% entrevistados não sabem/não responderam. Contra Gleisi, Richa teria 55,7%, contra 32,9% da petista (Brancos e nulos 5,4%; não sabe / não respondeu 6,0%).

Requião venceria, por 43,1% a 38,4%, se disputasse o segundo turno contra Gleisi. Brancos e nulos somam 5,9% e não sabem ou não responderam 12,6%, segundo Data Vox.

A margem de erro é de 2,5 pontos porcentuais para mais ou para menos. A pesquisa foi realizada entre os dias 22 e 27 de agosto. Foram entrevistados 1536 eleitores em 36 municípios do Estado. O nível de confiança é de 95%. O registro no Tribunal Regional Eleitoral do Paraná (TRE-PR) PR PR-00026/2014. A pesquisa foi contratada pelo próprio instituto ao custo de R$ 49.500,00.

Foram entrevistas eleitores de Apucarana, Assai, Cambé, Campo Mourão, Capanema, Cascavel, Cianorte, Cornélio Procópio, Curitiba, Faxinal, Floraí, Foz do Iguaçu, Francisco Beltrão, Goierê, Guarapuara, Ibaiti, Irati, Ivaiporã, Jacarezinho, Jaguariaíva, Londrina, Maringá, Palmas, Paranaguá, Paranavaí, Pato Branco, Pitanga, Ponta Grossa, Prudentópolis, São Mateu do Sul, Telêmaco Borba, Toledo, Umuarama, União da Vitória, Wenceslau Braz e São José dos Pinhais.

PESQUISA AAAAAAAAAA

TRE apreende mais 206 cavaletes irregulares em Curitiba

29 agosto, 2014 às 16:02  |  por Narley Resende

 

(foto: Valquir Aureliano)

(foto: Valquir Aureliano)

A segunda operação de fiscalização do Tribunal Regional Eleitoral apreendeu 206 cavaletes em situação irregular entre está quinta e sexta-feira (29). Uma equipe formada por 10 servidores, quatro policiais militares com viatura caracterizada, dois caminhões baú e três carros de apoio percorreu 21 pontos de Curitiba. A candidata ao governo do Paraná Gleisi Hoffmann (PT) teve 16 cavaletes irregulares recolhidos e é a segunda política com maior número de cavaletes irregulares. Ela é a unica postulante ao Palácio iguaçu que teve problemas com cavaletes até agora. O campeão desta última fiscalização do TRE é o candidato a deputado estadual Paulo César Frisso (Paulinho da Farmácia – PTB), com 38 cavaletes irregulares.

Na primeira operação, o TRE apreendeu 87 cavaletes.

Segundo o TRE, os cavaletes estão entre as principais reclamações dos eleitores. Um evento criado no Facebook, já tradicional, pretende fazer uma exposição de cavaletes irregulares com intervenções artísticas para protestar contra as irregularidades e a poluição visual causada pelo material de campanha espalhado pela cidade.

O trajeto percorrido, a partir do TRE, foi o seguinte: Rua João Parolin, Rua Brigadeiro Franco, Avenida Presidente Kennedy, Rua Itacolomi, Rua João Bettega até a Avenida das Indústrias, Rua José Rodrigues Pinheiro, Rua Otávio Saldanha Mazza, Rua Izaac Ferreira da Cruz, Rua Tijucas do Sul, Rua Jussara, Rua São José dos Pinhais, Rua Izaac Ferreira da Cruz, Terminal Sítio Cercado, Rua Maestro Carlos Frank retornamos pela Avenida Marechal Floriano Peixoto, Praça do Carmo, Rua Anne Frank e Rua Francisco Nunes.

Confira os nomes dos candidatos com cavaletes irregulares:

Alexandre Maranhão Khury – 5
Alisson Anthony Wandscheer – 1
Antonio Wandscheer – 1
Carlos Roberto Massa Junior – Ratinho   12
Claudia Vanessa De Souza Fontoura Pereira – 1
Cláudio Palozi  1
Chicarelli 4
Dra. Clair 1
Elton Carlos Welter – 1
Evandro Rogério Roman – 2
Fernando Destito Francischini – Delegado Franciscini – 10
Gilberto Ribeiro – 1
Gleisi Hoffmann – 16
Hussein Bakri – 1
Katya Michelly Caetano Da Silva – 9
Luciano Ducci 9
Luis Adão Marques – 1
Luis Felipe Bonatto Francischini – 6
Marcio Fernando Nunes – 1
Marcos Vieira – 1
Marilei De Souza Lima – 1
Mauro Moraes – 3
Maria Vitoria – 2
Nelsi Coguetto Maria – 3
Nelson Pandovani 1
Nelson Silva De Souza – 4
Ney Leprevost – 4
Nilson Missias Da Silva – 1
Osmar Bertoldi  1
Pastor dos Anjos – 2
Pastor Everaldo – 4
Paulo César Frisso – Paulinho da Farmácia – 38
Paulo Edson Cardoso – 1
Paulo Rink – 3
Reinhold Stephanes Junior – 24
Ricardo Crachineski – 2
Rodrigo Santos Da Rocha Loures – 1
Rubens Bueno – 1
Sabino Picolo – 2
Salete – 4
Samir Fouani – 1
Sidnei Antonio Trevizan – 1
Tadeu Veneri 4
Tico Kuzma – 4
Vanhoni – 10

TOTAL   206

O que é permitido
Cavaletes: devem ter o tamanho máximo 2 metros de largura por 2 metros de altura. Esses materiais não podem atrapalhar a passagem de pedestres ou impedir a visibilidade. O horário permitido é das 6 às 22 horas.
Pintura de muros: as propagandas em muros também devem ter o tamanho máximo 2 metros de largura por 2 metros de altura.
Placas: Esse material deve ser colocado no interior de terrenos particulares. O tamanho limite é de 2 metros de largura por 2 metros de altura.
Santinhos, folhetos e folders: Os candidatos podem distribuir esses materiais nas ruas. Não há limitação para a quantidade desses itens. O horário permitido para a distribuição de material gráfico é das 6 às 22 horas.
Jornais do candidato: Partidos, coligações e candidatos podem contratar funcionários para distribuir os jornais nas ruas, das 6 às 22 horas. É proibido encartar os jornais dos candidatos em qualquer tipo de periódico.

Cavalete Parade

29 agosto, 2014 às 07:54  |  por Josianne Ritz

Mais de 1800 pessoas confirmaram presença na versão curitibana do evento “Cavalete Parade” no Facebook, marcado para o dia 29 de setembro em todo país. Os manifestantes virtuais criticam os políticos que não respeitam o espaço público e o “poluem com seus cavaletes”. O objetivo é pegar os cavaletes em situação irregular, fazer uma intervenção qualquer – como pintura, por exemplo – e expor no encontro. Segundo os organizadores, os participantes devem pegar os cavaletes e cobrir o número. “O candidato que reinvidicar posse do cavalete estará, por sua vez, criando provas contra si mesmo”, afirma a descrição do evento. Uma “exposição” será feita no dia 29 de setembro, às 13h em um local que ainda será escolhido. Na última fiscalização do Tribunal Regional Eleitoral (TRE-PR), 87 cavaletes em situação irregular foram apreendidos. A multa ao candidato pode chegar a R$ 25 mil.

Um com aposentadoria especial, outra com acordo na Itaipu

29 agosto, 2014 às 03:12  |  por Josianne Ritz

A candidata do PT, Gleisi Hoffmann, questionou o senador Requião sobre o motivo de ele aceitar o acúmulo de salário de senador e aposentadoria especial de governador. Como senador, ele ganha R$ 26.700 e a aposentadoria lhe rende cerca de R$ 30 mil. Requião disse que agora precisa do salário “extra” para pagar ações de danos morais , mas não deixou por menos e questionou Gleisi sobre um suposto acordo salarial que ela fez quando saiu da diretoria da Itaipu Binacional.
“ Eu recusei por 16 anos a aposentadoria de ex-governador. Mas nos últimos tempos recebi muitas condenações por danos morais de bandidos que tenho denunciado que preciso do dinheiro. Aceitar essa aposentadoria é uma legítima defesa para minha família. Se não, teria que vender minha casa”, afirmou o senador. Sua declaração de bens na Justiça Eleitoral consta que ele possui quase R$ 1,2 milhão em bens.

Leia mais Bem Paraná

Um Requião cansado e sem noção do tempo

29 agosto, 2014 às 02:15  |  por Josianne Ritz

O governador Roberto Requião (PMDB) abriu o debate sem conseguir formular a questão sobre a crise financeira por descumprir o tempo previsto (1 minuto) no debate da Band, nesta quinta-feira (28). O mesmo aconteceu em outras três vezes, em uma resposta, uma réplica e outra pergunta. A falta de noção de tempo do senador chamou a atenção, porque ele é conhecido por ser um hábil debatedor político. Ele também pareceu cansado e mesmo nos ataques “perdeu” para a candidata do PT, Gleisi Hoffmann. “Cansado não tive excelente desempenho no debate da Band, mas provei que Richa esta quebrando o estado”, postou Requião, no Twitter

Todo mundo atacou todo mundo no debate

29 agosto, 2014 às 02:12  |  por Josianne Ritz

O primeiro debate entre os candidatos ao governo do Paraná, ontem, realizado pela Rede Bandeirantes, foi marcado por muitos ataques, várias trocas de acusações e poucas propostas. Ao contrário do que se esperava, o governador Beto Richa (PSDB), líder nas pesquisas, não foi o principal alvo. Sobraram farpas para todos. O senador Roberto Requião (PMDB), a senadora Gleisi Hoffmann (PT) e até mesmo Túlio Bandeira (PTC) foram alvos de muitas críticas. Entre as questões debatidas estavam o pedágio, a situação financeira do Estado e a dificuldade de o governo federal liberar empréstimos ao Estado, mas as críticas pessoais predominaram.

Os assuntos mais polêmicos foram abordados logo no início do debate. Requião abriu o debate com pergunta ao governador Beto Richa (PSDB), a quem chamou durante todo o programa de “Carlos Alberto”. Ele questionou a situação financeira do Estado, citando a falta de verba para segurança e outros problemas. Depois de garantir que as contas do governo estão em dia e que encontrou o Estado cheio de dívidas, Richa ironizou: ”Toma jeito, Requião! De cabelos brancos e ainda mentindo. Pagamos dívidas de outros governos. O Paraná é dois que mais reduziram. Recebemos dívida do governo dele. Requião tenta dissimular e confundir a opinião pública”, disse Beto.
Em seguida, Richa questionou a candidata do PT sobre o bloqueio do governo federal aos empréstimos do Estado. Três dos empréstimos que chegaram a ser bloqueados pelo governo federal são com o Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), num valor total de US$ 145,7 milhões (cerca de R$ 325 milhões); e um terceiro financiamento é com o Credit Suisse, de US$ 557 milhões (R$ 1,2 bilhão). Na resposta, Gleisi atacou a gestão tucana e disse que o dinheiro não poderia ser liberado porque o governo está devendo e não cumpriu o mínimo de investimentos em saúde exigido por lei. “Quem está com a ficha suja não pode emprestar dinheiro. E com os governos funciona do mesmo jeito”, disse Gleisi. Na réplica, Beto insistiu que o governo do Paraná é perseguido pelo governo de Dilma Roussef, por ser governado por um tucano e que a prova disso é que o Supremo Tribunal Federal acabou liberando o dinheiro.

Leia mais no Bem Paraná

Bernardo Pilotto não consegue direito de ser entrevistado

28 agosto, 2014 às 18:51  |  por Narley Resende
Foto: reprodução/fFcebook

Foto: reprodução/fFcebook

O candidato ao governo pelo Psol, Bernardo Pilotto, não conseguiu o direito de ser entrevistado pela RPC TV em igualdade de condições com os adversários. O Tribunal Regional Eleitoral indeferiu nesta semana o pedido do candidato socialista. O juiz entendia que não se aplicavam as mesmas regras aos candidatos. O tribunal, por sua vez, entendeu que a legislação não é a mesma do debate eleitoral em rádio e TV e a emissora não é obrigada a dar igualdade de direitos em entrevistas. Pilotto ainda pode entrar com recurso.